1. Spirit Fanfics >
  2. Apocalipse Dreams >
  3. - O Começo de uma aventura. -

História Apocalipse Dreams - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


- Essa é uma fanfic Original minha, e os participantes dela são meus amigos reais, e graças a eles, eu acho que essa fanfic vai ser uma maravilha ! Tenha uma boa leitura! -

Capítulo 1 - - O Começo de uma aventura. -


Fanfic / Fanfiction Apocalipse Dreams - Capítulo 1 - - O Começo de uma aventura. -


Em uma cidade em Quarentena, Chamada Hopefield. A Cidade, abandonada e esquecida pelo resto das pessoas, afastada de todas as outras, e abandonada tinha apenas 20 sobreviventes. Tinha um grupo de 6 jovens, os quais eram habilidosos... e o resto dos sobreviventes, eram cientistas e militares. O Grupo de jovens, não tinha pais, eles morreram tentando fugir das terríveis criaturas que tinha naquela cidade.... Você se pergunta...

"Criaturas? E elas sequer existem?"

Bem, existem... mas ninguém sabe essa resposta, além dos cientistas, porém, Eles mantem isso em segredo de todos. Os mesmos, vivem trancados no laboratório da cidade, que tem segurança máxima, e não deixam os outros sobreviventes entrarem. Os jovens, no entanto, se reúnem no meio da noite, e começam a arrumar suas coisas para irem embora daquela cidade.

[ ~ ] Durante a noite, com os Jovens. [ ~ ]

Os 6 jovens estavam escondidos numa casa, muito bem protegida pelas mãos de seus pais antes de morrerem, Todos, estavam arrumando suas coisas... Colocando em suas respectivas mochilas, Comida, Garrafas de água, lanternas, baterias, roupas, estilete e ataduras. Eles iriam sair daquela cidade o mais rápido possível, pois a Pequena, chamada Emi, Com seu dom sobrenatural e suas intuições, disse que se ficassem lá mais tempo, Os militares os pegariam, e levariam até o Laboratório para algo horrível.

[ Experiente ] -- Certo, todos estão prontos? [ Dizia o mesmo, colocando sua mochila preta de couro nas costas, nela, tinha estrelas brancas e uma coroa. ]

[ Bonita ] -- Eu já terminei, só falta os outros. [ Ela sorria, falando determinada, ela era corajosa. ]

[ Loiro] -- Pronto... Já coloquei tudo necessário.

[ Guitarrista ] -- Pronto.

[ Emi ] -- Acabei...

[ Nordestino ] -- Então, todos estão prontos. Acho que já podemos ir. [ Dizia ele, e todos colocavam suas mochilas, e colocavam tapa-bocas, jaquetas e luvas. ]

Era frio lá fora, e muito perigoso... Podia haver contaminações ou doenças, então, tinham de se prevenir de algo perigoso e caótico. O Nordestino e o Experiente estavam levando tacos de baseball para protegerem a si mesmos e os outros. O Guitarrista, no entanto, estava levando um cano de aço, muito resistente, e um dos lados dele estava afiado o suficiente para perfurar alguém.

Logo então, a Bonita segurava a mão de Emi, dando a pequena uma sensação de segurança... Então, todos estavam prontos para partir. O Experiente, por sua vez, foi até a porta dos fundos, e ia tirando as trancas, e destrancando a porta, aos poucos, abrindo, e olhando em volta.

[ Emi ] -- Estou com um mal pressentimento...

[ Loiro ] -- Então, devemos ficar aqui mais tempo?

[ Experiente ] -- Não se esqueça que se ficarmos aqui, podemos ser pegos. Não tenha medo, irmãzinha.

A pequena suspirava, e abaixava a cabeça, ficando em silêncio, então, fazia sim com a cabeça.

Todos saiam dali, e aos poucos, Emi ia erguendo a cabeça, olhando em volta com os olhos brilhantes e verdes. Ela estava morrendo de medo, e ao mesmo tempo que a Bonita dava uma sensação de segurança, ela ainda sim tinha medo do que ela não podia prever.

