1. Spirit Fanfics >
  2. Arte da máfia >
  3. Novo destino (parte 3 final)

História Arte da máfia - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 10 - Novo destino (parte 3 final)


Fanfic / Fanfiction Arte da máfia - Capítulo 10 - Novo destino (parte 3 final)

[Dois dias atrás|Lado Molie]

Eu saí escondido de casa, não estava nem um pouco afim de me encontrar com meu pai. Fui correndo para a escola, mesmo contra minha vontade. Parei na frente da escola e entrei de cabeça baixa, era sempre a mesma coisa... As meninas me olhavam torto e os meninos riam de mim.

Fui até meu armário, quando abri o mesmo caiu uma chuva de absorvente encima de mim. Eu gritei na hora andando para trás, escuto várias risadas atrás de mim.

-E agora hein "Garotinha"?—Disse um menino rindo bem alto.—Me diz como você vai menstruar hein!—Ele gritou.

Apertei meu punho e olhei para ele. Tinha vários meninos atrás de mim, todos maiores que eu e rindo.

-Me deixem em paz...—Disse.

-Não pra deixar uma aberração como você por aí.—Disse o mesmo menino.-Você sempre foi estranho Daniel, agora você é mais ainda.

Eu chutei os absorventes e fui correndo para o banheiro feminino. Parei na frente da porta, fiquei olhando pro banheiro. Uma menina passou por mim:

-Nem pense em entrar seu pevertido possuído.—Disse a garota que passou por mim e entrou no banheiro.

Apertei a alça da minha mochila e andei para minha sala. Entrei, me sentei no lugar cabisbaixo, coloquei as mãos na cabeça. É difícil isso... Eu sinto algo por homens, mas isso é doentio, mas, eu também me sinto uma mulher. Minha cabeça tá tão confusa.

Quando a professora entrou na sala, as lágrimas que estava segurando caíram. 

-Ih, ala o viadinho chorando.—Disse uma garota.

Todos olharam para mim e começaram a rir.

[Quebra do tempo]

Tinha acabado de dar um jeito nos absorventes, fui andando pro meu armário de novo. Senti um soco na minha cabeça, eu bati contra o armário. Eu gritei, quando olhei era os mesmos meninos mais cedo.

-Já entendemos que você quer ser uma garota Daniel.—Disse um garoto, colocando sua mão no seu bolso e tirou um batom do mesmo. 

-Isso é sério?!—Olhei em dúvida para o batom.

Dois garotos seguraram meus braços, eu gritei tentando me soltar. O garoto abriu minha boca, enfiando o batom dentro da minha boca até o fundo de minha garganta. Eu engasguei muito, comecei a lágrimas e a ficar sem ar. Eles me soltaram, me encolhi com as mãos no pescoço chorando e com a garganta ardendo muito e tampada por causa da "massa" do batom.

Eles saíram andando, me deixaram lá me sufocando. Eu bati forte na minha barriga e tossindo com força também, eu consegui vomitar junto do batom preso da minha garganta. Eu me encolhi no chão em posição fetal chorando muito.

[Quebra do tempo]

Cheguei em casa acabado e com a garganta ainda doendo. Meu pai não estava em casa e nem minha mãe, subi as escadas e larguei a mochila no meio dela. Entrei no banheiro, escovei os dentes e tirei meu uniforme, e joguei o mesmo na cesta de roupa suja.

Sai do banheiro, fui até o quarto dos meus pais. Entrei, abri o guarda roupa e peguei um lindo vestido rosa que minha mãe tinha. Fui na frente do espelho grande do quarto, vesti o vestido e me olhei dos pés até a cabeça pelo reflexo. Eu sorri com os lábios e coloquei as mãos nas bochechas, escutei alguém subindo as escadas. Olhei para a porta e era meu pai... Ele ficou vermelho de raiva.

-QUE PORRA É ESSA, DANIEL?!—Ele gritou.

-Calma pai! Eu posso explicar!—Tentei dizer mais alguma coisa, mas ele me puxou pelo braço tirando o vestido de mim.-Pai não!—Tentei segurar o vestido.

-Você é um homem!—Ele gritou de novo, me dando um tapa na cara.

[Quebra do tempo]

Já percebi, ninguém jamais me aceitaria do jeito que eu sou. Eu saí de casa no dia seguinte, com uma mochila pronta para mim viajar o mais longe possível dessa gente. Embarquei escondido em um trem que levava para Paris, espero que eu encontre alguém que me ame do jeito que eu sou.

[Quebra do tempo]

Eu saí do meu vagão com fome, estava usando o vestido ainda de minha mãe e umas sapatilhas pretas que tinha pegado dela. Fui andando até a cozinha do trem, uns três homens no corredor me olharam e eu parei de andar na hora.

-Que putinha é essa?—Disse um homem fazendo uma cara de desgosto.

-Ah, de novo não...—Tentei sair correndo mais um deles me segurou pelo braço.

