História Apenas Uma Noite. - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shizune, Tsunade Senju, Yamato
Tags Kakasaku, Shortfic, Universo Naruto
Visualizações 38
Palavras 2.967
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, gente. Atualizei o capítulo anterior, mas nada realmente importante. Só estava escrevendo esse capítulo e achei que o trecho se encaixaria mais no outro que nesse. Desculpem, esse é meu primeiro projeto então ainda sou um pouco desorganizada.

Espero que gostem!

Capítulo 3 - Interação;


Fanfic / Fanfiction Apenas Uma Noite. - Capítulo 3 - Interação;

Assim que fecho a porta atrás de mim, deixo meu olhar cair sobre ela. Ela está de costas para mim, tensa, percebo que está esperando meu próximo passo e sorrio malicioso por isso - "ah, hana" - penso - "eu tenho tantas coisas em mente".

A abraço por trás, passeando com minhas mãos pelos seus braços, até o topo de suas coxas, um toque leve, que a deixa arrepiada.

- Quer beber algo? Conversar um pouco antes? Me contar suas vontades? É muito além de simplesmente foder...

- Ah. - suspira entregue. - Eu... eu não sei. Você pode me beijar? - diz num sussuro.

- Te beijar? - dou uma risada cafajeste. - Hm, se não fosse por seu olhar, diria que só quer me ver sem a máscara. - provoco brincalhão.

- N-não é isso, eu, só... quero sentir seu gosto. - diz alternando seu olhar de meus olhos para minha boca ainda coberta.

- Hm. - passo meus dedos pela barra de minha máscara e ela me encara em expectativa.

Ainda um pouco curvado em sua direção, começo a puxar o tecido para baixo, ela se vira de frente para mim e mantenho seu olhar preso ao meu. Quando retiro totalmente, ela passeia com os olhos pelo meu rosto. Espero um tanto quanto ansioso sua perícia acabar, e quando ela aproxima seu rosto lentamente, me fazendo sentir sua respiração no meu pescoço, fecho os olhos e a deixo fazer o que bem entender.

- Bem melhor que em minhas fantasias, sensei. - diz mordendo meu queixo de leve.

- Tô curioso sobre essas coisas que você pensa sobre mim.

- Talvez um dia eu te conte... - diz num sussuro puxando minha cabeça em sua direção. Seguro firme em sua cintura passando meus lábios levemente nos seus, só um roçar, com os nossos olhos conectados e quase fechados. Brinco com a ponta da minha língua sobre sua boca, ameaçado beijar mais a fundo, mas só sentindo o gosto dos lábios dela por enquanto. "Quero ela desesperada pelo meu toque, porque eu já tô quase perdendo a porra do controle".

- Sabe, Sakura. - digo pegando o cabelo dela pela nuca e puxando suavemente para trás - Eu sou tarado pelo seu pescoço. - desço com minha boca de seu queixo até sua clavícula - A sua pele, aqui, tão macia e cheirosa... - inspiro seu cheiro, observando ela se arrepiar mais ainda - Posso te marcar? - mordo seu pescoço com cuidado - Prometo que a dor vai ser gostosa.

- Nossa, sim... - murmura se oferecendo mais pra mim.

- Que tal a gente tirar esse vestido? Hm? - falo baixinho, levando minhas mãos até as alças finas de seu vestido, o vestido que fodeu com a minha imaginação a noite toda - Fiquei louco tentando descobrir como você estava por baixo dessa roupa. - arrasto as alças pelos seus ombros, tocando sua pele no processo - Se estava com algo por baixo. - deixo as alças caírem pelos seus braços com minhas mãos acompanhando - Se estava nua. Eu prometi pra mim mesmo que ia bater na sua bunda gostosa se estivesse. - tiro meu olhar de seu rosto e olho para seus seios, agora descobertos - Caralho... me diz que tá usando uma calcinha. - falo enquanto dou um passo para trás e deixo o vestido cair em volta de seus pés.

Nada. Ela não estava usando nada por baixo do vestido esse tempo todo. Dançou daquele jeito, para mim, complementamente nua por baixo daquele pedaço de pano. Olhando para ela agora, só com esses saltos, de pé em minha frente, as bochechas coradas e os olhos febris semi cerrados, os cabelos bagunçados por causa das minhas mãos. Respirando rápido, fazendo seus seios subirem e descerem de uma forma gostosa e tudo isso por minha culpa. Respiro fundo e massageio meu pau por cima da calça. "Porra, eu vou foder ela tanto."

