1. Spirit Fanfics >
  2. Aprendendo a amar - Min Yoongi. >
  3. Capítulo 8.

História Aprendendo a amar - Min Yoongi. - Capítulo 9


Escrita por: Ninako_one e Ninako_two

Capítulo 9 - Capítulo 8.


Fanfic / Fanfiction Aprendendo a amar - Min Yoongi. - Capítulo 9 - Capítulo 8.

— Sabe — disse Yoongi, antes de beber um pouco do seu refrigerante. — A gente poderia ter alguns encontros, entende? — Comentou Yoongi, logo depois dando uma mordida na metade do bolinho com carne que a gente comprou na cantina da escola e que depois dividimos.

— Encontros? Encontros... — digo, tentando imaginar como seria um encontro, já que eu nunca fui em um com um garoto, apenas os encontros que eu fui eram com minhas amigas e, na maioria das vezes, era para discutir sobre algum trabalho ou apenas ir ao cinema. Os encontros de casais que eu conhecia eram apenas aqueles de filmes, onde tem um jantar romântico em um restaurante luxuoso ou até mesmo em casa à luz de velas. Também tinham aqueles encontros de ir ao cinema para assistir um filme romântico de mãos dadas. Não sei o tipo de encontro que Yoongi está se referindo são esses, mas acho que ainda somos jovens para um jantar à luz de velas. O Cinema é bom, mas depois de um tempo ficará repetitivo. É, realmente, eu não sei quais são os tipos de encontros que poderíamos ter.

— É, encontros. O que acha disso? — Comentou, tirando-me dos meus pensamentos que poderiam ir mais além.

— Mas... Que tipo de encontro?

— Bom — coçou a nuca. — Eu nunca fui a um encontro de verdade. Mas podemos fazer várias coisas, é só pensarmos um pouco. Como por exemplo, podemos ir ao cinema, à praça, parque de diversões, podemos conhecer a casa um do outro, patinar... — Os exemplos que Yoongi deu eram poucos, mas já me fez ter uma noção das coisas que podemos fazer. Não importa o que seja ou quão simples ela é, qualquer coisa que fizéssemos juntos viraria um encontro. — Podemos ir até na pizzaria como encontro.

— Entendo... Você disse que nunca teve um encontro de verdade... Ou seja, você já foi em encontros, mas eram de mentiras? — Pergunto, franzindo um pouco o cenho. Yoongi riu.

— Os encontros que eu já fui eram com os meus amigos. Ou quando eles iam sair com alguma garota, eles me chamavam, pois era provável da garota levar uma amiga, então eu acaba indo para não ficar um clima ruim entre os três. Para mim, isso será um encontro de verdade, pois é com uma pessoa que eu gosto. Será meu primeiro encontro com alguém que realmente gosto.

— Entendo. Vai ser bom se fizermos isso. Eu aceito ter esses encontros. Podemos nos conhecer ainda melhor. Esse também será o meu primeiro encontro de verdade — ri um pouco. Yoongi sorriu.

— Isso é bom. Sabe, pode parecer um pouco estranho o que vou dizer, mas é bom saber que eu vou ser o seu primeiro em várias experiências, me deixa feliz. É uma pena que eu não tenha dado o seu primeiro beijo... — até então eu me encontrava encarando Yoongi enquanto ele falava. Mas depois de sua fala, voltei meu olhar para as minhas mãos, sentindo a temperatura das minhas bochechas mudarem para mais quente. Agora eu já não sei como agir. A momentos que ele me faz não ter reação.

— É... — "É". Foi a única coisa que consegui pronunciar. O que deveria ter dito?

Bom, de qualquer forma, ele não é o meu primeiro beijo, mas... O segundo... pode ser.


                           ....


