História Após a Meia-Noite - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Serial Killer
Visualizações 25
Palavras 1.528
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


É, tá bem tarde agora mas foi o tempinho que restou hehe. Desculpa por isso. A propósito, muito obrigada a todos os leitores. Vocês têm me motivado bastante e prometo me esforçar para compensar vocês. Beijinhos de chocolate e boa leitura.

Capítulo 19 - Capítulo 19


* Flashback on *

P.O.V. Gregory

6 meses atrás

- Bom dia, sr. Mason. 

- Bom dia... Hã... quem é você ?

- Ah,- ela sorri.- sou Charlotte, sua nova secretária.- ela estende a mão para mim e a pego, relutante. - É um prazer conhecê-lo.- ela sorri calorosamente.

- O prazer é meu.- digo e entro no meu escritório. Sento em minha cadeira e abro minha pasta pegando alguns documentos mas alguém bate na porta.- Entre.- a secretária entra lentamente.

- Com licença, sr. Mason.

- Gregory, por favor. - peço olhando para a papelada.

- Desculpe, sr. Gregory.- assinto com a cabeça sem olhá-la.- O sr. Thompson me pediu para lhe entregar isso.- ela estende uma pasta.- Disse para preencher e devolver amanhã.

- Deixe na minha mesa, por favor.- ela coloca a pasta e fica parada me encarando. 

- Precisa de alguma coisa ? - ela diz com uma voz repentinamente sedutora.

- Não, obrigado. Pode ir. - digo sem dar atenção a ela.

- Claro.- sua voz é decepcionada dessa vez. Ela finalmente sai e começo a preencher a papelada rapidamente. 

As horas parecem se arrastar enquanto trabalho mas o intervalo do almoço finalmente chega e saio à procura de Evie. Antes que eu pudesse chegar a seu departamento ouço Alice me chamar.

- O sr. Thompson está lhe esperando para almoçar em seu escritório.- Droga, tinha me esquecido que eu tinha marcado de almoçar com ele hoje. Que inoportuno. - Me acompanhe, por favor.- a sigo a contragosto. Quando entramos no elevador, Alice se vira para mim como se quisesse me dizer algo mas parece desistir e encara o chão.

- Algo a incomoda hoje, Alice ?

- Hã... não... eu só... tenho uma dúvida mas é inconveniente de minha parte lhe perguntar isso.

- Agora estou curioso. Pergunte e esclareça sua dúvida.- ela pensa por um segundo, claramente em um conflito interno entre sanar sua dúvida ou manter a moralidade. E aparentemente a curiosidade venceu.

- Não quero parecer inconveniente, intrometida e muito menos fofoqueira mas é que todo mundo está comentando então eu achei estranho e por isso surgiu a curiosidade mas eu também fico com receio de que o senhor se sinta ofendido e acabe brigando comigo e eu não gostaria de ser demitida por estar me envolvendo em assuntos pessoais dos funcionários que não são vinculadas ao meu trabalho e aca...

- Apenas pergunte logo, Alice. - digo interrompendo seu falatório.- O que todo mundo está falando que te deixa tão curiosa a ponto de achar que pode ser demitida ? - ela comprime os lábios, receosa e começo a ficar impaciente.

- É verdade que o senhor e a srta. Parker estão namorando ? - fui pego de surpresa.

- Como é ?

- O senhor sabe, a srta. Eveline e o senhor têm ficado cada vez mais próximos e todos os departamentos estão comentando a respeito. - eu fico pasmo e não digo uma palavra sequer. - Ah meu Deus, eu não devia ter falado nada. Me desculpe e por favor, não me demita.

- Eu não vou te demitir Alice. - ela dá um suspiro aliviado.- Então é essa a causa de haverem cochichos por onde eu passo nas últimas semanas ?

- Suponho que sim, senhor. - dou uma risada aliviada e sinto Alice relaxar ao meu lado.

- Não é verdade tal fofoca. A srta. Eveline e eu somos apenas amigos.

- Ah, claro. Eu imaginei.

- Imaginou ? - ergo uma sobrancelha. 

- Hã... bem... o senhor está sempre tão ocupado que não parece ter tempo para essas coisas. - dou uma risada leve e balanço a cabeça.

- A imagem que você tem de mim é um tanto quanto interessante.- digo quando a porta do elevador finalmente abre. - A propósito, - digo avistando o sr. Thompson me esperando na porta de seu escritório.- agradeceria se puderem parar de falar sobre a minha vida pessoal. É antiético. Olho para Alice e seu rosto fica vermelho enquanto ela assente. - Olá sr. Thompson.

- Olá sr. Gregory. Está pronto para irmos almoçar ?

- É claro. Vamos ? - ele assente e saímos, deixando Alice para trás. 

Quando retorno ao escritório penso em passar na mesa de Evie mas Charlotte me chama. O que é isso ? Um complô de secretárias ?

