1. Spirit Fanfics >
  2. Armas e bisturis >
  3. Capítulo XIII

História Armas e bisturis - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - Capítulo XIII


8:37 a.m.

Subindo.

Descendo.

Constantemente, igualmente. Taeyeon estudava o peito da morena subir e descer conforme respirava, num padrão regular, calmo. Ela tinha a cabeça da médica em seu ombro, o corpo virado parcialmente para o outro lado. Tiffany iria acordar com uma tremenda dor no pescoço se continuasse deitada daquele jeito. Mas, contraditoriamente, ela parecia confortável demais ali. Taeyeon não queria acordá-la. Então, ela virou-se de lado e lentamente ajeitou a cabeça da morena numa posição mais reta. A proximidade continuava a mesma: corpo colado em corpo, o rosto da morena a mais baixo nível do que o de Taeyeon, mas sua boca ainda tão próxima da testa de Tiffany que ela não conseguiu evitar o beijo que estava colocando ali agora.

Doce. Tiffany era doce. Desde seu perfume até em seus gestos. Seu sorriso. O modo como durante o sono pressionava os dedos na barriga de Taeyeon, como se certificando de que a loira estivesse ali. De uma coisa a detetive sabia: se ela saísse do lado de Tiffany enquanto a morena dormisse, principalmente em dias como esse em que estava tão sensível, não demoraria muito para acordar em seguida, procurando por ela. Então Taeyeon ficaria ali, até que a morena acordasse de seu sono, sem ter a necessidade de perturbá-lo, de sentir sua falta.

Ela encarou a TV - que ficara ligada, já que as duas caíram no sono rapidamente - e franziu as sobrancelhas ao perceber que havia outro documentário passando. Golfinhos. Bom, melhor do que algas marinhas, certamente. Pelo menos eles eram bonitinhos. E viviam no mar. Junto com as tartarugas.

Ela engoliu seco. Esqueça sobre as malditas tartarugas, Taeyeon. Ela soltou um suspiro irritada consigo mesma e sentiu Tiffany se remexer do seu lado. Ela baixou os olhos para checar a médica. Ainda dormindo. Talvez sonhando. Taeyeon levou o dedo indicador até o nariz da médica para afastar um pequeno pedaço de linha que havia se soltado do cobertor e parado ali. Taeyeon afastou-o de lá e viu a morena franzir o nariz ao contato de seu dedo, numa expressão engraçada e fofa. Taeyeon queria ver de novo. Sorrindo, ela mordeu os lábios e passou levemente a ponta do dedo no nariz de Tiffany, e de novo a morena encolheu o nariz e apertou levemente os olhos. Taeyeon riu, sem fazer barulho. Era absolutamente fofo. Ela queria beijar Tiffany agora. Mas como uma criança que descobre algo novo e prazeroso e incansavelmente quer experimentá-lo de novo e de novo, mais uma vez ela deslizou o dedo no nariz da morena. Dessa vez, além do habitual encolher de nariz e olhos, Tiffany tentou mexer a cabeça, um gesto que morreu pela metade por conta da preguiça, e em seu sono ela murmurou – Taetae - uma advertência que se não cumprida, lhe causaria problemas mais tarde.

Taeyeon sorriu mostrando os dentes. Doce, adorável. Minha Tiffany. Ela puxou a mulher para si, colando sua cabeça no seu peito e acariciando a bochecha com outra mão.

- Shhh. Dorme, meu amor. - Ela disse baixinho, esperando que as batidas de seu coração ninassem a mulher de volta ao sono profundo.

...

10:58 a.m.

Taeyeon tinha finalmente encontrado o controle remoto em cima do encosto do sofá e colocado a TV no mudo - e mudado de canal, é claro. Um jogo de basquete matinha sua atenção fixa ali. Tiffany dormia profundamente, aninhada em seus braços. Em certa altura, ela mesmo tinha se virado de lado e escondido o rosto no peito de Taeyeon. Um braço estava jogado em cima de sua cintura e ela tinha enroscado os dedos longos e finos no cabelo da loira. Agora a detetive tinha um braço em volta de sua cintura, a mão aberta em suas costas num gesto de proteção e sentia a respiração quente da morena atingindo-lhe a pele. Tinha sido o único movimento de Tiffany - virar-se de lado e enroscar seu cabelo - desde muitos minutos. Ela permanecia quieta, entregue ao sono, entregue a mulher.

