História Aprendendo a conviver - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Guardiões da Galáxia
Personagens Gamora, Personagens Originais, Peter Quill (Senhor das Estrelas)
Tags Bebê, Família, Gamora, Peter Quill, Starmora
Visualizações 49
Palavras 1.304
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, as coisas estão corridas. Não quis acabar esta fic neste capítulo por que... também não sei. kajfsjghshh espero que gostem.

Capítulo 9 - Boa conversa


Com meia hora depois eles já estavam prontos para sair da sela, Peter saiu na frente andando devagar e com cautela para não ser escutado pelos guardas.

- I am Groot..

- Shhh... Groot silêncio. - Peter disse e só então percebeu que tinha sangue no chão, o coração de Peter apertou e ele se apressou para ver e ..era um dos guardas morto. E mais um ali na frente, e outro mais a frente e outro.

- É bom mesmo que a Gamora esteja do nosso lado Quill. - Drax diz.

Eles andaram o caminho que levava até a cabine de controle da nave e viram que Gamora estava sentada no banco do piloto, e ao lado dela estava a sua espada, completamente ensanguentada.

- Caramba, você fez uma festa e nem chamou a gente. - Disse Rocket chegando perto da mesa cheia de botões para observar.

- Uma guerreira de honra, é muito gratificante estar ao seu lado nesta batalha. Com certeza sua presença é imprescindível. - Diz Dax olhando da janela da nave para o grande céu colorido da galáxia.

Gamora revira os olhos e pega a espada. - Vou jogar os corpos no vácuo, as coordenadas da nave já está feita, levaremos um dia e meio para chegar ao santuário. - Ela diz saindo.

- Onde fica o arsenal de vocês? - Pergunta Rocket.

- Corredor a frente primeira escada a baixo. - Ela diz ainda na porta.

- I am Groot.

- Vamos Groot, eu encontro água para você. - Diz Drax saindo a procura de algo que se pareça com uma cozinha junto com o Groot.

-Olha, você não vai me ouvir falar isso de novo então presta bem a atenção senhor dos estercos. Rocket diz, o que faz Peter revirar os olhos para o comentário final.

-Você deveria ir atrás da sua esposa assassina, vocês tem umas coisas para resolver ates de colocar o pescoço naquele lugar dos infernos. Diz Rocket.

Peter nem falou nada, apenas deu um leve sorriso e concordou com a cabeça. - Gamora?- Ele disse vendo ela jogar o ultimo corpo na parte da nave que abriria para soltar os homens mortos amontoados ali.

- O que você quer Quill? Ela pergunta apertando o botão para que finalmente os corpos flutuassem, e limpou as mãos.

- Ah... Eu só queria te mostrar uma coisa, bom, duas coisas na verdade.- Ele diz.

Ela somente para, e observa o que ele tem para mostrar com uma cara interrogativa. Então Peter tira do bolso da jaqueta vermelha o seu zune.

- Eu ganhei isto de uma pessoa muito especial, era como meu pai.- Ele disse engolindo em seco. Gamora percebeu que ele era sensível em relação a este assunto, então suavizou o rosto.

- O que isso faz? - Ela pergunta.

- Isso é para ouvir, ou para dançar. - Ele diz colocando um dos fones de ouvido nela e um em seu próprio ouvido, em seguida apertou o botão de play.

- Eu sou uma...

- Guerreira... e assassina, você não dança. Eu sei. - Ele interrompeu ela, se aproximando e pegando sua mão com a mão esquerda e entrelaçando sua cintura com a mão direita.

A música começou, e o cérebro de Gamora explodiu de surpresa ao perceber que ela ouvira aquela música em sua cabeça. Era a música da imagem da lembrança que apareceu para ela na terra, na casa do avô de Peter. "Eu me enganei e me apaixonei"a música repetia. Peter começou a conduzir Gamora de um lado para o outro, movimentos leves e cuidadosos. Ele estava aos poucos conseguindo reconquistar sua esposa, e ele não queria que ela ficasse irritada agora.

