1. Spirit Fanfics >
  2. As areias do destino >
  3. O começo part 2

História As areias do destino - Capítulo 2


Escrita por: e Ryia_


Notas do Autor


Olá desculpa a demora com duas histórias é difícil, mas está aqui o capítulo espero que gostem, bjinhos Boa leitura

Capítulo 2 - O começo part 2


Fanfic / Fanfiction As areias do destino - Capítulo 2 - O começo part 2

Elas estavam quase chegando na casa delas Ryia olhou para trás e não viu mais o mago, quando eu vi a caverna avisei á Ryia e na nossa frente apareceu uma fumaça no meio dessa fumaça o mago apareceu, eu imediatamente vi que não tinha jeito puxei as rédeas com tudo para o nosso cavalo parar mais um pouco nosso cavalo batia no mago ficou um espaço tão pequeno que ninguém conseguiria ficar no meio entre nós, e na mesma hora começou a ventar e o mago disse:


Desfaça aquela magia! - ordenou apontando os guerreiros ainda lutando 


Só se deixar nós passar em paz sem ninguém nos seguir! -falou Ryia séria


Combinado - fala o mago saindo do caminho 


 Alece vai, eu vou tirando o feitiço - fala no ouvido de Alece bem baixinho 


Alece dá a ordem para que o cavalo ande rápido e Ryia tira a magia e cria outra a de ilusão, nós duas com o coração quase pela boca descemos do cavalo entramos na nossa casa e vimos nossos pai deitado no chão morto e fomos atrás de nossa mãe estava como uma estátua de carvão olhei para minha irmã que estava com água nos olhos eu a abracei ela forte eu queria chorar, mas não podia se não ela choraria mais ainda 


Alece off


Mana está tudo bem? - disse Ryia indo em direção de Alece 


Ss, estou continuando a história - fala olhando para a irmã em pé 


Posso me sentar do seu lado para ouvir você reescrever a nossa história - fala Ryia olhando para a irmã esperando a resposta desejada


Tá bom - disse Alece com um sorriso meigo


Alece on


Voltando Onde eu estava 🤔, Ah sim lembrei 🤭


Quando eu e a Ryia estávamos abraçada ouvi umas vozes no fundo da caverna nos labirintos a havia lá, só eu e Ryia sabíamos os caminhos de cor, se alguém fui lá no fundo deve estar perdido, pensei se for os que mataram nossos pais vou acabar com eles agora, na mesma hora me soltei dos braços de Ryia peguei a espada meu coração batia mais rápido que um cavalo correndo, eu estava tão estressada eu não pensava mais em nada, mas antes que pudesse entrar no labirinto Ryia pegou na minha mão 


Alece onde você vai? - falou Ryia olhando no fundo dos meus olhos 


Atrás de quem fez isso, vai vir comigo ou não? - falei olhando os olhos dela cheio de lágrimas 


Não temos que sair daqui, deixe os guardas reais resolverem isso - falou Ryia com o tom preocupada comigo 


Eles não conseguem nem nos pegar magina acabar com esses ladrões - falei no tom de estresse extremo


Alece vamos embora! - falou Ryia brava comigo 


Não! - falei auto 


Vamos logo senão seremos os próximos! - falou Ryia me puxando


Fiquei brava me soltei de Ryia sai correndo para os túneis, mas antes que pudesse entrar comecei a levitar olhei para trás, o mago real que me levitava 


Me solta agora!! - gritei o mais alto que pude 


Não, vc vai fazer uma besteira se eu te soltar - falou me levando mais perto deles devagar 


Mana para de pensar em vingança, você não é assim - falou olhando para mim com pena 


" Apesar de minha irmã sempre ser estressada sei que ela não é tão vingativa assim" - Ryia 



" Ryia quantas vezes falei para não me interromper, eu que estou contando a história" - Alece 


" tá bom, tá bom continue " - Ryia- " ahhh não esquece de colocar seu amor verdadeiro na história tá 