Era tarde, Taeyeon sabia porque acabara de conferir na TV. Tiffany nunca dormia até tão tarde, o que só podia significar uma coisa: ela estava certa em seu palpite. Tiffany estava exausta. Entre um aborto, horas de trabalho, problemas com seus pais biológicos, mais trabalho e agora Irene... Era o suficiente. Ela estava considerando a proposta de Tiffany. Elas mereciam férias. Há quanto tempo elas não tiravam férias, de qualquer jeito? Dois anos? Heechul não iria negar, de fato, ele ficaria aliviado. Ele não precisava de servidores quase mortos por exaustão, como iriam fazer o trabalho direito se ficassem assim? Elas iriam viajar. Para as montanhas, talvez para Califórnia. Tiffany tinha dito que queria voltar à Califórnia um tempo atrás.

Ela estudou o corpo da mulher novamente. Nós vamos viajar, Fany. Eu e você. E eu vou te contar isso quando você acordar. Ela sorriu e beijou a cabeça da morena - que nem se mexeu. Graças a Deus ninguém tinha ligado para incomodar. E nem mesmo sua mãe tinha aparecido ali antes de ir ao trabalho - agora que ela pensou nisso, ela sentiu a bochecha arder, sua mãe poderia ter entrado em casa enquanto elas... Deus. Ela fechou os olhos e dispensou o pensamento. Óbvio que isso não tinha acontecido, sua mãe era barulhenta demais para não ser notada caso tivesse entrado.

Tiffany se remexeu em seus braços e Taeyeon pensou por um minuto que seus pensamentos barulhentos haviam acordado a mulher, mas diferente do que imaginava, a morena suspirava alegremente em seu sono. Quando se acomodou novamente, Taeyeon acariciou suas costas e assistia enquanto um jogador perdia um arremesso.

- Idiota. - Ela murmurou baixinho.

A campainha tocou.

Merda! Taeyeon espremeu os olhos irritada. Quanta inconveniência. Vá embora. Ela pensou com toda força, o que não resolveu nada. Ela resolveu esperar, rezando que quem quer que fosse desistisse da ideia de encontrar alguém em casa.

A campainha tocou de novo. Tiffany se remexeu sugestivamente. Não, você não vai acordar sem necessidade.

Taeyeon se desenroscou da mulher lentamente, primeiro colocando seu braço na frente de seu corpo, depois removendo cuidadosamente seu braço e colocando uma almofada em baixo de sua cabeça, e finalmente passando as pernas por cima da outra e saindo do sofá. Antes dar a oportunidade para que o apertassem a campainha de novo, ela correu até a porta não se importando com seu estado e abriu-a de uma vez.

Ah, não.

...

- Younghee. - Ela disse pega de surpresa. Desde quando a mãe adotiva de sua esposa estava na cidade? Tiffany iria pirar. Toda sua mania de organização e limpeza começava dias antes da chegada da mãe - quando ela sabia da chegada! Era para ser um dia leve e calmo, sem estresse. Meu Deus, Tiffany iria perder a cabeça. A começar pelo ponto de que ela ainda estava dormindo. Na sala. Depois de fazer amor com Taeyeon. Meu Deus. Tiffany estava nua? Não, não estava. Espera, o Kimono, Taeyeon tinha exposto seu corpo, ela tinha arrumado isso antes de ir dormir? Tinha. Não tinha? Taeyeon começou a sentir aquela sensação de inquietação dentro de si. Era assim que Tiffany se sentia? Era assim que parecia ser filha dessa mulher?

