História Apesar De Tudo. - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Bankotsu, Inuyasha, Jaken, Kaede, Kagome, Kagura, Kikyou, Kohaku, Miroku, Naraku, Rin, Sango, Sesshoumaru
Tags Drama, Revelaçoes, Rin, Romance, Sesshomaru
Visualizações 144
Palavras 5.251
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


boa leitura

Capítulo 34 - O Jogo


Sesshomaru:- Kagura.... – disse ele – o que você f... – ia dizer mais Kagura o interrompeu.

Kagura:- ora Sessy... – dizia ela carinhosamente, enquanto seu olhar percorria por todo o corpo seminu de Sesshomaru.

Sesshomaru estava com o corpo suado e o cheiro que exalava era de puro sexo. Assim como eu, ele parecia surpreendido com a presença de Kagura em seu apartamento.

- Sesshy meu amor... – dizia ela, tentando me provocar – eu e você ainda temos um assunto para resolver. E como você não atende o telefone eu pensei... – disse ela animadamente enquanto andava por todo o salão, indo em direção ao bar – por que eu não faço uma visita ao meu amado e querido noivo.... – disse ela sorrindo, ignorando totalmente a minha presença. Ela se sentou em um dos bancos próximos ao bar, e cruzou as pernas. O vestido vermelho com um rasgo na perna era sua marca registrada. Os saltos generosamente altos e os cabelos presos num coque executivo lhe davam o ar de sofisticação. As unhas vermelhas combinavam com a cor de seus lábios e seus olhos eram de uma malicia perversa.

Sesshomaru:- por que não me esperou no escritório? – perguntou ele calmamente. Sesshomaru permanecia com sua postura parcial de sempre, seus olhos não demostravam nenhum tipo de emoção e aquilo brilho antes já não se encontrava mais nos seus olhos.

Kagura:- você sabe muito bem o tipo de mulher que eu sou – disse ela arqueando uma sobrancelha.

Ele sorriu com o seu comentário. Mas o que ela quis dizer com aquilo afinal??

Aquilo tudo estava começando a me provocar enjoo. Estava claro que eles ainda tinham muita coisa pra conversar e o que havia entre eles dois ainda não tinha acabado. Tava na cara, que eu era quem estava sobrando ali. Aquela mulher, sentada bem em frente a nós tinha um poder sobre ele ao qual qualquer outra mulher já teve.... À qual eu certamente jamais teria. Tive vontade de chorar mas não o fiz, eu simplesmente fiquei ali para esperando que alguém me dissesse pra sair da li, eu não era capaz nem de me mexer. Por que ele não dizia nada? Por que ele não expulsava ela daqui? Por que não dizia que estava comigo?

“ ISTO TUDO É UM JOGO DE INTERESSES.. – foi o que Jaken disse uma vez..”

Kagura:- e então Sesshy?? – disse ela, me fazendo voltar a realidade – você vai pedir para que as crianças saiam da sala para os adultos trabalharem ou ... – disse retocando o batom, seu tom provocativo estava passando dos limites – prefere coloca-la na cama primeiro? – disse ela por fim.

Toda aquela provocação já estava me tirando do sério. Olhei para o Sesshomaru que mantinha seus olhos fixos nela, ele não demostrava nenhuma emoção enquanto Kagura parecia estar adorando tudo aquilo. Afinal que armas ela tinha para deixa-lo tão sem reação? O que ela sabia ou melhor o que ela tinha a favor dela que a deixava tão confiante?? Aquilo tudo não podia estar acontecendo. Comecei a sentir o mundo girar ao meu redor e o chão sumir dos meus pés. Estava claro que eu estava sobrando ali.

Rin:- não precisa.. – eu disse, tentando demonstrar mais calma do que eu realmente estava – eu não serei um incomodo para a conversa de vocês – eu disse olhando nos olhos dela. Ela parecia se deliciar com a ideia de ficar a sós com o Sesshmaru. – vejo que vocês ainda tem muito o que conversar, com licença... – dito isso, eu me virei para ir para o quarto. Ao passar por ele, senti quando sua mão firme segurou meu braço. Naquele momento eu sabia que desmoronaria ali mesmo se eu deixasse ele se explicar ou dizer qualquer coisa. – Nãoo... – eu disse ao me soltar, somente o suficiente para que ele ouvisse. Segurando toda a raiva que eu estava sentindo eu caminhei em direção ao quarto.

