1. Spirit Fanfics >
  2. As conspirações da vida de Sakura Haruno >
  3. Começando a semana

História As conspirações da vida de Sakura Haruno - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Sim! Eu apareci hehe

Desculpa gente, mas como eu já havia dito, sou azarada e meu pc tinha quebrado de novo não pretendia demorar tanto para atualizar.
Fora que trabalho e praticamente só tenho sabado livre
É triste a vida do pobre..
Quero agradecer por todos que me apoiaram e não desistiram de mim. Leio todas as mensagens de vocês só não consigo responder por conta correria, mas vocês me incentivam muito a continuar, mesmo eu querendo desistir muitas vezes.
Aconteceram muitas coisas na minha vida nesses anos e principalmente esse ano, que me desmotivaram bastante. Porem ainda assim espero conseguir agradar vocês.

Sem mais... Boa leitura

Capítulo 2 - Começando a semana


Triiiin Triiiiin Triiiin

Despertei com o som ensurdecedor do meu maldito despertador, tocando a menos de seis horas da matina.

Bati uma, duas, três vezes naquela merda e ele não desligou, então apenas peguei o objeto e o taquei na parede o fazendo se quebrar em mil pedaços e finalmente parar de tocar. O que se esperar de um relógio que você pagou 3,90 em um brechó?

Bufei ainda de bruços sabendo que teria que levantar e sair do meu conforto. É o que acontece quando se tem vinte anos, trabalha para se sustentar. É, dizem que Deus ajuda quem cedo madruga, então borá levantar.

Com a preguiça dominando meu corpo, me obriguei a sentar na cama me espreguiçando e bocejando conferindo meu hálito... É valeu apena quase sentir minha boca derretendo com aquele enxaguante bucal, que nos comerciais juram que não arde à boca e quando a gente usa parece que vai queimar ate a alma, pelo menos não to com bafo de alho.

Me levantei sentindo o chão frio abaixo de meus pés descalços fazendo-me sentir um arrepio pelo meu corpo. Caminho ate meu banheiro de meu quarto parecendo uma velha com hérnia, coçando minha bunda entrando no local e ascendo a luz que me faz recuar pra trás com uma careta pela iluminação, me obrigando há fechar um pouco os olhos antes que queime minhas retinas.

Tiro a minha camisa comprida de banda a qual eu costumava dormir e minha cueca feminina de algodão extraordinariamente confortável, caminhando pelo banheiro espaçoso de meu apartamento.

Decido tomar uma ducha, ignorando a enorme banheira a minha direita, se eu entrasse ali de certo voltaria a dormir. Entrei no box ligando o registro medindo a temperatura da água e quando ela ficou quente do jeitinho que gostava, entrei de baixo da mesma molhando minha cabeça e corpo, sentindo os músculos relaxarem. 

Fiz todas as minhas higienes matinais e sai do banheiro enrolada em uma toalha, indo em direção ao meu closet para escolher uma roupa de ir trabalhar.

Ai vocês me perguntam: Ué Sakura, se tu disse que precisa trabalhar para se sustentar e pá, como é que te mora um apartamento que tem um quarto com suíte e closet, minha filha?

Eis que lhes respondo...

Divido um apartamento com uma das minhas melhores amigas, a Hinata, quando voltei para minha cidade natal há uns três anos atrás, não queria morar novamente com meu tio e tirar sua privacidade, sendo assim decidi procurar um apartamento barato na qual eu poderia pagar sozinha, entretanto Hinata  também estava a procura de um e se livrar um pouco das asas super protetoras de seu pai; Sendo assim decidimos alugar um apartamento juntas. No começo era pra ser algo simples, porem tio Hiashi ao saber disto, decidiu que ele mesmo compraria e daria de presente a sua filha mais velha por ela estar saindo de casa e passado no vestibular.

Hinata obviamente tentou recusar, mas foi obrigada a aceitar se não quisesse ter que esperar mais um ano para completar dezoito anos e ir morar sozinha, já que seu pai não queria a deixar sair de casa antes disso, o que o tranqüilizou foi ele mesmo procurar um apartamento em um local seguro onde ele saberia melhor os passos de sua menina mais velha.