- Olá, Taeyeon. - A mãe de Tiffany sorriu educadamente para ela e ergueu as sobrancelhas de um jeito sugestivo quando estudou a roupa amassada da loira.

- Oi, Younghee. - Ela murmurou. - Eu, ahn... Acabei de acordar. - Ela disse como se devesse uma explicação.

- Isso eu posso ver, detetive Kim.

Taeyeon revirou os olhos. - Qual é, eu sou casada com sua filha, quantas vezes preciso dizer para você me chamar de Taeyeon? -  E de qualquer forma, agora é Kim-Hwang.

Ela balançou a cabeça. - É só costume, eu imagino. - Ela disse com um sorriso sincero e Taeyeon reconheceu a delicadeza de Tiffany vinda dessa mulher.

E de repente Taeyeon se lembrou da educação. - Entra, por favor. - Ela gesticulou e deu passagem para Younghee. Antes de adentrarem a casa, Taeyeon fechou a porta e quase sem graça, falou em voz baixa. - Tippany ainda tá dormindo. No sofá. - Ela disse enquanto esfregava as mãos no shorts. Ela estava nervosa. Mais do que de costume, porque havia tanta coisa que Younghee ainda não sabia que Taeyeon sentia como se estivesse mentindo para a mulher.

- Oh. - Ela disse e pareceu preocupada, talvez porque Taeyeon parecesse preocupada. - Eu sinto muito por aparecer aqui tão inesperadamente. Eu não tinha muito o que fazer nessa semana e achei que poderia, você sabe, fazer uma surpresa para Stephanie.

- Tenho certeza que ela vai adorar sua estadia aqui, Younghee. Anunciada ou não. - Taeyeon ofereceu seu melhor sorriso, porque era verdade. Ela gesticulou com a mão como fazia com os colegas da delegacia, um gesto que sua mãe reprovaria - onde estão seus modos, Taeyeon? - e andou até a sala.

Younghee a seguiu e observou Tiffany com afeição. Ela parecia a pequena garotinha que colocara na cama - não muitas vezes - no passado, dormindo confortavelmente ali. Tiffany havia se tornado, com toda certeza, a mulher que ela esperava que ela se tornasse. Melhor, até. E agora que a filha estava tão distante de si - e não só fisicamente - Younghee se arrependia de não ter passado tanto tempo com ela. Era lamentável, mas agora para tentar compensar o tempo perdido, ela organizava sua programação de exposições e aulas da melhor forma possível, de modo que acabasse com alguns dias livres - como esse - para visitar a filha.

- Eu vou acordá-la. - Taeyeon anunciou, tirando a mulher de seus pensamentos.

Ela balançou a cabeça em entendimento.

Taeyeon contornou o sofá e colocou a mão em cima do ombro de Tiffany, mas quando foi chamá-la algo fechou sua garganta. Era para ser um dia leve. Ela engoliu com dificuldade. E tentou de novo. Tudo o que saiu de sua boca foi ar. Merda. Ela levantou os olhos para Younghee, que agora a estava encarando sabendo que havia um problema ali. Ela franziu o cenho e antes de mais nada, Taeyeon retirou a mão do corpo da mulher e se levantou, fazendo sinal com a cabeça para que a mulher mais velha a seguisse.

- Eu tenho algo para te contar. - Ela murmurou enquanto passava por Younghee.

As duas andaram até o escritório de Tiffany, o lugar mais seguro para se conversar sem serem ouvidas, sem acordar a médica.

Taeyeon fechou a porta atrás de si e suspirou. Por onde ela começaria?

- Younghee. Ontem não foi um dia bom. - Ela disse olhando para o chão. Quando a mulher não acrescentou nada, Taeyeon sentiu-se obrigada a encará-la. O que ela encontrou foram olhos preocupados. Ela achou melhor continuar. - Fany e eu... Nós... - Ela limpou a garganta. - O que você precisa saber, antes de tudo, e por favor não se esqueça disso durante o decorrer do dia, é que Fany tá muito sensível. - Ela coçou a cabeça se sentindo inconfortável.

