1. Spirit Fanfics >
  2. Aquelas garotas - Romance Lésbico (Primeira Temporada) >
  3. Capítulo 8

História Aquelas garotas - Romance Lésbico (Primeira Temporada) - Capítulo 9


Escrita por:


Capítulo 9 - Capítulo 8


*****Lívia*****

No dia seguinte...

Aconchegada ao corpo quietinho e cheiroso de Max eu abro meus olhos, a mesma já está acordada e me lança um sorriso me olhando enquanto fazia cafuné em meus cabelos bagunçados.

- Bom dia. (Falei sorrindo com minha voz meio rouca ainda de sono).

- Bom dia, te esperei acordar para irmos tomar café. (Ela falou mas ainda se mexer).

- Estou muito atrasada? (Perguntei bocejando e coçando os olhos).

- Não, aos domingos o café da manhã é mais tarde. Sabia que você assim tão mais linda natural, cabelos bagunçados e sem nenhuma maquiagem. (Max me elogiou e eu fiquei sem graça).

- Para Max, eu devo está parecendo o cão de tão desarrumada. (Falei dando um tapa em seu braço e ela riu).

- Então vamos tomar um banho e descer para o refeitório. (Ela falou se mexendo e eu saí de cima da mesma).

Acenti com a cabeça e saltou da cama enrolada no lençol após Max também descer, então ela segurou já minha mão e eu lhe olhei confusa.

- Peraí, vamos tomar banho juntas? (Perguntei).

- Claro, quer dizer, se você quiser né. É que eu achei que depois de ontem a noite... (Ela falava meio sem graça coçando a cabeça e eu ri).

- É claro que eu quero sua boba. (Falei sorrindo e lhe dei um selinho rápido).

Passando na sua frente entrei no banheiro e deixei o lençol cair sobre meus pés mostrando todo o meu corpo nu em frente ao espelho do banheiro, sorri ao ver algumas marcas roxas pelo corpo que Max havia deixado, e olhando para o corpo da mesma enquanto ela se despia percebi que também deixei algumas marcas de chupada na mesma. Já nua, Max entrou no box após escovar os dentes e ligou o chuveiro enquanto eu escovava os meus, então entrei no box junto com a mesma que me olhou dos pés a cabeça. Antes eu teria um pouco de vergonha mas agora não há mais nada que me empessa.

Max ensabuou minhas costas e após eu tirar o sabonete me surpreendo quando a mesma me da um empurrou forte me prendendo contra a parede fria do banheiro e imediatamente nos beijamos, levei minhas mãos a seu cabelo e assim nos pegamos rapidamente durante o banho.

[...]


- A aula de hipismo é agora? (Perguntei a Max enquanto nos levantavamos da nossa mesa no refeitório onde havia tomado café).

- Sim, vou te ensinar a andar a cavalo hoje. (Ela respondeu maliciosa pegando na minha mão e começamos a andar).

- Não Max, você sabe que tenho medo. Eu posso cair. (Falei meio nervosa segurando firme minha bolsinha de lado que estava com um mine caderno de desenhos e minha câmera fotográfica).

- Tá bom, não quero que se machuque. (Ela falou revirando os olhos e saímos do interior do Internato andando a parte ao ar livre). - Já falei que adorei esse seu chapéu, tua cara. (Falei brincalhona e eu sorri).

Hoje eu estava usando uma saia de pregas preta, uma blusa de manga com listras verticais branca e preta, uma bota cano curto preta com uma meia três quartos que ia até meu joelho e um chapéu preto que eu havia ganhado da minha vó no Natal a dois anos atrás, ele era meu queridinho e apesar de eu ter outros chapéus na minha casa eu trouxe apenas ele. Max como sempre está bem mais simples, com uma calça jeans azul claro rasgada e folgada, uma blusa branca de manga, uma jaqueta jeans também azul claro, um tênis Vans preto e um óculos escuros quadrados. Acho que fui modesta, não tem como Max ser simples, ela fica elegante usando qualquer coisa.

- Sou francesa, queria. A moda e as artes estão em meu sangue, chapéus então eu sou louca. (Respondi e ela riu ainda andando de mãos dadas comigo para o estábulo).

Apesar de está com receio do modo como todos aqui iam interpretar o fato de eu está andando de mãos com Max, eu já não estava mais tão nervosa como antes. Acho que aos poucos eu estou me entendendo comigo mesmo e vendo que aqui ninguém tem o direito de cuidar da minha vida.

Chegamos no estábulo e eu fiquei atrás da porteira esperando Max pegar seu cavalo e começar a montar, peguei minha câmera fiquei a espera dela, acho que irá da umas boas fotos Max sobre o cavalo. Dito e feito, assim que Max começou a cavalgar ela parecia uma profissional no hipismo, então tirei várias fotos legais que me deram uma ótima ideia. Na verdade, estou com isso desde o dia que cheguei aqui e peguei intimidade com ela, só tenho medo dela não deixar.

Me afasto meio assustada da porteira quando Max se aproxima derrepente.

- Ei calma, ele não vai te morder. É mancinho. (Max riu meio ofegante ao descer do cavalo e eu ri meio assustada quando o cavalo grinou).

- Ele é muito bonito mesmo. (Falei olhando mais detalhadamente para o cavalo).

Como qualquer outro amante por artes quando eu vejo algo bonito já o imagino em uma tela com tinta, e é assim que vejo esse cabelo branco que Max havia montado.

- Vem cá, vem fazer um carinho nele. (Max falou do outro lado da porteira).

Meio receosa resolvi aceitar o convite, Max não deixaria o cavalo fazer nada comigo. Atravessei a porteira e fui chegando perto devagarinho, Max pegou na minha mão e lentamente foi passando pela crina do animal que não se posicionou contra.

- Viu, eu te disse que ele era mancinho. (Ela falou rindo e me deu um beijo na bochecha ficando atrás de mim).

- Sim. (Apenas concordei alegre ageitando minha câmera para tirar uma foto do animal).

- Espera aí, se tu tá com essa câmera ligada então tu tirou foto minha? (Ela perguntou curiosa e eu apenas ri mordendo o lábio inferior me entregando). - Vou te processar, sua paparazzi. (Ela brincou e eu ri). - Quer da um passeio nele comigo? (Ela perguntou com os olhos brilhando).

- Não Max, pelo amor de Deus eu tenho medo de cair. (Falei receosa guardando minha câmera na bolsa).

- Tu não vai sozinha, vai ser nos duas andando nele. Vai por favorzinho. (Ela fez cara de pidona e eu revirei os olhos sem conseguir negar).

- Tá bom, mas se eu morrer a culpa é tua. (Brinquei e ela riu).

Então Max puxou um banco alto de madeira para eu ficar em cima e depois com sua ajuda passei para o cavalo tomando cuidado com minha saia, Max subiu no cavalo ficando atrás de mim segurando as rédeas do cavalo enquanto eu apenas segurava morrendo de medo na cela. Max a conduzir o cavalo devagarinho e eu me apoiei nela me tremendo de medo, a mesma sorriu e se ajeitou para que eu ficasse apoiada a seu corpo com a cabeça entre seu pescoço. Então começamos a andar pelo arredores mesmo não ligando para o fato de ter algumas pessoas por ali.

Sei lá, o que eu estou sentindo por Max está me fazendo ver tudo diferente...

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...