História Ardente desejo - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inuyasha, Kagome Higurashi, Kagura, Kanna, Kouga, Miroku, Sango, Sara Asano, Sesshoumaru
Tags Amor, Inuyasha, Kagome, Miroku, Rin, Romance, Sango, Sesshoumaru, Sesshyrin
Visualizações 423
Palavras 3.782
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola queridos, estou postando mais um capitulo que eu tenho escrito, estou com Notbook emprestado então to adiantando por medo de perder meus arquivos...rsrsrs, Bem a historia esta dando uma evoluída rápida mas ainda falta alguns capítulos para o fim. Só to tentando desenvolver mais a relaçao de Rin e Sesshoumaru, mas ainda tem água pra correr debaixo dessa ponte. E digo mais, água podre! pois coisa boa é que não vem por ai! Fiquem ligados e nao deixem de dizer se estao gostando o que estão achando!

Capítulo 16 - Sentimentos.


Sango e Miroku deixaram o escritório juntos enquanto iam para a pista dançar agarradinhos.

Rin, Kagome e Jack todos observaram e sorriram em cumplicidade. Inuyasha puxou Kagome para a pista para dançar .

—Eu já te disse que você esta linda hoje? —Disse o prateado mais novo sorrindo para Kagome que ficou corada.

—Não.—Disse tímida.

—Você está linda minha namorada. —Disse Inuyasha dando um beijo na morena.

 

Ban e Jack bebiam tranquilamente em uma das mesas enquanto discutiam os mais diversos assuntos.

—Então você está prestes a assumir a presidência da empresa do seu pai?—Perguntou Jack impressionado com a responsabilidade que Ban assumiria mesmo sendo tão jovem.

—Sim, meu pai está se aposentando, o que não quer dizer que ele sumira de vez da empresa.—Ban riu e Jack ficou hipnotizado com aquele sorriso. Era loucura pensar que estava apaixonado? Pensou Jack que balançou a cabeça tentando afastar o pensamento. Vai devagar bicha!disse a si mesmo em pensamento.

 

Rin pegou Sesshoumaru pela mão e puxou para a pista, ela estava levemente alterada pela bebida e Sesshoumaru não ficava atrás. Todos no local estavam mais alegres que o normal. Começou a tocar “Despacito” E Rin rodopiava nos braços de Sesshoumaru que estava mais solto que o normal e a segurava pela cintura e vez o outra a girava em volta do próprio braço seguindo o ritmo da música latina. Ele se sentia feito um adolescente naquele momento e pela primeira vez não estava se importando com o que os outros falariam, talvez esse era o efeito que Rin estava causando nele. Ele a trouxe para mais perto a segurando pela cintura fina.

—Você está me deixando louco...por acaso fez algum feitiço para mim garota? —Perguntou sedutor ao pé do ouvido de Rin que riu alto.

—Que culpa eu tenho de ser assim tão irresistivel?—Disse debochada.

—Culpa nenhuma, a culpa é minha de ter me deixado levar pelo seu jeitinho maroto. —Disse Sesshoumaru enquanto dava mais um giro em volta de Rin.—Estou apaixonado por você Rin.—Disse o prateado enquanto a olhava nos olhos sem hesitar.

Riu abriu os olhos surpresa com o que acabou de ouvir.

—Não brinca comigo Sesshoumaru. Eu posso acabar acreditando. —Ele riu de canto e a trouxe para mais perto do seu corpo dançando no ritmo da música. Lhe capturando os lábios em um beijo demorado.

Ele nada respondeu apenas continuaram dançando colados se esquecendo de tudo ao redor.

A festa decorreu sem mais problemas, apenas alguns fotógrafos que insistiam em registrar cada convidado.

 

Já passava das três da manhã quando os Sesshoumaru e Rin  adentraram a mansão sorrindo pela ação do álcool em seus corpos e a adrenalina que ainda percorria as suas veias  , ele tinha uma mão em sua cintura enquanto a guiava para dentro. Subiram as escadas num clima descontraído. Rin parou em frente ao seu quarto.

—Obrigada pela noite agradável senhor Taishou.—Disse a morena com um sorriso encantador.

