1. Spirit Fanfics >
  2. Ártemis's Hollow - a ditadura >
  3. Winners don't quit

História Ártemis's Hollow - a ditadura - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Sei que disse que ia ter Doug nesse mas deixei pro próximo
As coisas estão ficando sérias nessa fic, não se esqueçam de comentar!

Capítulo 15 - Winners don't quit


Thalia Grace – verão de 2046

 

Quando Thalia desperta, a sua consciência parecia flutuar. Estava grogue, provavelmente dopada com sabe-se lá que anestésico. Haviam diversos fios conectados ao seu corpo, injetando líquidos que ela desconhecia a procedência. Ela estremece e sente o choro ao lembrar-se de tudo: o clarão, a onda de choque, Oceanside devastada, todas as Caçadoras, menos ela, mortas. A filha de Zeus se tocou que estava nas mãos de Otávio.

 

E era exatamente ele que estava sentado na poltrona exatamente em sua frente, com um sorriso presunçoso no rosto.  A sorte do tirano era que os remédios que estavam sendo injetados em Thalia a deixavam grogue e letárgica, instalando nela uma apatia que era paralisante. Mas a sua consciência queimava de fúria ao olhar Otávio diretamente nos maldosos olhos.

 

- Não se preocupe – o tom de Otávio era tranqüilo – não estamos te injetando nada que te fará mal, apenas morfina para a sua dor e benzodiazepínicos para te deixar tranqüila.

 

- Seu... filho da puta – Thalia diz, com extrema dificuldade para articular as suas palavras – o que... você fez?

 

- Já vi que você gosta de ir direto ao ponto – Otávio sorri – bem, vou começar do início. Desde que eu fui eleito democraticamente...

 

- Você... realmente acredita no que diz? – Thalia pergunta, furiosa e débil – que foi... eleito...democraticamente? Você... é tão iludido assim?

 

- Cale a boca, a sua opinião não tem peso aqui – responde Otávio, ríspido – enfim, você e suas Caçadoras me deram um bocado de problemas desde o início de meu Governo. Entenda que eu precisava fazer algo a respeito, o seu grupo de terroristas trouxe incontáveis danos ao Povo de Nova Roma.

 

- Povo de Nova Roma... ou os seus súditos políticos? – Thalia questiona – você... realmente acha que... os semideuses gostam de você? Você só não foi enforcado por eles... porque vive com um exército ao seu... redor. Mas foda-se você, onde estão as minhas amigas?

 

- Eu já falei que você não tem o benefício de opinar – Otávio responde – e as terroristas que você chama de amiga foram vaporizadas pelo Projeto Trocano.

 

Otávio explicou para Thalia como conseguiu as bombas e que possuíam um lote inteiro delas. A semideusa ficou furiosa, mas não conseguia se mexer, o que era agoniante para ela.

 

- Eu vou te dar a chance de redimir-se de duas décadas de crimes contra Nova Roma – Otávio diz – onde está Reyna Avila Ramirez-Arellano? Onde está Percy Jackson? E o principal, onde está o filho de Kalel Waahi e Aimée Leroux?

 

Uma fagulha de esperança se acende no íntimo de Thalia. Reyna estava viva. Percy estava vivo. Marshall estava vivo. Ainda haviam chances de sair daquela enrascada.

 

- Eu não sei – admite ela, o que era verdade – e mesmo se soubesse, não falaria para um crápula como você.

 

- Muito bem, vadia, se é assim que você quer, assim será – aquele era o verdadeiro Otávio, um sociopata que fazia de tudo para conseguir o que almejava. A imagem de político bonzinho que ele deixava transparecer para a mídia era apenas fachada – a sua sorte é que meu filho vetou a tortura em cima de você, se a torturarmos agora a sua saúde não aguentará e você morrerá. Mas, assim que você estiver recuperada, irá para o Leprosário.  E lá, eu garanto que você se arrependerá de ter nascido.

 

Thalia nada diz em desafio. No intimo, estava desesperada. Começava a arquitetar planos para tentar escapar, pedindo a todos os deuses que ajudassem Marshall, Reyna e Percy a destruírem Otávio logo.

 

 

Janne McLean Bergling – verão de 2046

 

 

Depois de Marshall destruir a Rua Principal e desaparecer, os olimpianos encaravam os moradores de Ártemis’s Hollow. Janne chorava, sentindo-se enganada, traída por aquele que amava. O namorado...ou ex, estava irreconhecível, parecia até mesmo uma nova divindade. Uma reunião de emergência é convocada, envolvendo todos os doze olimpianos e os habitantes da pequena cidade.

 

- Poseidon, Ártemis... a cria de vocês está ameaçando o Olimpo! – Zeus vocifera.

