História Are you ready for it? - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Bertolt Hoover, Eren Jaeger, Erwin Smith, Farlan Church, Historia Reiss, Isabel Magnolia, Jean Kirschtein, Keith Shadis, Kenny Ackerman, Levi Ackerman "Rivaille", Marco Bott, Mikasa Ackerman, Mike Zacharius, Mina Carolina, Personagens Originais, Petra Ral, Reiner Braun, Rico Brzenska, Samuel Linke-Jackson
Tags Eren, Levi, Mutante, Supernatural, Yaoi
Visualizações 64
Palavras 1.284
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 27 - Contemplem


Fanfic / Fanfiction Are you ready for it? - Capítulo 27 - Contemplem

Eren finalmente conseguiu destruir os monstros de Mina, esses dois não o atacavam, apenas desviavam de seus ataques, o que fez Eren perder muito tempo. Eren voltou rapidamente para a igreja, Levi devia estar morrendo de preocupação.

Eren mal chegou no bairro onde a igreja ficava e já foi tomado pela surpresa ao ver o estado do lugar e das pessoas.

" O que foi que aconteceu aqui? "

Eren viu que de todos os lugares, a igreja era a que estava em piores condições.

— Levi...

Eren avançou até o local e entrou, viu o sangue nas paredes e pensou o pior. Mas até que notou algo, o sangue nas paredes obviamente era vermelho.

— Mas... O sangue de Levi estava ficando negro.

Então Eren compreendeu o que ali ocorreu, era um engano, sabia que Levi estava vivo, mas o problema seria saber onde ele está.

Eren deu graças a Deus por sua roupa ter um capuz, assim ninguém viu o seu rosto e ele pôde sair tranquilamente.

"Por favor Levi, esteja vivo"

No prédio abandonado, Reiner estava sentado no sofá encarando a janela, Annie e Mina estavam nos seus quartos, Bertholdt olhava História  adormecida do sofá. 

Em poucos segundos os dois ouviram batidas na porta, Mina e Annie saíram dos quartos e ficaram perto da janela, Reiner ficou de pé com os braços cruzados, Bertholdt saiu de perto de História  e foi abrir a porta, todos já sabiam quem estava ali.

— Entre — Disse Bertholdt.

Levi encontrou os olhos de Reiner e foi até ele, não olhava para os lados, não seguia outra direção, andava em linha reta até Reiner, Levi sequer notou a presença de História  ali. Já que Bertholdt praticamente a escondeu.

— Levi, você veio. — Disse Reiner.

Levi não deu uma palavra, ele estava visivelmente sem expressões, seus olhos estavam indiferentes, não tinham mais aquele brilho azul.

"Como eu pensei, Levi foi tomado pela sua segunda personalidade", era o que Reiner dizia a si mesmo.

Reiner se aproximou do "amigo" e lhe deu um abraço, Levi não esboçou reação.

— Eu sei o quanto isso deve doer, Levi. Ainda mais sabendo que foram os humanos que fizeram isso.

Rico e Mina seguraram uma pequena risadinha, Bertholdt permaneceu sério. Reiner levou Levi até a janela e mostrou os humanos agindo normalmente lá embaixo.

— Olhe como eles são, não tem nenhum arrependimento por matar pessoas inocentes.

Levi fechou os punhos, Reiner sorriu discretamente.

— Eu sei que você não gosta da palavra vingança, mas eu penso que... 

— Diga... — a voz de Levi era pesada e odiosa.

— Bom, eu confesso que queria a sua ajuda para dar uma lição nos humanos.

— O que quer que eu faça? — perguntou já determinado a fazer o que precisasse.

— Eu quero que me empreste a sua voz. — Disse sem enrolação — Se você unir esse poder com Mina, ela será capaz de criar uma fera tão grande que seria praticamente impossível para algum humano sobreviver. Eu sei que não gosta de mortes, mas...

— Eu faço.

— Você tem certeza disso?

— Eu farei.

— Ótimo, antes de tudo, você pode ir até o banheiro tomar um banho, você está imundo. Deixarei algumas roupas limpas para você.

Levi seguiu para o banheiro sem dizer nada, Reiner estava aproveitando esse lado obscuro de Levi para fazer o que ele quisesse.

— Reiner, sabe que isso tem consequências, não é? — Bertholdt perguntou.

— Sim, é um risco que não ligo em correr.

— Mas e se ele conseguir impedir a fera?

