História Apocalipse zumbi - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias World War Z (Guerra Mundial Z), Zombies (Z-O-M-B-I-E-S)
Tags Drama, Ficção, Luta, Terror
Visualizações 10
Palavras 3.602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, LGBT, Luta, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Canibalismo, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa história

Capítulo 18 - EU SOU CAPAZ!


Fanfic / Fanfiction Apocalipse zumbi - Capítulo 18 - EU SOU CAPAZ!


acordei com o paçoquinha lambendo minha cara.

-. e aí paçoquinha já acordou amigo!

cade todos?

me levantei procurando todos e vi Taty com um rádio na mão e todos a sua volta.

-. eai pessoal oque tá acontecendo?

felipe- parece que a clara disse que a base foi atacada por uma horda muito grande e várias pessoas perderam a vida outras se feriam gravemente.

eu sem pensar duas vezes fui em sua direção ela tava desolada com medo de que clara acabasse morrendo nesse ataque, eu puxei seu braço ergui sua cabeça com a mão.

- presta atenção mana!

nós vamos sair daqui e logo estaremos lá, ela vai ficar bem.

ela me abraçou e começou a chorar aquilo era tão ruim ver minha irmã sofrer assim eu faria de tudo para ver ela bem.

-. agora vamos sair daqui logo, não podemos perder tempo.

peguei minha mochila e fui em direção a porta.

Gregório- eiii, mais e as vacinas?

-. minha missão é resgatar você, você se vira com o resto!

pega oque tiver de pegar vamos sair imediatamente.

pedi que me dessem cobertura e abri a porta e nem sinal dos cães fiz sinal de ok e todos começaram a sair eu tomei a frente Felipe atrás de mim Bruno Taty e Luan ficaram por último para proteger nossas costas subimos as escadas andar por andar até o terceiro, olhei pelo vidro na porta e tinha zumbis lá.

- merdaa!

Felipe- tem cães lá?

-. pior que isso! zumbis

Felipe- mas, mas, não faziam pesquisas apenas com cães aqui?

-. Gregório vai me responder isso!

fui em sua direção fiz sinal de silêncio peguei em seu colarinho ele começou a falar oque eu estava fazendo.

-. sshhh! cala boca fala baixo!

Gregório-. tá mais oque tá acontecendo?

-. me diz você!

arrastei ele até a porta e mostrei os zumbis para ele.

-. vai me explicar isso Gregório?

Gregório-. éééé... euu... ...

- fala cretino!

Gregório-. eu não sabia sobre essas coisas aqui eu apenas trabalhava na ala dos cães e do DNA.

-. você acha que tenho cara de otária? você é o todo poderoso aqui você não recebia ordens você as ditava aqui.

Gregório-. eu não sei! não sei !!

-. ata!

soltei ele me virei de costas passei a mão pelo cabelo peguei a pistola e apontei pra ele.

-. quem sabe se você ficar por aqui com suas mentiras o mundo fique melhor nao é mesmo.

taty- eiii calma, vamos baixar os animos por aqui né chega!

-. esse desgraçado usava pessoas como cobaias sem nenhum remorso.

taty- eu também queria que ele pagasse por isso, mais infelizmente Philip quer ele vivo!

- ..... não! ...

taty- abaixa a arma mana!

- ... ......

taty- faz isso por mim então!

-. porra! aaaahh..

taty- obrigada!

agora oque vamos fazer?

-. matar todos eles, não tem outro geito afinal!

luan- tem uns 20 deles ao longo do corredor até a porta, e se atiramos os cães é quem vão aparecer!

Felipe-. então temos que entrar e fuzilar todos o mais rápido possível!

- não temos outra opção né, vamo lá.

abri a porta e começamos atirar eles vinham e nos íamos derrubando eles escutei um click minhas pistolas estavam sem munição peguei o fuzil AK-47 continuei atirando até que derrubamos o último, não demorou muito para os cães aparecerem, entramos no corredor e fechamos a porta passamos rapidamente pelo corredor e chegamos a porta que Gregório tinha dito.