É tarde, quero dizer, nem tanto. Eram mais ou menos 15:03 da tarde. Me encontrava de bruços em minha cama, terminando a tarefa de química que é para ser feita em casa. Já podia sentir o desconforto por estar nessa posição, então logo me sentei sobre minha cama. Minha mente parecia se encontrar em dois lugares. Enquanto tentava prestar atenção na forma de escrever as formas estruturais dos hidrocarbonetos, minha mente também pensava em quais lugares Yoongi e eu poderíamos ir para um encontro. Acho que esse é o motivo de eu ainda não ter terminado essa atividade, pode se dizer que a cada quatro minutos, paro de prestar atenção para imaginar como seria ter um encontro em determinado local.

Foco no exercício no meu caderno, já estaou na última alternativa da questão, então é só prestar mais um pouco de atenção para finalmente terminar tudo e então poderia fazer um lista dos possíveis lugares que podemos ter um encontro, quando, de repente, meu celular começou a tocar. É Yoongi que está a ligar. Como não há mais ninguém em casa além de mim e Floquinho, não há problema em atender o telefone aqui, pois ninguém irá ouvir a conversa.

— A-alô?  — Parece que ainda fico um pouco nervosa quando Yoongi me liga, mesmo eu já tendo me acostumado um pouco com ele.

— ...Oi  — era possível escutar um pouco de sua respiração pelo celular, traz um um sensação boa.  — Eu sei que a gente já se viu hoje, mas tudo bem?  — Ri um pouco.

— Estou bem sim. E você?

  —  Estou bem também...  — Depois de sua resposta o silêncio se instalou por alguns segundos, é como se estivéssemos apenas aproveitando a companhia um do outro. Mesmo que seja uma ligação e ele não esteja me olhando, ainda sim posso sentir minhas bochechas corarem.  — Você está fazendo algo de importante agora?

  — Não, não estou  — digo olhando em minha volta, observando se tem mais alguma coisa para fazer além da atividade escolar.  — Eu estava fazendo uma tarefa de química, mas já terminei.

  — Eu não te atrapalhei? Se quiser posso falar com você mais tarde.

  — Não, você não atrapalha, eu já terminei o que eu tinha que fazer. Por quê?

— Eu estava pensando, que tal já termos um encontro hoje?

— Hoje? Mas já?

— Não vamos a um lugar específico hoje, estava pensando em você vir aqui em casa  — ir na casa do Yoongi, hoje... e se ele estiver sozinho em casa... o que pode acontecer...? Só de pensar nas diversas possibilidades do que pode acontecer meu corpo já esquenta todo de tanta vergonha.

  — M-mas porque hoje? Você tem algo específico em mente?

  — Eu não te contei, mas eu tenho uma sobrinha, filha do meu irmão mais velho. Quando a mãe dela está ocupada, ela fica aqui comigo, como hoje. Então estava pensando em vocês se conhecerem, já que futuramente você fará parte da minha família. O que você acha? Mas se você não puder hoje, não há problema — Sinto-me aliviada ao saber o motivo que ele quer que eu vá à sua casa hoje. É interessante a sua autoconfiança de que a gente vai ficar juntos futuramente, ao mesmo tempo que acho isso engraçado, também me sinto um pouco confiante no futuro.

  — Não, por mim tudo bem, eu aceito ir na sua casa hoje — sorri mesmo que ele não possa ver.

  — Ótimo  — pude sentir uma certa empolgação em sua voz. — Vamos nos encontrar na pracinha próxima da escola e daí vamos para minha casa, certo? Pode ser às 15:30?

  — Sim, 'tá ótimo.

  — Então, até daqui a pouco.

— Ah, espere um pouco  — talvez seja melhor eu levar Floquinho comigo do que deixá-la sozinha aqui. Sei que ela fica sozinha aqui em casa, pois estão todos fora de manhã, mas mesmo assim será melhor  — Você ou sua sobrinha tem alergia a animais?

  — Não... acho que não, por quê?