— Então nós cuidamos dele, só preciso que ele ajude a criar a besta, o que vier depois está feito.

— Tão esperto — Disse Annie se apoiando nos ombros de Reiner.

— Sei disso meu anjo, Bertholdt, você pode levar algumas roupas para Levi?

— É claro. — disse sem esboçar reação.

Assim que Levi saiu do banheiro sua  aparência era outra, qualquer pessoa que o visse nunca diria que ele era uma pessoa boa e gentil, seu olhar era assustador.

Levi agora usava uma calça jeans preta e um suéter azul escuro, pela primeira vez em anos, Levi tinha um sapato em seus pés, na verdade era um coturno de cano longo.

— Parece outra pessoa — Mina o elogiou, mas foi ignorada por Levi.

— Você quer fazer isso agora ou...

— Vamos acabar logo com isso.

Levi ficou ao lado de Mina esperando pelas ordens de Reiner. O mesmo andou até os dois e pediu para que eles ficassem em frente a parede de vidro quebrado. Ambos ficaram parados onde Reiner pediu.

— Mina.

A garota não precisou ouvir duas vezes, ela ergueu sua mão direita em direção ao céu nublado, seus olhos ficaram como os de uma cobra.

— Levi, segure a mão dela.

Levi obedeceu sem fazer perguntas, segurou a mão gelada de Mina e continuou encarando as pessoas no centro da cidade. Reiner colocou suas mãos nos ombros de Levi e disse:

— Agora, eu quero que pense em seus amigos... em sua família. Cada sorriso que foi apagado, cada riso que jamais será ouvido... cada amor que não será correspondido.

Levi estava a um fio de explodir de raiva, seus olhos se fecharam involuntariamente e ele apertou a mão de Mina.

Aleatoriamente, uma lágrima deslizou pelo rosto de Levi assim que ele se lembrou de seu irmão, dos momentos de companheirismo com Erwin e Farlan, das doces risadas de Armin e História , do belo sorriso de Isabel, da lealdade de Jean e Mikasa, do amor de Petra, e também do perdão que não conseguiria pedir a Eren, não havia sombra de dúvida que Levi estava destruído por dentro.

— Você sabe que quer se vingar Levi, sabe que os humanos tem que pagar pelo que fizeram... tudo que você precisa fazer... é gritar.

Levi perdeu o pouco controle que tinha, sua raiva era incontrolável, Levi gritou de maneira absurdamente alta, dessa vez uma grande quantidade de sangue saia de seu nariz, esse poder todo percorreu o seu corpo até as mãos de Mina, e então ambos os poderes se uniram e a garota o lançou no céu.

Com o som de um forte trovão, o céu se escureceu ainda mais do que antes, Mina ainda apontava sua mão para o céu assim como Levi ainda gritava, obviamente o céu escuro e o grito misterioso chamou a atenção das pessoas. E para o desespero delas, um braço grotesco surgiu de uma nuvem escura no céu, e a medida que descia foi se revelando uma gigantesca criatura assustadora e ameaçadora, tinha o corpo verde escuro e um par de asas nas costas, não possuía olhos mas tinha uma perfeita audição, seu rosnado fazia com que as pessoas ao redor começassem a gritar e correr procurando por abrigo.

Mina abaixou a sua mão de volta e Levi parou de gritar, soltou a mão de Mina e instantaneamente perdeu a consciência, caindo desmaiado no chão gelado.

— Deu certo meu amor — Sorria Annie.

— É claro que sim.

— O  que fazemos com ele? — perguntou Mina.

— Bertholdt, coloque ele em um dos quartos por favor.

Bertholdt era fisicamente forte igual a Erwin, ele pegou Levi em seus braços e o colocou em um quarto vazio. Pegou um pano para limpar o seu sangue do nariz, e só então viu que o sangue estava negro. Bertholdt havia se esquecido completamente desse detalhe, e se Levi ainda estava vivo significava que conseguiu fazer uma quantidade a mais do remédio, mas a mesma não iria mais durar tanto tempo. Bertholdt pegou outra seringa de seu bolso e a injetou em Levi, também não compreendendo o motivo de estar o ajudando.

Levi não gritou ou se debateu pois já estava desacordado, Bertholdt jogou a seringa vazia no chão e saiu do quarto.

— Contemplem, a nossa vingança. — Disse Reiner, vendo as pessoas fugirem de perto do monstro gigante.


Notas Finais


Parabéns senhor Levi, PARABÉNS!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...