Com isso acabei vindo morar com Hinata aqui, já que era um apartamento com dois quartos exageradamente grandes assim como os outros cômodos, eu sinceramente não queria aceitar, porque não é como se eu pudesse ajudar com o aluguel de um apartamento desses, mas Hina fofa como era disse que eu não precisaria pagar nada e eu tentei negar claro, porem quem resiste aqueles olhos pidões de cor de perolas e seu rostinho de boneca e todo aquele combo meiguice e fofura? Ainda mais dizendo que não queria viver sozinha em um apartamento desse tamanho.

Por isso hoje estou aqui, apenas só depois de deixar claro que pelo menos as despesas iríamos dividir e ela teve que aceitar, moramos juntas desde então e sempre nos demos muito bem. Hinata é um amor de pessoa e não poderia ter escolhido pessoa melhor para morar junto.

Escolho uma lingerie azul marinho, uma saia preta que era um palmo acima de meus joelhos justa que acentuava meu quadril largo, ajudando a esconder minhas tatuagens das coxas. Uma camisa social de botões na cor branca e mangas compridas que também ocultavam mais uma porção de tatuagens que existiam em meus braços e corpo.

Peguei um blazer preto assim como os sapatos de saltos baixos – sou péssima com salto e pareço uma pata com câimbra andando quando tento usar aqueles saltos enormes – igualmente pretos.  Meu trabalho exigia roupas formais, já que era um dos hotéis mais chiques da cidade e muitas pessoas importantes passariam por lá, com isso eu tinha que estar com a aparência impecável, fazendo eu me vestir totalmente o oposto de meu estilo.

Sinceramente mal sei como consegui esse emprego que pagava um bom salário, incluindo os benéficos, mas claro que para isso no dia da entrevista, com ajuda de Ino que me ajudou a escolher uma roupa decente e a esconder minhas tatuagens e meus piercings. Infelizmente ainda vivemos em um mundo onde as pessoas julgam muito por sua aparecia. Única coisa que não pude esconder foram meus cabelos, a não ser que eu os pintasse, coisa que estava fora de cogitação.    

Voltei ao quarto passei hidratante de amora e amêndoas por todo meu corpo antes de me vestir. Fiz uma maquiagem leve, apenas passando mascara para cílios e um delineador para destacar ainda mais meus olhos verdes claros, e um batom rosa simples.

Sequei meus cabelos e os deixei soltos com uma franja lateral, eles batiam na altura da minha cintura e são lisos, eu gostava do seu jeito natural, ainda bem por que sou uma puta preguiçosa e se meus cabelos me dessem trabalho eu não pensaria duas vezes em os deixar bem curtinho e os prender.

Olhei no espelho e me senti satisfeita com a visão da mulher refletida, porem nada confortável com esse tipo de roupa. Sorri e o pequeno objeto de metal  pareceu acima de meus dentes, o piercing no smile foi um dos terceiros piercing que coloquei, o primeiro foi no nariz e o outro foi um transversal na orelha esquerda,  após estes vieram várias argolinhas na orelha direita, fora os outros em outras partes do meu corpo.

Pronta apenas peguei uma bolsa contendo meus pertences antes de deixar o quarto conferindo se havia tudo o que eu precisava dentro dela, apenas pegando meu celular em cima do criado mudo ao lado da minha cama.  

Assim que sai pelo corredor inalei o cheiro maravilhoso de café, entrei na cozinha me deparando com uma mulher um pouco mais baixa que eu, seus cabelos negros quase azuis batiam em seu quadril largo e usava um vestido nude sem mangas, destacando suas curvas e um calçado alto na cor bege.

Hinata estava de costas para mim cortando algo no balcão ao lado da pia e deduzir estar preparando sua vitamina de frutas que tomava toda manha. Me aproximei dela lhe dando um beijo na bochecha e ela me olhou sorrindo meigamente.

- Bom dia Hina, minha gatona – a cumprimentei e ela soltou um risinho.

- Bom dia, Saky – respondeu ela jogando as frutas do processador. – Já preparei o seu café. – informou ela.

- O que eu faria sem você não é? – falei com os olhos brilhando e ela riu. – Dormiu bem? – quis saber.

- Dormi sim e me parece que você também não é? – questionou antes de ligar o liquidificador.

- Sim, apesar de odiar acordar cedo. – respondi pegando um biscoito enfiando na boca. – Mas depois que senti esse cheirinho do seu café eu me senti melhor.