- O que aconteceu? - A mulher perguntou quase num sussurro, temendo que a situação fosse pior do que ela esperava - seja lá o que fosse que ela tivesse esperando. Tanta coisa passou pela cabeça dela. Alguém tinha ameaçado Tiffany? Alguém tinha machucado sua filha? Tentado algo contra ela? Ela não tinha visto nenhum machucado, tinha?

- Meu Deus. - Taeyeon esfregou os olhos. Tire o curativo de uma vez, Kim, dói menos. - É uma longa história, e eu sinto muito por não ter dito antes, mas é que.. Tippany teve um aborto alguns meses atrás. - Ela disse de uma vez, numa voz baixa, desejando não ter sido ouvida. Desejando também, que estivesse tendo um pesadelo. Merda, por que Tiffany decidiu segurar a notícia por tanto tempo enquanto estava grávida? Por que não tinha simplesmente ligado para a mãe e dado a notícia? Agora Taeyeon estava ali, lhe contando a boa e a má notícia de uma vez só: você é avó, opa, não mais. Ridículo. Tiffany precisava melhorar ainda mais essa relação com a mãe dela, e parar de enfiar Taeyeon em situações assim.

- Perdão? - E não era como se ela não tivesse entendido.

Taeyeon sentiu pena da mulher. - Eu sinto muito. Não é justo, eu sei. Ela deveria, nós deveríamos ter contado antes.

- Oh, Deus. - A mulher suspirou decepcionada, triste, levando a mão no coração. - Eu sinto muito, detet... Taeyeon.

A loira balançou a cabeça em sim e murmurou um “obrigada”. Infelizmente a história não acabava por aí.

- Tem mais. - Ela disse depois de se recompor. - Ontem à noite... - Ela suspirou, a garganta fechando novamente. - Ontem à noite. - Ela tentou de novo enquanto se lembrava dos olhos castanhos de Irene piscando para ela. Agora a garganta queimava. Ela limpou e... suas mãos estavam tremendo?

- Ontem à noite... Aconteceu de novo? - A mulher deu um passo à frente, o coração pulando dolorosamente no peito, mas Taeyeon a parou com a mão.

- O que? Não. Não - Ela disse firmemente entendendo a suposição. Tiffany não tinha sofrido outro... Ela fechou os olhos não terminando a frase. Só a suposição lhe dava náuseas.

- Não. - Ela disse depois de se estabilizar novamente. - Não foi isso. Nós estamos trabalhando num caso e tinha essa garotinha. Tiffany a trouxe para casa porque... Ela queria ajudá-la, Younghee. E a menina deveria ir embora hoje, e foi levada ontem.

Younghee balançou a cabeça entendendo a situação. Ela cruzou o braço em frente do peito enquanto Taeyeon continuava a falar.

- E ela era... Perfeita, acho que posso dizer. E ela e Tiffany se conectaram de uma forma que, eu juro por Deus, nunca vi Fany assim com uma criança antes. - Ela soltou um suspiro tremido. Ela estava prestes a chorar, que droga. - E como você deve imaginar, isso reabriu algumas feridas. - A imagem de Irene partindo e Tiffany na noite anterior, chorando, cruzou sua cabeça de novo e ela se sentiu fraca. – E... - Agora as lágrimas caíram. Ela estava chorando na frente da mãe de Tiffany. Maravilha, Kim. - Eu sabia que ela ia embora hoje, e Fany sabia também. E era pra ser hoje e não ontem. - Ela disse com a voz tremida, como uma criança extremamente triste e magoada. - E você conhece a Fany, ela tá sensível e... - Ela balançou a cabeça, tentando se livrar do choro. Foi então que ela se deu conta de que ela não tinha chorado com a partida de Irene, e que por isso estava chorando agora. Cada coisa em seu tempo.

- Taeyeon. - Younghee disse numa voz cuidadosa, entendendo toda a situação. - Você cuida muito bem da minha filha, eu vejo.

A loira apenas balançou a cabeça, não confiando na própria voz.

