História As Aventuras da Ladra e do Deus - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Mitologia Nórdica
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Asgard, Aventura, Baldur, Deuses, Drama, Loki, Midgard, Mitologia, Odin, Original, Personagem Original, Ragnarok, Romance, Runas, Sigyn, Thor, Tyr, Vikings
Visualizações 24
Palavras 1.157
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 12 - Sentença


Fanfic / Fanfiction As Aventuras da Ladra e do Deus - Capítulo 12 - Sentença

Olrun mandou-me conversar com os deuses após a ceia e confesso que com toda aquela comida e bebida eu não queria sair dali tão cedo, mas... Deuses são deuses, por mais que eu os queira – ou queira pelo menos parte deles – mortos. Então cá estou, novamente em frente a bancada agora com Baldur. Olrun explicou-me durante a ceia quem realmente eram e a importância de cada um ali, fora da ordem de poder, estão sentados da direita para a esquerda: Vidar, Uller, Tyr, Skadi, Njord, Modi, Magni, baldur, Fulla, Heimdall, Sif, Thor, Odin, Frygg, Bragi, Idun, Frey, Freya, Forseti, Aegir, Mimir, Eir e por fim Loki. Claro, alguns não estão presentes, mas na minha concepção os mais importantes para o meu destino estão aqui. Eu apenas acho curioso que Thor esteja ao lado de Odin ao invés de Mimir – o deus do trovão pode até ser filho do pai de todos, mas em questões diplomáticas ou qualquer tipo de conselho, não se compara a Mimir.

- Lynae Ivarson de Midgard, sua vingança foi concedida – Odin comunica e eu apenas cruzo os braços – Não se sente satisfeita?

- Não até mata-la... E talvez nem depois. Vocês e principalmente você – aponto em direção ao deus no centro da bancada – estão escondendo o verdadeiro propósito da minha suspeita aceitação neste lugar. Passei minha vida ouvindo histórias sobre cada um e sei muito bem que na primeira oportunidade passam a perna em quem pode ser considerado descartável. Pelo visto não sou descartável e sei que não é por um pedido de Baldur, ele contou-me sobre um de seus sonhos onde eu aparecia... Então... Seja direto e se for do meu agrado atenderei a sabe-se lá qual o seu plano.

- Afiada! – Thor exclama novamente empolgado – Esta é minha humana favorita.

- Thor, contenha-se! – Odin ralha – Vejo que é esperta e corajosa, eu não poderia esperar nada menos vindo de uma obsessão de Loki – hun? –, então serei direto como deseja, assim também me poupará tempo. Por uma imensidão de invernos tenho malditas visões do nosso fim, honroso porém nosso fim, nossa morte. E eu busquei incontáveis formas de impedi-lo, todas em vão, parecia inevitável... Até você surgir. Loki e seus filhos iniciarão o Ragnarok, é o destino, a não ser que você intervenha. Sigyn é inegavelmente uma esposa amavel e fiel, mas sua fidelidade em demasia consente com o comportamento de Loki, sendo assim incapaz de assumir um papel autoritário, ao contrário de você.

- Ela é deusa da fidelidade, o que esperava? E filhos? Você fala em Hel, Fenrir e a serpente dos mundos? – Odin nada faz, mas Thor assente por ele – Hunf! Você por um acaso, em algum momento, já pensou que se nada fizesse contra eles não os instigaria a uma vingança dos deuses? Olrun contou-me que os humanos fantasiam suas histórias, mas cresci sabendo que você enganou, acorrentou e zombou de Fenrir. É por esta razão que Tyr não possui uma das mãos, não é?

- Está insinuando que eu sou o culpado do Ragnarok?! – o pai de todos aumenta o tom de voz, mas mantenho-me firme em minha postura, ou não sobreviveria a aquela discussão.

- Não estou insinuando, estou afirmando! Constatando fatos! Eles estavam bem e eram inocentes quando ainda estavam com a mãe e talvez continuassem dessa forma se você não os lançasse pelos reinos! Pense Odin, você viu o fim dos tempos, certo? Tente se lembrar, vê os olhares de cada um? O que há neles? O que vê, Odin? Vê ódio? Sede de vingança? Ou quem sabe a vontade de cumprir com o destino tão falado por você? – caminho até o bancada, espalmando as mãos na madeira talhada para encarar o deus – É minha primeira vez em Asgard, mas já ouvi muito sobre este lugar e sobre vocês... Sobre você, como busca formas de deter o Ragnarok ao mesmo tempo em que o monta. Obcecado por um futuro onde cada morte será honrosa e digna, com suas armas em punho contra aqueles pelos quais desejam ser mortos. Sabe como encontrei minha irmã mais nova e minha mãe naquele saque a Veins?! O corpo da minha mãe estava estirado na cama, o vestido rasgado e a saia acima da cintura, ensanguentada... O desgraçado arrancou um pedaço do seio dela com a boca, eu reconheci as marcas de dente. E a cabeça estava jogada ao lado, com um machado atravessando a testa, ela estava desmaiada quando o fincaram ali, ou apenas havia implorado pela morte, jamais saberei. E minha irmã de apenas dez anos...

- Lynae... – Baldur chama compadecido, mas o ignoro.

- Ela estava destroçada, literalmente... Nua, sem ferimentos de armas, apenas sua intimidade destroçada, ensanguentada e irreconhecível, os olhos abertos e as linhas de lagrimas secas nas bochechas pálidas... Morreu durante o ato. Eu daria minha vida para que elas morressem com uma espada em suas mãos assim como meu pai e meu irmão, assim como todos vocês. Eu as encontrei dessa forma logo após vê-lo, lembra-se? Agora acho irônico... Grande pai de todos... Pois primeiro culpei o feiticeiro que descobri ser Loki, então passei a culpar Sigyn e com razão... Mas agora... Agora Odin, o que planejei para eles não se compara ao que desejo fazer a você, por fadar inocentes a tortura e a morte por puro medo de... Perder uma batalha. Porque eu sei que Sigyn não me odeia apenas por ciúme, você a moldou para isso, a instigou a me caçar para que eu então buscasse vingança, você previu tudo isso.

- Está me ameaçando, humana? – Odin levanta-se e o acompanho com o olhar.

- Estou – cruzo os braços e lanço meu melhor sorriso travesso – Tente me lançar em algum de seus planos como fez com os filhos de Loki e eu o mato, ou pelo menos tento, se não conseguir então serei morta e sua única chance de evitar o Ragnarok se extinguirá... Então você irá morrer, irá perder... Por essa razão continuo viva mesmo após ameaça-lo e permanecerei mesmo recusando suas propostas.

- Hunf! Admito, você foi feita para Loki. Apenas temo o que possa vir dessa união –sorri, relaxando os músculos e como consequência relaxando os de todos ao redor, que previram um desastre assim que nossa discussão tomou um rumo acalorado. Baldur até solta um suspiro aliviado – Discutiremos suas tarefas logo após a execução. Tyr trará sua arma, tem alguma preferencia?

- Tenho – não posso evitar um sorriso aberto – Estaca de madeira.

- Estaca? – Tyr indaga – temos uma infinita variedade de armas, tem certeza que deseja usar uma estaca de madeira?

- Oh, nunca estive tão certa.

Minha mãe sempre reclamou das más influencias que eu recebia trabalhando como artesã no porto, mas as histórias de tortura que os viajantes contaram agora serão valiosas para vinga-la. Será lento e incrivelmente doloroso, a farei implorar e então... Talvez... Eu não dê aquilo que deseja, apenas para vê-la amargurando-se pelo tempo de vida que me resta.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...