 

- Marshall não está ameaçando o Olimpo, ele é a única escolha que temos, irmão – Poseidon se defende – é o único jeito de termos nossas raízes tiradas das mãos de um maníaco.

 

- Trazendo do Tártaro três almas que eu tive trabalho para enviar... -  Hades diz.

 

- Você enviou? Tem certeza? – questiona Apolo.

 

- Nenhum de vocês dois. Eu matei Calígula e Cômodo, Meg matou Nero. – Frank Zhang argumenta.

 

- Gente, estamos perdendo o ponto aqui! – Piper diz, levantando-se – tínhamos um psicopata bem embaixo de nosso nariz e não percebemos.

 

- Um psicopata? Não esquece que você está falando do meu filho! – Annabeth defende Marshall.

 

- Seu filho, que magoou os sentimentos da minha filha – observa Tim – seu filho, que escravizou os três piores imperadores romanos que já existiram. Seu filho, que roubou o crânio de Gaia. Vocês criaram um psicopata, aceitem isso.

 

Ouvir Tim falar de Marshall daquela forma foi o suficiente para irritar Percy. Janne observa o filho de Poseidon fazer menção de ir para cima dele. Foi preciso que Apolo e Ártemis o segurassem, furioso.

 

- Você não é ninguém para falar isso de Marshall! – Percy grita, furioso – o meu filho está sobre influência de uma deusa primordial e um titã! Você não sabe o que diz!

 

- Gente, calma!  - Frank estava bem preocupado – pode ser que Marshall estivesse sob influência de Cronos e Gaia. Lembrem de Kalel...

 

- Kalel era um herói, Marshall é um psicopata – Piper corta Frank – ele reergueu Calígula!

 

- Piper, gosto de você, mas há muito mais em jogo do que o cara que matou o seu primeiro namoradinho  - Annabeth argumenta – vocês teriam confiado em Kalel se soubessem que ele era uma reencarnação de Luke? Eu acho que não. O que eu quero dizer é que os fins justificam os meios. Há uma boa razão para Marshall ter feito o que fez. O meu filho não estava se rebelando contra os olimpianos, eu tenho certeza disso.

 

- A minha filha está certa – Atena diz – devemos confiar.

 

- Eu não quero aquele psicopata juvenil no mesmo teto que a minha filha – Tim responde – e muito menos namorando com ela.

 

- Você está falando besteira – Ártemis defende a sua prole – se eu sequer suspeitasse que a minha prole faria algo contra nós, eu mesma daria cabo. Foi assim com Kalel, e assim será com Marshall.

 

- Então o que faremos? – pergunta Zeus – me dê um bom motivo para não calcinar o jovem com um raio.

 

- Bom, primeiro de tudo, ele destruiria você com os poderes de Cronos e Gaia, segundo, eu te destruiria por mexer com a minha prole... – o tom de Poseidon para Zeus era ameaçador.

 

- Parem, vocês dois, parecem crianças – Ártemis ralha – o plano é o seguinte: vocês, moradores dessa Vila, vão atacar Otávio. Façam um plano detalhado, é perfeitamente possível de acontecer.

 

- Como? Não temos informação nenhuma sobre Otávio e as suas forças – Will Solace argumenta – é um tiro no escuro, muito arriscado. Seremos todos mortos, ou pior, mandados para o Leprosário.

 

- Discordo de você, irmão – Miles, que raramente se pronunciava nas reuniões, diz – há uma pessoa em Nova Roma que pode nos ajudar a conseguir informações. Um cara que trabalha como executivo.

 

 

- Quem? – Afrodite questiona.

 

- O seu filho, Kylian – Miles diz – o meu melhor amigo na época do Acampamento Meio-Sangue.

 

Apesar da família McLean estar com verdadeiro nojo de Marshall, uma fagulha de esperança começava a nascer ali entre deuses e semideuses. Kylian devia ter informações que seriam muito úteis para derrubar Otávio.

 

 

 Marshall Leroux Waahi – verão de 2046

 

Depois que Marshall derrotou Gaia e Cronos, ele e Reyna começaram a detalhar um plano de ataque contra Otávio. O filho de Kalel e Aimée, em seu treinamento designado por Quíron em Ártemis’s Hollow, aprendeu a mexer com a névoa. Entraria, junto com a amiga, disfarçado na festa de casamento de Marco Antônio com Drew, ex-conselheira chefe do chalé de Afrodite. Tinham trinta dias até o casamento, e treinavam juntos duramente.

 

“Talvez seja minha culpa. Talvez eu tenha te deixado achar que é fácil, quando não é.” A voz de Reyna ecoava na cabeça de Marshall, que relembrava o discurso que ela lhe deu antes de começarem a treinar. Ele apanhava muito dela, não conseguiu acertar-lhe sequer uma vez.