- Chegou uma papelada para o senhor assinar e entregar em vinte minutos. - praguejo mentalmente e vou para o meu escritório. Quando finalmente acabo de assinar os documentos e verificar alguns investimentos meu celular toca. Atendo o número desconhecido com desconfiança.

- Alô ?

- Quem é vivo sempre aparece. - uma voz feminina diz.

- Quem está falando ?

- Você não reconheceu a minha voz ? Estou decepcionada.

- Quem é você ?

- Hum, vamos por partes. Que tal começar se lembrando do que fez com a minha irmã ? Aposto que dela você se lembra.

- E quem era sua irmã ?

- Apenas uma bibliotecária que tinha uma boa vida e foi morta por um serial killer estúpido.

- Ah, você é a irmã da Kayla. - digo com desdém enquanto saio da minha sala e vou em direção a escadaria de emergência. - O que você quer de mim ? Quer que eu descreva com detalhes como a matei ou quer que eu a mate também ?

- Seu cretino filho da...

- Ei, não envolva minha mãe nisso. Acho que ela não vai se importar de fato mas ainda não assim não é educado.

- Como você se atreve a debochar de mim ? Eu poderia muito bem estar gravando essa ligação e entregá-la à polícia.

- Você disse bem, poderia. Mas não está fazendo isso.

-Como você tem tanta certeza ?

- Bem, você se denunciou na sua fala. Além disso, você não é tão inteligente quanto a sua irmã para ter pensado nisso com antecedência. Ela era inteligente. Sua única burrice foi andar despreocupadamente pelas ruas durante a madrugada e dar mole para um desconhecido. Sua mãe nunca lhes ensinou a não falar com estranhos ?

- Cala a boca ! - ela grita furiosa do outro lado da linha. - É melhor você não brincar muito comigo ou faço com a sua namorada a mesma coisa que fez com a minha irmã.

- Do que você está falando ? Eu não tenho namorada. Melhor arrumar fontes mais confiáveis antes de tentar alguma coisa. Você não vai querer cometer outro erro não é ? Sabe, agora me lembro que quase a matei também mas fiquei com peninha. - dou uma risada de escárnio.

- Você está rindo agora mas duvido que fará o mesmo quando eu deslizar uma faca no pescoço da sua querida Eveline. Vou matá-la tão sadicamente quanto você faz com as suas vítimas. Depois posso cortá-la em pedacinhos e servir para o meu cachorro ou até, quem sabe, cozinhar e lhe enviar no intervalo do almoço. Você prefere bem ou mal passada ? - sinto a raiva me tomar completamente.

- Está maluca ? Não se atreva a vir aqui e muito menos se aproximar dela. Eu te poupei uma vez mas não serei tão piedoso novamente.

- Aaahh, olha só. Parece que agora ele resolveu me levar a sério. Será que eu devo te poupar ?

- Escuta aqui sua vadia de quinta categoria, é melhor você ficar bem longe dela senão farei com você a mesma coisa que fiz com a piranha da sua irmã. Depois não diga que não avisei. E não me ligue mais.- desligo o telefone enraivecido e começo a subir as escadas até ver uma forma parada no topo da escadaria. Congelo.

- Evie ? O que está fazendo aqui ? - ela parece assustada. Merda.

- O elevador estava... ocupado. - sua voz vai diminuindo aos poucos. Encaro-a completamente tenso e apreensivo. O quanto ela ouviu?

- Até onde você ouviu ? - pergunto preocupado. 

- Eu não ouvi nada. - ela mente. Inferno. Finjo acreditar e assinto. O que eu vou fazer com ela agora ? Suspiro e tento mudar de assunto.

- Quer uma carona até em casa ?

- Não, eu estou com meu carro. Obrigada. - seu rosto está inexpressivo. Ela desce rapidamente mas seguro seu braço impulsivamente.

- Dirija com cuidado. - sussurro em seu ouvido e ela assente indo embora. 

Quando subo novamente para o meu escritório pego minhas coisas e vou paro o meu carro. Minha cabeça começa a doer então passo na farmácia para comprar uma aspirina. Enquanto espero no balcão o atendente voltar com o remédio vejo uma garota entrar e ir para o corredor de tinturas para cabelo. Ela não aparenta ter mais de vinte e três anos.  O farmacêutico volta com meu medicamento e vou para o caixa ao mesmo tempo que ela. Deixo-a entrar na minha frente e ela sorri para mim agradecida.Em seu pescoço tem um crachá: 

Katherine Carter

Estagiária

Pago minha compra e entro no meu carro, observando Katherine sair e ir em direção a uma viela. Acho que chegou a hora de aliviar o meu estresse.

 


Notas Finais


Coitada da moça, só queria pintar o cabelo pra ficar mais ajeitada. Enfim, espero que tenham gostado. Até a próxima att.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...