Sentei a mesa já colocando café na xícara e pegando algumas torradas para passar geléia de amora, Hina também se sentou a mesa e diferente de mim tomava sua vitamina e comia pão integral com queijo, ela seguia uma dieta diferente de mim que logo após comer cinco torradas já fui logo pegando um pedaço de bolo de cenoura com cobertura de chocolate, seguido de pão de queijo. Me julguem eu como muito mesmo.

Nada mais justo já que treino feito uma condenada, não que seja por obrigação, na verdade gosto muito e cresci no meio disso. Meu tio Orochimaru tem uma academia que ensina todos os tipos de artes marciais, pratico todas desde os meus 8 anos, sou faixa preta em karatê, Jiu Jitsu, Muay Thai, Krav Maga, Kung fuu – é eu manjo aqueles golpes de estilo tigre, cobra, macaco e o resto todo – entre outras, fora os diversos tipos de lutas com objetos tipo; bastão, muthaco, Katana, etc...

Modéstia a parte, eu era muito boa nos mais variados tipos de lutas ate mesmo participava de competições para fora da cidade contra outras academias e sempre ganhava a maioria delas, mas não teria me tornado tudo isso se meu tio não fosse um excelente sensei para mim.   

- Que bom que meu café te ajuda. – ela disse enquanto passava algo no seu pão. – Então a Ino te contou dos ingressos que ela ganhou para aquela boate nova no centro? – Ela perguntou e eu fiquei com cara de ponto de interrogação.

- Aquela vadia não me contou nada! – esse era meu modo de expressar o amor por Ino. – Que ingressos? E como ela conseguiu? – perguntei e a Hina soltou um risinho

– Ela conheceu o filho do dono dessa boate em uma festa, um tal de Sasori e ele então deu os convite para ela e para os amigos dela  que no caso é a gente, na área vip. – explicou com calma.

- Caralho que puta. – falei impressiona por como a Ino sempre se dava bem quando conhecia pessoas novas, acho que vou começar a sair mais com ela pra ver se me dou bem também hehe. – E quando nos vamos? E porque ela não me contou nada? – perguntei interessada.

- Bem, talvez ela esqueceu, sabe como Ino é...Fala uma coisa, mas se alguém mudar de assunto ela esquece o que estava contando. – ela disse rindo e eu ri junto, Ino era meio burrinha às vezes. – Vai ser nessa sexta. – completou e fiquei animada com a ideia de ir para um lugar novo.

- Bem o importante é que a gente tem um lugar maneiro pra ir curtir juntas e não vamos pagar nada. – comentei dando de ombros enfiando mais um pedaço de bolo na boca.

- Ai Saky só você mesmo. – balançou a cabeça em negação. – Ei não você já não esta atrasada? –  arregalei os olhos e dei um pulo da cadeira batendo a perna com tudo na mesa.

Gritei um sonoro “CACETE” Hina deu uma gargalhada, eu apenas terminei meu café às pressas.

Olhei o relógio e já marcava 07h08min por sorte meu trabalho não ficava tão longe, peguei minhas chaves e bolsa passando por Hinata que saia um pouco mais tarde do que eu, lhe dando um super beijo na bochecha.

- Obrigada pelo café, maravilhosa – sorri e ela riu me desejando um bom dia de trabalho.

Hinata fazia faculdade de pedagogia, contudo ela ia trabalhar todas as manhas na empresa de seu pai, era, digamos assim, um trato, pois o certo era Hinata fazer faculdade de administração e assumir a empresa de automóveis de seu pai assim que concluísse seu ensino.

Contudo a mesma nunca gostou da profissão e seu sonho sempre foi ser professora; Hinata ama crianças, interagir e as ensinar. Sua salvação foi Neji, seu primo – e um dos meus melhores amigos – alguns anos mais velho que após um acidente trágico onde seus pais morreram e quem ficou com a guarda dele foi seu tio Hiashi e sendo assim quem herdaria e assumiria a empresa seria o mesmo que por sorte se dava bem na área que ate mesmo gostava, sendo assim o pai de Hina só exigiu que ela trabalhasse para ele apenas ate começar a fazer um estagio em sua área; Uma clara tentativa de fazer sua primogênita mudar de ideia e assim juntamente a  Neji  comandar a empresa, uma tentativa muito falha devo ressaltar.   

