História Apenas Uma Garota - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Amor, Bullying, Comedia, Dor, Fase Da Vida, Ficção, Frieza, Interesse, Mudanças, Perseguição, Reencontro, Revelaçoes, Sofrimento, Vicio
Visualizações 41
Palavras 1.698
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Famí­lia, Ficção, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Pastor 😋😂😂❤ (na ft)

Capítulo 15 - Capítulo 13


Fanfic / Fanfiction Apenas Uma Garota - Capítulo 15 - Capítulo 13

Me sento bem devagar, logo sinto um alívio em minhas pernas, reparei que ainda estava com o café, e o tomei tranquilamente. Jogo meus cabelos para trás e me conforto no banco, saboreando aquele café maravilhoso.

Logo sinto meu cabelo ser puxado.

Realmente detesto Emília, com o seu sorriso irônico e seu olhar inocente, que não tem nada de inocente, o que me faz sentir um ódio profundo dela.

- Olá Emo-gótica do caraleo! - Ela diz ironizando e se colocando à minha frente, em pé. O que me faz sentir mais ódio dela.

- Me deixa Emília. - Digo me levantando e, a encarando mostrando ser mais irônica.

- Me respeita garota! - Ela grita agarrando meu braço.

- Olha eu não tô afim! Então me larga sua rapariga! - Falo autoritária tirando aquelas mãos, imundas dela do meu braço. - Eu não te dei autorização de tocar suas mãos imundas no meu braço.

Conclui me virando de costas e me retirando.

Ela me empurra e eu caio de uma vez, de joelhos no chão.

Ela puxa meu cabelo, a maneira que ela segurava, parecia de uma mãe que ia fazer um rabo de cavalo, no cabelo da filha, segurando firme e forte. E eu ainda estava de joelhos, no chão.

- Quem você, pensa que é para falar assim comigo? - Ela diz devagar e claro, puxando meu cabelo.

- Me solta Emília! - Grito, tentando tirar as mãos dela do meu cabelo.

- Elisabeth, vê se tem algo na sua bolsa para eu dar um jeito nela! - Emília grita, reparo que Elisabeth e Mahesa estavam acompanhando ela.

Emília era loira com o cabelo caído até o meio das costas, ele era ondulado, olhos azuis e magra, mais alta que eu. Seu corpo era mais belo e curvado do que é uma modelo.

Suas vestes era uma calça jeans de cintura alta, e uma blusa rosa de manga curta, uma jaqueta de couro, e um sapatênis amarelo.

Elisabeth era parda, com os cabelos ondulados, caídos até um pouco acima do, meio das costas e olhos castanhos, era do tamanho de Emília, aparentemente 1.70 de altura, e o corpo era o mesmo, só que Emília tinha um pouco mais de bunda. Suas vestes era um short branco rasgado cintura alta, um croped preto, com a frase "i'm sexy👅" e uma jaqueta cinza de couro, e um All Star amarelo, ela também usava uma bolsa preta de couro.

Mahesa era uma morena quase negra, seus olhos eram verdes, seus cabelos tinhas cachos definidos e brilhantes bem pretos, no qual, eles eram caídos até o meio das costas, seu corpo era bem magro, no perfil de uma modelo, ela era um pouco mais baixa que as outras, acho que 1.67 de altura. Suas vestes, era uma calça preta, acho que era aquelas cintura alta, não sei pra ver direito por conta de sua blusa de frio sem zíper, cinza e as mangas pretas, na frente tinha a imagem do Mikey mostrando o dedo do meio, e por fim, ela usava um All Star cano alto vermelho.

Mahesa e Elisabeth, riram ironicamente, Elisab (é assim que eu a chamo só para provocar) tira uma tesoura de sua bolsa.

- Oh Lia, eu ainda não tirei a tesoura daqui... desde mês passado.- Diz Elisab toda irônica, para Emília.