[ Guitarrista ] -- Não precisa ter medo, Emi... Estamos aqui pra proteger você.

Na mesma hora, a Pequena olhava ele, e se sentia mais segura, então, sorria para o mesmo, para esconder o medo que sentia na hora. O mesmo sorria, então, eles começavam a andar, O Nordestino ia por ultimo junto com o loiro, o guitarrista e o experiente iam em primeiro, e as meninas iam no meio, e a cada vez que andavam, olhavam em volta, muito atentos.


De repente, eles ouviam barulhos de passos pesados, e rápidos, eram os militares. Então, o Guitarrista puxa Emi para a parede, e o Nordestino e o Loiro colocam a Bonita ao lado de várias caixas... Os meninos ficavam atentos, escondidos também. A Pequena Emi, estava se desesperando aos poucos... e o Guitarrista, ao lado, colocava a mão na cabeça dela, e fazia carinho, para ela se acalmar... E funcionava.

[ Militar 1 ] -- Procurem por alguém vivo! Se acharem, não excitem em pega-lós e levar ao laboratório!

[ Militares ] -- CERTO!

Era possível ouvir todos recarregarem armas, e começarem a arrombar as portas das casas, procurando pessoas vivas... Eles sabiam da existência de Emi, pois ela era uma das pessoas que foi usada como experimento para uma coisa horrível.

[ Experiente ] -- Todos, não se separem . . . prestem atenção, e não saiam do lugar até eu mandar. [ Ele dizia sussurrando ]

Todos entendiam e acenavam com a cabeça... Emi colocava as mãos no rosto, e se agachava, colocando as mãos no peito em seguida e apertando sua roupa com força, como se estivesse com dor...

[ Emi ] -- U-Ugh!!

[ Bonita ] -- E-E- !!! [ Ela era interrompida, o Nordestino tinha colocado a mão em sua boca, tampando, e na mesma hora, eles podiam ouvir os militares se aproximando ]

A pequena estava ofegante, caindo no chão... Então, o Guitarrista a coloca ao seu lado de novo, a segurando para não cair e chamar atenção. O Experiente então, fazia o sinal, e na mesma hora, Os militares passavam na frente deles, então, O nordestino e o Experiente batiam forte em suas pernas, os fazendo cair. O Loiro, pegava a arma deles, e mirava neles. A Bonita, por sua vez, tirava rapidamente o colete que previa as balas... Então, o Loiro atirava neles, os matando... Pelo lado bom, a arma tinha silenciador, então os outros militares não ouviam.

[ Experiente ] -- Não vamos comemorar vitória, ainda temos que sair daqui!

Emi olhava para o militar morto, tremendo...
Logo então, Emi olhava para o Guitarrista, seus lábios estavam brancos e estava apavorada.

[ Emi ] -- Nate... estou com medo...

O nate, cujo era o Guitarrista, olhava para o Experiente, e suspirava... Olhava de volta a pequena, e sorria

[ Nate ] -- Nós vamos te proteger, esqueceu? Te tiramos de lá, e vamos te tirar desse inferno... e te proteger.

Ao ouvir aquilo, todos suspiravam de alivio, sabendo que eram uma ótima família e que se trabalhassem juntos, poderiam conseguir muitas coisas. Emi então ia até a Bonita, segurando a mão dela de volta

[ Bonita ] -- Não se preocupe, está bem? Nós vamos continuar... se sentir algo, nos avise. [ Ela fazia carinho na pequena, a confortando ]

A Pequena acenava com a cabeça, e logo, o Loiro pegava o colete e a arma, e eles iam continuando a andar, mais rápido, e tomando muito cuidado para não fazer barulho... O Nordestino, por sua vez, ia por ultimo junto com o Guitarrista, e o Loiro e o Experiente iam na frente dessa vez... A pequena ia olhando para trás de vez em quando, olhando de relance para o Nordestino e o Guitarrista, estava com medo de algo dar errado e eles morrerem. O Nordestino sorria para ela, e então, ela olhava para frente... Suspirando... De repente...

