1. Spirit Fanfics >
  2. Are You Hurting The One You Love >
  3. Primeiro Dia

História Are You Hurting The One You Love - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


a música citada no capítulo é "Wish You Were Gay - Billie Eilish (Acoustic)"

Capítulo 2 - Primeiro Dia


Dois dias se passaram desde que eu cheguei em Galway, minhas aulas começam na segunda então ainda tenho sábado e domingo pra aproveitar. Confesso que Ana não é tão ruim como eu imaginei, mesmo que a simpatia dela soe muito falsa algumas vezes, eu consigo conviver com isso, inclusive hoje ela vai me levar até o depósito da cidade pra comprar umas tintas e algumas decorações pro meu quarto.

Eu estava terminando de me vestir quando Ana passou pelo corredor me chamando. Vesti uma blusa justa de mangas compridas branca, com um blusão preto por cima, jeans preto e tênis. Desci as escadas empolgada e encontrei meu pai preparando café.

— Bom dia, querida. — ele disse. — Vão sair?

— A Ana vai me levar até o depósito. — eu digo, indo até a geladeira e pegando a garrafa de suco de laranja.

— Que bom que estão se dando bem, se quiser quando voltar nós já podemos começar a pintar as paredes. — ele sugere e eu concordo com a cabeça, enquanto coloco o suco no copo.

— Pode ser. — digo.

— Vamos logo, nós podemos comer na rua. — Ana diz e eu bebo o liquido no copo rapidamente.

— Tchau, pai. — digo antes de sair.

Assim que entramos no carro, Ana começa a puxar assunto:

— Então, já pegou alguma referência? Eu adoro decorar. — ela pergunta.

— Ah, eu dei uma olhada na internet. Acho que eu quero as paredes brancas mesmo e algumas coisas da decoração em amarelo e cores neutras — eu respondi colocando o cinto.

— Amarelo? — ela diz surpresa enquanto dá partida no carro.

— É minha cor favorita. — eu respondo rindo.

— Ah sim. — ela sorri.

Com isso, Ana dirige por cerca de 30 minutos até chegarmos no depósito. Ela leva o carrinho enquanto eu olho algumas referências no meu celular. Pegamos roupas de cama, luzinhas de natal, e várias decorações, quando chegamos no caixa um garoto loiro, que parecia ter a minha idade nos atendeu sorrindo.

— Bom dia. — ele disse e começou a passar as nossas coisas, Ana pagou parte no cartão e parte com dinheiro e então fomos embora. Eu cheguei em casa muito animada para começar a decorar, meu pai ficou surpreso por eu não querer mudar a cor das paredes.

Nós passamos a tarde inteira decorando a quarto e no fim do dia, ficou exatamente como eu imaginei. A roupa de cama num tom de bege claro e algumas almofadas amarelas em cima, as luzinhas fazendo seu papel de abajur na parede e alguns prints que eu havia trazido, o quarto ficou muito aconchegante.

Depois disso nós fomos jantar e em seguida eu fui dormir no meu quarto novo.

(...)

O fim de semana passou voando e já era segunda de manhã, eu estava dentro do banheiro, me olhando no espelho sentindo meu estomago embrulhar. Já estava vestida, e tinha acabado de escovar os dentes e o cabelo, porém eu simplesmente não queria sair do banheiro.

— Lexie? Tá tudo bem? Você vai se atrasar. — a voz de meu pai soou do outro lado da porta e então eu abri. — O que foi?

— Sei lá, eu to nervosa. — eu respondi. — Conversei com a mamãe ontem, e ela conseguiu me acalmar mas hoje eu acordei com a mesma sensação.

— Não precisa ficar nervosa, aposto que vai fazer amigos ótimos. — ele disse. — Tudo bem? — ele diz pegando em meus ombros e me olhando bem de pertinho, eu concordo com a cabeça. — Quer que eu leve você de carro?

— Quero. — eu respondo e ele sorri.

Nós descemos para o carro e Ana se despede de nós dois antes de sairmos, ela trabalha em casa. O trajeto é curto e assim que chegamos, vejo a entrada na escola cheia, o que me faz respirar fundo.

