1. Spirit Fanfics >
  2. Aquela noite (Bakudeku- Katsudeku) >
  3. Você é incrível.

História Aquela noite (Bakudeku- Katsudeku) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Nova legenda:

Quebra de tempo: -/-

Troca de personagens: ∞∞∞∞

Capítulo 7 - Você é incrível.


O cheiro de álcool se empreguinava no local, Katsuki permanecia parado em frente ao palco, segurando o mesmo copo de cerveja amassado enquanto seus olhos rubros se mantiam fixos nos cachos verdes. Sentia como se seus sentimentos transboradacem, deveria parecer óbvio para quem o observava. A forma como suas bochechas ardiam quando Izuku sorria, como os pensamentos obscenos invadiam sua mente, e do ciúme que sentiu quando Shoto aparecera para perguntar do pequeno. Agora tinha esperança de mudar a relação entre eles, mesmo que fosse difícil de admitir queria mais, mais do que apenas bom dias e boa noites, queria que ele fosse seu novamente.

Só saiu de seu "transe" quando sentiu Izuku se jogar em seus braços.

_ Ne, Kacchan! O que achou? Eu melhorei não é? - As orbes esmeraldas dançavam de um lado para o outro e  brilhavam em meio a luz negra, o menor mantivera o mesmo sorriso bobo da época em que namoravam, pelo menos nisso ele não mudou. Quase não reconhecerá o esverdeado quando conversaram e pode perceber todas as mudanças na personalidade do mesmo.

_ É eu vi, até que você melhorou um pouco sim. - Mas que merda! Porque eu disse isso? Era pra eu ter dito que ele foi incrível, que ele estava se saindo totalmente bem, que a sua voz tivera saindo de um jeito maravilhoso, que seu cabelo estranho havia ficado lindo na luz, que... Foco Katsuki!

_ Hm, entendi. Algumas pessoas da minha turma vieram assistir, então... eu vou ficar mais um pouco, até mais Kacchan. 

_ Certo, "tsc". Eu vou pegar outra bebida.

_ Pode ficar com a gente se quiser, afinal você é meu colega de quatro!  - "colegas de quatro". Havia me esquecido que nós nunca passaríamos disso. Aquele dia no café o menor tivera deixado bem claro que não pretendia passar de um conhecido para mim.

_ Valeu, mas eu não quero. Vou passar no Kirishima, pode ir lá com os seus amiguinhos. - Izuku franziu o cenho ao ouvir a a frase dita. _ Não to' afim de ficar no meio de uma rodinha de hippies.

_ Ei, e-eu só achei que você fosse gostar de ficar aqui, não precisa agir assim também né. - A expressão de desgosto na face do menor era clara. - Achei que você tivesse mudado, mas pelo visto não.

_ Que porra você quer dizer com isso?

_ Que você ainda é o mesmo grosso, antipático e arrogante de sempre! - Escutava com atenção todas aquelas palavras, era preciso quase gritar pela música alta no ambiente.

_ Pois para a sua informação, eu mudei pra caralho. - Algumas pessoas haviam percebido o desentendimento entre os rapazes, mas ainda ninguém havia se pronunciado. _ Do contrário de você que ainda haje como criança.

_ Olha, eu não quero discutir com você agora. Porque não esfria a cabeça e deixa de ser tão imaturo? 

_ Ah, eu tô' sendo imaturo? É sério Izuku? Nós últimos dias tudo o que eu tenho feito é te agradar e te ouvir, poderia ser um pouco mais agradecido?

_ Te agradecer por que Katcchan? Por virar as costas sem dizer nada, me deixado sozinho como se eu não fosse porra nenhuma!? - Agarrou firmemente o pulso do menor enquanto o arrastava para fora do estabelecimento. _ O que que ce' tá fazendo? Ei! Eu tô falando contigo!

_ É! Mas agora você que vai me ouvi! - Bateu as costas do menor na parede gelada que arqueou um pouco as mesmas. O lado de fora estava meio vazio, quase não havia ninguém na rua.