Kagura:- Satori disse que ela é uma selvagem, mas acho que ela estava exagerando – dizia ela debochadamente – até que essa garota  tem educação – disse por fim.

Aquilo tinha me tirado do sério.

Rin:- Kagura... – disse, respirando fundo, me virei – eu não sou criança, muito menos prostituta dele. Eu sou a mulher dele. Aquela que divide a cama com ele todas as noites. Aquela que dar prazer a ele.... Então se eu fosse você, tomava muito cuidado da próxima vez que pensar em me ofender novamente. Porque esta "garota"  também sabe muito bem como estragar um rostinho lindo como o seu... – eu disse tentando aparecer o mais ameaçador possível. Com a raiva que eu estava sentindo, eu não deixaria que ela me ofendesse novamente nunca mais... eu só queria que ela disse só mais alguma coisa. Por sorte, ela pareceu entender o recado, e não se atreveu a responder.

Me virei indo para o quarto e ignorando os olhares de revolta de Kagura e o de repreensão de Sesshomaru.

 

............

 

Kagura:- Sesshomaruuuu... está garota passou dos limites!!!!! – disse ela indignada – você tem que dar um jeito nela. Vai deixar ela me ameaçar? Quero que demita ela... – disse ela com raiva.

Sesshomaru:- foi você quem passou dos limites desta vez Kagura... – disse ele sério. – não era pra você ter vindo aqui, ter afrontado Rin... muito menos ter desobedecido uma ordem minha – disse ele

Kagura:- é assim que serei tratada??? – disse ela tentando parecer ofendida – depois de tanto tempo trabalhando pra você? Me dedicando a você? Amando você? – disse com os olhos cheios d’gua – é isso que eu mereço?????? – disse ela representando uma falsa emoção..

Sesshomaru revirava os olhos.

Sesshoamru:- poupe-me Kagura – disse ele indo em direção ao bar.

Kagura sorriu.

Kagura:- você é um ogro sabia? – disse ela se recompondo – mesmo que eu chorasse na sua frente, você não cederia...  – disse ela sorrindo

Sesshomaru:- vai me dizer o por que esta aqui? – disse ele sem rodeios

Kagura:-  não era minha intensão estragar sua “brincadeira de casinha” com a prostituta – disse ela debochadamente

Sesshomaru:- nunca mais quero ouvir você chama-la assim.. – disse ele ameaçadoramente – o nome dela é Rin. – disse ele sério enquanto segurava seu whisky nas mãos – quero que você a trate com mais respeito daqui pra frente – alertou-a.

Kagura:- eu não teria vindo até aqui se não fosse sério – disse ela séria também ignorando completamente suas ameaças – recebi isto hoje. É do Naraku, achei que ia te interessar – disse ela se levantando de onde estava.  Ela caminhou até o sofá e apanhou o envelope que estava dentro de sua bolsa. Dentro tinha um papel impresso ao qual ela entregou ao Sesshomaru antes de se sentar no sofá – ele entrou com uma ação na justiça. Todos os meus bens serão confiscados. Eu não poderei assumir a empresa tão cedo... – disse ela suspirando – ele quer provar que o testamento é falso, ele quer ter todo o direito sobre as ações do tio. Se ao menos eu já tivesse me casado antes, nada disso estaria acontecendo.... – disse ela por fim.

Sesshomaru:- não entendo como você achou que isto talvez pudesse me interessar – disse ele indiferente.

Kagura:- O QUEE??? – disse ela sem acreditar – acho que esta sua nova relação esta lhe tirando do foco!!! Quando foi que você ficou tão idiota Sesshomaru Taisho? – disse ela sem pensar nas palavras.

Sesshomaru:- estas ações não me interessam mais – disse ele jogando o papel em cima de Kagura.

Kagura:- COMO? EU NÃO E.. – ia dizer mas ele a interrompeu

Sesshomaru:- o que você não entendeu??? – disse ele arrogantemente – eu lhe fiz uma proposta Kagura. Aliais, uma excelente proposta. – disse ele deixando o copo em cima da mesa – Se a justiça decidir que ele tem direitos sobre estas ações eu não terei mais como intervir. Eu lhe dei a chance de você me vender estas ações e você me procurou pra fazer chantagem... você poderia ter ficado rica e viveria sua vida despreocupadamente pelo resto da sua vida. – disse ele sério – o que acontecer daqui pra frente não é mais problema meu – disse ele por fim

Kagura:- NÃO É MAIS PROBLEMA SEU??? – gritou – EU TRABALHEI PRA VOCÊ! ESTAS AÇÕES SÃO MINHAS POR LEI... ESTE TESTAMENT.. – não terminou de falar

Sesshomaru:- eu também não acredito que este testamento seja valido – disse ele direto. Ele sabia muito bem do Kagura era capaz.