Sai do prédio para pedindo um uber, parei na calçada a espera de um quando um carro com um senhor passou ele buzinou e disse:

- Nossa que delicia, não quer carona não lindinha? – eu o olhei todo desprezo e nojo em seguida gritando para que ele ouvisse já que o carro ia andando.

- SE EU QUISESSE VELHO EU IA A UM AZILO! SEU VELHO TARADO NOJENTO! – bufei dei sinal para um taxi e entrei no mesmo.

Depois de uns 15 minutos cheguei ao meu local de trabalho entrei no hotel dando um “bom dia” as pessoas que já circulavam por lá. E fui para meu lugar na recepção.

...

O dia no trabalho ocorreu normalmente. Telefonemas, atendendo clientes, agendando coisas no computador. Tudo normal e tranqüilo.

Estava anotando algumas coisas no computador quando notei um homem se aproximando; Ele era alto e vestia um terno que parecia ser feito sob medida, cabelos ruivos e olhos castanhos e apesar de parecerem tediosos, ele era muito bonito a pele meio bronzeada. Conforme ele caminhava em minha direção percebi o corpo atlético dentro do terno caro.

Parei de babar e arrumei a postura voltando à pose de profissional e não de uma tarada que ficava reparando no corpo alheio. Sorri gentilmente assim que ele parou de frente com a minha mesa e o mesmo retribuiu o sorriso, ate senti o meu tremer e quase se desfazer. Que sorriso bonito da porra!

 - Posso ajudar em algo, senhor? – questionei e o mesmo me mediu de cima abaixo sem disfarçar ao me avaliar. Eita! – Senhor? – repeti quando o mesmo não me respondeu.

- Oh me desculpe – falou parecendo voltar a si – Gostaria de um quarto, por favor, senhorita! – respondeu me olhando nos olhos. JESUS! – E, por favor, me chame de Sasori, não sou tão velho assim! – lançou mais um sorriso e piscou o olho direito. Gente, o cabra é charmoso.

- Desculpe se... Sasori. – sorri sem jeito – Um momento, por favor, vou verificar um quarto disponível para lhe acomodar. Tem alguma preferência de quarto? – falei verificando o sistema e o vi negar com a cabeça.

- Sem problema. Qual o seu nome senhorita? – parei de digitar no computador e o olhei para lhe responder.

- Sakura, Sakura Haruno – respondi e ele sorriu abertamente para mim.

- Muito prazer senhorita Haruno, você tem lindos olhos é muito bonita se me permite dizer – elogiou me fitando e senti minhas bochechas corarem. Ai meu Odin! Alguém me abane!

- Muito obrigada – falei corada. – Aqui esta... –  disfarcei lhe entregando a chave – décimo terceiro andar. Quarto 2021. Deseja mais alguma coisa? – perguntei prestativa e ele me olhou de cima a baixo novamente com um sorriso, eu diria que um tanto, malicioso.

- Não, não desejo mais nada, obrigado – agradeceu – Espero vê- lá mais vezes, Sakura – lançou mais um sorriso charmoso antes de se virar indo em direção ao elevador e antes que ele fechasse as portas, Sasori acenou para mim.

Fiquei lá com maior cara de ameba.

 Esse homem flertou mesmo comigo?

 Não que seja a primeira vez, na verdade isso acontece com freqüência, entretanto Sasori era um homem muito bonito e atraente e apesar de aparentar ter quase a mesma idade que eu, parecia muito maduro.

Sasori...

Esse nome me lembrava algo, sacudi a cabeça e voltei ao foco do meu trabalho.

 

 

O dia no trabalho passou e eu não vi mais o tal ruivo de olhos castanhos. Peguei  outro uber e passei no meu apartamento antes de ir para a faculdade para tomar um banho e trocar de roupa, eu não ia pra faculdade de social ia-me sentir incomodada o dia todo.

Então coloquei uma calça jeans preta com rasgos na coxa, uma regata vermelha  que mostrava um pouco meu decote, uma jaqueta preta de couro e meus coturnos antigos; deixei meus cabelos róseos soltos e passei apenas um delineador em volta de meus olhos para os destacar e um batom vermelho, coloquei um colar prata com pingente de guitarra e cifras, presente de Neji, e algumas pulseiras. Peguei minha mochila com meus materiais e meu capacete preto indo em direção ao estacionamento do meu apartamento para pegar minha moto.