—Eu quem devo agradecer. Mas quem disse que a noite terminou? —Disse Sesshoumaru pegando Rin no colo causando um gritinho na morena que se assustou colocando a mão nos lábios. Sesshoumaru se encaminhava para a suíte principal com Rin nos braços. Sesshoumaru entrou no quarto fechando a porta com um dos pés. Colocou Rin sobre a enorme e macia cama e a beijou demoradamente. Se afastou a fitando nos olhos intensamente. —Vamos fazer amor até o sol nascer.—Disse ainda a fitando enquanto abria o zíper do seu vestido.

Fazer amor? Rin estava certa que estava completamente apaixonada por Sesshoumaru, prova disse era as loucuras que vinha cometendo com o prateado.

—Sim. —Disse apenas enquanto apreciava cada beijo que Sesshoumaru distribuía por sua pele nua.

Aquele restinho de madrugada foi o melhor desde que chegou ao Japão. Sesshoumaru a tratou de forma tão delicada e carinhosa como nunca antes.

Acordou na manhã seguinte ainda na cama do prateado. Apalpou acama ao seu lado e notou que certo alguém ainda estava ali. Esperava que acordasse e não o encontrasse mais ali, mas enganara-se. Abriu os olhos lentamente confirmando que Sesshoumaru estava ali e ainda ressonava tranquilamente. Rin parou para aprecia-lo por alguns instantes. O farto cabelo prateado tinha alguns fios sobre o rosto alvo e sem marcas. Os grandes cílios se destacava nos olhos fechados. A boca bem desenhada estava meio torta pela forma que ele tinha o braço sobre o rosto apoiado. Rin sorriu. Ele era perfeito, tão perfeito que Rin se perguntava se aquilo não era um sonho. Se levantou lentamente para não acorda-lo com um lençol enrolado em volta do corpo ainda nu.Se encaminhou ate o banheiro e tomou um banho rápido. Colocou a roupa da noite anterior e foi até o seu quarto trocar. Colocou um short e uma camiseta e desceu as escadas encontrando Jaken na sala dando ordens aos demais empregados. Passou enquanto alguns dos empregados lhe dirigia olhares acusadores, a morena apesar de se sentir mal ignorou e  foi ate a cozinha.

Kaede lhe recebeu com um sorriso.

—Bom dia menina. Quer tomar café agora?

Rin sorriu.

—Na verdade que gostaria que preparasse uma bandeja para que eu levasse ao senhor Sesshoumaru.—Disse envergonhada mas Kaede nada disse, apenas preparou o que Rin lhe pediu.—Obrigada Kaede.—Disse pegando a bandeja e se dirigindo de volta as escadaria.

Rin abriu a porta da suíte não encontrando Sesshoumaru na cama mais. Ouviu o chuveiro ligado e sentou-se na cama colocando a bandeja na mesinha ao lado. Alguns minutos depois ouviu a porta do banheiro se abrir e o prateado sair dela usando apenas uma toalha em volta da cintura enquanto secava os cabelos com outra. Notou Rin sentada na cama e sorriu de canto enquanto se dirigia ate a morena e lhe dava um selinho nos lábios.

—Porque fugiu pela manhã? —Perguntou o prateado enquanto ia até o closed e colocava uma calça esporte e uma camiseta.

—Na verdade eu fui buscar seu café da manha.—Disse sem jeito.—Você vai ficar em casa hoje?—Perguntou baixo notando as roupas informais.

Sesshoumaru olhou a bandeja na mesinha ao lado e se sentou pegando a xicara de café e bebendo um longo gole.

—Eu não estava apto a me levantar cedo hoje, minha cabeça está pesando, acho que bebi demais ontem. Vou trabalhar depois do almoço —Disse comendo um pedaço da torrada.

Rin sorriu se lembrando da noite anterior.

—Nos dois estávamos pra lá de Bagdá.—Disse em tom de brincadeira.

Sesshoumaru a fitou sério.

—Mas eu tinha plena consciência do que fiz ou falei.—Disse sério.

Rin sentiu um frio na barriga com as palavras do prateado. Sesshoumaru pediu que ela viesse até ele, Rin se levantou e foi até o prateado que lhe pegou pela cintura fazendo a sentar em seu colo e lhe dando um pedaço de torrada na boca.

—Rin, eu falei sério a respeito dos meus sentimentos. —Disse enquanto cheirava o pescoço da morena.

Rin sentiu o arrepia lhe tomar o corpo. Sesshoumaru beijou sua boca tirando toda a sua concentração. Rin o afastou delicadamente.

—Eu também sinto o mesmo....—Gaguejou—Eu não sei explicar..

Sesshoumaru sorriu mostrando os dentes brancos.