— Eu vou indo. — eu digo e me viro para o meu pai. — Tchau. — ele sorri, e isso instantaneamente me faz lembrar de quando eu tinha uns 10 anos, quando meu pai me levava pro colégio quase todos os dias. Ele fez exatamente a mesma expressão que ele fazia 7 anos atrás. Eu meio que entrei em pânico e sai do carro rapidamente.

Ajeitei a mochila no ombro e comecei a caminhar na direção da entrada. Assim que eu entrei vi uma placa enorme informando falando de um clube de música, eu fiquei interessada já que eu gostava de cantar mas nunca tive coragem de fazer isso em público, enquanto eu olhava o cartaz uma garota chegou do meu lado e começou a falar, me assustando.

— Se você tiver interesse as inscrições são naquela lista bem ali. — ela diz apontando para um papel grudado na parede.

— Ah obrigada, mas eu... — eu ia dizer que só estava olhando mas ela me interrompeu.

— Você é nova aqui né? Eu nunca te vi. Meu nome é Kara Benson. — ela diz e estende a mão para eu apertar, eu a comprimento sorrindo.

— Sou Alexia Brooke — eu digo.

— Eu sou do clube de música, não tem muita gente mas é legal, a gente sempre consegue uma nota extra no final do semestre. — ela diz. — Deveria pensar no assunto.

— Ah... Tá bom. — eu digo sem saber o que responder. — Você poderia me ajudar? É que pelo que eu vi, aqui é bem grande e eu não sei onde fica a sala da minha primeira aula. — eu digo mostrando uma folha com todas as minhas salas e aulas. Ela lê e sorri pra mim.

— Que sorte a sua, é a mesma sala que a minha. Vem comigo. — ela diz e pega minha mão me guiando pelo corredor. — Bom, tem umas coisas que você precisa saber.

— Sempre tem, né? — eu digo rindo e ela me acompanha.

— Eu acredito que você já imaginava que aqui é tipo uma cadeia alimentar, nós estamos quase na última categoria. Heather Hansen, Lana Murphy e Gwen Sullivan estão no topo, é uma coisa bem “Mean Girls” mas dá pra sobreviver. Depois delas, temos claro os atletas da escola, Zayn Malik e Liam Payne. O Zayn não passa de um babaca narcisista, o Liam é mais de boa, mas é tímido então eu não sei muito sobre ele. Logo atrás vem as líderes de torcida e blábláblá. — ela diz enquanto andamos. Passamos por todo o corredor no térreo e fomos para o primeiro andar. — Todo o resto da escola vive praticamente à mercê desses três grupos sociais, ser amigo deles não te torna igual a eles, só te torna um subordinado.

— Ah... Que merda. — eu digo e ela concorda.

— O clube de música me ajuda a não passar tanto nervoso com eles, já que eles nos tratam bem por motivos de: Nós que tocamos as músicas nos bailes e eventos escolares. — ela explica e então para na frente de uma sala. — É aqui.

— Eu sou muito tímida então acho que eu não me daria muito bem. — eu falo e ela me olha surpresa enquanto entramos e escolhemos um lugar pra sentar.

— Ah, isso você consegue ajustar com o tempo e além do mais, você não é obrigada a cantar ou tocar nada. — ela diz.

— Hm, eu vou pensar, até o almoço eu te respondo. — eu digo e ela abre um sorriso largo.

— Gostei de você, no almoço vou te apresentar a Gen, ela é minha única amiga, mas espero que isso mude agora. — ela diz e eu sorrio.

Kara me deixou bastante otimista, ela era muito legal mesmo. Ela não era muito alta, nós deveríamos ter a mesma altura, tinha olhos azuis e cabelo castanho escuro, ela era bem magra e branca, com algumas sardas no rosto.

As aulas passaram rápido e logo era a hora do intervalo. Kara parecia muito empolgada e não parava de falar, quando chegamos no refeitório fomos pegar nosso almoço e Kara me levou até uma mesa com uma garota ruiva sentada, ela estava usando fones de ouvido e digitava freneticamente no celular.

— Gen. — Kara chama enquanto se senta e eu sento ao lado dela. A garota olha para nós e tira os fones.

— Demorou. Quem é essa? — ela pergunta olhando pra mim.