- Ah, minha linda. - me rendo a puxando para mim e a beijando. Porra, melhor do que imaginei. Sua boquinha morninha e molhada me acompanha afoita. Tão macia, vai ser uma delícia foder ela. Beijo ela gostoso. Deixo minha língua explorar cada canto da boca dela e, por fim, mordo com calma seu lábio inferior, chupando devagar e abrindo meus olhos, só para a encontrar perdida no beijo, com os olhos fechados e esfregando os peitinhos gostosos no meu peitoral ainda coberto.

- Vem cá, amor. - digo a guiando para o sofá que estava atrás dela. Me sento enquanto ela permanece de pé a minha frente. - Quero você de bunda pra cima no meu colo. - falo batendo nas minhas coxas - Vou deixar ela vermelhinha, hm?!

E ela veio. Sem hesitar. Sem protestar. Porra, eu tô fazendo muito pouco dela, esperava qualquer reclamação, mas ela veio ansiosa, doida pra levar uns tapas. "Caralho, Kakashi, você que tá fodido aqui." Concordo, voz filha da puta, concordo. Ela se ajeita no meu colo e me olha com aqueles olhinhos miúdos, por cima do ombro. Passo minhas mãos da sua nuca até atrás de seus joelhos, e então, dou uma atenção maior a sua bunda gostosa, toda arrebitadinha.

- Não vai doer, linda. - digo alisando ela, devagar e ela se remexe ansiosa. - Vai ser gostoso, prometo, eu nunca te machucaria. - encho minha mão com aquela bunda gostosa, apertando forte - Se quiser parar, é só dizer. - e dou o primeiro tapa, no lado direito.

Caralho. Fecho os olhos apreciando o calor na minha mão e o gritinho que ela deu. Um gritinho safado. Abro meus olhos e olho pra baixo, a pele dela ficando vermelhinha, dou mais um tapa. Porra, sim. Dou outro e ela geme. Mais um e eu puxo o ar pelos dentes. Dou outro e outro e ela geme igual uma vadia. Minha vadia. Parei de prestar atenção em tudo, eu só sabia que eu tava louco olhando praquela bunda, que ainda vou foder, toda vermelhinha. A dona da bunda gemendo e o melhor, gemendo meu nome, e eu? Porra. Um Hokage fodido que tá parecendo um adolescente que acabou de descobrir o Icha Icha, gemendo baixo só por estar dando umas palmadas na Sakura.

- Tá gostoso, minha flor? - digo melando meus dedos na sua bocetinha - Caralho, tá toda meladinha só porque apanhou. - solto um riso tenso, tentado a jogar ela contra o sofá e montar ela, como um maldito animal. - Tão quentinha aqui, vai deixar eu meter meu pau em você? Hm?! - e meto dois dedos dentro dela.

"Pensa no Yamato pelado. Pensa no Yamato pelado". Repito o mantra na minha mente enquanto jogo minha cabeça contra o encosto do sofá, ainda com meus dedos dentro dela. Eu tô quase gozando só por sentir ela com meus dedos. Que mulher gostosa, porra. E ouvir o gemido arrastado dela não ajudou em nada. Respiro fundo e volto minha atenção para onde minha mão está. Retiro meus dedos até deixar só a ponta pra dentro, e enfio devagar, até o fundo, de novo e de novo, esfregando meu polegar no brotinho inchado. Com minha outra mão, pego um pouco da sua lubrificação e estímulo toda aquela área. Brincando com aquele cuzinho que eu ainda foderia. Sim, pensei dando um sorriso maldoso, pode não ser hoje, circulo meu dedo pelo buraquinho pequeno que se contraí com o toque, mas ainda vou, ah se vou. Quando ela começar a arranhar o sofá e a empurrar mais contra minhas mãos, eu paro e a puxo para se sentar de frente para mim no meu colo. Ah, suspiro, que visão, que mulher ela se tornou.

Coloco meus dedos em sua boca e ela chupa com força durante minutos, e eu? Porra, eu só fiquei largado contra o sofá, com isso tudo de mulher no meu colo, se esfregando no meu pau e chupando meu dedo como se fosse a porra de um picolé delicioso. Quando ela abre os olhos e me encara, eu faço um caminho de sua boca até seu seio direito com os dedos molhados da sua saliva, circulo devagar o biquinho arrepiado e depois aperto, observando fascinado a reação dela. Com a outra mão na base de sua coluna, aperto ela mais contra minha ereção e lambo seu pescoço, indo em direção ao seu seio, chupo um devagar enquanto ainda brinco com o outro com meus dedos e depois revezo. Não sei quanto tempo fiquei nisso, só sei que quando dei por mim, ela tava puxando meu cabelo e eu forçando ela contra meu pau, apertando sua cintura com força. Eu tava fodendo ela com a porra de uma calça no caminho sendo que eu podia tá fundo dentro, sem nada atrapalhando.