" Ryia!!!!!" - Alece 


" tá bom, tá bom, tá bom desculpa, pode continuar" - Ryia 


"Continuando…..." - Alece 



Mana eles mataram nossa mãe e nosso pai - falei super brava 


Quando a Ryia ia falar alguma coisa ela vê uma lança que sai do labirinto vindo em direção dela, mas o mago real usa sua magia que cria uma barreira na frente dela que a defende, a lança ao tocar na barreira vira pó na frente dos nossos olhos, eu não acredito no que vejo e me perguntava o que aconteceu? e ouço uma voz saindo do labirinto a voz ecoava nas paredes risadas saiam dali, foi quando 3 homens saiam da caverna e um deles disse: - ahahahah obrigado por falarem alto se não fossem vcs não íamos sair daquele labirinto 


Foi nessa mesma hora ouvimos cavalos cavalgando para dentro da caverna e em cima deles os guardas. Um dos três homens que fugiram do labirinto estava coberto por roupas de viagem pesadas e se pôs à frente dos outros. As vestes dos outros eram bem mais simples, o que indica que o primeiro deve ser algum tipo de líder. A parte mais preocupante era que os três estavam armados com espadas de uma mão e era possível ver algo como escritas talhadas na lâmina que emanavam um brilho azulado sinistro.


Vocês duas trouxeram a guarda real!? Malditas! - ele grita incrédulo, sua voz abafada pelo lenço que usava para cobrir a boca e provavelmente manter sua feição oculta.


Vamos matar vocês, crianças miseráveis! - o homem ao lado do líder aponta a espada nervoso na nossa direção.


Só se eu deixar. - uma voz masculina afirma em tom repreensivo.


Surpresa, eu me viro para trás e vejo um homem caminhando imponente entre os guardas. Ele usava uma armadura dourada que refletia a pouca luz que entrava por uma abertura no teto da caverna e carregava consigo um machado que também aparentava ser feito de ouro. Sua cabeça era adornada por uma coroa crivada de safiras.


Ora ora. A quem devemos a honra, se não ao próprio faraó? - o mascarado comenta com o mais puro sarcasmo e se curva para frente em uma reverência, sem tirar a arma mão.


Nesse momento, os guardas desceram de seus cavalos em um ágil movimento e se posicionam ao lado do suposto faraó com armas em punho. Ryia olha para mim em uma mistura de preocupação e medo, estendendo um braço na minha frente enquanto dá passos para trás.


Essa briga não é nossa, mana... - minha irmã diz em voz baixa enquanto continua a se afastar.


Seus crimes acabam aqui. Vocês estão cercados. - o faraó afirma aos três homens com voz ameaçadora.


Eu encaro minha irmã e bufo de raiva. Eu tento correr na direção do conflito, mas ela me agarra e me impede de continuar.


"Eu não queria que você se machucasse, Alece…" - Ryia suspira.


"Deixa eu contar, Ryia! Tá chegando na parte boa!" - Alece repreende e a irmã se cala.


Eles mataram o pai e a mãe! Eu tenho certeza! - não consigo controlar a voz e exclamou, me debatendo na tentativa de me soltar.


O mago que estava a poucos passos de distância do faraó se vira na nossa direção com um olhar capaz de derreter pedra. Ele gesticula agilmente e eu sinto como se correntes se enrolassem ao meu redor. Olhando para mim mesma, eu vejo que amarras mágicas foram conjuradas para prender a mim e a minha irmã. Elas cintilavam em dourado como o sol refletindo em um oásis e, apesar de serem frias, causavam sensação de queimadura na pele.


"Essa sensação era horrível." - Ryia interrompe a história novamente com o comentário.


"Era…" - Alece suspira e continua a escrever.


Vocês só vão atrapalhar. Quietas. - o feiticeiro diz firmemente e eu consegui ouvir discretas risadas de um dos três bandidos.


O líder criminoso retira de dentro da manga do manto um punhal e o arremessa contra o mago com habilidade magistral. O objeto acerta o estômago do alvo sem nem dar tempo de reação e ele se contorce com um grunhido de dor. Ryia ofega espantada e se debate numa tentativa de soltar um braço das correntes encantadas, mas é em vão.