Gregório- essa é a porta!

-. vamos vamos! temos que chegar no avião antes do anoitecer.

entramos e tava tudo escuro ligamos as lanternas acopladas nas armas e continuamos andamos muito por volta de uns 40 minutos dentro do túnel chegamos a uma escada que dava em outra porta quando abri saímos dentro de uma farmácia no centro da cidade.

-. como assim? não seria mais fácil ter dito sobre essa entrada?

gregório- sim mais não estava terminada e achei que não dava para passar ainda.

- hum!

agora vamos temos que encontrar algum veículo que possamos para chegar até o avião.

saimos na rua e como era bom respirar ar puro ver o sol, sentir o vento no rosto nossa como era booom, eu já me lembrei da épocas tranquila que passamos no sítio com todos a mesa almoçando.

Felipe-. cuidado Rosy!

quando me virei um zumbi bem perto de mim tentava me segurar eu ia me esquivando da sua boca eu empurrei ele que caiu de Costa e Felipe atirou nele.

-. essas merdas parece que só me querem!

todos-. hahaha

Felipe-. vai ver você é a mais gostosa aqui hahaha

-. idiota! haha

luan- agora vamos antes que mais deles queiram um encontro com ela haha

andamos algumas quadras e vimos uma Saveiro G5 quebrei o vidro com o cotovelo e procurei a chave e nada.

Bruno- posso tentar fazer uma ligação direta!

- vai lá

bruno- só preciso descobrir onde passa os fios preciso de uns minutos.

ele arrancou os fios cortou com um canivete e começou a ligar os fios novamente.

-. anda Bruno, rápido estamos sem tempo!

Bruno- sem pressão por favor!

-. não é pressão nao, mais olha pelo retrovisor !

tinha uma horda passando a 4 quadras de nos, não era muito grande mais já era o suficiente para nos ferrar legal, a Saveiro então ligou.

bruno- haha mano eu sou o cara !

-. é cara! agora vamos que o barulho trouxe eles em nossa direção!

todos subiram na caçamba da Saveiro eu e Gregório fomos dentro sai queimando pneu, Gregório foi mostrando como sair da cidade entramos em uma estrada de terra e continuamos por alguns quilômetros já dava pra ver a floresta ao longe, era bom que o sol já tava pra mais das 4 da tarde.

chegamos no campo e parei perto do avião achei estranho Elliot não ter dado às caras!

-. pessoal cade o Elliot?

fui chegando perto e vi sangue escorrer de dentro do avião paçoquinha começou a latir, passei a mão nele para acalmar-lo peguei minha arma me movendo lentamente, não podia ser Elliot ou nunca sairíamos dali ele era o único que sabia pilotar o avião.

fiz sinal para os outros que iria entrar Taty veio em minha direção segurou no meu ombro.

sussurrou"

taty- você tá louca? e se um daqueles cachorros estiverem lá?

-. eu tenho que arriscar não vou ficar aqui esperando ele sair e nos atacar também!

taty- você fez muito por hoje, deixa que eu vou!

-. tá louca? naaaoo! nem pense nisso.

taty- chega de bancar a durona Rosy vamos nos duas então!

me olhou com uma cara igual quando nos brigávamos no nosso quarto haha.

ela fez questão de ir na frente eu fui atraz e paçoquinha com a gente, ela entrou eu fui subindo de vagar a escada escutei ela gritar lá dentro eu subi rapidamente e lá estava Elliot desacordado ao lado de um zumbi com uma faca encravada na cabeça, tinha muito sangue lá provavelmente dos dois e os sangues se misturavam.

taty- é o Elliot !

corri em sua direção virei ele e por sinal parecia estar vivo só estava desacordado e com um corte razoável em sua cabeça.

- ele tá vivo ainda Taty, faz alguma coisa rápido!

taty- deixa eu ver!

vai chamar todos lá fora pode ter mais zumbis perambulando por aí!

-. tá bem!

taty- aaah Rosy?