  — É que eu tenho uma gata  — digo passando a mão em minha testa.  — E se você ou sua família não tiver problemas com animais, eu gostaria de levá-la até a sua casa. Posso...?

  — É claro que pode, sem problemas!

— Que bom! Então, até mais...?

— Até!  — E assim encerramos a ligação. Tenho que arrumar rápido, para não demorar a ir.

— Floquinho?! Onde você está?!  — Digo alto, saindo do meu quarto.  — Venha, nós vamos dar um passeio hoje!


                            ....


Me arrumei vestindo uma camisa de gola alta e de mangas longas da cor branca, vesti uma calça jeans, botas para meus pés ficarem quentes e vesti uma blusa.

Coloquei Floquinho em uma bolsa para transporte de animais. Quando estava quase saindo, deixei um papel sobre a mesa dizendo que eu havia saído com a minha gata caso minha mãe chegasse primeiro que eu em casa, também mandei uma mensagem em seu celular para prevenir.

Vesti um casaco mais grosso e então saímos para o ponto de encontro onde Yoongi estaria me esperando. Assim que eu cheguei ele já se encontrava lá, logo Yoongi me guiou até a sua casa.

— O que que os seus pais fazem? — Pergunto ao pararmos em frente à casa de Yoongi. É uma casa luxuosa, nem o da minha imaginação era tão perfeita como essa. Fecho minha boca ao ver que estava observando demais, fui até sem educação perguntando qual era a profissão de seus pais. — Ah, desculpe, é que- — Yoongi riu.

— Tudo bem. Minha mãe é médica, e meu pai é advogado. Eles só ficam em casa mais tarde, caso minha mãe não precise fazer plantão também. E os seus? — Perguntou. Ainda estávamos em frente à sua casa, é impossível não olhar os detalhes. Uma porta grande de madeira escura, parece ser bem resistente, os vidros grandes escuros e a fachada nas cores branco e preto. É algo elegante.

— Ah... — O encarei. Nesse momento sinto que esqueci o que meus pais faziam. — Minha mãe é professora do fundamental e meu pai é funcionário de uma fábrica.

— Legal, você deve ser muito inteligente, sua mãe é professora — sorriu. Sempre considerei professores, médicos e aqueles que fazem direito como as pessoas mais inteligentes, então acho que estou em desvantagem. — Vamos entrar? Lá está mais quente — assenti com a cabeça. Passamos pelo pequeno portão da mureta que cerca a casa e nos aproximamos das escadas. Logo a porta se abriu sozinha, até tinha pensando que era mecanismos da porta para abrir quando alguém se aproxima, mas logo uma garotinha apareceu na porta. Cabelos soltos e de franja, olhinos puxados, estava vestida com um pijama, meias nos pés e um bichinho de pelúcia em seus braços.

— Essa é a sua namorada, tio? — Sua voz soou baixa e calma.

— Sim, é ela. _____ Collins — concordou. Me surpreendo ao ver que Yoongi havia falado de mim como a sua namorada.

— Eu pensei que fosse mais bonita — disse, fechando a porta. Franzi o cenho. O que ela esperava que eu fosse? Isso me deixou constrangida.

— Hyuna! Que educação é essa?! — esbravejou Yoongi. — Desculpe. Eu não trago garotas para casa, e Hyuna pensa que eu sou o popular na escola assim como nos filmes. Acho que ela esperava alguma garota popular também — pelo menos ela não achou errado. No meu ponto de vista, Yoongi é bem popular na escola.

— A-ah, tudo bem. Deve ser assim mesmo com as crianças — subimos as escadas e Yoongi abriu a porta novamente, me dando espaço para entrar. Sua casa era ainda mais luxuosa por dentro e bem espaçosa. A decoração deixou um ambiente confortável e não demonstrava que eles são ricos demais, é algo mais simples. — Sua casa é muito bonita — Yoongi riu.