∞∞∞∞


A respiração pesada de Katsuki batia contra seu rosto, seu hálito cheirava á álcool mas ele estava sóbrio, percebia isso pelo simples motivo: Katsuki Bakugou fica amigável e calmo bêbado, e agora não. Ele parecia irritado, não é como se eu tivesse dito alguma mentira. Seu coração acelerava a cada passo que o maior dava em sua direção.

_ Eu sei que fui um babaca mas, eu tô tentando, eu tô... Tentando. - Aquelas palavras não tinham sentindo para mim, depois de todos esses anos, umas das conclusões em que cheguei foi que Katsuki não é capaz de mudar, e principalmente não por alguém. _ E eu também sei que vou ser impulsivo, dizer coisas idiotas, mas eu só quero que você fique, por favor fica.

_ Escuta, eu acho que não estou conseguindo entender ainda onde você está tentando chegar, mas não tem como eu esquecer tudo o que você me fez passar, foi uma época... complicada - Não queria aquilo, não queria ter que falar sobre tudo isso de novo, sentia seus olhos marejarem a medida em que todas aquelas palavras voltavam para sua cabeça. " O amor acabou Izuku ". As lembranças eram dolorosas e já tivera sofrido o suficiente. Piscou algumas vezes para afastar as lágrimas. _ Ninguém imagina o quanto chorei naquele dia. 

_ Eu não consigo nem supor, mas eu quero saber como você se sente em relação a mim. - Mordeu o lábio inferior buscando algum resquício de coragem, mas nada. Não tinha capacidade de o encarar naquele momento. _ Em relação a mim agora.

_ ...

_ Tudo bem, eu vou falar então. Você tem dispertado sentimentos em mim que eu não conhecia, não sei se isso é amor ou só dor de estômago mas... "Tsc'  - Nunca achou que passaria por isso, já foi inédito ouvir o loiro pedindo desculpas. Agora está eufórico, meu Deus não acredito que isso realmente está acontecendo. Está quase sentido seu coração pular pela sua boca, mas não pode morrer ainda, quer ouvir o que o maior tem a dizer. _ E às vezes eu quero te ligar, ou te enviar uma mensagem pra saber como você tá, te convidar para sair. Sei lá, sabe? 

Quase se derreteu ao ver o maior engolir em seco, não podia negar que aquelas palavras estavam lhe fazendo bem, mas ainda não eram suficientes para que esqueça totalmente do antigo Bakugou. As bochechas sardentas ardiam em resposta. Aquilo ainda era possível? Sentir estás coisas por alguém? Deve ser á falta de sexo! É, é exatamente isso, eu preciso transar... para Izuku! Não deixe sua homossexualidade falar mais alto nesse momento. Depois eu posso ligar pra Mina e assistir algum clichê americano.

_ Olha, não vai ser fácil nós recomeçarmos, mas podemos tentar... - Ainda não acretava que estava dizendo aquilo. _ Eu posso mudar as coisas, afinal eu ainda sou só um garoto tentando entender o mundo.

_ Não você não é, você é uma pessoa incrível Deku! - O loiro posicionou a mão minha bochecha, naquele pequeno ato eu pude me sentir um pouco mais confortável. Quando menos esperava seus lábios foram pressionados pelos do outro, moveu a cabeça para o lado encaixando melhor as bocas, sentiu os braços musculosos rodearem sua cintura e o puxarem para mais perto. Com os corpos colados sentia sua mente em branco, naquele momento nada mais importava. Mergulhou os dedos nos fios loiros e ralos da nuca do maior, a língua do outro explorava cada canto de sua boca, se separaram ofegantes pela falta de ar, não pode deixar de notar que uma de suas mãos estava entrelaçada na mão de Katsuki. Os carmesins brilhavam com a luz da placa neon da boate. A sensação de êxtase pecorria seu corpo, e não pretendia parar por alí. 






Notas Finais


Obrigada por lerem, e até o próximo.
Bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...