[ Emi ] -- Se abaixem!!

Então, todos se abaixavam bem na hora, e tiros passavam por cima deles, então, dava pra ouvir as vozes dos militares

[ Militares ] -- PARADOS!! VOLTEM AQUI SE NÃO MATAREMOS VOCÊS!

[ Experiente ] -- Corram !!!

Nate, o guitarrista, corria rápido e pegava Emi no colo, e o Nordestino segurava a mão da Bonita, enquanto isso, O Experiente e o Loiro ficavam atrás, e todos corriam... O Loiro atirava nos Militares, e eles atiravam de volta, Por sorte, Todos conseguiam desviar.

[ Emi ] -- Virem a esquerda!!

Todos viravam, eles estavam chegando no fim da cidade! Porém, surgia mais Militares na frente deles! Então, eles viravam novamente, seguindo outro rumo! Estavam quase sendo encurralados....Eles estravam em uma rua.. mas era um beco sem saída, então, Nate colocava a Pequena no colo, e ela tirava a mochila dele e segurava, subindo nas costas dele... se segurando forte nele, Então, eles começavam a escalar a parede de tijolos, o mais rápido possível.

[ Nate ] -- Luan! Vai rápido! Se não eles vão chegar cada vez mais perto!!

O Loiro então tirava uma granada de dentro do colete, ele não tinha percebido que tinha aquilo lá! Ele tirava o pino da granada, e jogava nos militares, e começava a subir. Então, o Loiro era chamado Luan.

[ Bonita ] -- Se preparem para a explosão!!

Assim que todos subiam, estavam no meio da parede que estava sendo escalada, a granada explodia, matando os militares.


Então, a Pequena saia das costas de Nate, e logo olhava em volta, e mordia os lábios, meio tensa.

[ Nate ] -- Oque foi, Emi? Alguma coisa de errado?

Ela olhava para ele, devolvendo a bolsa dele, e sorrindo

[ Emi ] -- Só estou tensa, não acredito que vamos sair desse lugar horrível...

Logo, a Pequena sentia um abraço caloroso por trás, era a Bonita.

[ Bonita ] -- Não se preocupe! Vamos conseguir sair daqui intactos! E vamos em outra cidade, pedir por socorro!

[ Luan ] -- Bem, só precisamos descansar por enquanto. Vocês pegaram os sacos de dormir?

[ Nordestino ] -- Eu peguei dois grandes. É o suficiente.


o Nordestino logo tirava sua mochila, e tirando dela dois sacos de dormir. Ele dava um deles para a Bonita, e ela colocava no chão, o montando, e ele fazia o mesmo.

A Pequena Emi, então, olhando em volta... e vendo o céu ficar escuro, claramente estava anoitecendo... Mais ia chover também.

[ Emi ] -- Vai chover... Não podemos ficar aqui...

[ Bonita ] -- Sim, é verdade.

[ Experiente ] -- Fiquem tranquilos, temos isso.

Logo então, o Loiro mostrava um "quartinho" no teto daquele prédio. Era pequeno, então teriam que dormir todos juntos.

[ Emi ] -- Err... Isso é muito... bem, pequeno... Não tem problema?

[ Nordestino ] -- Acho que não, ao menos que a Akira não reclame de ficar perto de mim...

[ Bonita ] -- Calado, resto de aborto...

Dava para ver que a Bonita, se chamava Akira... e particularmente eles sempre brigavam.

Emi ia até o quartinho, abrindo a porta... Por sorte, não tinha nada lá dentro, e tinha uma janela, dando para a rua... Se eles pulassem, claramente quebrariam algum osso, Era muito alto.

[ Emi ] -- Bem, é melhor nos apressarmos.