- Que delícia, Sakura. - falo sem fôlego, empurrando ela para trás só para poder sentar ela no sofá - Agora eu vou chupar sua bocetinha. - digo abrindo as pernas dela sob seu olhar atento. - Cacete... - praticamente rosno, olhando aquele pedacinho inchado e molhadinho.

- Eu quero fazer com você também, eu...

- Eu sei. - digo beijando o interior de suas coxas. - Depois você pode fazer o que quiser. - passo meu rosto naquele lugarzinho molhado e ela suspira - Mas agora, aproveita, hm?! - e dou um beijo de boca aberta no meu novo lugar favorito.

Ela geme alto. E eu? Gemo também. Caralho. Eu não tava brincando quando disse que isso só pode ser um genjutsu. Porque só pode ser um. E dos bons. Me certifico de não ir direito ao ponto depois desse primeiro contato, beijo ao redor dos grandes lábios, esfregando minha língua suavemente enquanto percorro minhas mãos pelo resto de seu corpo, me demorando nos peitinhos que amei chupar. Quando ela rebola na minha cara, eu procuro seu clitóris e acho ele inchado e durinho, doido por atenção, coloco entro os lábios e sugo lentamente, olhando para ela, que tem as mãos nos meus ombros, sem saber se me afasta ou se me puxa para perto. O rostinho bonito contraído, toda ofegante e excitada. Ah, isso. Assim que eu te quero.

Afasfo meu rosto de sua bocetinha e deixo apenas meus dedos entrando e saíndo dela. Um fio de saliva ainda me conecta com aquele lugar que eu tô doido pra voltar, mas me contenho e pergunto:

- Quer gozar na minha boca? Nos meus dedos? Nos dois juntos? Hm. - gemo sentido ela me apertar. - Gulosa. - sorrio colocando três dedos agora, devagar. Ela geme rouca, empurrando contra minha mão. - Quer gozar no meu pau? Posso te comer por trás nesse sofá. O que acha? - aumento a velocidade dos meus dedos mas paro quando ela não me responde.

- Não! - resmunga ela, toda gostosa. - Ah, eu... - respira fundo, me olhando intensamente, eu tô perdidinho nessa garota. Passa as mãos pelos cabelos grudados na testa e morde aquela boquinha que eu tô doido pra morder de novo. - Eu quero seu pau dentro de mim, Ka-ka-shi. - fala pausadamente, como se me desafiando.

- Eu não me provocaria se fosse você. - alerto me levantando e puxando a blusa pela minha cabeça. Ela me come com os olhos. - Vai aguentar se eu te comer com força? Hm? - desabotoo a calça e puxo o zíper para baixo sob seu olhar atento. Com os pés mesmo, tiro os sapatos e os chuto para longe enquanto puxo a calça e a cueca para baixo. Não desvio meu olhar dela por um segundo, enquanto quando ela lambe os lábios olhando pro meu pau, porra, eu tive que bater umazinha antes de correr pro abraço.

- Eu deixo você chupar ele em outra ocasião, amor. - digo movendo minha mão pra cima e pra baixo. - Porque se você encostar nele agora, com essa boquinha gostosa. – nego com a cabeça e aumento meu aperto em volta dele. - Vou gozar igual um moleque, porra, e quero ficar a noite toda em cima de você.

Eu devo ter dito umas vinte vezes isso, mas eu já falei algo sobre como isso deve ser um genjutsu? Porque ela me olhou, sorriu pequeno, ajoelhou no sofá, virando aquela bunda gostosa e vermelha dos meus tapas pro meu lado, empinou ela, se segurou no encosto e olhou pra mim por cima do ombro, jogando os cabelos para o lado. Eu fiquei sem reação. Não esperava uma menininha submissa, a mulher que eu sequestrei daquela casa noturna não era uma. Mas porra, ela tá se oferecendo para mim descaradamente, ainda tá balançando aquele rabo gostoso pra mim. Me chamando. "Caralho, Kakashi, cê tá frouxo mesmo, vai ficar aí igual paspalho sem fazer nada? Fode ela, porra." Preciso conversar com um psicólogo sobre essa voz, mas dessa vez, tá certa. Porra, muito certa.

Me aproximo dela rápido, ainda de pé, coloco uma mão no seu pescoço e a puxo para um beijo, a deixando curvada na minha direção enquanto desço a outra mão até sua bocetinha encharcada. - Hmmm. - gemo apreciando o quão sensível ela está e me afasto de sua boca - Vou meter devagar, amor. - com o meu peso, forço ela a se curvar para frente, com suas costas coladas em meu peito e minha boca grudada em seu ouvido. Mantenho minha mão em seu pescoço e pego meu pau com a outra, roçando ele pela vagina dela, mas sem penetrar. Numa masturbação gostosa e que fode com a minha cabeça. Solto uma respiração pesada no seu ouvido e ela tenta me colocar pra dentro.