—Isso já basta.—Disse beijando os lábios de Rin.

—Isso parece um sonho.—Disse Rin—Eu nunca pensei que isso pudesse acontecer, eu ser traficada, comprada e acabar apaixonada pelo homem que me comprou. —Disse com um pequeno sorriso nos lábios.

—E você acha que eu imaginei algo parecido quando dei aquele lance?

Rin nada disse. De repente a realidade atingiu Rin de uma vez só, se lembrou da forma que os funcionários a olharam, da notícia nos jornais há algumas semanas. Seu estomago se embrulhou.

—Mas as pessoas ainda me olham como se eu fosse uma prostituta. —Seu semblante ficou triste.—Como se isso fosse uma forma de me jogar na cara mesmo sem saber o lugar de onde vim.Os empregados dessa casa com exceção de Kaede e Mizuki me olham como se eu fosse uma concubina.

Sesshoumaru trincou os dentes.

—Como se atrevem, eu darei um jeito nisso agora mesmo. —Disse sério enquanto se levantava e seguia para fora do quarto em direção a sala. Rin o seguiu.

—Por favor, não faça nada contra eles.—Disse Rin já se sentindo culpada por ter falado demais.

—Você ainda os defende? —Disse Sesshoumaru a fitando sério enquanto parava no corredor.

—Por favor.—Disse manhosa.

Sesshoumaru suspirou.

—Ok, mas vamos deixar claro o seu lugar aqui.—Disse enquanto continuava a andar parando na sala onde Jaken terminava de direcionar a todos.—Que bom que estão todos aqui.—Disse Sesshoumaru sério.—Quero fazer um comunicado importante.

Os empregados todos prestavam a atenção em Sesshoumaru. Jaken estava tremendo , não sabia o que era tão sério para fazer Sesshoumaru se dirigir aos empregados pessoalmente e não por intermédio dele.

—Rin é minha convidada nessa casa, quero que a tratem com o devido respeito. Não quero saber de conversas paralelas a respeito desse assunto. Não fiquem tentando tirar conclusões sobre o que Rin seja ou deixe de ser minha pois isso não desrespeito a nenhum de vocês. Apenas façam os seus trabalhos ou deixarão de ter um.—Disse Sesshoumaru sério enquanto olhava para os funcionários. Rin estava logo atrás do prateado e olhava a reação dos empregados que baixaram a cabeça em submissão e evitaram olha-la depois do que Sesshoumaru disse.—Jaken, controle seus subordinados ou eu o coloco no olho da rua.—Disse Sesshoumaru virando as costas e seguindo para a biblioteca.

Jaken fitou Rin com os olhos brilhando com lagrimas.

—Ouviram o seu patrão!—Disse se dirigindo aos empregados.—Ousem desobedecer e vão parar no meio da rua e nunca mais arrumarão um emprego decente se depender de mim!

Rin se dirigiu a cozinha onde Mizuki havia se dirigido e se encontrava secando a louça.A amiga  a fitou e deu uma gargalhada.

—Eu adorei! Bem feito para esses linguarudos. —Disse Mizuki pegando bolo e pães e colocando a mesa para Rin comer. Serviu um pouco de café a Rin.

—Eu me sinto ate culpada Mizuki.—Disse Rin pesarosa.

—Que culpada oque! Foi merecido, assim eles aprendem a nunca mais falar asneiras!—Mizuki Estava contente com a bronca que os outros levaram.—Ele está mesmo gostando de você Rin.—Disse baixinho.

Rin sentiu borboletas no estomago.

—Ele disse que gosta de mim Mizuki.—Disse sem jeito.

Mizuki bateu palmas.

—E eu não vi!?—Disse animada. —Ele está diferente Rin, eu nunca vi ele desse jeito em todos esses anos que trabalho aqui.

Rin sorriu feliz com as palavras da amiga.

—E kagura? Perguntou sem jeito.

Mizuki deu de ombros.

—Ela não vinha aqui. Ouvi dizer que o noivado deles era devido aos negócios. —Disse séria.—Mas acabou depois de sair em todos os jornais e revistas sobre a traição dela. O senhor Sesshoumaru é muito orgulhoso, jamais aceitaria algo do tipo, mesmo por negócios.

Negócios? Pensou Rin. E não pode evitar sorrir, pois viu Kagura e ela era extremamente bonita, era impossível não se sentir insegura.

