História Arquitetando um Amor - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Brothers Conflict, Kuroshitsuji, Uta no Prince-sama: Maji Love 1000%
Personagens Natsume Asahina
Tags Itatsume, Piadas Toscas Da Iggy, Romance Gay
Visualizações 69
Palavras 1.874
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


HELLOOOOOOOOOOO MY BEARS!!!!!!! MY LITTLE CUPCAKES!!!!!!!

Vocês estão bem? :D
Sentiram minha falta? :33
POIS EU SENTI MUITA FALTA DE VOCÊS SEUS LINDOS <3
T^T eu quero muito dizer que vocês são muito importantes para mim! :'3 amor vocês

bem, sem mais delongas, vamos ao capítulo <3

Capítulo 30 - Capítulo 30


 

Já era almoço no resort, sendo exatas 13:40 da tarde o trio se encontrava em um dos diversos salões restaurantes espalhados pelo enorme local.

Graças aos mimos, carinhos e cuidados que recebeu de seus dois parceiros, Yuro se recuperou bem, embora ainda sentisse algum incomodo ao sentar ou andar muito, mas ele não reclamara muito, já que ele foi o próprio causador de sua prazerosa dor ao incitar seus dois semes a lhe usar como desejassem.

Por mais que de início ele não visse razão para usar uma venda, ele ficou completamente grato depois pôr a ter usado. Morreria de vergonha se conseguisse enxergar tudo o que aconteceu, já ficava de vergonha apenas em lembrar o quão submisso foi e os sons de puro prazer que seus lábios despejaram. Seu corpo ainda queimava em excitação apenas em lembrar de todos os toques, palavras e torturas que lhe foram feitos.

- Yuro-kun, está se sentindo bem? –Hamura estava preocupado, mesmo com o garoto lhe dizendo que estava bem, ele tem agido estranho desde que acordaram.

- S-sim. –sussurrou, continuando a comer a comida de origem tailandesa.

- Tem certeza? Seu rosto está bem vermelho. Está um pouco forte o Sol hoje, talvez não devesse ter ficado tão exposto a ele. –Tsui diz, limpando o canto da boca do rapaz com um guardanapo, não percebendo que isso apenas fez o menino ficar mais desejoso em seu interior.

- H-hai. –balbuciou, tentando esconder ao máximo como se sentia em seu interior.

O que Abane Yuro queria, era sentir seus dois homens dentro de si novamente. Talvez ele realmente fosse masoquista no final.

Passado o almoço, eles foram até algumas cadeiras próxima a piscina e se sentaram ali, com exceção de Yuro, que ficou olhando peixinhos dourados em um pequeno lago artificial próximo a eles.

- Eu me pergunto se está tudo bem mesmo, ele tem agido estranhamente conosco endez que acordamos.

- Além disso eu percebi que ele ficou incrivelmente vermelho quando limpei o canto da boca dele agora pouco... –cruza os braços e fica olhando o céu- Será que ele está com medo?

- Realmente exageramos. –os dois acabaram se deprimindo com os próprios pensamentos.

- Etto, -mas foram despertados pelo jovem rapaz que estava envergonhado- podemos ir para as piscinas termais depois? –perguntou ansioso.

- Se quiser, podemos ir agora. –Hamura sorri- Já faz um pouco mais de meia hora que nos alimentamos, não deve ter problema.

- Ah, eu já volto! –o rapaz correu até o prédio do restaurante, deixando os dois irmãos sem entender nada.

Alguns minutos depois ele voltou com sua toalha que devia ter esquecido no salão. Os três caminharam lado a lado até as piscinas termais. Optando por uma com temperatura não muito alta, afinal estava calor. Além disso estava bem vazio o local justamente por isso, os dois irmãos conseguiam aguentar bem, mas duvidavam que Yuro fosse conseguir suportar tanto calor.

- Waaah, está realmente uma delícia, só que seria ainda melhor se estivesse um pouco frio. –foi o que Yuro disse ao entrar na piscina artificial, sendo acompanhado dos outros dois- Como eu imaginei, não tem ninguém aqui. –sussurrou apenas para si, estava com preguiça de ter fazer todo o caminho de volta para o quarto, então pensou que poderia realizar um ou dois de seus fetiches.

