História Árvores, livros e filhos - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Lay, Suho, Xiumin
Tags Comedia, Exo, Fluffy, Junmyeon, Kpop, Lay, Save My Fiction, Shortfic, Suho, Sulay, Yixing
Visualizações 261
Palavras 2.306
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Foram quatro meses sem atualização, por favor não me batam (pelo menos não com muita força). Eu peço desculpas pelo sumiço, mas aconteceram várias coisas e o bloqueio criativo veio com tudo para cima da minha pessoinha. Mas agora eu estou de volta, prometo que atualizarei o mais breve que posso. Não terá mais um dia exato para postar os capítulos, mas eu tentaria aparecer aqui o mais rápido que possível.

Antes, gostaria de desejar boa sorte para quem vai fazer a segunda e última prova do ENEM amanhã. Também farei, mas é mais como experiência, já que eu irei para uma faculdade privada e FELIZMENTE consegui passar no vestibular tradicional dela. FUTURA ARQUITETA, EU MESMA. Sem mais delongas, boa leitura ♡

Capítulo 6 - Conversas e histórias


[ # ]

Junmyeon estava feliz, mais que feliz, ele estava radiante. Já havia se passado uma semana desde a sua torção no pé e aquele período onde teve que ficar o tempo todo no quarto com a perna apoiada em vários travesseiros foi com certeza um dos melhores de sua vida.

Desde o fatídico beijo do estudante de filosofia com seu colega de quarto, o relacionamento dos dois mudou um pouco. Yixing se revelou uma pessoa bem carinhosa, logo depois de indiretamente se declarar para Junmyeon, o mesmo não o largou por um segundo sequer. No tempo em que o coreano ficou de repouso, Yixing se tornou o melhor enfermeiro que qualquer enfermo poderia desejar. Com direito a beijinho para passar a dor e tudo; além dos cafunés no fim da noite, para que Junmyeon pudesse dormir mais relaxado e tranquilo.

Com aquele tempo que passaram mais próximos que o normal, Junmyeon percebeu gostar do chinês mais do que imaginava. Estar perto dele daquela forma fazia seu estômago revirar de nervoso, como se cada ligação nervosa eletrocutasse dentro de si a cada vez que se aproximava de Yixing. Por Freud, ele realmente estava apaixonado por aquele idiota.

Após alguns dias de repouso, Junmyeon finalmente pôde começar a andar. Porém, para onde fosse, precisava se sustentar em uma muleta que a enfermaria da universidade disponibilizara. Quando ele insistiu em voltar a assistir as aulas, Yixing veio com o argumento de que "você ainda não está curado, não pode ficar andando por aí, vai acabar piorando". A seriedade do chinês era tão grande que quase chegava a convencer Junmyeon, mas a teimosia do estudante de filosofia era maior.

"Não vou repetir cadeiras por causa de uma mísera torção no tornozelo." Era o argumento dele, fazendo Yixing bufar e não poder fazer nada além de concordar com ele. 

Porém, apesar do chinês ter concordado do rapaz poder voltar a assistir as aulas, não concordara em deixá-lo andar sozinho pelo campus. Para onde Junmyeon ia, Yixing ia atrás, sempre carregando a bolsa do coreano e reclamando a cada passo relativamente rápido ou pesado de mais que o mesmo dava. Seria fofinho, se não fosse tão vergonhoso e irritante. Não é como se Junmyeon não o quisesse por perto, mas ele não aguentava mas toda aquela proteção exagerada.

"Xing, você já pode ir para a sua aula." Falou, assim que os dois chegaram na sala de Junmyeon.

"Mas e se você precisar de mim?" Ele perguntou, fazendo com que o coreano tivesse vontade de aperta-lo.

"Não se preocupe, o Baekhyun e o Minseok me ajudarão se eu precisar de alguma coisa. Não vai acontecer nada comigo, pode ficar tranquilo." Junmyeon disse, afagando o ombro do chinês.

"Tudo bem..." Yixing murmurou, se afastando de vagar e desaparecendo pelos corredores. 

Junmyeon deu um grande suspiro antes de entrar na sala, logo recebendo sorrisos largos dos seus dois amigos. Baekhyun e Minseok logo se levantaram e foram ajuda-lo a se acomodar em uma das cadeiras próximas a eles.