-. oii?

taty- pega minha mochila no carro lá tem curativos álcool e remédios!

-. deixa comigo! já volto mana.

cheguei no carro abri a porta peguei a mochila da Taty e a minha, Bruno perguntou se tava tudo bem.

Bruno-. oque aconteceu lá? cade a Taty?

-. não dá pra falar agora vamos entrar e vocês mesmo vão ver!

luan- cade Elliot?

-. gente vamos entrar todos, aqui não é mais seguro!

todos entramos pedi que Gregório e Artur se sentasse nas poltronas e não saísse de lá pra nada, Luan ficou com eles para evitar problemas Bruno e eu arrastamos o zumbi morto para fora do avião aproveitei para olharmos se a roda tava pronta pra decolar, caso Elliot melhorasse bruno deu uma averiguada entramos e fechamos a porta.

-. como ele tá mana?

taty- perdeu muito sangue ele precisa ser examinado para saber se sofreu algum dano cerebral serio porque o corte me parece ser grave.

felipe- temos mais ou menos uns dois litros de água apenas!

e uma lata de feijão e um pacote de bolacha.

não dá pra ficar aqui muito tempo.

-. então vamos economizar já fizemos isso antes.

bruno- mais e se ele não acordar? ou se acordar daqui uma semana não sei!

vamos esperar?

-. infelizmente o único que sabe por isso no ar é ele.

luan- passa um rádio para a base fala que precisamos sair daqui.

- vou ver isso! mais na situação que estão lá bem difícil eles virem!

tentei por várias vezes entrar em contato com a base mais nenhuma resposta já estava escuro e todos fomos descansar o dia foi exaustivo para todos.

no meio da madrugada acordei com paçoquinha latindo Elliot estava se debatendo muito segurei a cabeça dele que batia muito forte no chão devia estar passando mal ou algo assim, chamei Taty para ver oque tava acontecendo!

-. mana acorda... me ajuda rápido!

taty- merda isso não podia acontecer ... vê se a língua dele tá enrolando!

-. nao, não esta! mais ele tá babando muito.

taty- vira ele de lado deve ser uma convulsão por conta da pancada na cabeça, assim ele não se afogará com a saliva.

-. ele vai ficar bem?

taty- espero que sim!

enquanto ajudava Taty a segurar ele de lado para não se afogar com sua saliva derrepente começou a vomitar sangue.

-. merda oque tá acontecendo?

taty- me empresta a lanterna!

-. tá mais preciso pegar na minha mochila.

taty- vai rápido!

peguei a lanterna e Felipe acordou perguntando oque tinha acontecido para eu estar tão agitada assim, apenas pedi que ele acordasse todos entreguei a lanterna para Taty que abriu um dos olhos de Elliot e depois de ter examinado ela me olhou seria.

-. oque foi??

taty- ele tá infectado, precisamos tirar ele daqui agora!

-. porra !

Felipe que já tinha se levantado ajudou a jogar-lo para fora e entramos Taty foi limpar o sangue que ele vomitou no chão Felipe se sentou na poltrona eu apenas me encostei na porta paçoquinha se deitou entre meus pés e logo depois ouvimos os gemidos de Elliot se transformando ele gritava de dor, oque iríamos fazer agora o piloto foi infectado ninguém na base respondia e ninguém ali sabia pilotar.

era tipo um túnel sem saida!

fui para cabine me sentei no banco do piloto e nada passava pela cabeça para mudar essa situação, Elliot me viu pela janela e ficava esticando as mão como se quisesse me devorar.

-. desculpa amigo! eu não pude fazer nada por você.

você era um cara bom não merecia isso.

me recostei na poltrona e vi o Masso de cigarro de Elliot peguei um cigarro coloquei na boca e paçoquinha apareceu me olhando.