Kagura:- e como eu fico? – perguntou ela com raiva

Sesshomaru:- não é mais problema meu... – disse ele secamente

Kagura ficou completamente sem reação. Não esperava que ele fosse reagir desse jeito. Sesshomaru Taisho nunca fora de abrir mão de nada. Ele estava diferente, mudado. Ele não era mais o homem que um dia ela conheceu.

Kagura:- você não é mais o mesmo – disse ela com um sorriso triste – eu.. fiz tantos planos... eu.. a minha vida toda eu sonhei que nós... – tentava dizer

Sesshomaru:- Kagura... – disse ele pausadamente – é por consideração e reconhecimento pelo seu trabalho que irei ajudar você em relação ao processo – suspirou – se esse testamento for mesmo verdadeiro... – dizia ele

Kagura:- ELE É VERDADEIRO!!! – gritou ela

Sesshomaru:- eu irei contratar o melhor advogado – disse ele sem paciência – se for possível ele ira tirar esta condição imposta no testamento. Você então, poderá assumir, vender... fazer o que quiser – disse ele – mas depois disso acabou. Nossa parceria acaba aqui – disse por fim

Kagura:- bem, você ira se arrepender de ter me rejeitado – disse ela sorrindo escondendo a raiva por ter sido rejeitada novamente – mas obrigada, eu aceito sua proposta e em troca – disse ela pausadamente – eu venderei as ações para você.... – disse ela estendendo a mão.

Sesshomaru se surpreendeu com a reviravolta de Kagura. Ela venderia as ações para ele e ele não teria que se casar com ela afinal de contas. Tudo estava saindo como ele queria. Ele compraria as ações de Kagura ao mesmo tempo ela sairia do seu caminho.

Kagura:- isso é uma promessa... – disse ela arqueando uma sobrancelha – e uma promessa minha jamais é descumprida – disse ela por fim. Sesshomaru sabia muito bem o quanto Kagura era ardilosa e traiçoeira, mais isso ele podia resolver com um simples contrato, o mais interessava agora era as ações. Seu objetivo estava quase concluído. Depois disse ele podia se dedicar a Rin, e Kagura sairia de vez de sua vida sem que ele se sentisse culpado por isso – E então??? – disse ela aguardando uma resposta.

Sesshoamaru:- feito – disse ele apertando sua mão.

 

........

Estou em pé em frente a janela do quarto. Chovia fino lá fora apesar do sol. Um arco-íris se formava ao longe, e isso me fez sentir saudade do conforto e segurança da minha casa – Suspirei. Olhei mais uma vez a minha imagem refletida no grande espelho do quarto. Por sorte minhas malas já haviam chegado, e eu podia vestir minhas roupas. Bom, pelo menos isso já me fazia me sentir melhor. Dei mais uma olhada. Calça jeans clara, uma blusinha de alcinha de seda, cor branca, a blusa por dentro da calça, o decote discreto, bem feminino. Os cabelos presos num rabo de cavalo alto, me lembravam que eu tinha que aparar as pontas. – Sorri – Nos pés, o meu velho e surrado all star preto de cano baixo. No pescoço, uma joia discreta que herdei de Kaede quando fiz 15 anos... – suspirei.

“ Como eu queria estar no conforto de seus braços agora... – suspirei segurando as lágrimas”

Sesshoamru:- Rin... – disse ele me dando um susto. Quando olhei para trás ele estava parado perto da porta. Ele estava vestindo nada mais que uma calça de moletom azul marinho. Estava sem camisa... completamente irresistível.

“ – mas a quanto tempo ele estaria ali??? – pensei.”

Rin:- não sabe bater na porta? – perguntei com raiva evitando o máximo olhar nos olhos dele.

Sesshomaru:- achei que não precisasse – disse ele sério.

Algo me dizia que meu comentário o ofendeu.

Rin:- tanto faz...– eu disse terminando de catar as coisas espalhadas sobre a penteadeira e na cama, guardando tudo na mala de volta, deixando apenas um casaco do lado de fora.