- Você a deixa tomar conta de você da mesma forma?

A pergunta surpreendeu Taeyeon. É claro que uma tomava conta da outra, mas era quase obrigação Taeyeon deixar claro para Younghee que ela cuidava bem de sua filha, ela nunca considerou que a artista se preocupasse com ela.

- Eu... É claro.

- Ela sabe que você se sente assim?

- Younghee, nós... - Ela limpou o rosto. - Eu preciso ser forte por ela hoje, ok? Ela tá muito...

- Sensível, eu sei. Você disse umas três vezes. - Ela pontuou. E quando Taeyeon notou a mulher estava mais perto dela do que em qualquer outro momento que se encontraram. - E parece que você está tão sensível quanto ela, querida.

A mão de Younghee em seu rosto a fez arregalar os olhos. Essa afeição da parte da mulher era algo que ela definitivamente nunca esperou, nem imaginou. E por mais estranho que fosse, o gesto tinha acalmado seu coração. Estranhamente, a mão de Younghee era mais quente e fofa do que se esperava. E inesperadamente, Taeyeon começou a chorar por conta do toque gentil.

- Eu... - Taeyeon tentou falar alguma coisa, e ela se sentia extremamente frágil e menor do que a mulher em sua frente. Younghee tinha uma forte presença. Taeyeon tinha certeza de que ela mesma poderia quebrar um suspeito numa sala de interrogação. Se ela não fosse fina demais para isso.

- Taeyeon, a julgar pelo modo como me recebeu mais cedo, eu diria que não tinha sido uma boa ideia vir sem avisar. Agora, considerando tudo o que você me contou e vendo como você está - porque ainda não tive a oportunidade de falar com Stephanie - julgo que não poderia ter vindo em hora melhor.

- Younghee... - Taeyeon murmurou em uma voz carregada, agradecida.

A mulher sorriu e piscou os olhos, do mesmo jeito que Tiffany fazia. - O que? Você acha que não sei bancar o papel de omma? - Ela disse brincando, o que arrancou um sorriso dos lábios de Taeyeon. - Fique sabendo, Detetive, - lá estava o título de novo, Taeyeon revirou os olhos – Que sei muito bem do que minha filha precisa. E posso não saber o que você precisa, mas eu aprendo rápido. - Ela piscou os olhos sinalizando o fim da conversa.

- Obrigada - ela disse firmemente, agradecida. - Você me deixaria... eu me recompor? Antes de acordá-la?

- Certamente. Não quero que Stephanie pense que te fiz chorar. - Ela ergueu as sobrancelhas de forma autoritária, e Taeyeon riu de novo. E quando se deu conta revirou os olhos. O que havia com esse dia? Ela rindo com Younghee?

...

Trinta minutos. Foi o tempo que Taeyeon precisou para parar de chorar e parecer novamente aceitável. Nesse meio tempo, ela ofereceu chá para Younghee e as duas mulheres trocavam palavras baixas na cozinha, os olhos de Taeyeon nunca abandonando o corpo de Tiffany no sofá. E então, quando Taeyeon se sentiu finalmente pronta, ela balançou a cabeça para Younghee e antes de caminhar até a morena, explicou.

- Não liga se... ela se desesperar um pouco no começo. Você sabe como ela é autocrítica quando se trata de... você. - Ela disse quase se desculpando. Younghee balançou a cabeça em compreensão.

E então lá estava ela de novo, prestes a acordar Tiffany - que agora dormia com a mão em baixo do rosto.

- Pany-ah? - Ela chamou calmamente, balançando de leve seu ombro. - Ei, mushroom. - A morena se moveu, mas não disse nada, não abriu os olhos. – Pany-ah, sua omma tá aqui. - Taeyeon lambeu os lábios e esperou. A morena murmurou.

- Nada engraçado. - Ela tirou a mão de Taeyeon do ombro dela e se virou de barriga para cima.

- Ahn... Pany-ah? É sério. - Ela disse, quase desesperada. Ela viu um sorriso se formar no rosto da morena.