-Um menino não pode usar vestido!—Disse o homem.

-EU SOU UMA GAROTA.-Gritei.

Eles olharam entre sí e assim fui espancada. Mas derrepente... Uma mulher alta, branco de cabelos pretos com terno super lindo veio até nós.

[Tempo atual|Lado Homura]

Quando eu caí do trem, uma pessoa segurou minha mão. Eu olhei com os olhos arregalados e era Kanashi na janela me segurando.

-Kuriyama!—Gritou Kanashi.

-Kanashi, me ajuda!—Gritei desesperadamente. Dobrando minhas pernas para não bater elas no chão.

Kanashi me estendeu a outra mão, segurei a mesma. Kanashi me puxou pra dentro do trem e cai de lado no chão.

-Mas que porra! O que você tava fazendo lá encima?!—Gritou Kanashi.

-A Yuki...—Fiquei sentada.-Foi ela que me jogou de lá de cima.-Olhei para Kanashi, a mesma apertou seus punhos.

-A Yuki não iria fazer isso!—Exclamou Kanashi com raiva no rosto.

-Vá lá no teto ver com seus olhos...—Me levantei.-Ela está com a chefe da máfia do guarda chuva amarelo.

Kanashi saiu correndo até a saída do trem.

[lado Kanashi]

Quando subi as escadas e cheguei no teto, vi Laura com Yuki de longe. Laura passa as mãos no rosto da Yuki, meu ódio aumentou a mil.(Como ela pode?!)

Fui andando até às duas, Laura olhou para mim e se virou(autora:Para os jojofags, imagine o Dio andando até o Jotaro dos memes). Yuki me olhou com um olhar triste e olhei para a mesma com um olhar de desprezo.

-Se fosse assim, eu teria te deixado morrer naquela explosão.—Disse pegando minha arma.

-Deixem ela pra lá Hayune.—Disse Laura agarrando a cintura de Yuki.

Derrepente apareceu um helicóptero voando por cima do trem. Eu coloquei a mão sobre meus olhos devido a forte ventania que ele fazia em nós, o helicóptero solta uma corda. Laura se segura na corda, homens do helicóptero puxam as duas com a corda, eu atiro nas duas na intenção de acertar a Laura mas falho acertando Yuki.

-AAAH.—Gritou Yuki, ela levou um tiro bem em seu braço.

-Isso! Atira nela mesmo porra!—Gritou Laura entrando no helicóptero com a Yuki.

-YUKI!—Gritei.-YUKI, POR FAVOR.

O helicóptero saiu voando.

Eu passei as mãos no rosto tentando não me desesperar. Eu voltei correndo para dentro do trem.

[Lado Homura]

4:00

Vi Kanashi vindo furiosa até mim e me pegar pela gola da roupa.

-Que merda vocês estavam fazendo?! O Igor tá todo fodido e agora a Yuki foi embora!—Ela gritava apertando minha roupa.-DESDE QUE VOCÊ CHEGOU NOSSA MÁFIA VIROU UMA DESGRAÇA POR SUA CULPA HOMURA.

Empurrei Kanashi, a mesma ia me dar um soco, mas do nada apareceu Thales segurando o braço dela. Thales jogou Kanashi com tudo no chão dando um chave de braço nela, Kanashi gritou.

-Não Kanashi.—Disse Thales encarando ela e apertando a chave de braço.-Vocês no meu vagão agora.—Ele soltou o braço e saiu andando para seu vagão.

Ele apareceu derrepente e agiu tão rápido, isso era de se assustar mesmo... Kanashi se levantou com a mão no braço me olhando torto, engoli seco e fui no vagão do Thales com ela.

Thales estava olhando pela janela, entrei no vagão com Kanashi. Kanashi fechou a porta e Thales nós olhou.

-Podem me explicar tudo desde do zero, na verdade... Somente você vai me explicar Homura.—Disze Thales.

Respirei bem fundo e expliquei toda situação. Agora era só nós três; Eu, Kanashi e Thales, já que Letícia, Creamy e Igor estava muito machucados. Sem contar que trouxe um novo problema, uma criança. Passamos a noite inteira bolando um plano, dois na verdade, além de proteger o marido de Yuma tínhamos que nos preocupar com a Yuki.

Na manhã seguinte, chegamos na França finalmente(depois de viajem de trem e navio). Uma limousine já estava a espera de Yuma e de nós. Entramos na limousine e partimos rumo a mansão de Yuma em Paris. Molie estava sentada no meu colo dormindo e com a cabeça deitada no meu peito. Igor, Creamy e Letícia encostados um no outro, iríamos pegar médicos particulares para os três, principalmente para Creamy já que Kanashi fez uma cirurgia nela, sem nunca ter trabalhado como médica e Igor que estava perdendo muito sangue.

Chegamos na mansão de Yuma.

[Continua]



















Notas Finais


Desculpa se ficou curto?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...