- Oh, mas isso é perfeito Beth! Me dê aqui a tesoura. - Diz Emília mais irônica ainda.

Emília estende a mão, e ela recebe a tesoura.

- O que você vai fazer Emília? - Pergunta Mahesa inocentemente.

- Não me pergunte Mah! Apenas veja. - Reponde Emília. - Você quer seu cabelo longo ou curto ELEONORA? Acho que vou deixar ele bem curto...

- Não Emília! - Fico me esperneando de agonia e angústia.

- Oh, suas pontas estão maravilhosamente quebradas. Deixe-me arrumar para você. - Emília diz cortando meu cabelo nas pontas, mas eu sei que ela estava sacaneando comigo, e cagando meu cabelo todo.

- No, no! Melhor se eu cortar até acima do meio das costas... igual o meu... - Ela diz cortando mais.

Começo a me espernear desesperada, gritando.

- Socorro! - Grito enquanto, Elisab me segura.

- EI VOCÊS AÍ! - Grita o guarda do parque.

Ele estava longe, Emília repartiu meu cabelo em dois, e cortou muito de um lado, e esfregou em meu rosto.

Ela me larga, me empurrando de uma vez, o que fez eu bater a testa em uma pedrinha.

Só sei que minha testa começou a sangrar, e Emília saiu correndo com Elisab, antes de Mahesa correr, ela me olha com piedade, e sai.

Levo minha mão á testa, e começo a chorar calmamente.

O guarda encosta em mim.

- Você está bem? - Ele pergunta me ajudando a levantar. - Ohh... - Ele coloca a mão na boca, assutado com algo.

Ele era alto, forte, meio gordinho, e branco.

- Vamos, eu vou levá-la no salão de minha esposa, pra ver se ela arruma seu cabelo. E limpar esse sangue da sua testa.

Faço que sim com a cabeça segurando o choro. Conferir se o dinheiro, meu celular e as chaves estavam no bolso. Puxei o capuz da blusa de frio fazendo com que escondesse meu cabelo. E fomos.

Antes ele assobia e outro guarda toma de conta do parque.

      • • •

- Oh! Meu Deus! O que fizeram com seu cabelo menina? - Pergunta a mulher dele. Ela era gordinha, branca, cabelos pretos e bem curtos, olhos verdes amarelados, e tinha um corpão...

- Ah querida porque fizeram isso? - Pergunta uma mulher.

Eu abaixo a cabeça e não respondi.

- Vem cá vamos arrumar ele. Prometo deixar ele, um repicado maravilhoso. - Ela diz, me puxando para o lavatório.

Ela lavou meu cabelo.

- Pelo o menos não cortaram tão curto.

E começou a cortar, apenas ouvi, o "choq choq" da tesoura, foi agonizante, fazia dois anos que eu não cortava o cabelo.

De vez, em quando, eu cortava as pontinhas escondida da minha mãe, mas agora, era pra valer, e eu sabia, que ao invés de eu receber um estrago no cabelo, ia ser em meu rosto.

- Porquê você parece estar com medo? - Ela pergunta.

- Por que minha mãe vai bater em mim...

- Mas porque?

- Por que ela me proibiu de cortar o cabelo... - Digo colocando as mãos no rosto, tentando prevenir lágrimas de angústia...

- Oh, minha querida. Ele não está tão curto, ele está, no meio das costas.

- Mas ela vai, reparar, porquê, ele era caído até depois de cintura...

- Ah... você explica pra ela...

- Ok...

  • • •

- Pronto, esta bem repicado, e lindo.

Me levanto me olhando no espelho, ele parecia ter 4 camadas repicadas, achei lindo. Meu cabelo parecia mais cheio, e volumoso.

- Obrigado. - Digo meio pra baixo.

- Está lindo seu cabelo. E não se preocupe porque é de graça minha querida.

Abri um sorriso tímido.

- Você mora aonde? - Outra mulher pergunta.