 

“ Talvez eu tenha deixado você acreditar que meus grandes momentos começaram como pretora, e não nos treinos.” Reyna diz em sua cabeça enquanto ele já fazia mais de mil flexões. A filha de Belona gritava em sua orelha, incentivando-o a mais.

 

“ Talvez eu tenha deixado você acreditar que toda missão minha foi bem sucedida.” Marshall já corria há mais de duas horas. Seu corpo inteiro se contorcia em câimbras, e Reyna o acompanhava sem dificuldades.

 

“ Talvez seja minha culpa que você não viu que as minhas falhas me deram força. Que a minha dor é a minha motivação.” Marshall erguia pedras enormes, muito pesadas, em uma forma rudimentar de musculação. E lá estava Reyna, incentivando-o aos gritos.

 

“ Talvez eu tenha deixado você acreditar que a minha capacidade de lutar é um dom, e não algo que eu trabalhei para ter... todo santo dia da minha vida.” Marshall erguia enormes porções de terra usando os poderes da foice em um treino junto com Reyna. Estava esgotado, a única coisa que o impedia de desmaiar era a força que a filha de Belona lhe emprestava.

 

“ Ou talvez... você só esteja arrumando desculpas.” A voz de Reyna sentencia em sua mente.

 

- Desculpas para o fracasso soam melhor para aqueles que as fazem – diz Reyna, após Marshall se esgotar treinando os seus poderes de Poseidon – todas as suas desculpas são mentiras. São mentiras. Todas elas!

 

- Eu cresci com o trauma de não ter pais – Marshall diz, esgotado – eu tive a infância deturpada por um transtorno de personalidade antissocial.

 

-  Não significa que é o que a sua vida está destinada a ser – sentencia Reyna – mais desculpas. Mais mentiras para negar o que você realmente é, Marshall.

 

Marshall a encarava. Reyna entrava na sua mente com facilidade.

 

- Pense nas coisas que você diz a si mesmo – Reyna diz – nas mentiras que você conta a si mesmo para tomar o caminho fácil das coisas...

 

- Temos pouco tempo... menos de um dia! – Marshall diz, exasperado.

 

- Isso é uma mentira. – Reyna responde rapidamente.

 

- Eu não tenho poderes para conseguir... – Marshall diz, sendo cortado por Reyna.

 

- Isso é uma mentira. – ela repete.

 

- Nós não sabemos se o plano vai funcionar...

 

- Mentiras...

 

- Eu não sei se confio em mim mesmo para isso...

 

- Mentiras... mentiras... mentiras... – Reyna diz, sem se abalar – pare de sentir pena de si mesmo. Desperte a besta dentro de você. Está na hora de levarmos isso para outro nível, está na hora de lutarmos por milhares de vidas.

 

- Como pararei com as desculpas? – pergunta Marshall.

 

- Reconheça – Reyna diz – reconheça que as desculpas não são válidas. São mentiras! E como se para com as mentiras? Com a verdade.

 

Em dois dias, eles partiriam para Nova Roma. Marshall e Reyna usariam a Névoa para se disfarçar como dois membros da Alta Cúpula do Governo de Otávio. O plano era primeiro assassinar todos os possíveis substitutos do tirano, e depois atacá-lo com tudo. Assim, livrariam Nova Roma, e emitiriam o alerta para Percy, que se tornaria o novo imperador da cidade.

 

Os dois se recolhem para a casa, visto que começava a anoitecer.

 

- Você vai passar frio nessa rede – Reyna diz, observando Marshall arrumar a rede naquela noite gelada – durma no meu quarto.

 

- Reyna, você é uma Caçadora de Ártemis... – Marshall estava desconfortável.

 

- Marshall, fique tranqüilo, não tem problema nenhum você dormir comigo e Patrizia – Reyna se divertia com a situação – é sério, pode dormir na minha cama. Não tem problema.

 

No final, Marshall concorda em deitar-se com Reyna. Os dois têm uma noite muito tranqüila de sono embaixo do grande edredon da filha de Belona, e quando ele acorda, o rosto dela estava a centímetros do seu. Respeitosamente se afasta.

 

Chegou o grande dia. Os dois fariam o primeiro movimento do plano para tirar Otávio do poder.

 

 


Notas Finais


Será que Thalia será salva?
Será que Marshall reencontrará o pessoal da Villa em seu plano?
Será que Otávio vai cair?
Será que os McLean perdoarão Marshall?
E vcs já esqueceram de Letó? Quem mandou ela atrás de Marshall?
Deixem a sua opinião nos comentários. É muito importante para o escritor ter o feedback de quem consome a sua obra, ou seja, como os leitores se sentem quando a leem. Muito obrigado, e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...