—Ai Mizuki eu tenho até medo, parece um sonho. Um sonho que pode acabar a qualquer momento. —Disse Rin com o coração apertado.

—Não pense isso, apenas viva menina! —Disse a amiga sincera.

 

Sesshoumaru almoçou e foi para a empresa aquela tarde. Apesar de sua vontade ser ficar com Rin ele precisava resolver alguns empecilhos. Antes de sair ele havia se despedido da morena com um beijo sem se importar quem tivesse vendo. Ele queria mesmo que todos soubessem que Rin agora era sua e deviam respeitar isso.

Entrou sua sala se sentando na sua grande e macia cadeira. Olhou as pastas sobre a mesa e sabia que teria trabalho para a tarde inteira. Passou-se algumas horas e Miroku e Inuyasha entraram em sua sala.

—Boa tarde , parece que alguém teve uma bela noite...—Disse Miroku debochado.

Sesshoumaru ignorou. Inuyasha riu do moreno.

—É, parece que não foi só ele. Pensa que não notei a sua demora dentro do escritório do clube.—Disse com um sorriso de canto

Miroku deu de ombros.

—Que mulher...Que mulher meu amigo !Ah...—Suspirou , dirigindo se a seshsoumaru—Estou namorando com a Sangozinha a sobrinha do seu sócio Sesshoumaru...—Disse fitando o prateado que arqueou uma sobrancelha.

—Espero que isso não interfira nos meus negócios. —Disse Sesshoumaru assinando um dos papeis a sua frente.—Quero saber noticias , como foi a visita de Totousai a boate?

Miroku pigarreou e tirou um envelope da pasta.

—Aqui esta algumas fotos, mas nada que comprometa.—Sesshoumaru olhou o conteúdo do envelope devolvendo em seguida a Miroku.— Diferente da informação que Totousai conseguiu com Kanna.—Miroku fitou o prateado sério—Naraku recebera um mercadoria em um galpão a leste de Toquio, daqui há duas semanas. O que vamos fazer?

Sesshoumaru deu um sorriso de canto.

—Quando Totousai ira voltar a boate para contato com a informate? Ate la pode haver mais provas.

—No dia em que Naraku irá ao galpão.

—Otimo. Contate o capitão Aizen da linha de investigação do decimo terceiro distrito passe a eles a informação. Quero ver Naraku ser preso pessoalmente. Vamos acompanhar a operação.

—Com certeza.—Disse Inuyasha.

 

Alguns dias se passaram. Rin e Sesshoumaru estavam assumidos, Rin estava agora em uma lanchonete junto de Kagome e Sango.Um segurança a acompanhava por onde ia. Sesshoumaru fizera questão de colocar o grandalhão na sua cola. O segurança estava há algumas mesas de distância das garotas observando tudo.

—Nossa! Ele deve estar de quatro mesmo!—Disse Sango enquanto comia algumas batatas fritas.

Rin corou.

—Ele é muito possessivo mesmo. —Disse sem graça.

—Ai, eu estou completamente apaixonada ...—Disse kagome tímida.

—Mas não transou ainda.—Completou Sango.

—Para, Inuyasha tem me entendido bem, eu não me sinto preparada. —disse dando um empurrão em Sango que riu.

—Eu e Miroku não conseguimos parar—Sango se abanou.—Meu Deus que homem é aquele!?

Todas Riran.

—Aquela festa deu o que falar mesmo, Jack e Ban estão saindo sabia?—Disse Sango fitando Rin.—Eles saíram para jantar e Ban pediu para se conhecerem melhor.

Rin ficou muito feliz pelo amigo.

—Nossa, fico feliz por ele, Jack merece tudo de bom.—Disse sincera.—Eu as vezes acho que estou vivendo um sonho, tudo tem sido tão perfeito...—Disse sonhadora.

—Aproveita Rin. Você merece ser feliz—Disse kagome afagando os ombros de Rin.

De longe em uma das mesas um homem observava as três amigas.

—Droga! Essa garota está sempre acompanhada dessas meninas e desse segurança.

Discou um número do celular.

—Naraku?

—Oi Hakodoushi.

—A garota está acompanhada novamente daquele segurança, está difícil se aproximar.

—Esquece isso. Acabei de descobrir uma forma melhor de fazer isso.

—O que aconteceu?

—Algo bem desagradável. —Hakodoushi ouviu um estalo e um choro baixo. —Boca calada! —Gritou Naraku para alguém do outro lado da linha —Vou desligar, tenho um assunto a tratar aqui.