Em vez de vc se debater pq não congela as correntes depois as esquenta para elas se quebraram - falei olhando para minha irmã com cara de calma até de mais 


Podia ter falado isso antes -las disse brava 


Aí não teria graça de ver essa sua cara e vc se debatendo - falei rindo 


Enquanto minha irmã tenta nos tirar com o seu assopro congelante e o sopro de fogo


"bem que nessa hora quase zuei minha irmã chamando de Dragão, mas mudei de ideia e vi que não era hora kkkk" - Alece 


"Ah bom saber viu mana" - Ryia 


" Ah, mas eu não chamei ué, eu disse que foi quase" - falou alece 


" mas pensou" - Ryia 


"Pensar não é falar, sabe de uma coisa deixa para lá, deixa eu continuar" - alece


 olhei para a batalha entre os bandidos e o mago real que por uma idiotice o mago queria acabar com ele sozinhos nessa batalha um dos criminosos arranhou o mago com sua adaga e no exato momento onde sua parte ferida ficou preta, naquela época eu não sabia oque era, logo me sustei 


Alece não é hora de paralisar na luta - falou ryia que já tinha se soltado, e estava prestes a me soltar 


Ryia olhe o mago - falei ainda olhando para a luta 


Minha irmã ficou imóvel assistindo o espetáculo de violência que acontecia diante de nossos olhos. O velho feiticeiro se encolheu no lugar enquanto pressionava a ferida e fios de sangue escurecido escorriam. Os outros criminosos lutavam com espada e adaga em rápidos movimentos enquanto os guardas aparavam desajeitadamente cada ataque da torrente. Do jeito que as coisas estavam, eles claramente iam perder. Nesse momento, senti o coração bater mais forte que já estava e meu sangue ferveu.


Ryia, me solta logo! - desviei o olhar para minha irmã e exclamei.


Ela se virou para mim e concordou com a cabeça enquanto se aproximava. Então, Ryia murmurou um feitiço e uma ventania de puro gelo saiu de sua boca, congelando as correntes encantadas. Outro sussurro e uma respirada funda se transformou em chamas que derretiam as amarras com um calor intenso que por pouco não queimou minha pele, " mais você reclama viu eu tinha te soltado e você reclamou" - Ryia 


" Ryia olha deixa ou continuar se não vou terminar daqui mil anos" - alece - continuando, ouvi um estalo agudo e senti que estava livre.


A batalha estava indo de mal a pior. O mago cambaleava para trás e o bandido que o atacou com a adaga caminhava lentamente em sua direção. Procurei pelo chão por minha espada - por incrível que pareça, eu só senti falta naquele momento - e a peguei. Com uma arfada, eu corri para sua direção.


Tentei atingir o bandido com um golpe no flanco, mas ele ripostou com suas adagas. Ele tentou um contra-ataque em meu ombro mas o feiticeiro estende a única mão livre e uma rajada de vento arremessou-o para longe. Eu perdi o equilíbrio e cambaleei para trás.


Então, senti um ar gélido como o de um deserto à noite. Olhei para trás e vi Ryia puxando o ar até os pulmões com força e soprando na direção do bandido. Um rastro de gelo se formou entre os dois e nosso oponente ficou preso ao chão com o torso inteiro congelado e para ajudar os guardas Ryia congela todos os vilões 


Quando acaba a batalha eu acabei vendo o faraó cochichando com o guarda real e o mago que estava ferido, depois os três parece concordar uns com os outros e os dois servos reverência o faraó, enquanto eu olhava minha irmã vem atrás e puxa meu braço 


Mana Isso foi demais eu adorei - falou Ryia toda animada 


Pela primeira vez minha irmã sente a adrenalina da batalha eu achei que ela iria se assustar com a batalha, mas não ela se empolgou, o bom que ela não está chorando pela morte nós nossos pais 


Porque você está triste, achei que iria estar animada em estar em uma batalha - falou Ryia colocando a mão no meu ombro 


Nada só estou pensativa - falei tentando esconder o que eu pensava para não magoa-lá  


"AAhhhhh você se preocupa comigo, estou emocionada" - Ryia 


"Lá vem a emocional" - alece 


"Nossaaaa! se que vc me ama" - Ryia


" tá tá tá deixa eu continuar…" - Alece 


Quando Ryia ia falar algo, uma voz interrompe quando olha para o lado que a voz estava vindo era o faraó falando - minhas jovens os guardas e o mago real vão cuidar dessa bagunça, enquanto isso vamos para meu castelo