Sesshomaru:- vai a algum lugar? – perguntou ele

Rin:-.... – não respondeu

Sesshomaru:- Rin... – disse ele paciente – acho que eu fiz uma pergunta – observou ele, quando eu não respondi. – eu não gosto de ser ignorado – disse jogando todo o seu charme irresistível de sempre  – dá pra você me dizer o que esta acontecendo??? – perguntou ele segurando meu braço, fazendo com que eu o encarasse desta vez

Me soltei dos seus braços. Ele estranhou minha reação

Rin:- o que você quer Sesshomaru??? – perguntei séria  olhando em seus olhos.

Sesshomaru:- bom, nesse momento eu quero saber o que esta acontecendo??? – disse ele sem entender – por que esta me tratando assim? O que foi que eu fiz para merecer esse seu mau humor?? – disse ele me provocando

Rin:- nada... – eu disse terminando de arrumar as coisas – você não fez absolutamente nada – disse com um sorriso triste – esse é o problema... – disse baixinho por fim...

Será que ele não via. Não entendia a minha raiva? Será que ele não via o quanto me magoou ouvir tudo aquilo que Kagura dissera, e ele simplesmente não ter feito nada a respeito?? Ele não ter feito absolutamente nada, quando ela me ofendeu e provocou com suas palavras???

Sesshomaru:- você esta me tratando assim por causa de Kagura? – perguntou ele.  Só o simples fato dele falar o nome dela já me deixava com raiva novamente.

Rin:- não, Kagura.... ela esta completamente certa – eu disse me distanciando dele – ela.. elaa sabe exatamente o que ela quer. Eu sei disso... você sabe dissooo! – eu disse finalmente – ela quer vocêeee e o pior é que você sabe!!! – eu gritei. A essa altura meus olhos estavam cheios d’gua – ela sabe o que quer e defende isso... – eu disse por fim conformada com o que estava acontecendo.

Sesshomaru:- esta dizendo que eu não sei o que eu quero? – disse ele com raiva

Rin:- você não pareceu saber quando ela estava aqui... – eu disse com raiva não desviando o olhar.

Sesshomaru:- como pode dizer que eu não sei o que eu quero, se eu estou aqui agora???  com você? – disse ele se aproximando. Eu desviei o olhar. Estávamos bem próximos um do outro – eu sei exatamente o que eu quero, acho que deixei isso bem claro ontem a noite... – disse ele no meu ouvido – e eu quero isso com você.... – disse beijando meu pescoço. Seu beijou subia pela minha clavícula... seus lábios encontraram meu maxilar antes de chegar aos meus lábios. Ele pressionou seus lábios nos meus e me beijou. Senti todo o meu corpo tremer com a sensação. Sentia quando ele pressionou sua ereção contra minha cintura. Ele parou com o beijo  quando percebeu que eu não correspondia – e você? Sabe o que quer???? – sussurrou ele com irritação na voz.  Aquela simples pergunta, fazia doer meu coração...

Rin:- eu... seii q.. – tentava dizer, mais cada palavra que saia da minha boca doía ainda mais dentro do meu peito – eu quero ficar sozinha agora... – eu disse por fim. Senti quando ele suspirou forte. Aquilo estava me destruindo por dentro e tudo o que eu mais queria era pegar um voo direto para NY.  – não podemos continuar assim... – eu disse finalmente, não acreditando de verdade em miinhas próprias palavras.

Sesshomaru:- Rin... por favor, não faz isso...– disse ele segurando firme a minha cintura, me mantendo perto dele – você é tudo o que eu quero... – disse ele apoiando a sua testa contra a minha.

Lágrimas escorriam dos meus olhos nesse momento. Nunca imaginei que eu fosse sentir essas dor novamente no meu peito. A dor da separação. Eu abri mão de muita coisa para estar ali com ele... pra viver um momento que eu achei que seria só nosso... E Deus sabe o quanto eu o amo. Mas não dava mais para continuar assim...

Rin:- eu.. preciso ir... – eu disse me soltando de seu abraço. – por favor... – eu disse ao limpar as lágrimas que escorriam dos meus olhos e me afastando dele.

Sessomaru:- você... – disse ele sério sem olhar pra mim – quer eu chame alguém pra acompanhar você? – perguntou ele, parado exatamente onde estávamos dois segundos atrás.

Rin:- não eu... – disse pegando meu casaco – não irei muito longe.. só.. – ia dizer mas ele me interrompeu.