—Ate mais. —O homem de cabelos prateados, olhos lilás e usando  um sobretudo marrom se retirou da lanchonete indo embora.

 

As garotas não notaram a presença estranha e continuaram a conversar desapercebidas.

—Semana que vem é aniversário do Jack, podíamos sair para jantar na véspera que será na sexta feira, pois parece que Ban chamou Jack para passarem o fim de semana na casa de praia...—Sango fez cara de malicia. —Depois poderemos curtir uma boate o que acham?

Kagome riu.

—Eu topo, um jantar entre amigos e depois uma noitada de respeito é claro! Agora sou comprometida e vocês também! Eu, você, Rin e Jack!

Sango revirou os olhos.

—Não ia fazer diferença nenhuma se não fosse comprometida, não ia fazer nada do mesmo jeito!

Kagome deu de ombros.

Rin assentiu.

—Ok, combinado.

Sango bateu palmas.

—Eu conheço um restaurante ocidental maravilhoso! —Disse Sango animada— Tem uma bebida muito boa chamada Caipirinha...Jack vai amar!

—Sim! —Disse Rin e Kagome juntas.

 

 

Sesshoumaru chegou na mansão já passava das seis da tarde. Rin o recebeu na porta com um beijo.

—Seja bem-vindo.—Disse sorrindo. Sesshoumaru sorriu de canto.

—Preciso de um bom banho e se possível uma massagem. —Disse sugestivo.

Rin sorriu e ajudou a tirar o terno ficando só um com camisa clara. Sesshoumaru segurou sua cintura encaminhando a morena em direção as escadas.

—Vamos e me ajude a lavar minhas costas. —Disse maroto.

Desde o dia em que Sesshoumaru chamou atenção dos empregados, todos passaram a trata-la com respeito e educação. Não passavam de bom dias e educação, pois no fundo sabia que reprovavam sua relação com o prateado, porém Rin não se importou, estava feliz com tudo que estava vivendo e estava apaixonada pelo prateado e tudo que queria era estar ao lado dele sem se importar com os demais. Sesshoumaru tem mostrado ter o mesmo pensamento.

Rin subiu as escadas sendo guiada pelo prateado. Adentraram a suíte onde Rin já vinha passando suas noites há alguns dias. Desfez o nó da gravata de Sesshoumaru e abriu a camisa do prateado deixando o peitoral e abdome expostos.

—Me parece tenso...—Disse enquanto deslizava a mão pela pele exposta.

—Foi um dia muito cansativo. —Disse Sesshoumaru suspirando. —Nada que você não possa dar um jeito.—Disse enquanto enlaçava a morena pela cintura lhe dando um beijo demorado.

Rin sorriu sobre os lábios do prateado.

—Vou encher a banheira —Disse se desgrudando do abraço indo até o banheiro e ligando as torneiras para encher a Jacuzzi. —Você prefere óleo de amêndoas ou de Uva? Perguntou de dentro do banheiro com um tom mais alto na voz.

Ela não respondeu, Rin colocou óleo de amêndoas. De repente sentiu dois braços a envolverem. Sesshoumaru a enlaçou pela cintura encostando seu peito as costas de Rin que deu um pulinho de susto.

—Eu prefiro o mel que sai dos meio das suas pernas. —Disse rouco no ouvido da morena.

—Quer me matar!?—Disse sorrindo e sentindo a ereção do prateado as suas costas.

—De prazer.—Completou Sesshoumaru mordendo o lóbulo de sua orelha de forma sensual a virando para ficar de frente para ele, então ela pode notar que ele se encontrava nu , e completamente lindo. Seus olhos âmbar estavam semicerrados enquanto fitava a boca rosada de Rin. Rápido ele tomou a morena nos braços a beijando com fervor tirando a blusa de Rin e jogando em um canto qualquer. Em seguida abriu o zíper da saia que ela usava fazendo a peça cair nos seus pés sem deixar de beija-la. Se afastando um pouco ele a observou por inteira.

—Linda...—Disse cheio de desejo.—E minha...

Sem muito esforço ele puxou a pequena calcinha de renda a partindo ao meio.

—Essa é a terceira que você destrói essa semana. —Disse Rin arrepiada e com a voz entrecortada enquanto ele beijava seu pescoço.

—Te comprarei duas dúzias delas para rasga-las depois..—Disse enquanto mordiscava o pescoço da morena. Rin sorriu.

