História AQUAMAN! - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Aquaman
Visualizações 2
Palavras 325
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 37 - VII


          O presidente deixou-se cair na poltrona, fitando Orm com aqueles apertados olhos azuis. --Você é só uma aberração, senhor.--, Ladrou, com um dedo apontado para Orm. --Uma dentre milhões. Estou acostumado, mais que acostumado. Não há nenhum motivo para temê-lo, então poupe-me!-- --A mim? Não. Eu dificilmente perderia tempo com o senhor.--, Disse Orm, a voz tornada um assombro gelado. --Mas o polvo que encalhou na sua praia não é o único monstro do mar. Oh não. Há tantos iguais a ele que eu mal poderia começar a descrever. O senhor não conseguirá pregar seus olhos à noite se eu lhe mostrar a metade das coisas que vive na escuridão das profundezas. Não há como imaginar.-- O presidente empalideceu; abriu e fechou a boca uma meia dúzia de vezes mas as palavras haviam sumido. Os oficiais da SWAT olharam um pro outro, irrequietos. --Está ameaçando a mim?-- O presidente forçou-se à bravura, embora estivesse amedrontado até o último fio loiro de seu cabelo. --Não, apenas aconselhando.--, Orm rebateu, um breve sorriso no canto do rosto. --Dê-me suas armas e eu prometo que irei manter essas tais feras bem longe do seu mundinho árido. Tem a minha palavra.-- E novamente o presidente virou-se para os homens, rindo e fazendo graça. Levantou-se abruptamente e, por pouco, quase enterrou seu indicador entre os olhos de Orm. --Acha mesmo que vou acreditar em você, aberração!?-- As palavras vinham acompanhada de saliva, muita saliva. Orm manteve-se quieto, observando. --Pode me dar as armas ou me matar.--, Falou, finalmente. O presidente pestanejava. --Mas se falhar na segunda opção, suas armas serão minhas de um jeito ou de outro, com a simples diferença de que haverá muita, muita, muita dor… Para você.-- Fez-se silêncio depois disso. Trump se sentou, a cadeira chiando ainda mais alto dessa vez. Os homens ajeitaram-se em suas posições, com as armas coladas em seus corpos. --Pois bem.--, Disse o presidente, a língua passeando pelo lábio inferior.-- Matem-no.--                



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...