Sessomaru:- estarei no meu escritório se precisar de mim – disse frio antes de sair sem olhar para trás, me deixando sozinha no quarto.

Peguei minhas coisas e sai.

......

Lá fora chovia fino, mais isso não me incomodava nem um pouco. A sensação da chuva em minha pele era muito melhor do que a sensação que eu sentia no meu peito. Lágrimas escorriam dos meus olhos e por mais que eu quisesse eu não conseguia controlar. Será que essa dor nunca iria acabar??? Por que tudo tinha que ser tão difícil??? Será que fiz a coisa certa, em terminar tudo??

“ Parece ser a coisa certa afinal... – foi o que Kohaku uma vez me disse” 

Rin:- Eu sou tão idiota....– disse a mim mesma parando  completamente de andar. Olhei de um lado para o outro. Não reconhecia esse lugar – Ótimo – eu disse.

A chuva começava a aumentar e eu estava perdida. Comecei a correr tentando me desviar da chuva e  não vi quando esbarrei no homem alto a minha frente.

- Rin.... ele disse  ao me amparar, antes que eu caísse de vez no chão.

Rin:- .Inuyasha... – disse surpresa com os olhos cheios d’gua. – INUYASHAAAA  - gritei ao abraça-lo, não me importando em encharca-lo. Ele também pareceu não se importar me abraçando de volta. Eu senti conforto em seu abraço e não resistir a imensa vontade de chorar. E foi exatamente o que eu fiz.  Chorei igual a uma criança de dois anos.

Inuyasha:- Rin, o que a aconteceu??? – perguntou ele preocupado

Rin:- eu-uu ...estoooouuuu.. estou... perdida-aaaaaa.... – disse chorando e rindo ao mesmo tempo não soltando de seu abraço.

Inuyasha:- esta chorando por que se perdeu??? – perguntou ele sem entender achando graça do meu desespero

Rin:- éeehhh – disse caindo em prantos. As lágrimas pareciam cair mais depois que fiz essa confissão.

Inuyassha:- ta legal... – disse ele sorrindo  - vamos sair daqui? – disse ele, e eu concordei.

Saímos dali.

....

Inuyasha:- dois cafés por favor – disse ele a menina que anotava os pedidos – Rin você toma café? – perguntou ele pra mim. Eu balancei a cabeça dizendo que não. – um chocolate quente talvez? – insistiu ele.

A ideia do chocolate quente era muito pior que o café. Eu estava enjoada depois de toda aquela conversa, e a ultima coisa que eu queria agora era pensar em comida...A essa altura eu não estava chorando mais.

Rin:- você já veio aqui? – perguntei, olhando o lugar. Era uma cafeteria pequena escondida. Um ótimo lugar para casais apaixonados.

Inuyasha:- sim, eu já vim aqui algumas vezes. É o melhor lugar para tomar café... – disse ele sorrindo – mas e você? Por que se perdeu, onde esta Sesshomaru? – perguntou ele preocupado

Rin:- Sesshomaru... – hesitei. Só de dizer seu nome doía. – Ele ficou no hotel, e eu precisava pensar...eu não sabia pra onde eu estava indo... ai você me encontrou – disse por fim sem olhar nos olhos dele – por que você esta aqui? E Kagome onde esta? – perguntei

Inuyasha:- vim porque Sesshomaru precisa da consulta de um advogado.. – disse ele – pelo que parece o assunto é delicado, e aqui eu estou. Sango disse que ele precisava com urgência então eu vim – disse pegando o café  – pode me trazer açúcar por favor ?? – disse ele a menina que não parava de olhar para ele. Assim como Sesshomaru, Inuyasha também era muito bonito e fazia sucesso aonde passava, especialmente entre as mulheres...

Sorri.

Inuyasha:- bom, é muito bom ver um sorriso nesse rosto – disse ele brincando – Kagome já havia me dito o quanto o Sesshomaru podia ser cruel... – disse ele achando graça – mas nunca pensei que ele faria algo com você... bom, pelo menos ao ponto de fazer você vagar por ai sem rumo e chorar igual a uma criança para o primeiro desconhecido que encontrasse.... – disse ele sorrindo.

Rin:- e mais complicado do que parece – eu disse sorrindo também

Inuyasha:- então me explica? – disse ele curioso e com o sorriso amável de sempre.