— Meus pais gostam de algo mais simples e fácil para arrumar. Deixe suas botas e casaco aqui, use isto que peguei para você — disse colocando um par de pantufas escuras em minha frente.

— Não precisa, eu posso ficar só com minhas meias.

— Vamos, pode calçar. Ou você quer que coloque em seus pés? — Sorriu.

— Não precisa — digo já calçando as pantufas e tirando o casaco. — Cadê ela, a sua sobrinha? É Hyuna, certo?

— Sim, isso mesmo. Ela tem um quarto só dela aqui, ela deve estar lá. Vamos subir? Vou te levar para ver o meu quarto para você conhecer — disse segurando minha mão já me puxando para o andar de cima.

Subimos as escadas e entramos em uma das portas daquele corredor. Seu quarto é bem espaçoso. Além de sua cama e guarda-roupa, tem um televisor e um sofá de dois lugares. Os móveis em volta são de cores escuras, logo já é possível saber de que cor ele gosta, a janela é bem grande e as cortinas eram escuras também.

— Pode soltar a sua gata aqui. Deixe-me ver como ela é. 

— Okay — me abaixei colocando a bolsa no chão, sendo seguida por Yoongi. Abri o bolso e então tirei Floquinho de lá, colocando em nossa frente.

— Uou! Ela é bem... — disse fazendo gesto, mostrando um espaçamento entre suas mãos. 

— Sim, Floquinho está bem grande, ela está esperando filhotes.

— Floquinho? — assinto com a cabeça. — Sério? E quando ela vai ganhar os filhotes?

— Eu não sei ao certo, o veterinário disse que será logo, mas não sei quando especificamente.

— Entendo... Ela tem uma pelagem bem interessante — disse passando a mão na cabeça de Floquinho que logo começou a ronronar. Floquinho é quase toda branca, porém, em cima de sua cabeça havia uma pelagem preta, que parecia com um cabelo repartido de lado.

— Sim — sorri. — É até um pouco estranho, mas é bem legal. Espero que algum de seus filhotes possa nascer com a pelagem assim.

— Seria legal se isso acontecer. — Yoongi se levantou, logo repeti seu movimento. — Vamos fazer alguma coisa? — disse enquanto fechava a porta de seu quarto. Meu coração se agitou um pouco, pois estou em um quarto junto de um garoto que acabou de fechar a porta e estamos sozinhos. O que poderia acontecer? Minhas mãos suam.

— T-tipo o que? — É inevitável esconder meu nervosismo quando minha fala sai gaguejada.

— Podemos jogar vídeo game. Você gosta? — Um jogo. Apenas um jogo é bom.

— Eu nunca joguei em vídeo game.

— Sério? Então vou te ensinar — disse indo em direção à sua TV. — Eu jogo muito com a Hyuna, quando você tiver a prática podemos fazer uma competição. O que acha? — Ri.

— Parece bom — Yoongi pegou as manetes e foi até ao seu sofá.

— Vem, vamos nos sentar aqui — Yoongi foi primeiro, ocupando muito espaço no sofá, quase me deixando sem lugar para sentar. — Você vai sentar aqui — disse, puxando-me pelo braço e me fazendo sentar no sofá, mas entre suas pernas.

— Espera! Assim não! — digo me forçando para frente, porém, seus braços envolveram minha cintura, me impedindo de sair.

— Calma aí! Olha, eu sei que você deve ter pensando besteira quando te chamei para vir à minha casa e quando eu fechei a porta do meu quarto. Mas eu não sou assim, eu não vou te forçar a nada ou fazer algo contra a sua vontade e sem sua permissão. Eu quero que você tenha total confiança e intimidade comigo para eu dar um passo adiante. Enquanto isso, eu não vou tocar em você até você permitir. Eu sei que esta posição que estamos é desconfortável para você e que eu agi de modo imprudente, mas se você quiser, pode simplesmente sair e sentar em outro lugar que eu não farei nada contigo — disse, logo tirando seus braços que envolvia minha cintura. 