Todos, então, vão ao quartinho, e o Experiente e o Nate pegam os sacos de dormir e colocam lá dentro. O Loiro, que era o ultimo a entrar, fechava a porta e tirava uma lamparina da bolsa... Pegava um isqueiro, e ligava a lamparina. Os jovens se sentavam emcima dos sacos de dormir, e tiravam as bolsas das costas, encostando elas na parede. Eles formavam um círculo, então, o Nordestino pegava sua bolsa, e tirava garrafas de água e salgadinhos...

[ Nordestino ] -- Podem comer, só não comam muito...

[ Akira ] -- Humm... É pra comer ou não?

[ Nordestino ] -- Claro que é abestalhada! Mas não é pra acabar com tudo também, sua gorda!

[ Akira ] -- Você me chamou do que??!!

[ Emi ] -- E-Ei se acalmem ...

[ Nordestino e Akira ] -- Foi ele(a) que começou!

Todos riam, se divertindo... eles eram uma família muito unida, mesmo só dois dali sendo de sangue...

A Pequena que estava com sono, só comia um pouquinho e deitava a cabeça no colo da Akira. Ela, por sua vez, fazia carinha na pequenina... fazendo ela adormecer...

[ Nate ] -- Humm..

[ Experiente ] -- Bem, nós precisamos ficar mais juntos do que nunca agora...

[ Luan ] -- Não podemos mais brigar... temos que sair daqui... é o fim do mundo...

[ Akira ] -- . . . Também precisamos proteger a Emi . . . Ela é especial, no bom sentido . . . e ela sempre nos ajudou . . .

[ Nordestino ] -- Uma coisa é certa, temos que seguir nossas próprias regras e sermos... "badboys"

[ Akira ] -- Oque quer dizer com isso?

[ Nordestino ] -- Precisamos ser mais frios, entende? tu é burra ou oque?

[ Akira ] -- Vai se fuder...

[ Nate ] -- Bem, se preparem para dormir...

Todos então, iam se deitando nos sacos de dormir, e Akira colocava Emi entre Akira e Nate... O Experiente, o nordestino e o Luan deitavam no outro saco de dormir... O Experiente, então, apaga a lamparina

[ Experiente ] -- Boa noite, pessoal...

[ Todos ] -- Boa noite... Então, todos fechavam os olhos, adormecendo minutos depois...

- L o g o E n t ã o A m a n h e c i a -

Emi era a primeira a acordar, e olhava em volta, olhando todos dormirem... Então, ela se levantava lentamente, sem fazer barulho, e saia do quartinho... Ela olhava a cidade, devastada... e olhava para a floresta... Sentindo coisas horríveis lá.

[ Emi ] -- . . . Porque o fim do mundo chegou tão cedo . . . ?

A mesma se sentava na beirada do prédio, balançando os pés e olhando para o céu, pensativa. . .

Logo, Nate acordava logo depois... Ele percebia que a Pequena não estava lá, então o mesmo se levantava e ia para fora, olhando ela... Ele caminhava até ela, e sentava do lado dela

[ Nate ] -- Bom dia, Aconteceu algo...?

[ Emi ] -- Ah! Bom dia... Bem.. eu.. só estou pensando...

Ela olha para ele e sorri

[ Emi ] -- Dormiu bem?

[ Nate ] -- Yep . . .

[ Emi ] -- Que bom . . .

Ela voltava a olhar o horizonte.. e segurava a mão dele...

[ Emi ] -- O fim do mundo... é algo tão assustador e caótico... algo tão.. cruel.

[ Nate ] -- Meh... Bem, Você não precisa ligar pro fim do mundo, saiba que tem pessoas que estão aqui pra te proteger, e proteger outras... tipo eu também.

[ Emi ] -- Eu não quero perder vocês... mas... sinto que alguém vai morrer...

. . . 

- F i m D o Ca p i t u lo 1 - 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...