História Aquela noite - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Rik, Terror, Violencia, Yumi
Visualizações 14
Palavras 1.245
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Estupro, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


O capítulo ficou um pouco longo, mas espero que gostem
=^-^=

Capítulo 7 - Uma ajuda, três mortes


Rik ak 

Eu estava caminhando pelas ruas, com a doce imagem da Yumi chorando por suas amigas, que memória linda, pensei comigo até sentir alguém segurar de leve meu braço, rapidamente olhei para a pessoa, era uma mulher, não muito bonita, estava com um vestido bem curto e justo no corpo, olhei para cima e depois voltei a olhar para mesma, que me mandava um sorriso falso. 

- Oi meu querido, oque um jovem rapaz como você está fazendo por aqui a essa hora? - Ela me perguntou, apertando seu corpo no meu, eu suspirei fundo, e sorri. 

- Só estava de passagem - Respondi seco - Agora me solte! 

- Que isso meu amor, é raro moços bonitos como você andarem por aqui, por que não vamos ao meu quarto brincar um pouco? - Ela disse ainda na tentativa de me seduzir. 

- Dispenso, por que não vai atrás de outro homem! - Falei puxando meu braço, e ela soltou. 

- Não precisa ser tímido, vamos, pra você faço de graça! - Ela disse , dessa vez ficando na minha frente, revirei os olhos e então concordei - Obaa, vamos então! 

Ela segurou minha mão, mas logo soltei, então caminhamos para um prédio que não estava muito longe, a cada passo, eu ficava com ainda mais vontade de mata-la, até que finalmente perdi o controle e a prensei na parede, estávamos em um corredor estreito que dava no prédio. 

- Nossa, não imaginei que você queria tanto assim! - Ela disse sorrindo, eu sorri de canto, abri um pouco minha blusa e de la tirei uma faca, a mesma arregalou os olhos. 

- Calminha, isso não vai doer nada, serei gentil com você! - Falei sorrindo para ela, a mesma tentou me empurrar para longe mas sem sucesso. 

A segurei, e enfiei a faca no meio de suas pernas, a mesma gritou, mas ninguém veio, tirei a faca de la e depois enfiei de novo, a mesma gritava e cuspia sangue, aquilo estava me excitando, parei com aqueles movimentos depois de um tempo, tirei seu vestido, a mesma estava com o corpo e boca cobertas de sangue, peguei minha faca mais uma vez, apontei ela para o meio de seu peito direito e a enfiei lá, e fui girando a faca que já tinha perfurado a carne, muito sangue espirrou, a mulher já estava praticamente morta, tirei minha faca de lá e cortei fora sua cabeça, braços e pernas, eu já estava coberto de sangue, juntei os pedaços e os carregei até um pequeno rio que não ficava muito longe, assim que cheguei lá, joguei as partes do corpo dela no Rio, e fiquei observando eles serem levados pela correnteza. 

- Tudo acabou tão rápido.. Que pena.. - Disse voltando a caminhar. 

Ainda bem que a rua não estava muito movimentada, por que se não, fudeu, eu precisava achar algum lugar, para me trocar e tomar um banho, continuei caminhando até achar uma casa no fim da rua, fui até lá, e parei na frente da porta, seria muito suspeito eu estar assim sem motivo nenhum, então peguei minha faca do bolso e a enfiei em uma parte do meu braço, tomei cuidado para não atingir um ponto vital, cuspi um pouco de sangue, tirei a faca e então bati na porta três vezes, na terceira, uma mulher não muito velha a abriu e quando me viu arregalou os olhos. 

- Meu Kami do céu!!! Você está bem? - Ela disse quase gritando, suspirei e fiz uma cara de dor. 

- Por... por favor me ajude..... uma gangue me pegou e me machucou muito... - Falei em ton dramático, a mulher continuou me olhando preocupada. 

- Vou ligar para a emergência ! 

- Não.. não precisa... eu só preciso de um curativo, banho e roupas... - Disse esperando a resposta, a mulher então, abriu espaço para mim entrar e assim o fiz. 

- Vou pegar a caixa de primeiros socorros, pode se sentar aí, eu já volto!! - Logo depois disso subiu as escadas correndo. 

- Que saco! - Falei para mim mesmo, e logo após olhei ao redor, vi vários quadros de família, mas um em especial chamou muito a minha atenção. 

- Aqui está! - Ela disse me olhando, eu sorri torto para ela - Vou cuidar desse seu machucado! 

- Okay, obrigado! - Falei então ela começou o curativo, não senti nada, não demorou muito pra ela terminar, e olha, ficou muito bom. 

- Prontinho, a, pode ir se lavar, eu separei umas roupas do meu marido que não servem mais nele, pode usá-las coloquei no banheiro pra você! - Ela disse levantando, eu me levantei também e então fui guiado até o banheiro, ao chegar lá entrei - Me avise se precisar de alguma coisa!

- Okay... obrigado... - Falei respondendo atrás da porta. 

Tirei minha roupa e logo fui tomar banho, ela realmente tinha deixado uma peça de roupas para mim, porque... 

- Droga.... porque você tinha que ser tão gentil..... - Falei já embaixo do chuveiro. 

Terminei o banho, me sequei e coloquei a roupa, serviram, logo depois saí, e deci as escadas, quando cheguei ela estava no sofá, me aproximei dela lentamente, ela notou e me olhou e sorriu. 

- Olha, serviram mesmo! - Ela disse sorrindo, eu suspirei fundo. 

- Por que? Por que está sendo tão gentil comigo? 

- Você era uma pessoa que precisava de ajuda, e isso era o mínimo que eu podia fazer para ajudar! - Por que?... queria que tivesse sido você a me parir, não ela. 

- Você lembra minha tia... - Falei abaixando um pouco a cabeça, caminhei até ela, quando já estava próximo, saquei minha faca e tirei a cabeça dela fora - Me desculpe... 

Sentei no sofá ao lado do corpo sem a cabeça, não senti remorso, foi apenas um momento, até que quando foquei para frente, vi um homem parado na minha frente, possivelmente o marido, sorri para o mesmo. 

- O.. Oque você fez com ela??? - Ele perguntou com ódio e tristeza, logo depois veio até mim, peguei minha faca e a enfiei na barriga do mesmo e fui subindo a mesma. 

Ele caiu, fiquei o encarando, o mesmo ainda me olhava, então simplesmente arranquei seus dois olhos fora, foi simples, tirei sua cabeça fora e arranquei as outras partes de seu corpo, voltei a me sentar, não demorou muito para a Yumi chegar, e assim que chegou eu sorri grande para ela. 

- Que ótimo que você chegou, estávamos com saudades minha querida e amada Yumi! - Falei me levantando e caminhando até ela, a mesma me olhou desesperada - Que tal se a gente brincar um pouquinho? 

- N--ão.... - Ela falou e tentou correr, mas segurei seu braço, e puxei ela para mim. 

- Você não vai fugir de mim dessa vez minha querida! - Disse trancando a porta, ela correu até as escadas e logo caminhei até ela - Então você quer brincar de pega pega, pra mim tudo bem! 

Falei subindo as escadas, a mesma ainda corria, tentou se esconder mas a achei, até que, quando ela ia descer as escadas acabou escorregando em um dos degraus e caiu escada a baixo, arregalei meus olhos, e corri até o final da escadaria, quando cheguei a mesma estava desacordada e sua cabeça sangrava muito. 

- Droga! Eu quero matar ela, com minhas próprias mãos! Tenho que dar um jeito nisso logo! 


Notas Finais


Espero que tenham gostado ^^
Fiquem com Rikudou =^-^=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...