História AQUAMAN! - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias Aquaman
Visualizações 1
Palavras 341
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 45 - XV


         Em seguida tirou a cota de malha dourada, as botas e, por fim, a calça de Granada-negra. Nadou até uma bandeja de prata, ergueu uma tampa abobadada e encontrou lagostas, caranguejos e salmões enfiados em pequenos punhais de ouro; Orm deu uma bocada no salmão e respirou fundo. Segundos mais tarde a porta de ferro ecoou ao som de batidas. --Entre.-- Disse, simplesmente. Ao entrar, o soldado caiu sobre um joelho; Orm notou o constrangimento do homem ao ver que seu rei estava completamente nu. --O constrangimento pela nudez é tão… Humano.--, Falou, de pé à frente do soldado. --Vamos, levante-se e me diga quais notícias são assim tão urgentes.-- O soldado pigarreou e contou: --Arthur e sua esposa, Mera de Xebel foram encontrados bisbilhotando os Cofres ocultos do palácio, vossa majestade.-- Aquilo soou como música aos ouvidos de Orm Marius, mas ele não deixou escapar nenhum prazer na inevitável constatação de que estavam ambos presos. Ao invés disso perguntou: --E então?-- O soldado voltou a limpar a garganta e disse: --Estão presos, senhor. Levados pelos soldados até as masmorras.-- Os olhos do homem nadavam de um lado pro outro, evitando a frente a todo custo. Orm assentiu, sóbrio. --Pode ir.-- Disse, e, após uma rápida e constrangida reverência, o soldado deixou o quarto a passos largos. A porta fechou-se delicadamente, mas não tardou a voltar a ecoar. Dessa vez a mão que a esmurrava parecia pesada, e Orm começava a sentir sua paciência se esvair. --Entre.-- Disse, frio como um iceberg. E quem entrou foi Vulko, com um sorriso fácil e olhos que contavam histórias tanto quanto sua língua. --Como foi lá em cima… Vossa grandeza. Espero que tenha ocorrido tudo bem.-- Vulko perguntou; vestia agora um manto escamado de prata, botas escuras e espalhafatosas luvas de escamas de Jade. --O sucesso é um ponto de vista amargo, sabia, Vulko?-- Respondeu o rei, deixando a pergunta em aberto. Vulko engoliu a seco o entusiasmo e assentiu. --Devo dizer que, comparado ao senhor, meu rei, eu nada sei sobre o sucesso.--         



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...