Mas o que eu estou pensando...? Desde o começo sou eu que estou pensando que Yoongi terá segundas intenções comigo. Ele não é como aquele cara do passado, ou como qualquer outra pessoa. Ele sabe da minha desconfiança em relação aos garotos e tenho certeza que ele não iria usar isso contra mim. De qualquer forma ele está certo, não tem como termos intimidade um com o outro sendo que eu vou ficar com medo e desconfiada de que ele fosse fazer algo ruim. Confiança é o que eu preciso, necessito me soltar mais e aos poucos, sei que ele não fará mal a mim, então apenas preciso me entregar com calma, até chegarmos ao ponto onde me sentirei totalmente confortável com a sua presença.

Como resposta à sua proposta de sair dali ou não, preferi ficar parada, sem sair do lugar. Não iria conseguir transformar minha resposta em palavras, dizer que eu quero ficar ali para poder me acostumar, então preferi permanecer quieta no lugar onde estava sentada. 

Segundos se passaram até Yoongi entender minha resposta. Logo senti suas mãos tocarem em meu braço, me puxando delicadamente até que eu estivesse encostada em seu peito. Suspirei, isso acabou me deixando mais nervosa. Por sorte, ele não está na minha frente para olhar o quão vermelho está meu resto.

— Você já usou controle de vídeo game? — disse me entregando um dos manetes, o outro ficou em sua mão. Era possível sentir o peito de Yoongi vibrar em minhas costas enquanto ele se pronunciava.

— Não, nunca usei...

— ...Seu coração está batendo rápido — Comentou. É provável que Yoongi possa sentir o meu coração bater acelerado.

— ...É culpa sua... — Ele riu.

— Nós vamos ficar assim só um pouquinho, quando você quiser sair, você pode sentar ao meu lado. Enquanto isso — apoiou o seu queixo no meu ombro. — Eu vou te ensinar a usar o controle antes de iniciarmos um jogo.

Yoongi me mostrou os comandos e o que cada botão faz. Logo depois de eu ter aprendido mais ou menos, demos início à uma partida.

Enquanto jogávamos, a porta do seu quarto foi aberta.

— Ah... desculpe, eu não sabia que vocês estavam acasalando — comentou Hyuna antes de fechar a porta rápido e com um pouco de força, soando o barulho pela casa toda.

— Oh, meu Deus!! — Logo fiquei de pé. Foi algo muito constrangedor. Passei minha mão pela minha testa, tentando disfarçar o nervosismo. 

— Hyuna, volte aqui! Não é desse jeito! — Disse Yoongi, se levantando e indo em direção à porta do seu quarto, quando o seu celular soou pelo cômodo. — Ah, os biscoitos. Hyuna, você não quer ir ver os biscoitos? — Perguntou enquanto saia do quarto. — _____, espere aqui, eu tenho que ir na cozinha, okay?

— 'Tá! — Respondi, mas ele já tinha saído do meu campo de visão.

Enquanto isso, olhei para Floquinho que estava muito bem deitada no carpete felpudo que havia no quarto de Yoongi. Parece ser bem macio, e logo estariam com pelos brancos da minha gata.

Decidi ver Hyuna, já que ela ainda não havia passado pelo corredor para ir até à cozinha. Não posso deixar que ela fique com essa má impressão de mim.

Peguei Floquinho em meus braços e procurei pelas portas daquele corredor o quarto que Hyuna estava. Logo o encontrei, dando de cara com um quarto colorido, diferente de toda a casa. Paredes roxas em um tom suave, tem um desenho grande e colorido na parede, sua cama, guarda-roupa, televisão, brinquedos espalhados pelo chão e prateleiras com os mais variados tipos de bichinhos de pelúcia.