-. eu sei que não devo amigo não precisa me olhar assim.

você é um cachorro não tem que me julgar! rsrs

acendi o cigarro na primeira tragada eu quase coloquei o pulmão para fora de tanto tossir a segunda foi pior ainda mais fui pegando o geito aquilo era horrível mais de alguma forma me relaxou,

taty entrou e se sentou ao meu lado viu o cigarro entre meus dedos e ficou me olhando seria.

taty- sério que você tá fumando?

-. aceita um ou vai ficar me olhando que nem o paçoquinha haha, de alguma forma isso me relaxou.

taty- não! eu prezo por minha saúde você deveria fazer o mesmo a mãe não ia gostar de saber que você tá fumando!

-. .........

ela percebeu minha chateação com o assunto e colocou as mãos sobre a cabeça suspirando fundo.

-. infelizmente ela não tá aqui.

taty- desculpa eu não queria te deixar mal eu só queria te mostrar que isso vai acabar te matando!

-. de alguma forma acho que já estou morta mesmo!

taty- ....

ficamos em silêncio por alguns minutos acho que ela acabou entendendo como me sentia sobre perder as pessoas que amo, ela se levantou colocou a mão sobre meu ombro e me olhou.

taty- vou me deitar lá atraz é mais confortável se precisar de mim é só chamar! vai ficar bem aqui?

eu apenas coloquei minha mão sobre a dela e balancei a cabeça dizendo que sim, ela deu dois tapinhas na minha costa e saiu quando ela fechou a porta meus olhos se encheram de lágrimas e comecei a chorar com as mãos no rosto para que ninguém ouvisse.

pensamentos*

eu sou uma inútil mesmo né mãe? (choros)

se eu fosse mais forte você estaria bem hoje....

como a senhora dizia eu não faço nada direito mesmo..

eu só queria que você estivesse comigo agora cuidando da gente como sempre fez!

EU TE AMO TANTO!

sinto muito sua falta mãe

preciso da senhora aqui comigo (choros)

acho que oque não chorei quando ela morreu chorei naquela noite e depois de tanto chorar eu adormeci e sonhei com ela, ela tava toda linda como sempre eu dizia pra ela que eu não conseguiria cuidar de todos sem ajuda dela, que eu não seria metade da mulher que ela foi que eu era fraca demais para isso mesmo todos tendo confiado em mim, no sonho ela me olhou de uma forma que eu senti que ela confiava em mim e sabia que eu era capaz de tudo.

ela apontou o dedo para o céu e mostrou um avião voando sobre nós lá era tão silencioso trazia uma paz enorme, olhei para ela e disse que não sabia oque ela queria me dizer.

ela sorriu me abraçou forte colocou a mão sobre meu coração como se dissesse "eu tô aqui sempre que precisar"

tudo foi ficando claro ela foi sumindo eu acordei com um raio de sol batendo em meu rosto, paçoquinha deitado no banco do lado dormindo.

acendi um cigarro fiquei por alguns minutos lembrando do sonho olhei para o céu e foi como se um estalo viesse a minha cabeça eu me levantei e corri até todos que ainda dormiam.

-. pessoal acordem, vamooos vamos!

taty- aaah que foi? oque aconteceu pra tá tão agitada assim tão cedo!

-. eu vou tirar a gente daqui!!!

luan- han? como?

-. vou por essa bagaça para voar ou não me chamo rosy!

felipe- É OQUE??? piada logo cedo? hahaha

-. tô falando sério.

Bruno-. você sabe pilotar isso??

-. não, mais não deve ser difícil

felipe- você tá falando sério mesmo??

-. sim ué, tem uma ideia melhor?

felipe- tamo morto!

taty- calma feeh, talvez de certo ela só precisa de um pouco de confiança!

e me olhou com uma cara de que estaria comigo para qualquer coisa.

-. obrigada mana!

Luan preciso de você comigo lá

Luan- eu já digo que não entendo nada de aviões tá legal.