— Essa é a Alexia. Alexia, essa é a Genevivie. — ela diz.

— Pode me chamar de Gen, gostei do platinado. — ela diz. — É nova?

— Sou, eu sou de Londres. — digo.

— Ah eu sempre quis para Londres. — Kara diz.

— É bonito lá? — Gen diz.

— Sim, é lindo. As praias são incríveis. — eu digo.

— Quem sabe um dia você não nos leva pra lá? — Gen diz sorrindo, ficamos um tempo sem silêncio até Kara voltar a falar.

— Então, você já se decidiu? — ela diz pra mim.

— Ah não sei... — eu respondo.

— O que? — Gen pergunta.

— Ela disse que ia pensar sobre entrar no clube. — Kara diz.

— Ela sabe cantar? — Gen pergunta como se a vida dela dependesse da minha resposta.

— Não sei, você sabe cantar? — Kara diz.

— Ah, eu sei mas eu te disse que eu sou muito tímida. — eu respondo encolhendo os ombros.

— Mas isso você ajusta com o tempo. — Gen diz.

Eu a olhei desconfiada, e eu meio que sabia onde aquilo iria dar.

— Ah gente, eu não sei. — eu falo.

— Vamos, Alexia, vai ser legal. Se você não gostar é só sair. — Kara diz e Gen me olha balançando a cabeça positivamente.

Eu suspiro.

— Ta bom. — eu respondo e ela comemoram, dando o toque de mão.

— Depois da aula, tudo bem? — ela diz e eu concordo com a cabeça.

Depois disso nós só conversamos muito e as garotas eram bem legais, mesmo com tudo que Kara me contou mais cedo, eu estava bem otimista. Quando o horário de almoço acabou eu e Kara fomos juntas para nossa sala naquele período, quando estávamos quase chegando na sala, eu vi uma menina rodeada de líderes de torcida e mais duas outras meninas. Ela era muito bonita, tinha cabelo castanho escuro e olhos bem azuis. Assim que passamos por ela, a garota chamou Kara, que se virou pra ela.

— O que foi, Heather? — Kara diz. Então essa era a Heather, e eu imagino que as outras duas sejam Lana e Gwen.

— Não precisa responder assim. — ela responde com um sorriso sarcástico nos lábios. — Só queria dizer que sexta eu vou dar uma festa lá em casa.

— E porque você não avisou pro Ed? — Kara pergunta.

— É que eu percebi que você ta andando com a novata. — Heather diz e olha pra mim. — Aliás, eu adorei esse platinado.

— Heather, você não vai transformar ela no seu pombo correio. — Kara diz.

— Ah, que pena. — ela responde revirando os olhos.

— Ela provavelmente vai fazer parte do clube de música. — Kara fala me fazendo sentir vontade de enfiar minha cara no chão. — Vamos fazer a audiência depois da aula na sala do clube.

— Mas não é certeza. — eu digo, reforçando o fato de que eu não sabia se ia realmente fazer parte do clube.

— Hm, eu vou ir assistir então. — Heather diz me olhando como se eu fosse muito valiosa. — Até mais tarde. — ela se despede e sai com as outras meninas.

— Você vai contar pra todo mundo que eu vou fazer uma audiência hoje? — eu digo incomodada.

— Me desculpa, é que eu fiquei muito animada por você ter aceitado. Nós precisamos muito de alguém que cante. — ela diz.

— Mas você disse que eu não precisaria cantar. — eu respondo, cruzando os braços.

— Então né... — ela diz. — Olha, se você não quiser mais, não precisa, eu entendo você e... A gente nem se conhece e eu meio que to obrigando você a entrar no clube... Desculpa. — Kara diz e então o sinal toca.

Ela realmente estava empolgada já que a maior parte das conversas que tivemos hoje foi sobre esse tal clube. Me senti mal por ela de alguma forma, e não seria um sacrifício pra mim levando em consideração que eu cresci com pais músicos ou seja eu sei cantar, tocar violão e sei tocar piano, talvez fosse divertido no fim das contas.

— Tudo bem, eu vou fazer a audiência, não deve ser tão ruim assim. — eu digo e ela me olha sorrindo.