"Obrigado." Agradeceu, ao estar devidamente sentado. "O que eu perdi nesse últimos dias?" Perguntou.

"Não muita coisa, mas nós tivemos prova surpresa de Lógica ontem." Baekhyun respondeu, se mexendo de forma hiperativa em sua cadeira. "Felizmente o professor adormeceu dez minutos depois de ter entregue as folhas. Não sei para onde vai toda a cafeína que aquele velho toma, porque aquilo obviamente não está estimulando o cérebro dele. Isso se ele ainda tiver um, já deve ter se deteriorado após os quinhentos anos de vida que aquele homem tem." Disse, fazendo os três rirem.

"Ah, não exagera, ele não deve ser tão velho assim." Junmyeon comentou, ainda rindo do amigo.

"Não, é sério, minha avó disse que foi aluna dele." Minseok se pronunciou, provocando mais gargalhadas. 

"Preciso ir ao banheiro, se eu rir mais vou acabar fazendo xixi nas calças." Baekhyun falou, se levantando e correndo para fora da sala.

Junmyeon pode perceber o brilho nos olhos de Minseok ao observar o outro, o lembrando de que precisava falar com o amigo sobre o que ele e Baekhyun havia conversado na semana passada. Aquela seria a oportunidade perfeita.

"Min, o que você acha do Baekhyun?" Perguntou, de forma super direta, obviamente.

"O que?" Minseok arregalou os olhos para ele, aparentemente surpreso. Suas bochechas imediatamente ficaram ruborizadas, fazendo Junmyeon sorrir de forma maliciosa.

"Você gosta dele, não é?" Disse, ainda com o sorriso no rosto.

"Em? Claro que não, o Baek é só meu amigo." O garoto negou com a cabeça de forma exagerada, ficando ainda mais vermelho.

"Ah, me poupe, ta na cara." Junmyeon revirou os olhos. "Você tem que falar para ele." Declarou, deixando o amigo ainda mais atordoado.

"Falar? É claro que não, ele não me aceitaria desse jeito." Minseok disse depressa.

"Ah, então você admite que gosta dele." Falou, vendo o amigo arregalar mais os olhos e abrir a boca, pronto para protestar. Porém Baekhyun chegou bem na hora, fazendo com que o mesmo se calasse a baixasse o rosto ainda vermelho. O citado pareceu confuso com o que estava a ver, mas ao olhar para Junmyeon e ver o mesmo sorrir-lhe, pôde perceber o que estava acontecendo.

"Só vai." Junmyeon pronunciou sem som algum, levantando o polegar direito e fazendo o amigo abrir o sorriso mais radiante possível. 

[ ... ]

Voltar a assistir as aulas foi gratificante, mas Junmyeon admite que sentiu falta do chinês nessas poucas horas que estiveram separados. Claro que o relacionamento deles não era algo sério, pelo menos não ainda. O coreano havia pedido para que eles fossem com calma e Yixing não protestou quanto a isso. Eles haviam concordado em manter aquilo em segredo, pois sabiam não ser fácil estar em um relacionamento homossexual na Coréia do Sul. Mesmo que as pessoas do país tenham evoluído em certos aspectos, os valores tradicionais ainda eram presentes.

Portanto, ao sair da sala de aula e ver o rapaz o esperando, nada pôde fazer a não ser dar um pequeno sorriso tímido ao se aproximar do mesmo. Yixing logo pegou sua bolsa e passou a caminhar ao seu lado.

"A aula foi boa?" O mais alto perguntou, para puxar assunto. 

"Uhum, já estava sentindo falta de assisti-las." Junmyeon respondeu, rindo pelo nariz e fazendo o chinês negar com a cabeça quanto também ria.

"Só você mesmo para sentir falta de estudar." Comentou, olhando-o enquanto mostrava suas adoráveis covinhas.

"Estudar é muito bom, okay? E é algo necessário." Se defendeu, fazendo o outro rir de sua exaltação.

"Tudo bem, senhor nerd." Yixing lhe deu um dos belos sorrisos que faziam o coração de Junmyeon acelerar. 