Rin:-  eehh... – ia dizer mas o telefone dele começou a tocar

Inuyasha:- me desculpa Rin... – disse ele sorrindo para o visor – eu tenho que atender – disse ele

A chuva começava a cair mais forte lá fora. As ruas estavam vazias, e na cafeteria só haviam eu e o Inuyasha e mais dois casais de jovens sentados bem ao fundo. – Suspirei. Será que um dia eu e Sesshomaru poderíamos ser igual a esses casais??

Inuyasha:- Sim eu cheguei bem, - dizia ele – não.. ainda não encontrei com Sesshomaru kkkk – ele disse olhando pra mim – eu não faço a menor ideia de onde fica o hotel... não, nãooo ... – dizia sorrindo – bom por sorte eu encontrei Rin... é a Rin!!!! Ela estava vagando sem rumo e eu a resgatei kkkkk – disse ele dando gargalhadas. Eu revirei os olhos ela vai me dizer aonde fica o hotel, simmm ... sim., claroooo!!!! Vou cuidar dela como se fosse minha irmãnsinha kkkkkkkk – disse ele sorrindo.  – eu te amo amor... eu te amo mais, não... eu que te amo mais – disse ele feliz.

E depois de um monte de “ EU TE AMO MAIS” E “ NÃO DESLIGA VOCÊ PRIMEIRO” ele desligou a ligação.

Inuyasha:- era Kagome... – disse ele envergonhado – mulheres... elas falam muito – disse ele bebendo sua ultima gota de café.

Rin:- seiii.... – eu disse sorrindo.

Inuyasha:- então, você sabe a onde vocês estão hospedados??? – ele perguntou se levantando.

Rin:- sim eu sei... – eu disse me levantando também – estamos hospedados no  Mandarin Oriental... – eu disse

Inuyasha:- uauuu!!! – disse ele sorrindo – ótimo, pra que lado fica??? – ele perguntou. Estávamos do lado de fora da cafeteria, olhando a chuva cair forte a nossa frente.

Rin:- eu não faço a menor ideia.... – disse finalmente.

....

Eram 17:0 da tarde quando retornamos ao hotel. Jaken e Kanna ainda não tinha voltado, a sala estava completamente vazia o que significava que seria só eu, Inuayasha e o....

Inuyasha:- oi Sesshomaru... – disse ele sorrindo de repente, me tirando dos meus pensamentos. Sesshoamaru estava parado. Ele estava exatamente do mesmo jeito que da ultima vez que eu o vi. Olhei seus olhos e pareciam sombrios... e tristes ao mesmo tempo. Mas não tão tristes quanto os meus..

Sesshomru:- o que... aconteceu? – perguntou ele olhando pra nós. Estavamos completamente encharcados. Eu usava um casaco do Inuyasha para me proteger da chuva, enquanto ele assim como eu estava também molhado

Inuyasha:- pegamos uma tempestade – disse ele sorrindo despreocupado. Sesshomaru mantinha seus olhos em mim, e parecia não escutar o que seu irmão tinha acabado de dizer.

Rin:- oi.... aa-atichim – eu disse com um sorriso seguido de um espirro.

Inuyasha:- Rin melhor tirar essas roupas... ou ira ficar resfriada! – disse ele sorrindo.

Sesshomaru pareceu não gostar do comentário que Inuyasha fez....

Rin:- eh.. vou fazer isso – eu disse com um sorriso – vocêee... atchimmmm.. ficaaa a vontade – eu disse indo em sua direção – obrigada pelo café... – disse beijando seu rosto e entregando o casaco encharcado – com licença.. – eu disse passando por eles.

Inuyasha:- o que foi que aconteceu??? – disse ele sem entender toda aquela situação.

Sesshomaru:- fique a vontade Inuyasha, sirva-se do que quiser... pode pegar alguma roupa minha no quarto, você sabe se virar – disse ele sério – eu já volto – disse saindo da sala.

....

Chego no quarto e ele estava completamente vazio. As roupas molhadas de Rin estão jogadas no chão próximo ao banheiro. O chuveiro parece estar ligado. Sinal que ela deveria estar no banho.  Devagar e silenciosamente eu abro a porta. A fumaça da água embaçava qualquer visão que eu pudesse ter dela. Ela estava de costas para mim e não percebeu que eu a observa em silencio. Ela estava de cabeça baixa, sem se mexer... apenas absorvendo a sensação da água quente em suas costas. Parecia... triste. Finalmente ela se virou.