— Obrigada, eu nem sei como eu ia explicar pra Gen, pro Niall e pro Ed que você não ia mais. — ela diz me fazendo rir.

— Quem são Niall e Ed? — eu digo e ela ri.

— Você vai conhece-los. — ela responde e nós entramos.

(...)

A última aula tinha acabado de acabar, eu estava basicamente sozinha no corredor, enquanto pegava minhas coisas no armário e ao mesmo tempo ligava pro meu pai. Chamou duas vezes antes de ele atender.

— Sim, Lexie? — ele diz, uma música tocava no fundo.

— Oi, pai, eu to ligando pra avisar que eu vou ficar depois da aula. — eu digo e ouço ele tossir.

— O que? Por que? O que você fez? — ele pergunta depois de conseguir parar a tosse.

— Eu vou fazer uma audiência pro clube de música, não é nada demais, tá tudo bem. — eu respondo rindo e ouço ele suspirar.

— Ah sim, pensei que tinha parado de cantar.

— Eu parei, mas acho que não me faria mal voltar. — eu respondo e fecho o armário.

— Tudo bem, querida, só volte antes das 18h. — ele diz.

— Ok, tchau. — eu digo mas antes de desligar ele me chama.

— Lexie? — ele diz.

— Sim? — eu respondo e ele faz uma longa pausa antes de dizer:

— Eu te amo. — ele fala e eu fico sem reação.

— Ah... Eu tenho que ir pai. Até mais tarde. — eu digo sem jeito e desligo. Será que eu fui muito rude?

Enquanto eu andava indo encontrar Kara e Gen no jardim, ouço risadas e em seguida sinto um impacto forte no meu braço esquerdo que me faz cair no chão, minha bolsa ainda estava aberta então alguns cadernos caem da bolsa. Eu olho para cima de vejo um ruivo com cara de sonso me olhando aparentemente com medo da minha reação, sem dizer nada eu simplesmente começo a pegar meus livros.

— Me desculpa, eu não te vi. — ele começa e eu reviro os olhos.

— E você tava andando de costas por acaso? — eu pergunto e ele ri.

— Na verdade, eu tava sim. — ele fala e eu arqueio uma sobrancelha, logo em seguida, outro garoto se aproxima e por coincidência era o loiro que me atendeu no depósito outro dia.

— Eu falei pra você olhar pra frente. — o loiro diz e me olha. — Desculpa, a culpa foi minha, eu olho pros dois.

— Tudo bem. — eu digo com uma certa dose de ódio no meu coração e começo a me afastar.

— Você se machucou? — o ruivo diz e eu simplesmente o ignoro enquanto continuo andando. Assim que eu saio da escola, vejo Gen e Kara conversando no jardim.

— Desculpa a demora, eu tive que ligar pro meu pai e um otário esbarrou em mim no corredor. — eu digo quando me aproximo e elas soltam um risinho. — Não tem graça.

— Eu ouvi seus livros caírem daqui. — Gen diz e eu dou uma risada sem graça.

— Vamos logo. — eu digo e então nós vamos até uma casinha que ficava no mesmo terreno da escola, quando entramos, era um ambiente bem bonito. — Uau. — eu digo.

— O diretor deixou a gente decorar pra nos incentivar. — Kara diz.

— Ficou lindo. — eu elogio e ela sorri como agradecimento.

Ficamos alguns minutos ali antes dos outros chegarem. Eles tinham um piano, uma guitarra, um baixo, um violão e uma bateria e era muito organizado pra um lugar que era administrado por adolescentes.

Enquanto conversávamos, os dois garotos que me derrubaram no corredor entraram acompanhados de Heather, Lana e Gwen, além de outro rapaz moreno de olhos azuis.

— Ah, você é a Alexia. — o ruivo diz.

— Meu pai amado. — eu murmuro.

— Já se conhecem? — Gen diz.

— Foram eles que esbarraram em mim no corredor. — eu respondo.

— Que coincidência. — Heather diz.

— Bom, Alexia, esses dois são Niall — Kara aponta para o loiro. — E esse é Ed. — ela aponta para o ruivo — Aquele é o Louis. — por fim ela se refere ao moreno, que me da “oi”.