— Com licença, posso entrar em seu quarto? — peço, não querendo ser evasiva em seu espaço pessoal. Logo a garotinha que estava sentada em seu carpete e rodeada de bichinhos assentiu com a cabeça. Me aproximei e então me deixei sentar ao seu lado, colocando Floquinho entre nós.

Logo pude perceber sua mão timidamente indo em direção à gata, fazendo leves carícias pela barriga de Floquinho.

— Ela está esperando filhotes, sabia? Você vai querer ver quando eles nascer? — Digo, tentando iniciar uma conversa com ela.

— ...Sim — respondeu baixo, concordando com a cabeça. — O que vocês estavam fazendo lá no quarto?

— Bom, nós não estávamos acasalando — Ri um pouco. — Apenas estávamos jogando.

— Você é a namorada do meu tio?

— Bem... Ainda não. 

— Ainda não? Mas ele tinha falado para mim que ia trazer a sua namorada para conhecer a casa — me encarou. Sorri.

— Ainda estamos nos conhecendo, por isso somos apenas amigos ainda, mas futuramente podemos ter um relacionamento talvez...

— Eu pensei que a namorada do meu tio fosse como aquelas famosas da TV, mas você me parece normal. Você sabe o porquê o meu tio gosta de você? 

— ...Não, eu não sei. Mas sabe, isso é bom.

— O que? Não saber o motivo dele gostar de você? — Perguntou antes que eu continuasse a falar.

— Sim. Olha, vou te explicar algo e quando você for mais velha você vai entender. Vai ter momentos na vida que podemos quebrar a cara com algumas pessoas, elas podem fazer mal para gente, então tome cuidado para não tomar decisões erradas. Porém, também haverá pessoas que só fazem o bem para gente, que irá te mostrar o lado bom da vida. São pessoas como essas que você deve gostar um dia, tanto como amigo quanto companheiro. Você entende?

— Sim, acho que entendi mais ou menos. Mas — olhou em direção da porta do seu quarto. — Você é menina, então posso te perguntar algo? Vai ser segredo — falou baixo.

— Sim, claro.

— Como eu vou saber que eu realmente estou gostando de uma pessoa? Você sabe o por quê você gosta do meu tio?

— Olha, eu não sei quais são meus sentimentos pelo seu tio, mas o que eu entendi é que quando você gosta de verdade de uma pessoa, você não sabe o motivo — Hyuna franziu o cenho. Sua expressão é fofa. Ri um pouco. — Calma, vou tentar te explicar. Por exemplo, quando você diz que você gosta ou ama uma pessoa porque ela é inteligente, na verdade você não gosta dela, você apenas admira ela por ser inteligente. Quando você diz que gosta de uma pessoa porque ela é bonita, você não gosta de verdade dela, você apenas admira a beleza dela. Agora, se disser que gosta de alguém, porém não sabe o motivo, aí sim você gosta dela de verdade. Sabe por quê? Porque não podemos impor motivos para gostar de alguém, temos que gostar de alguém do jeitinho que ela, sem tirar e nem colocar — sorri. Fiquei surpresa com minhas palavras. Apenas fui olhar o significado de amar alguém de verdade após ter conhecido Yoongi. — Entendeu? — Hyuna fez uma cara de pensativa antes de dizer algo.

— Acho que entendi um pouco sim. Então meu tio gosta de você porque ele não sabe o motivo por gostar de você? — Assenti com a cabeça sorrindo.

— E você? Você gosta de alguém da sua escola, mas não sabe o motivo? Prometo que não conto para ninguém. 

— Bom... — Suas bochechas ficaram rosadas e Hyuna mexeu em seu cabelo. Ela se sentiu um pouco tímida sobre o assunto.

Enquanto Yoongi não voltava da cozinha, Hyuna me contou que gosta de um garoto de sua sala, me disse as sensações que sentia quando falava com ele ou faziam coisas juntos. Pelo modo que ela me contava, parecia ser um sentimento recíproco. Hyuna me contou coisas que deixaram ela feliz em relação ao garotinho, e no final, disse para mim que não entendia o porquê gostava dele.