- Entre as mansões. No Vitória.

- Ah... é um pouco longe... você vai pegar ônibus? - A cabeleireira pergunta.

- Sim. . .

- Ok querida.

- Com licença. - Digo me retirando.

- Vai com Deus querida. - A cabeleireira diz.

Andei por meia hora, totalmente abismada ... meu mundo tinha caído.
Emília não sabe o ódio que estou sentindo... era doloroso... Eu sei que era só cabelo, mas era a única coisa de bonito que eu achava em mim...

Emília prática bullying comigo desde quando ela voltou pra Villa Rica.
Na verdade, ela praticava bullying comigo desde a terceira série, até o 6° ano, no final no 6° ela saiu da escola para se mudar de cidade, mas não adiantou, comecei a sofrer bullying por tudo, e todos. . .

Mas a situação piorou quando Emília voltou... sofro bullying por tudo e todos... e pela Emília...

"Talvez se você se jogasse na frente de um carro agora, poderia te aliviar, te matar, e se você morrer, poderá descansar..." vem esse pensamento.

- Talvez... - Digo pra mim mesma, me colocando á beira da pista. O meio fui era a focos entre a pista e eu.

Fecho meus olhos, "será que isso vale a pena?", "será que você vai descansar?" "Ou irá queimar no inferno?"

- Prefiro queimar no inferno, do que viver essa vida... - Lamento para mim mesma.

Um carro está vindo em alta velocidade...

Um... 

O carro se aproximava...

Dois...

Eu sabia que aquilo era muito radical! Eu estava sendo suicida... 

Três...

Uma lágrima escorre do meu olho, e me coloco no meio da pista, com as mãos em volta do meu corpo, era como um último abraço....

  ________________...________________

  Logan***

Acordo, já são 10:08am, já pensando no que ia fazer hoje.

Dá uma volta?

É... conhecer um pouco mais da cidade seria, incrivelmente... não sei concluir.

Me levanto e vou tomar meu banho.

Reparo, que o dia estava nublado, e frio... ainda de toalha, separo a roupa, hoje eu ia usar um sapatênis cinza, uma calça preta e uma camisa azul. E uma blusa de frio, sem zíper, no qual era preta e tinha a imagem  de várias correntes embaralhadas na frente.

Desci para a cozinha. 

Dei bom dia para todos, comi meu pedaço de pizza. Todos estavam comendo pizza, menos Anna, que estava saboreando cereal com leite em uma vasilha, e olha, ela estava com olheiras enormes.

Ao terminar, pego minhas chaves e vou sair.

- Pra onde você vai filho? - Pergunta minha mãe.

- Conhecer mais a cidade. - Percebi que ela estava preocupada. - Não se preocupa, é só conhecer a cidade mesmo.

Sua fisionomia passou de preocupada para relaxada.

Decidir não levar celular, apenas minhas chaves. Dei um beijo na testa de minhas irmãs e minha mãe, e um aperto de mão em meu pai.

Fui tranquilamente de bicicleta, passei pelo Centro da cidade, onde havia vários comércios.

Logo, eu, passeando de bicicleta pelo Centro, entrando e saindo dentre as quadras, de várias maneiras e caminhos.

Na curva da via, perto da pizzaria, vi um rosto pálido com uma blusa de frio preta, e uma saia um pouco acima do joelho, e um All Star cano alto até o joelho preto.

Era o lindo rosto de Eleonora, em parecia mais pálido, ela estava tremendo, parecia sem rumo, reparo que, ela estava na beira da via, e de longe vinha um carro em alta velocidade.

Sua blusa de frio estava escrita "I'm KILL..."...

Meu coração disparou, enquanto ela se abraçava... 

"Não deixe ela fazer isso!", algo me diz claramente.


Notas Finais


Kkkkkkkkkkkkkkkkkjkkkkkk esperem 5 mnts ❤❤❤
(#Revisado)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...