-. você vai ver a direção correta que temos que ir só isso já que você é nosso doutor mapa aqui!

bruno- tô com você!

taty- eu também!

felipe- fazer oque né haha. vamos dar o fora daqui então!

taty- oque estamos esperando? vamoos sair daqui! hahaha

Felipe- sério mesmo? eu ainda tô meio perdido!

taty- então se prepara feezinho que vamos voar haha

Felipe- euu.. eu .. eu vou me sentar ali me prender no sinto acho que é mais seguro!

taty- tá legal medroso haha vou ajudar eles lá, tenta não morrer aqui hein!

felipe- como assim morrer?? eiii volta aqui.. .....

eu e Luan entramos na cabine ele sentou no meu lado Taty se juntou a nós e ficou olhando e luan explicou como funciona tudo sobre a direção que iríamos voar, então dei a partida esperei um pouco até os motores ficarem quentes olhei para luan e para Taty se fosse como nos vídeo games eu tiraria todos dali.

-. e aí? prontos?

taty- acho que você que tem que dizer né.

-. eu acordei pronta mana!! haha

empurrei a barra de aceleração no último o avião pegou velocidade muito rápido eu segurei o manche do avião para traz e ele começou a subir quando ganhou uma boa altura e já estávamos sem turbulência procurei por um botão que deixasse no piloto automático.

-. esse avião não tem?

luan- não tem oque?

-. piloto automático!

taty- esse botão grande aí no meio do manche serve? hahaha

-. é esse mesmo, tô com a cabeça nas nuvens! haha

luan- estamos literalmente! haha

- agora acho que posso soltar isso sem que o avião caia.

quando soltei o manche o avião começou a despencar eu puxei novamente e ele estabilizou.

luan- tá doiiiidaaaa? eu não quero morrer porra!

taty-. aperta o botão primeiro né caralho.. aaaaaaah que sustooo!!

-. hahahahah foi maaal!

pronto!

soltei de vagar e o avião continuo voando sem cair, me encostei na poltrona e respirei fundo.

-. até que não foi tão difícil assim.

taty- vou ver como todos estão lá atrás Jajá eu volto!

luan- se ficarmos nessa direção vamos chegar na base logo!

-. tá bem e como sabe ler essas coisas?

luan- são pequenos mapas olha! tem direção, altitude, velocidade!

-. você deveria estar pilotando isso não acha?

luan- dispenso haha.

eu sou um grande piloto um cozinheiro de mão cheia, sou um bocado de coisas!

mas apenas nos livros hahah

- haha tá certo então!

taty- hahaha

-. oque foi?? haha

taty- cheguei lá o Felipe tava desmaiado no colo do doutor Gregório disse que tava passando mal haha

nós três rimos muito dele o Felipe era foda mesmo haha.

taty-. bom e em quanto tempo a gente chega lá?

luan- calculando a distância é a velocidade acho que daqui umas meia hora!

taty- você é um belo de um nerd sabia?

luan- pelomenos tenho um cérebro e uso ele haha

-. nossaaa, essa doeu até em mim.

todos- hahahaha

e assim seguimos o restante da viagem lá no céu pelomenos parece que esquecemos o caos que a terra estava quando nos aproximamos da base comecei a diminuir a velocidade mais como pousar era totalmente diferente de decolar o avião a poucos metros do chão caiu todos começamos a gritar e o avião saiu derrapando na pista da base atravessando a grade de segurança e se despedaçando com o impacto por sorte não tinham mortos vivos por lá.

acordei de ponta cabeça com paçoquinha me labendo a cara de fato ele não largava de mim, com muita dificuldade me soltei do sinto minha perna doía muito vi que tinha sangue na calsa quando eu rasguei tinha apenas um corte leve mas que sangrava razoávelmente, soltei o Luan que acordou se queixando da sua cabeça tinha apenas um corte no supercílio, e um corte na boca.

luan- aaah merda caímos?

-. sim, vamos procurar os outros antes que esse lugar vire um grande banquete para os zumbis, arrggh minha perna!!

luan- você tá bem?

-. sim estou, só a perna que dói um pouco.

Taty tava caída em baixo de um grande pedaço de metal que se desprendeu do avião e por sorte ela estava com apena um corte no braço e uns ralados eu amarrei um pano para estancar e tentei acordar ela.