Rin:- Sesshomaru – disse com os olhos arregalados, surpresa por me ver ali. Seus olhos estavam vermelhos, sinal que estava chorando.

Sesshomaru:- eu.. precisava saber se estava bem – disse ele cauteloso.

Rin:- eu estou bem, você já pode ir – eu disse direta

Sesshoamru:- você não parece bem – disse ele sério dessa vez.

Rin:- eu vou... ficar bem... – eu disse olhando em seus olhos. – você já pode ir agora – eu disse me virando para não olha-lo. Desliguei o chuveiro. Quando eu virei ele estava parado no mesmo lugar com a minha toalha nas mãos. Olhei em seus olhos novamente, e estavam com um brilho perigoso no olhar. – pode me dar a toalha?? – eu disse atrás do boxe emaçado por causa do vapor 

Sesshoamru:- já vi você nua mais do que qualquer outro homem que você já tenham se relacionado – disse ele maliciosamente – você não precisa ter vergonha – dizia ele sorrindo - pelo menos.. não de mim - disse maliciosamente.

Rin:- só que... agora é diferente – eu disse ainda de trás do boxe escondendo o quanto eu achava engraçado e excitante ele me provocar daquele jeito. – não estamos juntos... na verdade, nós  nunca estivemos... – eu disse me lembrando

Sesshomaru:- Rin... – ele disse se aproximando

Rin:- NÃOOOO!! FIQUE AI ONDE VOCÊ ESTA – eu disse, fazendo-o parar de andar em minha direção – só me passa a toalha e vai embora – eu disse

Sesshomaru:- venha pegar – disse ele me desafiando – vamos, não seja covarde... – disse ele rindo sedutoramente.

Como ele podia achar graça de tudo aquilo??? Ou melhor.. como ele conseguia me fazer não ter raiva dele??

Reunindo toda a coragem, eu suspirei fundo e abri o vidro do boxe deixando que ele visse nua mais uma vez. Sem hesitar, eu caminhei em sua direção, olhando em seus olhos... com as pernas juntas tentando controlar o desejo que sentia, dele me tomar ali no banheiro... parei exatamente em sua frente, ele abaixou a cabeça um pouco para que pudesse me olhar nos olhos

Sesshomaru:- você é linda – ele disse antes de jogar a toalha de lado e me tomar nos braços. Ele me abraçou ao mesmo tempo que seus lábios alcançaram minha boca. Seu beijo era feroz ao mesmo tempo necessitado. Suas mãos passeavam pelo meu corpo, descendo pela cintura... apertando minhas coxas enquanto separava minha pernas e me suspendia enlaçando minhas pernas em sua cintura enquanto segurava minha bunda em suas firmes mãos. Ele caminhou no colo até a minhas costas encostarem no vidro gelado do boxe. – gemi com o frio em minhas costas. Fechei os olhos para absorver aquela sensação. Nós beijávamos intensamente sem nos importarmos com o que estava lá fora. Ali eramos só nos dois, no nosso mundo perfeito. Por um momento não existia mais brigas, nem medo, nem desconfiança, nem contrato, nem empresa... eramos só nos dois. Homem e mulher que amavam um ao outro e que por ironia do destino não conseguiam ficar juntos...

Sesshomaru:-  Rin... eu quero você – disse ele beijando meu pescoço – eu quero você sempre – disse em meio a carícias. Sua língua quente e áspera corria pela extensão do pescoço enquanto seus dentes raspavam o contorno do meu maxilar. Suas mãos me sustentavam firmes agarradas em minhas coxas e eu sentia sua ereção crescer pressionada em minha barriga.

Rin:- Sesshomaruu – gemi seu nome – euu... – tentava dizer, mais sem muito sucesso por causa do transe em que eu estava. Meus pensamentos já não faziam mais sentido.

Sesshomaru:- sim... – ele disse antes de me beijar novamente. Ele me colocou no chão com cuidado, e antes que eu pudesse dizer algo ele disse – eu te amo... é você que eu quero – disse ele segurando meu rosto para que eu pudesse olhar em seus olhos – por favor... não desista de nós – ele disse - não desista de mim.. - disse por fim

Rin:- sempre terá alguém.. ou... alguma coisa que você ira querer mais – eu disse apoiando minhas mãos em seu peito – eu não vou suportar... Sesshomaruuu eu não vou suportar se você... – não consegui dizer, pois ele me calou com seu beijo

Sesshomaru:- não a nada que eu vá querer mais que você – disse ele beijando minha testa.