- Tem certeza que quer ficar aqui? –Tsui o puxou e o abraçou com cuidado- Você pode acabar desmaiando.

- Tenho certeza. –sorri, com as bochechas ganhando uma leve coloração- Eu tenho um pedido a fazer.

- Qual? –os dois o olham, Yuro então os olha apaixonado e com um sorriso diferente do normal em seus lábios.

- Eu quero sentir vocês dentro de mim de novo, posso? –para enfatizar o pedido, colocou uma mão sobre o membro de cada um os alisando sobre as sungas de banho.

Não é preciso dizer, que não foi preciso mais do que isso para ele conseguir o que queria.

.      .       .

Após meia hora de caminhada, Near e Subaru chegaram ao lago. As folhas das arvores já começavam a mudar de cor e a cair, mas este cenário outonal apenas deixou as águas transparentes do lago e o clima ainda mais romântico. Deixaram as coisas no quiosque e foram até a água, tratando de entrar.

- Aaah, gelada! –Near geme pela água fria, tirando algumas risadas de Subaru.

- Quem manda você sair correndo? –ainda rindo ele se aproxima do namorado e o abraça, transferindo o calor de seu corpo para o dele- Está melhor?

- Muito... –sussurra e se aconchega nos braços do namorado- Está tão bom, ficar agarradinho a você desse jeito. –fecha os olhos.

- Tem razão. –sorri e caminha um pouco mais ao fundo, até aonde ainda lhe dava pé, deixando apenas os ombros e a cabeça de fora da água.

- Por que você está indo pro fundo? Vai ficar mais frio. –Near choraminga, se agarrando mais ao namorado.

- Você não vai reclamar dele em alguns minutos. –sussurra e desliza seus lábios pelo pescoço do moreninho.

- awhn, Subaru... –geme baixinho, sua mente então compreende o que ele queria dizer, apenas tal pensamento já esquentou todo seu corpo em ansiedade pelo que fariam.

- Me desculpe, mas está difícil a cada dia mais me controlar. –a voz rouca do maior fez o corpo de Near se arrepiar todo, as mãos de Subaru deslizavam por seu corpo e o apertava com desejo, apenas com isso Near já não sentia mais a temperatura da água pois seu corpo queimava em antecipação querendo mais toques do namorado.

- Subaru. –gemeu o nome do namorado, deitando sua cabeça de lado e deixando seu pescoço a mostra, perfeito para eu o namorado deixasse ali quantas marcas quisesse.

Palavras não foram mais ditas, apenas os baixos gemidos de prazer de Near eram ouvidos naquela área aonde apenas os dois se encontravam. E esses gemidos enlouqueciam o jovem Asahina.

A mão de Subaru deslizou pelas coxas do menor e foi até sua bunda que era protegida pela sunga, aquele bendito pedaço de tecido impedia um contato mais intenso entre eles, mas ele sentia a excitação do menor roçando em sua barriga. Sua mão adentro na sunga e apertou com força aquela parte macia e até então inexplorada por si, fazendo um gemido mais alto escapar pelos lábios do menor.

- Awwn, eu quero sentir você. –Near se agarrou aos cabelos do namorado e aproximou seus lábios da orelha dele- Eu quero você dentro de mim, onegai! –moveu seu quadril, roçando mais o volume de sua sunga no namorado.

- Eu vou te preparar.

- Não, eu não aguento esperar. –puxou o cabelo dele, fazendo-o gemer e pressionou sua bunda contra o volume do maior, permitindo-se gemer apenas por isso- Eu preciso de você, eu não aguento mais.

- Eu não quero te machucar. –ele tremia, tremia por estar se controlando tanto. O que desejava era rasgar aquela peça e entrar de uma vez no menor, mas não podia fazer isso, não sem o preparar antes.

- Eu vou ficar, por favor. –implora, rebolando sobre o volume do namorado.

- Near... –ao tentar chamar a atenção do namorado, sua voz saiu repleta de desejo e como um gemido arrastado.