- Engraçado. - Ela disse, mudando de ideia. Taeyeon se perguntou se ela ainda estava dormindo, ou só debochando dela. Ela olhou para Younghee e fez um gesto com a cabeça.

- Stephanie? Querida? - Younghee chamou e Taeyeon viu o terror se instalar no rosto da mulher antes mesmo de abrir os olhos.

- Taetae? - Ela perguntou num sussurro, os olhos arregalados. A loira balançou a cabeça em positivo. Tiffany se sentou na hora, desorientada, sentindo o coração bater rápido demais para quem tinha acabado de se levantar. Isso não era saudável. - Omma? - Ela perguntou numa voz mais aguda do que de costume, e assistiu enquanto a mulher caminhava até o meio da sala.

- Olá, querida.

Tiffany olhou para Taeyeon.

Taeyeon olhou para Younghee.

 Younghee sorriu e encarou Tiffany. - Me desculpe por não anunciar minha visita. Entretanto, Taeyeon me garantiu de que você ficaria feliz.

- Você sabia que ela vinha? - Tiffany perguntou acusatoriamente e Taeyeon arregalou os olhos.

A detetive considerou fugir de Tiffany nesse momento. Ainda bem que a ideia não tinha sido dela. - Não! Eu acabei de saber, assim como você.

- Ah meu Deus. - Ela levou as mãos na cabeça e olhou ao redor. Ela estava dormindo na sala, vestida num kimono que a essa altura não estava nada apresentável. Ela não estava apresentável. Seu rosto, seu cabelo. O que diabos ela estava pensando em dormir ali? E a casa não tinha sido limpa adequadamente em dias! A cozinha. Cheia de desenhos na geladeira, e lápis espalhados no chão.

Tiffany quis chorar. Ela teria chorado se não estivesse tentando concentrar toda sua atenção na respiração. Estava difícil respirar.

- Fany, ei. - Taeyeon chamou, mas ela balançou a cabeça enquanto franzia o rosto. Ela ia desmaiar, Taeyeon sabia que ela ia desmaiar se não fizesse alguma coisa.

- Stephanie, querida. - Younghee se aproximou e se sentou ao lado dela, segurando-lhe as mãos. Um olhar acolhedor. Ela não tinha ideia de que causava isso em Tiffany; bem, quando criança, sim, mas ela esperava que isso tivesse sumido depois de Tiffany se tornar adulta. Em partes, seu coração se partiu - mais uma vez em menos de uma hora. Ela levou a mão na nuca de Tifany e segurou, e quase assustada a morena olhou para ela. - Stephanie, você pode respirar? - Ela perguntou calmamente enquanto acariciava a nuca da morena.

Tiffany olhou para Taeyeon, sem compreender a ação - se sentindo mais calma de qualquer forma - e uma vez que a loira ergueu as sobrancelhas e sorriu para ela, a morena voltou o olhar para Younghee e balançou a cabeça em sim. – Melhor. - Ela disse.

- Ótimo. Não há razão para se sentir assim. - Younghee disse a apertou sua mão, reafirmando as palavras.

Tiffany balançou a cabeça. - Eu sinto muito, omma. Eu não sabia que você viria. Eu poderia... ter me organizado. - Ela abaixou a cabeça com vergonha. - Preparado a casa para sua visita, e bem, olha para mim. Isso não são condições de receber um convidado, você me ensinou muito bem. - O sofá poderia engolir seu corpo, ela não se importaria.

- Stephanie. Eu não sou uma convidada. Você é minha filha, e pouco me importa se você me recebe usando um pijama ou um Valentino.

Nomes de vestidos, hora de se mandar Kim. Ela se levantou e sumiu de vista.

- Não? - Ela perguntou ingenuamente.

- Não! - Younghee disse como se fosse a pergunta mais boba a ser respondida.

Tiffany piscou os olhos, confusa demais. Isso estava acontecendo? - Eu... - Olhos castanhos procuravam pela mentira, mas Tiffany nunca a encontrou. - Omma, eu...