- Pode parecer estranho o que eu vou dizer para você, mas na minha opinião, você é a melhor dançarina da galáxia.- Ele diz.

- Não seja ridículo. - Ela diz.

- Okay, não serei. mas para quem diz que não dança, acabou de dançar a musica toda. - Ele diz, e Gamora tapa sua boca com uma das mãos.

- Escuta terráqueo, eu não sei o que acontece quando estou perto de você, más alguma coisa em mim diz que você tem um porte de homem de honra, e minha cabeça...- Ela diz se aproximando até encostar seus lábios e ficar ali imóvel. Até Peter não aguentar e serpentear seus braços ao redor da cintura dela a fazendo soltar um leve gemido de surpresa. Então ela o abraça emaranhando os cabelos meio louros de Peter. Quando o ar se faz necessário, Gamora separa o beijo e olha fixamente para ele.

- Fica comigo Gamora, durma comigo hoje, eu estou com saudades de você. - Ele diz.

- Acho que você já está pedindo muito Quill. - Ela diz se afastando um pouco.

- Como assim, por favor, eu não quero nada de mais somente dividir a cama, pela companhia. Nós somos casados Gamora, tudo o que tínhamos para fazer nós fizemos. - Ele diz.

- Pare de ficar dizendo estas coisas todo o tempo seu insano! Perdeu o juízo. - Ela diz com a cara em um tom verde escuro e com os olhos esbugalhados. - As pessoas tem ouvidos. - Ela completa.

- Gamora temos uma filha, todos sabem como bebês são feitos, não é surpresa. - Ele diz maliciosamente.

- Pare com isso! - Ela diz sussurrando e olhando em volta para garantir que ninguém na nave ouviu.

- Por favor, dorme comigo. - Ele diz.

- Tá bem, eu vou, mais só vamos dormir senhor Quill. Eu conheço sua fama. - Ela diz.

- Queria que você se lembrasse de como eu sou agora. - Ele diz. - Então, onde ficaremos. - Ele pergunta.

- No meu beliche. - Ela diz caminhando, e Peter a segue sem nem pensar duas vezes. 

Ao chegar lá ela vai direto tomar banho, Peter fica impressionado como o lugar é escuro e repleto de espadas e adagas por todos os lados, o lugar é até mais frio. Não é um lugar que o lembre de Gamora, nunca. 

Ela sai do banheiro e em seguida ele entra. Ela se deita e começa a pensar em Meredith. - Será que o ancião está cuidando bem dela? - Ela pensa. Então se lembra do momento que amamentou a menina. Como ela pode esquecer a sua filha?- Isso era uma tortura para Gamora.

Peter então sai do banheiro e percebe algo errado com sua esposa. - Você está bem?- Ele pergunta.

- Como eu posso não lembrar? - Ela pergunta.- Eu não lembro de nada antes da casa do se parente na terra. É como se ela não existisse. - Ela diz.

- Tenho uma coisa para te mostrar...- Ele diz. Então Peter tira do bolso uma pequena fotografia dos três pouco depois do nascimento de Meredith. Gamora estava sentada, segurando a pequena no colo e Peter estava sentado ao lado dela a abraçando com um dos braços com o maior sorriso do mundo.

- Isto é...

- Sim. Somos nós e ela.- Ele diz.- Nós vamos acabar com isso Mora, não se preocupe. Tudo vai ficar bem.

- Sim! - ela diz segurando a foto. - Posso ficar com a imagem no papel? - Ela pergunta.

- Claro que sim... chama... fotografia. - Ele diz.

Gamora se aninha na cama e Peter se deita ao lado dela. Então de vagar ela se encaixa no corpo quente de Peter que a abraça para dormirem quentes e seguros ao menos por esta noite. Já que amanhã, ninguém sabia ao certo se teriam outra noite pela frente.

- Boa noite Mora! - Ele diz.

- Boa noite, Peter. - Ela diz. E Peter a aperta um pouco mais e dorme com um sorriso no rosto só pelo fato dela voltar a chamá-lo pelo primeiro nome.

 


Notas Finais


Até a próxima, e obrigada a todos que comentam e curtem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...