Concordamos com a cabeça, mas ainda fiquei com receio, subimos no cavalo junto com o faraó e fomos em direção do castelo junto com mais 4 à 6 guardas atrás o resto que estava na batalha ficou para trás, durou horas a viagem, passamos pelo rio acima paramos para descansar, nunca tinha olhando as estrelas foi tão lindo o céu iluminando a noite a cabana que estávamos era tão chique que parecia um mini castelo, na hora de comer um banquete foi servido, tanta comida que nunca vi em vários pratos típicos e deliciosos 


Terminando a refeição, nós dormimos em sacos de dormir dentro da cabana. Assim como todo o resto do lugar, os sacos de dormir eram macios e confortáveis.


No outro dia, acordamos cedinho e voltamos para a estrada. Andamos a cavalo por entre as infinitas dunas por mais algumas horas até que, bem ao longe, comecei a avistar casas e uma estrutura colossal que parecia ser um palácio dourado. Eu e minha irmã não acreditávamos que estávamos indo para aquele palácio belo passamos pela cidade cheia de pessoas com roupas simples, mas belíssimas, as pessoas não paravam de olhar para nós, eu tinha me sentido desconfortável com todos aquele olhares me rodeando, ao chegar no castelo descemos dos cavalos chega uma mulher de roupa branca e detalhes dourados e um manto que cobria sua cabeça ela chegou perto do rei e o reverenciou e disse: " meu rei bem vindo de volta ao seu humilde castelo" 


"Sério se aquilo é humilde eu quero ver o melhor castelo de todos" 


Depois Disso ela disse: " seu filho te espera na sala do trono" 


Está bem leve as meninas para tomar um banho, deixe elas prontas para serem apresentadas ao reino - disse o rei 


Alece off 


A Porta se abre e Khair entra no quarto onde as irmãs estão escrevendo 


"Ryia o adam está te chamando" - falou Khair 


" está bem vou atrás dele, boa noite Alece, Boa noite majestade" - falou Ryia se levantando e saindo do quarto 


"Boa noite Ryia até amanhã" - falou Khair vendo a mulher sair do quarto, ele fecha a porta e vai até a Alece e coloca as suas mão nos ombros dela e fala: Meu amor está na hora de dormir você vai ficar aí a noite toda também?" - fala Khair massageando a esposa 


" não você está certo preciso descansar, mas não vejo outro jeito de me acalmar com esses ataques" - alece 

"Eu sei que é difícil, mas tente manter a calma." - Khair se inclina e beija o rosto de Alece. - "Tenho certeza que os homens de Fhaset irão descobrir o que está acontecendo."


"É, você tem razão. Acho que ficar nervosa só vai piorar tudo." - A rainha suspira levemente e comenta.


O faraó sorri docemente e acaricia o ombro da esposa enquanto espia o texto que ela escreve.


"Como está a história?" - ele pergunta curioso.


"Ainda no começo. Minha irmã e eu nem havíamos chegado no palácio ainda." - Alece responde.


"A história ficará muito melhor quando eu aparecer nela, é claro." - o faraó dá uma piscadela brincalhona.


"Só quando você aparecer nela, né?" - a jovem questiona desafiadora enquanto encara o parceiro.


"Claro." - Khair sorri. - "Eu sei disso porque a minha história ficou infinitamente melhor depois de você ter entrado nela."


"Você sempre tem um galanteio na ponta da língua, não é?" - a rainha deixa escapar um sorriso bobo.


"Pra você, sempre terei." - o faraó beija delicadamente o ombro de Alece. - "Agora venha deitar, precisamos de descanso."


A jovem concorda com a cabeça e fecha o pesado livro em que escrevia a crônica da própria vida. Em seguida, ela se levanta do lugar e se deita na confortável cama, com Khair repetindo o gesto logo em seguida. Ambos adormecem um ao lado do outro, mesmo que a ânsia por notícias sobre o ataque esteja presente desde aquela tarde.


Notas Finais


Aiaiai tá gostando? Espero que sim beijinho Alece desligando


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...