Nada disseram até chegarem no dormitório. Junmyeon logo anunciou que iria tomar banho e em seguida ouviu o Yixing dizer um "precisa da minha ajuda?" que o custou uma travesseirada na cara.

"Mas o que eu fiz?" O chinês perguntou, com a maior cara de inocente do mundo. Sínico.

Junmyeon sabia que toda aquela lerdesa do colega de quarto era nada mais que fingimento, ele adorava fazer os outros rirem ou se sentirem constrangidos. E quando a vítima da vez era Junmyeon, parecia que as brincadeiras se intensificavam.

[ ... ]

Após se lavar, Junmyeon imediatamente se jogou em sua cama, não vendo a hora de tirar um cochilo. Ao fechar os olhos, sentiu braços o envolvendo vagarosamente, fazendo com os pelos de seu braço arrepiassem. Desde que começaram a trocar beijos, ele e Yixing juntaram as duas camas, por motivos de... Bem, vocês sabem. Não que eles tenham feito algo de mais, longe disso, Junmyeon era  um moço de família e Yixing também. Apesar de se oferecer para tomar banho comigo constantemente.

"Eu senti sua falta hoje." O chinês murmurou, dando pequenos selares nos lábios do outro enquanto acariciava suas madeixas. Aquele ato fez Junmyeon ronronar inconscientemente, se aproximando mais de Yixing.

"Eu também." Falou, ainda de olhos fechados, apreciando o carinhos que recebia. Yixing costumava dizer que o coreano parecia um gato, por sempre gostar de receber carinho. Junmyeon admitia tal semelhança, talvez ele tenha sido um felino na outra vida.

"Como anda o rascunho do livro?" O outro perguntou, não parando com o cafuné.

"Estou fazendo o meu melhor para escrever algo bom. Mas vou precisar fazer mais visitas ao asilo, para conversar com a Yeoja sobre algumas coisas." Junmyeon murmurou, bocejando e se aconchegando mais nos braços alheios.

"Myeon, você não pode falar para a Yeoja sobre nós dois, ouviu?" Yixing falou, fazendo com que o coreano levantasse a cabeça para encará-lo. "Ela é de uma geração diferente da nossa, foi criada em meio a ensinamentos rigorosamente tradicionais. Nós nunca conversamos sobre questões sexuais, então eu não tenho certeza sobre a opinião dela quanto a isso, nem a reação que teria se soubesse de tudo." Falou, olhando-o nos olhos. O chinês parecia triste em relação a isso, mas os dois sabiam que não havia nada a se fazer.

Junmyeon nada disse, apenas concordou e voltou a deitar a cabeça em seu peito, fazendo com que o chinês voltasse a acariciá-lo. Não demorou muito para que adormecessem, agarrados um ao outro e ressonando de forma sincronizada. 

[ ... ]

No dia seguinte Junmyeon despertou bem cedo, tomando cuidado para não acordar Yixing ao se levantar, pois sabia que o mesmo o impediria de sair se pudesse. Deixou apenas um bilhete o informando que iria ao asilo, rezando para que o chinês não enlouquecesse ao acordar e não o ver ao seu lado.

A viagem até o asilo foi um pouco longa, principalmente quando Junmyeon tinha que caminhar com aquela perna. Portanto, ao chegar no local quase não se aguentava em pé, a Yura o recebeu com puxavantes de orelha, a senhora passou dez minutos reclamando por o mesmo ter ido até ali naquele estado.

"Entre logo, garoto tolo. Onde já se viu uma coisa dessas, sair com a perna machucada." A senhora ralhava, o empurrando asilo a dentro. Logo chegaram ao quintal onde conheceu Yeoja, vendo-a em pé perto do jardim que tinha ali. "Ande logo, vá se sentar. Vou preparar biscoitos e chá, não ouse forçar essa perna, ouviu?" Yura ainda falava, empurrando-o de leve e entrando novamente na casa. 

"Yeoja?" Chamou o mais alto que pode, temendo que o idosa não o pudesse escutar como da última vez. No entanto ela imediatamente virou-se, dando-lhe um sorriso meigo e andando até ele.