-. mana? acorda por favor!

acorda vaii.

taty- aarggh! meu braço.

- calma, consegue se levantar?

taty- sim!! ptzz meu braço! oque aconteceu?

-. caímos segundos antes de pousarmos.

ajudei ela a se levantar Luan tava saindo com Felipe bruno e Gregório da parte traseira do avião.

-. cade o Artur??

luan- ele tá morto, foi esmagado nos destroços.

taty- e esse sangue todo na sua camisa Bruno?

quando bruno levantou a camisa tinha um corte profundo no seu abdômen.

Bruno- merdaa!!

devo ter me cortado com os vidros que caíram por cima de mim.

taty- precisa estancar o sangue coloca um pano e pressiona com força!

- temos que entrar logo, Gregório você tá bem?

Gregório- sim acho que fui o único que não se machucou tanto só meu pescoço que dói um pouco!

-. então vamos!

Gregório-. espera! temos que pegar a maleta com as vacinas!

procuramos pela maleta o paçoquinha a encontrou em baixo de uma poltrona quando felipe abriu todas as ampolas tinham sido quebradas restou apenas uma.

Felipe- merda !! só sobrou uma.

-. pega e vamos não podemos mais ficar aqui! com o barulho logo esse lugar vai estar infestado de zumbis.

Felipe pegou a maleta e ao sair viu sua arma no chão e a pegou também fomos em direção a base é o portão principal estava aberto entramos com cautela Felipe foi com a arma na frente passamos pelas casinhas que pareciam não ter mais ninguém por lá.

Bruno mal conseguia andar ele já estava ficando pálido, paramos para descansar sentei ele no chão e por sorte não encontramos nenhum zeec por ali, e era até estranho porque eles tinham sido atacados por uma horda grande e não tinha nenhum sinal de zumbis ali, talvez tenham desviado ela logo depois.

e só foi pensar que paçoquinha começou a rosnar para a rua de traz e vimos um grupo que deve ter se desprendido passando na rua de traz, e caminhava em nossa direção se não saíssemos dali eles nos veriam e alguns de nós ali mal aguentava ficar em pé.

-. vamos sair daqui!!

vamos lá levanta você consegue véio, aguenta só mais um pouco tá!

bruno-. tá bem! arrgh...

ajudei ele a se levantar e entramos em uma casa, Felipe checou a casa e tava limpa nada de zeec's, coloquei Bruno no sofá e fiquei na janela olhando até que os zumbis passassem.

taty- ergue a blusa Bruno deixa eu dar uma olhada!

Bruno- tá feio né arrggh! coufh!

taty- você vai ficar bem, tô sabendo que já se livrou de coisa pior.

bruno- isso dói muito!!

taty- alguém me arruma outro pano que esse tá encharcado!

esperei os zumbis passarem e ajudei Bruno a caminhar novamente chegamos na porta do quartel e tava trancado eu bati para alguém abrir ouvi uma voz dizendo.

" senhor tem zumbis lá fora"

-. eeeiii abreee somos nós!!!

"abre a porta é a capitã rosy"

Gomes abriu a porta e todos vieram nos ajudar.

gomes- capitã oque aconteceu?

-. depois nos conversamos ele precisa de atendimento médico urgente, pede para clara cuidar dele!

gomes- soldado leve ele para a doutora Simone!

taty- oque houve com clara?

gomes- vamos entrar todos, assim que vocês estiverem bem nos conversaremos com calma.

eu notei um tom diferente nele ao falar da clara e Taty também e ficou muito apreensiva, algumas horas se passou e apenas Bruno e Taty ficaram em observação.

mony- prazer sou a doutora Simone mais podem me chamar de mony.

taty- doutora oque aconteceu com a doutora clara?

mony- eu não tenho ordens para falar sobre isso mais assim que acabar aqui falo para Gomes que quer vê-lo tudo bem?

taty- tá ok..


Notas Finais


Espero que estejam gostando de tudo 😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...