- Stephanie, - Younghee a cortou, ainda que não fosse de seu feitio - Talvez eu tenha te cobrado demais. E talvez você se cobre demais por conta disso. - Ela acariciou a nuca de Tiffany de novo. - Isso não é necessário, querida.

E algo dolorido tinha sumido dentro da médica quando ela se deu conta de que a mulher estava sendo sincera. Agora ela se sentia mais confortável, e emocionada ela tentou evitar que as lágrimas chegassem aos seus olhos. - Obrigada. - Ela disse. Tiffany tinha tantas coisas que gostaria de dividir com a mulher. Ela se perguntou se esse seria o momento ideal. Quando a mão de Younghee abandonou sua nuca, Tiffany se deu conta de que esse era um gesto de que a mulher fazia quando ela ainda era criança e estava com medo ou triste. Considerando o silêncio que agora pairava entre elas, Tiffany decidiu que ela deveria oferecer alguma coisa. Mas o que saiu de sua boca foram outras palavras.

- Eu gostaria de te contar algo.

E notando os olhos marejados da morena, Younghee sabia do que se tratava, e estava disposta a receber e lidar com a dor de sua filha.

...

- Aberração. - Taeyeon murmurou para o cágado enquanto colocava morangos à sua disposição. Ela sempre tivera uma implicância com o bicho, mas no fundo ela gostava dele. Insultar o animal, na verdade, tinha se tornado um hábito porque ela adorava irritar Tiffany. A morena sempre lhe devolvia um tapa, ou um beliscão quando ela o fazia. Da última vez - Taeyeon parou de mexer com o bicho por um tempo - ela havia pintado um smile branco no casco dele. Com esmalte. Tiffany ficou verdadeiramente brava. Taeyeon se desculpou, mas o olhar de Tiffany dizia que ela iria pagar muito caro por aquilo. Resultado: uma semana sem sexo, e Tiffany nem estava naqueles dias. Foi crueldade com ela - com Taeyeon, e não com a tartaruga. Desde então tinha sido insultos apenas por palavras, e sempre longe de TIiffany - afinal, ela precisa de um tempo até que a médica lhe perdoasse pela provocação anterior. Taeyeon era esperta.

Não querendo incomodar as duas mulheres no andar de baixo, Taeyeon resolveu tomar um banho. Tiffany precisava de um tempo para conversar com a mãe, para se abrir - o que ela esperava que estivesse fazendo agora - e atualizá-la sobre tudo. Ela suspirou enquanto abriu o chuveiro e torceu para que a morena estivesse mais calma. Era pra ser um dia supostamente calmo. A loira encostou a cabeça na parede se sentindo um tanto quanto cansada e refletiu sobre a atitude de Younghee mais cedo, quando estavam a sós. Ela não era tão ruim quanto aparentava. Certamente tinha algo de maternal nela, e era uma pena que Tiffany conhecesse tão pouco esse lado da mulher.

Concentrada, ela se lavou e enxaguou, num banho que considerou demorado demais. Talvez tivessem se passado trinta minutos, entre a hora que saiu da sala até agora. Talvez fosse suficiente. Talvez as duas já estivessem conversando sobre bolsas e sapatos - credo! - e talvez estivessem até rindo. Quem sabe? Ela se arrumou - uma calça jeans e uma camiseta vermelha de algodão - e enrolou o cabelo na toalha, só para soltar depois, mais seco. Olhando no espelho, ela ergueu as sobrancelhas e deu de ombros. Ela estava aceitável, não parecia ter passado por um turbilhão de emoções. Talvez parecia ter sido atropelada por alguma delas, no máximo. Ela resmungou alguma coisa e deixou o quarto, partindo para sala novamente.