Falei o meu ponto de vista, disse o que achava daquilo tudo e tentei dar alguns conselhos, mesmo eu não sendo expert no amor. De qualquer maneira, eles são crianças, ainda tem muito tempo para descobrir mais a respeito do amor.

— Achei você — disse Yoongi ao aparecer na porta do quarto de Hyuna. Deve que está se referindo a mim. — O que vocês estão fazendo?

— Ah, estamos tentando dar um palpite de quantos filhotes Floquinho vai ter, como vão ser e como deve ser o pai deles — digo, logo dando uma piscadela para Hyuna, mantendo segredo sobre a nossa conversa.


                          ....


No final, Hyuna se juntou com a gente para jogar. Ela se sentiu mais à vontade com a minha presença e ainda mais com a de Floquinho. Ela ficou carregando a gata pela casa toda, fiquei até com medo de que ela deixasse cair sem querer, mas não aconteceu. Descobri que Hyuna tem um pouco de ciúmes de seu tio, por esse motivo ela teve aquela reação, e não seria diferente se fosse com outra pessoa. Ela é bem ligada a Yoongi, passam bastante tempo juntos.

Depois descobri também que Hyuna gosta de cozinhar. Antes de eu ter chegado na casa de Yoongi, os dois estavam experimentando uma receita de biscoitos, e por ela ainda ser uma criança, Yoongi a acompanha para usar o forno e utensílios que cortam. E ela é uma ótima cozinheira, os biscoitos de chocolate estavam muito bons! Porém, chegou a hora de eu ir embora. Até que foi bem divertido.

— Sabe, se for você, eu não me importo que o meu tio tenha uma namorada — comentou enquanto estávamos nos despedindo em frente à porta da sala. Suas mãos estavam escondida atrás do seu corpo e suas bochechas um pouco rosadas. Me abaixei para ficar na altura dela.

 — É mesmo? Fico feliz por isso. Então eu posso voltar para te ver mais vezes?

— Sim, você pode! Você tem que ver o meu tio também! — sorri com o seu comentário. Yoongi riu, pois está em pé ao nosso lado, ele disse que irá me acompanhar até o ponto de encontro. 

— Sim, você está certa. E vai preparar mais biscoitos quando eu voltar?

— Sim! Vou fazer muitas coisas para você! 

— Então está combinado, Hyuna. Bom, agora tenho que ir. Até mais — digo, afagando seus cabelos, sendo correspondida com um abraço.

— Tchau, tia _____. Até mais! — Sorri ao ouvir ela me chamar de "tia". De certa forma, trás uma boa sensação.

— Certo, Hyuna, eu vou acompanhar a _____ até metade do caminho. Não abra a porta para ninguém, entendido? — Ditou Yoongi. 

— Okay, 'tá bom. 

Saímos da casa de Yoongi e ele trancou a porta por fora, mas Hyuna tem uma chave reserva ao lado de dentro. Então seguimos o caminho até a pracinha de antes.

— E aí? O que achou? — Perguntou Yoongi.

— É, até que foi bem divertido. A sua sobrinha é bem legal, vocês devem se divertir muito juntos.

— Sim, ela é bem alegre e energética. Sua gatinha deve ter até enjoado de Hyuna de tanto ela ficar a carregando por aí. — ri um pouco, olhando para Floquinho dentro da bolsa que estava a dormir.

— Ela deve só ter ficado um pouco cansada, só isso.

— E aí? — disse, abraçando meu ombro de lado. — Pretende voltar mais vezes em minha casa? — o encarei, me sentindo um pouco envergonha pela proximidade, mas não irei me afastar, para que eu possa me acostumar com a sua aproximação.

— Se você me convidar...

— As portas sempre estarão abertas para você, tia _____ — disse, passando seu polegar em meu queixo.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...