História AQUAMAN! - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Aquaman
Visualizações 0
Palavras 324
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - V


         Orm tirou sua lança das costas e apontou para o dito guarda, depois a abaixou à altura da fera que tinha sob as pernas. O guarda seguiu o movimento do aço, e então empalideceu rapidamente. Os outros guardas aquietaram-se, temerosos. --Abra esses portões ou eu o farei devora-lo. De armadura e tudo, eu juro. Abra, agora.-- A voz de Orm ferveu na água, como magma. Inflexível, dura. Os guardas assentiram e puseram-se a obedecer, puxando manivelas e a girando engrenagens de aço e ferro maiores do que um barco. Com um estrilo estridente e agudo, os portões de bronze abriram-se, revelando a magistral cidade de Atlantis. A cidade era enorme, brilhante e amarrotada de cidadãos atlanteanos que iam e viam sempre cheios de pressa. Muitos cavalgavam os velozes Horseryanos - Cavalo-marinhos - com suas longas barbatanas negras e vermelhas, ao passo que eram tingidos no corpo por ondulantes veios amarelos, púrpuras e azuis; por vezes encontrava-se uns de veios dourados e prateados, mas eram poucos. Outros, os mais apressados, seguiam o fluxo das Jubartynas - Baleias jubartes - com seus incríveis quinze metros de comprimento, carcaça cinza-azulada, cheia de cracas, olhos pequenos e uma força colossal. A cidade em si era límpida, alta e fluorescente, fundida sobre rocha sólida, ouro e ferro maciço. Os prédios eram grandes caules ocos de ouro retorcido, enquanto que as casas menores eram de rocha trabalhada e recifes esculpidos. Orm não parou para visualiza-la, tampouco se importou com o povo transeunte. Nadou direto para a Cúpula dos Deveres, onde outrora reunira-se os conselheiros, aqueles a quem até mesmo o rei devia consultar antes de tomar qualquer decisão. (Uma velha burocracia estabelecida pelos antigos guardiões atlanteanos, mortos havia mais de uma era) Chegou ao seu destino rapidamente, e com a mesma velocidade descobriu que o ócio havia tomado conta dos homens e mulheres líderes da cidade, tal qual uma trepadeira num muro ou coluna, apossando-se de tudo, não deixando nada.    



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...