Sesshoumaru a pegou nos braços e entrou na banheira fazendo a agua transbordar, Rin se colocou atrás do prateado sentada com os seios encostados na costa de Sesshoumaru. Assim como Sesshoumaru Rin tinha os cabelos presos em um coque alto ,ela enroscou as pernas em sua cintura e passou a massagear seus ombros com um pouco de óleo perfumado que se encontrava na bancada.

—Vamos dar um jeito nessa tensão...—Disse enquanto deslizava as mãos pelas costas alvas. Sentiu sua intimidade se contrair ao ver a pele alva de Sesshoumaru se arrepiar com seus toques.

 Com ele era tudo tão intenso que Rin as vezes precisava se policiar para não o agarra-lo no meios das pessoas. Enquanto ela massageava –o Sesshoumaru lhe fazia carinho nos pés. Ele nunca pensou viver esse tipo de situação com uma mulher. Sempre foi tudo tão carnal, sem envolvimento de sentimentos que ele nunca havia experimentado nada parecido. Mas com Rin não, com Rin era tudo tão intenso e natural, ele tinha plena liberdade de se abrir e viver coisas como um simples banho juntos. Ela o abraçou por trás de repente encostando os seios em suas costas .

—Você faz ideia das coisas que eu sinto só de estar assim, com você? —Disse Rin enquanto o abraçava por trás.

—Eu posso imaginar...—Disse Sesshoumaru fingindo não saber.

—Eu te amo.—Disse Rin beijando a nuca alva de forma carinhosa.

Sesshoumaru sentiu o corpo enrijecer, ouvi-la dizendo aquilo fazia seu coração palpitar. Ela estava se declarando para ele de forma tão natural que ele se sentiu confortável para se abrir.

—Eu amo você Rin....—Disse enquanto virava se de frente para a morena que tinha lagrimas nos olhos ao ouvi-lo dizer aquilo—Eu nunca imaginei poder sentir algo parecido, mas aqui estou eu.—Disse alisando o rosto macio da sua morena.—Eu amo você minha pequena.

Sesshoumaru se inclinou e deu um beijo apaixonado em sua morena. Rin agarrou o seu pescoço o trazendo para mais perto.

—Me possua Sesshy...—Disse num tom baixo e cheio de desejo. —Quero você dentro de mim agora...

Sesshoumaru entrou no meio das pernas de Rin e se encaixou ali penetrando-a com carinho e paciência. Rin gemeu nos seus lábios. Os dois se amaram em uma dança sensual   sem pressa, a beijando lentamente e apaixonadamente ele se uniu a Rin . Rin sentia seu corpo quente, não sabia dizer se era seu coração aquecido ou a agua morna da banheira. Mas ela sabia que estar ali era tudo que ela queria . Sesshoumaru se movia lentamente, a beijando e acariciando o rosto pequeno e corado de sua parceira tirando alguns fios de cabelos teimosos que insistiam em grudar nas bochechas rosadas. Num vai e vem lento e gostoso Rin se contraiu e chegou ao orgasmo suspirando e se agarrando mais e mais ao prateado que não demorou muito relaxou seu corpo sobre o de Rin soltando um gemido rouco enquanto se derramava dentro de Rin .Sem sair de dentro da morena ele beijou seus olhos, seu nariz ate chegar a boca pequena que se encontrava vermelha e inchada. Se afastando e ficando com a testa encostada a de Rin ele tinha os olhos fechados.

—Quer casar comigo Rin?—Disse Sesshoumaru ofegante.

Rin abriu os olhos que até então se encontravam fechados.

—É sério isso? —Disse confusa.

—Nunca falei tão sério. —Disse o prateado abrindo os olhos e encarando a face confusa de Rin. A morena sorriu e um lagrima escorreu em sua face e Sesshoumaru limpou. —Nossa, isso é tão ruim assim? —Perguntou em tom brincalhão.

—Claro que não! —Disse Rin rapidamente.

Ele arqueou uma sobrancelha

—Não, de não é ruim, ou não de não quer se casar comigo?

Rin se enroscou no pescoço do prateado.

—Sim!—Disse feliz.

—Já vi que minha futura mulher não sabe o que quer! —Disse maroto. Beijou os lábios de Rin selando a promessa.


Notas Finais


Ja pergunto
Qual a treta acham que vem por ai? Ja conseguem imaginar quem ira aparecer para infernizar o casal amorzinho?
Fiquem ligados!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...