Agora que a mesma não estava sentada, Junmyeon podia ver bem que a senhora era bem gorducha e tinha braços e pernas bem fortes, talvez pelo excesso de trabalho que teve durante a vida. Ela dava passos firmes em direção ao garoto, como se a idade que tinha não fosse nada.

"Ora, se não é o amigo do meu Yixing." Yeoja falou, já ao lado do garoto, pegando em seu braço para ajudá-lo a andar.

"Ah, não precisa se esforçar, senhora." O mais novo disse, um pouco sem graça.

"O único que não deve se esforçar é você, meu filho." A idosa falou, ainda segurando seu braço.

"Obrigado." Agradeceu, após se sentar ao lado de um senhor que também se encontrava ali, em um pequeno sofá. O velho cochilava de uma forma serena, dando pequenos roncos uma vez ou outra.

"Então, você veio falar comigo." Yeoja falou, sentando-se na cadeira de balanço. Mas no exato momento ela se levantou, pegando algo que estava na assento. "Ah, você estava aí, Xangai." A senhora falou, enquanto revelava um pequeno gato em seus braços.

"O gato rabugento teve filhotes?" Junmyeon perguntou, vendo a senhora finalmente se sentar.

"Aquele sem vergonha se 'agracinhou' com a gata da vizinha, a mulher acabou dando um filhote para cada morador daqui." Era bastante estranho ver a Yeoja falar a palavra "mulher" já que aquele era o nome dela, Junmyeon tinha que admitir. "O que você quer conversar comigo, menino?" Perguntou, se endireitando na cadeira e acariciando o gato em seu colo.

"Bom, eu decidi escrever um livro sobre a história da senhora. Isso se me der permissão, é claro." Yeoja imediatamente adquiriu uma expressão de surpresa, parecendo não acreditar no que estava a ouvir.

"Um livro?" Perguntou, aparentemente admirada.

"Sim, foi para isso que o Yixing me trouxe aqui naquela outra vez, ele me mostrou uma inspiração para meu livro." Respondeu-lhe, com um pequeno sorriso no rosto.

"Inspiração?" A senhora estava realmente surpresa com aquilo. "Ora, aquele moleque realmente conseguiu!" Yeoja vociferou, dando um tapa forte em sua própria coxa e assustando o gato que pulou para o chão. "Me desculpe, Xangai." Falou ao felino, que pulou para o colo de Junmyeon e ali se acomodou.

"O que quer dizer com 'ele conseguiu', senhora?" O rapaz perguntou, curioso. Sua mão instintivamente passou a acariciar Xangai, que imediatamente fechou os pequenos olhos.

"Era algo que eu sonhava havia muito tempo, em ser a inspiração de alguém. O Yixing tem essa coisa de querer ajudar a realizar o sonho dos outros, ele é um menino de coração bom. Me disse que acharia alguém, mas não achei que realmente conseguiria. Afinal, que pessoa teria uma velha como inspiração?" Riu na última frase, sua risada era rouca e contagiante.

"Mas você é alguém admirável, Yeoja." Junmyeon declarou, recebendo um sorriso brilhante da mulher. "Por isso eu estou aqui. Quero escrever esse livro, mas preciso que me conte mais sobre a sua história." Falou, abrindo a bolsa que havia trazido consigo e tirando de lá um pequeno caderno e um lápis. "Você me contaria?" Perguntou e Yeoja respondeu positivamente, pondo-se a falar sobre tudo o que aconteceu em seu passado.

E assim as horas passaram, Junmyeon escutou tudo o que a Yeoja falava com muita atenção, anotando o que podia e fazendo perguntas sobre o que achava importante. Até a Yura, que aparecera tempo depois com uma bandeja de biscoitos e chá, ficou por lá escutando o que a senhora dizia; bem como o senhor que cochilava abriu os olhos e passou a prestar atenção na colega de asilo. Foi uma manhã cheia de narrações emocionantes e algumas lágrimas da parte de todos que escutavam. Aquela história, com toda a certeza, merecia ser admirada e conhecida por muitas e muitas pessoas. E Junmyeon garantiria isso.

[ # ]


Notas Finais


Espero que gostem, amorzinhos ♡

Conta do Twitter para spoilers e panfletagens: @nightbloompf


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...