- Por favor, por favor. Coloca logo...

- Não tá gostoso assim?

- Sim... mas eu preciso de mais... ah.

Forço a ponta do meu pau na sua entrada e ela treme. - Precisa relaxar, amor. - digo forçando mais e a cabeça entra. - Porra. – digo, entre dentes, enfiando devagar nela, que encostou sua cabeça em mim e olha pro teto imersa na sensação do meu pau entrando. - Que gostoso, tá apertando tanto...

- Sim, Kakashi... - ah, minha flor, não fala meu nome desse jeito - Me fode, por favor, com forç... Ah! - e eu taco o foda-se e enfio o resto com força.

Podia aparecer alguém, qualquer pessoa, podiam atacar minha casa, o que seja, mas não saía de dentro dela nem fodendo. Apertada pra caralho. Seguro a cintura dela saíndo e entrando de novo. Porra, silvo alto. Paro um pouco, nem é pra ela se acostumar com meu tamanho, não, porra, é pra eu me acostumar com ela me apertando assim, e então, fodo ela como o velho no cio que eu sou. Estoco uma, duas, seis, vinte vezes? Não me importo. Só me concentro nela gemendo gostoso. Saio de dentro dela e me sento no sofá, ela nem espera minha instrução, toda trêmula, senta no meu colo, posiciona meu pau na sua entradinha e senta devagar, fechando os olhos e depois se equilibra segurando minhas mãos. Assisto fascinado ela encontrar seu próprio ritmo, me olhando entre os cílios. Beijo a boquinha inchada e vermelhinha enquanto ela senta e eu empurro meu quadril pra cima. Lambo ela toda. Os peitinhos, a bochecha, o pescoço, e quando não aguento mais, coloco ela deitada embaixo de mim e meto com força. Ela soluça e deixa uma lágrima cair e porra, eu me senti um maldito neandertal. Pura satisfação masculina me invade e eu só consigo ir com mais força.

- Tá gostoso assim, minha flor? - digo ofegante, esfregando seu clitóris. - Vai gozar? Hm? Me diz, do que você precisa pra gozar? Me deixa saber. - o beslico levemente e ela geme de boca aberta, pegando minha mão e pressionando contra seu pescoço.

- A minha putinha gosta de ficar sem ar? - digo dando uma risada filha da puta, apertando seu pescoço o suficiente para privá-la de ar, mas sem machucar, e ela começa a me apertar mais forte com a bocetinha. Interessante, penso.

- Além disso, gosta quando eu te xingo, hm? Você não para de me surpreender, amor. - aumento a velocidade das estocadas - Você é uma vadia desesperada pelo meu pau. - ela geme alto, segurando meu pulso em seu pescoço, ficando mais vermelhinha ainda - E sabe de uma coisa? Hm?! Essa não é a primeira nem a última vez que vai sentar no meu pau, sabe por quê? - digo entre dentes, tão perdido quanto ela - Porque você é uma filha da puta que ama dar pro seu ex-sensei. - ela me olha - E eu amo te comer. - digo beijando-a.

Só tem nós dois naquele sofá, naquele mundo. Mais nada importa, a não ser ela gozando e me deixando mais louco ainda. Tiro minha mão de seu pescoço e abraçado, colocando meu rosto entre ela e o sofá, metendo com tudo de mim atrás do meu orgasmo, e não foi difícil encontrar ele. Gozei mordendo seu ombro, ouvindo seus gemidinhos gostosos e manhosos. Meu pau esporra dentro dela dando uns espasmos que me deixam tonto. Respiro fundo por uns minutos ainda ali, com minha cabeça na curva de seu pescoço e ainda metendo devagar. Depois de um tempo, levanto minha cabeça e a encontro com um sorriso no rosto, aquela carinha de quem foi bem fodida, satisfeita. Beijo lentamente aquela boquinha esperta. Apreciando seu corpo relaxado contra o meu. Quando nos separamos, ela me encara preguiçosa. Sorrio e o brilho naqueles olhos aumenta.

- Acho que tenho um novo vício, Kakashi. - diz baixinho, sem olhar pra mim e com as mãos brincando com meu cabelo.

- Ah, meu amor. - digo voltando a abraçar - Se é um novo vício pra você, eu já sou a porra de um dependente.


Notas Finais


E aí?

Música sempre me inspira, deixo aqui os links pra vocês:

https://m.youtube.com/watch?v=9CbQl98JEbE

https://m.youtube.com/watch?v=bpOSxM0rNPM

Ate a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...