A cena diante dos olhos aqueceu seu coração: Younghee estava abraçando Tiffany de um modo acolhedor, do mesmo jeito que sua mãe a abraçava quando estava realmente chateada, e agora a mulher segurava Tiffany nos braços durante todo o tempo em que Taeyeon permaneceu em pé, assistindo a cena. Ela não queria atrapalhar, não queria se intrometer. E demorou até que a mulher mais velha soltasse a filha, e as duas limparam os olhos e Younghee acariciou a cabeça de Tiffany e sussurrou algo para ela. A morena sorriu timidamente. E quando Tiffany olhou para baixo, Taeyeon sabia que ela estava rodando a aliança no dedo - a loira passou o dedo pela sua sem notar - e depois ela viu a esposa acenando a cabeça em sim, e Younghee acariciando seu rosto.

Tiffany sorria. Parecia aliviada. Parecia... renovada. Sua postura tinha melhorado e o rosado das bochechas tinham voltado, e Taeyeon se perguntou se era por causa do que Younghee havia sussurrado a ela ou se, simplesmente, porque a mulher tinha conseguido trazer um pouco mais de vida para a filha.

Taeyeon sorriu. Leveza. Era isso o que ela estava esperando pelo dia. Ninguém iria estragá-lo, ela não permitiria. Ela mesma se sentia melhor agora. Ela bom ver algo dando certo, só para variar. Ela estava sorrindo e ficou sem graça quando o olhar de Tiffany encontrou com o dela. Ela não queria ser pega espiando. Entretanto...

- Taetae. - Tiffany disse, e sorriu ainda mais em sua direção.

- Ei. - Ela sorriu de volta e colocou as mãos no bolso da calça.

Younghee sorriu para ela. Ela acenou com a cabeça.

As duas mulheres se levantaram do sofá e Taeyeon viu o momento em que a artista apertou carinhosamente o ombro da filha. Ela se retirou para a cozinha enquanto Tiffany caminhou para Taeyeon.

- Tudo bem? - A loira perguntou mesmo já sabendo a resposta.

- Tudo bem. - Os olhos de Tiffany brilharam. Tiffany depositou um beijo em seus lábios, e ela riu, pega de surpresa.

- Bem, Dr. Hwang, vejo que você está de bom humor. - Ela segurou a morena pela cintura e puxou-a para si, e antes de beijar-lhe conferiu para ver se Younghee não observava as duas - ela se sentia inconfortável beijando Tiffany na frente da mãe. Quando não viu sinal da mulher, encostou os lábios no de Tiffany e a beijou carinhosamente. E quando se afastou... – Pany-ah?

- Hum? - A morena disse, demorando para abrir os olhos, como se ainda saboreando o beijo.

Taeyeon esperou até que ela a encarasse, e quando seus grandes olhos castanhos a questionaram ela abriu um sorriso grande. Tiffany pareceu intrigada - e a expressão foi tão fofa que Taeyeon queria beijá-la de novo, mas primeiro: - Lembra daquela viagem, que você falou?

Tiffany balançou a cabeça em sim.

- Você escolhe o lugar e a data de partida.

- Sério? - Os olhos brilharam para ela em expectativa.

- Sério. Só não faça eu me arrepender, por favor. - E Taeyeon riu com o tapa que recebeu da morena. - Ouch! - Ela exclamou, mas logo se calou quando Tiffany colou seus lábios no dela de novo, num beijo demorado e cheio de promessas.

- Você não vai. –  Ela sussurrou e sorriu maliciosamente, fazendo a barriga de Taeyeon se contorcer.

Ela suspirou. - Eu... acredito. - Ela confirmou as palavras com a cabeça. Tiffany riu.

- Eu preciso de um banho. - Ela disse se soltando de Taeyeon.

- Precisa mesmo. - E Taeyeon não previu o soco que lhe atingiu o ombro. – TIPPANY! - Ela protestou. - Sem mais aulas de defesa pessoal para você! - Ela disse enquanto a mulher ria e andava para o banheiro.

Em passos leves.

Sorriso sincero.

O cabelo balançando a medida que andava e se virava de costas para Taeyeon, mechas flutuando no ar.

A leveza de Tiffany refletindo na própria leveza de Taeyeon.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...