— Vamos começar logo. — Gwen diz sorrindo e se sentando no sofá que fica ao lado da porta.

— Tem alguma ideia do que vai apresentar? — Louis pergunta enquanto se senta numa cadeira perto do piano.

— Ah, acho que sim. — eu digo e me levanto indo pegar o violão e me sentando ao lado de Gwen que me olha com muito entusiasmo.

— O que é? — Kara pergunta.

— Uma música que eu escrevi um tempo atrás. — eu respondo enquanto afino o violão.

Respiro fundo antes de começar a cantar.

(Coloque para tocar a música do início do capítulo)

 

Baby, I don't feel so good

Six words you never understood

I'll never let you go

Five words you'll never say

I laugh alone like nothing's wrong

Four days has never felt so long

If three's a crowd and two was us

One slipped away

 

Quando eu comecei a cantar, Kara me olhou boquiaberta, o que me fez errar alguns acordes. A partir disso, eu comecei a olhar para baixo.

 

I just wanna make you feel okay

But all you do is look the other way

I can't tell you how much I wish I didn't wanna stay

I just kinda wish you were gay

 

Na parte do refrão, percebi que todos estavam prestando muita atenção e me atrevi a olha pra Kara que sorria como se estivesse orgulhosa de ter me recrutado naquela manhã. Enquanto, Louis me olhava admirado assim como Niall e Ed.

 

Is there a reason we're not through?

Is there a 12-step just for you?

Our conversation's all in blue

11 heys

Ten fingers tearing out my hair

Nine times you never made it there

I ate alone at 7, you were six minutes away

 

 

 

How am I supposed to make you feel okay

When all you do is walk the other way?

I can't tell you how much I wish I didn't wanna stay

I just kinda wish you were gay

 

Heather parecia muito satisfeita com a performance e até balançava os pés no ritmo da música. Gwen e Lana sorriam simpaticamente pra mim enquanto Gen me olhava com a mesma expressão de Kara.

 

To spare my pride

To give your lack of interest an explanation

Don't say I'm not your type

Just say that I'm not your preferred sexual orientation

I'm so selfish

But you make me feel helpless, yeah

And I can't stand another day

Stand another day

 

 

 

I just wanna make you feel okay

But all you do is look the other way

I can't tell you how much I wish I didn't wanna stay

I just kinda wish you were gay

I just kinda wish you were gay

I just kinda wish you were gay

 

Quando a música acabou, eu fui aplaudida e me senti muito bem, realmente não foi tão ruim assim.

— Caralho, você canta muito. — Louis diz me fazendo rir.

— Obrigada. — digo com um sorriso sem graça nos lábios.

— Isso foi incrível. — Lana fala.

— Você podia tocar essa música na minha festa na sexta. — Heather diz me olhando com certa ganancia. — Tenho certeza que todo mundo ia adorar.

— Ah, cantar pra escola inteira praticamente? — eu digo franzindo a testa. — Não sei.

— Bom, aqui está meu telefone. — ela diz me entregando um papelzinho, com seu número de telefone escrito com tinta de caneta rosa. — Quando se decidir me avise. Vamos meninas. — ela diz e se levanta saindo com Lana e Gwen.

— Heather gostou de você. — Ed diz.

— Ela quer achar uma forma de usar a Alexia, isso sim. — Gen alfineta fazendo Ed rir.

— Por que você odeiam tanto ela? — Ed pergunta.

— Deve ser porque ela é uma vaca nazista? — Louis entra na conversa.

— Nossa, pega leve, Lou. — Niall diz.

— Desculpe, Niall. — Louis responde rindo de leve.

— Mas sério, por que vocês não gostam dela? Ela me pareceu tão inofensiva até agora. — eu digo.

— Heather é assim quando ela quer alguma coisa, mas se ela não ir mais com a sua cara, ela vai fazer da sua vida um inferno na escola se você deixar. — Gen diz. — Kara já foi vítima dela.

— Ah Gen, isso não vem ao caso. — Kara diz querendo tirar seu nome da conversa.

— Bom, só toma cuidado com ela. — Gen me avisa. O que será que Heather fez pra Kara?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...