Rin:- tenho medo que esse sentimento  me destrua – eu disse fechando meus olhos enquanto ele acariciava meu rosto

Sesshomaru:- não seria amor se não destruísse – disse ele e eu abri os olhos para enxergar o homem que me dizia essas palavras

Rin:- atchímm – espirrei, apoiando minha cabeça em seu peito

Sesshomaru:- esta gripada.. – ele disse num tom preocupado – espere... – disse ele se afastando indo até a outra prateleira, pegando uma toalha – levante os braços... – ele disse e eu obedeci. Ele enrolou a toalha sobre meu corpo e eu sorri. – vou cuidar de você – ele disse e eu concordei. Ele me pegou no colo e caminhou em direção ao quarto, me colocou sentada na cama. Abriu minha mala e pegou uma camisa grande e calcinha. – vamos.. me ajude com isso – ele disse se abaixando para me vestir

Rin:- acho que consigo colocar minha calcinha sozinha – eu disse arqueando uma sobrancelha.

Sesshomaru:- gosto mais de tira-las do que ajudar você a coloca-las...acredite em minhas – disse com malícia na voz e seu sorriso irresistível  – vamos... não aguento ficar muito tempo nesta posição sem tocar você – disse beijando minhas coxas.

Revirei os olhos.

Ficando de pé eu levantei ainda enrolada a tolha. Ele subiu suas mãos junto com a renda, fechei os olhos para absorver melhor o seu toque. Ele beijou minha barriga e raspou o nariz na renda aspirando o meu cheiro.

Sesshomaru:- você tem o cheiro maravilhoso – disse ele beijando minha pélvis.

Rin:- Sesshy.. – sussurrei seu nome, sabia exatamente onde isso ia dar se ele continuasse. Ele ficou de pé novamente e  me entregou a camisa seca. – prefiro usar uma de suas camisas caras... – eu disse sorrindo.

Ele sorriu de volta.

Sesshoamru:- prefiro você completamente nua – disse ele sedutoramente  me ajudando me vestir.

Rin:- atchímmm.. atchímmm – espirei novamente coçando o nariz vermelho em seguida.

Sesshomaru:- você precisa descansar... – disse ele sério – volto daqui à uma hora pra saber se você esta bem.... – disse ele apontando em direção a cama.

Sorri. Sem hesitar ou reclamar eu fiz exatamente o que ele queria, eu estava completamente exausta. Me deitei e ele me cobriu.

Sesshomaru:- o que foi? – ele perguntou

Rin:- nadaa.. – eu respondi sorrindo

Sesshomaru:- do que você esta rindo?? – ele disse sorrindo

Rin:- e só que... não to acostumada com isso.. – eu disse – quer, dizer... alguém cuidar de mim, eu nunca fico doente – eu disse meio sem graça.

Sesshomaru:- então somos dois... – dizia ele sorrindo antes de me beijar – volto daqui algumas horas.. – disse indo em direção a porta.

Rin:- Sesshy... – eu disse antes de sair

Sesshoamaru:- o que? – perguntou ele parado antes de sair

Rin:- eu... eu te am – tentei dizer, não me importando do quão idiota isso poderia parecer

Sesshomaru:- eu sei... – disse ele – parece que você me ama até quando esta dormindo – disse ele me deixando completamente vermelha – não se preocupe, o sentimento é reciproco – disse ele - eu não vou desistir de você... eu nunca vou deixar você,  mesmo que você queira... - disse ele com um sorriso galanteador de sempre. 

Eu revirei os olhos, sorrindo ao mesmo tempo que ouvia sua doce voz dizer aquela palavras que eu sempre quis que ele dissesse.

- agora descanse, eu preciso trabalhar ok?. - disse ele antes de sair 

Riin:- jogo de interesses ... - eu disse a mim mesma lembrando das palavras de Jaken 

Suspirei. Sesshomaru e Kagura eram jogares. Eles nao sabiam perder, estavam costumados a ganharem sempre, nao aceitavam menos que isso.   Estavam acostomados com o jogo, acostumados a terem tudo do seu jeito....  

 Mas é como Kaede sempre dizia...ODEIE O JOGO... NÃO O JOGADOR !!! - ela tinha razao

Mas dessa vez, eu estava disposta a jogar.

 

 

 

 

 

.........

Continua 


Notas Finais


boa leituraaaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...