- Eu sei que você quer me foder, então não se controle. –deito a cabeça no ombro do namorado e passou a língua pelo pescoço dele- Apenas vamos agir como selvagens sem ligar para mais nada. –então cravou seus dentes no pescoço dele, chupando a pele com força e deixando ali uma marca sua, deixando em seu namorado uma das várias marcas de seu desejo.

- I-isso... –Subaru não conseguia falar, então deixou seu lado racional para trás e prensou o garoto contra uma pedra que havia por ali, tratando de retirar a sunga dele e a sua, jogando-as na direção da margem.

- Venha, abrigue-se dentro de mim. –puxou o namorado para bem perto, enlaçando suas pernas ao redor da cintura dele.

Em um movimento rápido, ele o penetrou. Para impedir que um grito alto saísse por sua boca ele morde o ombro de Subaru com força, mas tudo o que o Asahina sentia era prazer, a sensação de estar dentro do seu pequeno era algo fora do comum, era mais do que maravilhoso e ele estava amando aquela sensação.

Seu membro pulsava, ele queria se mover, só que o pequeno tremia em seus braços e ainda tinha seus dentes cravados no ombro do maior.

- Você é tão grande. –ele segredou após alguns segundos, lambendo o local aonde havia mordido.

- Me desculpe... –conseguiu pronunciar, com sua voz saindo um pouco mais grossa.

- Tudo bem, no início é doloroso, mas eu me sinto completo com você em mim. –sorriu e moveu seu quadril lentamente.

Com a iniciativa do menor, Subaru passou a se movimentar lentamente, sentindo o interior do menor lhe esmagar e causar uma sensação maravilhosa e incrivelmente prazerosa.

Aos poucos os movimentos foram se intensificando, os suspiros se transforma em puros gemidos de prazer, a água do lago se agitava cada vez mais em volta do jovem casal que agora gemiam e aproveitando do prazer que um proporcionava ao outro e tornando cada vez mais intenso, seus corpos se chocando, suas bocas marcavam um ao outro e suas mãos com unhas cravadas nas peles alheias.

Para Near aquilo estava incrível e superava todos os sonhos e alucinações que já tivera.

Para Subaru, aquele era apenas o início de muitos prazeres e um amor enorme entre eles.

.      .      .

Na mansão, o almoço estava sendo aproveitado ali no jardim mesmo. Como todos estavam molhados, acabou sendo mais fácil comerem ali mesmo.

Margareth fazia questão de mimar o caçula dos Asahinas, assim como mimava seu filho caçula e seu neto Alois, Ema estava comendo junto com o namorado Yusuke, Futo estava comendo com Tokiya enquanto conversavam sobre suas vidas ídolos, Kyoto e Kaito recebiam atenção de Vincent e Undertaker. O restante conversava entre si ou apenas apreciavam a bela paisagem que os cercava.

Só que havia um que não se sentia enturmado ali, na verdade se sentia mais solitário do que nunca.

Shimitsu Yuri havia sentado distante dos demais, não que tivesse algo contra eles, apenas não se sentia animado o suficiente para estar com eles.

Pensava no amigo e no primo que agora estavam nos braços de seus namorados e ele ali sozinho.

- E aquele ser ainda tem dois semes... –suspira- Eu não posso reclamar, estou feliz por eles, mas me sinto abandonado. –coloca o prato vazio ao lado e se recosta melhor a sombra da arvore, a sombra estava gostosa e uma deliciosa brisa passeava por ali, algo que fez o jovem cair no sono em poucos instantes.

Poucos minutos depois Atsui foi até ali, percebendo que o menor dormia pegou o prato dele e levou para dentro, retornando em seguida com um caderno de desenho e um lápis 6B, sentou-se um pouco distante em outra sombra e começou a desenhar o garoto.

- Você é um modelo perfeito. –sussurrou ao vento, pensando que com a paisagem a sua volta e com uma face tão serena, Yuri parecia um lindo anjo de pele levemente bronzeada- Um anjo... meu anjo. 


Notas Finais


O que acharam? Aguardo seus lindos comentários <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...