Subi na minha BMW s1000r preta e vermelha, linda, que ralei muito para comprar e só consegui porque já tinha um dinheiro guardado e meu tio Orochi também deu uma boa parte como presente.

Meus pais quase me espancaram quando souberam que eu havia comprado outra moto – ainda mais com o meu histórico nada bom em relações a moto – e o coitado do meu tio quase se lasca também, minha mãe quis arrancar fio por fio de seu cabelo comprido e mais brilhoso que o meu. É, pois é.

Contudo ele não viu porque de não me dar depois de minha mudança de comportamento, claro que dona Mebuki não ficou satisfeita, mas meu pai a pediu para me dar um voto de confiança e assim ela fez, ainda com um pé atrás e prometi a eles que não passaria dos limites novamente.

Eu não ia de moto para o trabalho por que era meio difícil com aquelas roupas social.

Coloquei o capacete e subi na minha xodozinha e dei partida. Não demorou muito pra que chegasse à universidade. Estudava em uma das melhores faculdades do país, depois de certos acontecimentos eu estudei muito para conseguir a bolsa e graças a Odin e meu esforço, passei nas provas e ganhei a bolsa.

E cá estou eu na sala ouvindo as explicações do professor Kakashi, sobre os tipos de tumores que aparecem em cachorros, escolhi veterinária por que animais é a minha paixão e pretendo viajar e estudar todos os animais e encontrar cura para doenças que são desconhecidas por nós.

O sinal para o intervalo tocou e fui em direção ao pátio imenso onde tinha varias cantinas e varias mesas e grupos de alunos já lanchando e conversando. Fui em direção a uma mesa ao ar livre como de costume e me sentei esperando as doidas de minhas amigas chegarem. Estava distraída lendo um livro quando senti uma mão em meu ombro olhei para cima e era Hina com seu sorriso meigo que correspondi no mesmo instante.

- Tudo bem Saky? – ela perguntou se sentando ao meu lado direito.

- Tudo sim, Hina. Cadê as meninas? – perguntei achando estranho elas não terem chegado ainda

- Foram na cantina pegar coisas para a gente comer – assim que ela disse avistei uma loira alta com um corpo com curvas bem vantajosas, cabelos soltos e ondulados, seus olhos verdes musgo estavam estreitos, vestindo uma calça jeans e camisa preta com uma jaqueta marrom por cima. Temari cursava engenharia no prédio 4.

- Essas meninas são um saco – bufou se sentando a minha frente – não se decidem o que querem comer e ainda ficam arranjando confusão na fila. – disse irritada.

- Onde elas estão Tema? – perguntei e ela me olhou e deu um suspiro – e que confusão elas arrumaram agora? – questionei sem nenhuma surpresa já conhecendo bem minhas amigas.

- As deixei lá na fila. Elas enrolaram de mais para fazer o pedido e o povo na fila ficaram resmungando e Ino tratou de mandarem todos irem se fuder – ela disse que eu e Hina rimos balançando a cabeça em negação. Ino também é bem esquentadinha às vezes – então começaram a discutir com o povo eu não agüentei e vim logo pra cá – é Temari não é a pessoa mais calma do mundo, mas é uma ótima pessoa e muito inteligente, havia ganhado bolsa para cursar engenharia.

- Ai meu Deus, mal começou a semana e essas meninas já estão arranjando confusão – disse Hina.

- Normal delas – comentei dando de ombros voltando o foco ao meu livro.

Não demorou para eu ouvir a voz da outra loira de cabelos escorridos e compridos ate o quadril preso em um rabo-de-cavalo-alto e uma franja cobrindo a lateral esquerda de seu rosto, deixando a amostra apenas um de seus olhos azuis claros; corpo esbelto igual a de uma modelo por conta de sua dieta balanceada; Ino usava uma saia vermelha que ia ate a metade de suas coxas e uma camisa branca de manga comprida que deixava seus ombros a amostra e carregava uma bandeja na mão. Ino fazia curso para se tornar nutricionista.

Ao seu lado uma morena de olhos e cabelos cor-de-chocolate com um penteado de dois coques, o corpo com curvas bem distribuídas dentro de um jeans preto, uma regata azul e blusa quadriculada preta e branca por cima; Tenten cursava arquitetura. 

- Temari, sua vadia mal amada, amiga da onça! – esbravejou Ino colocando a bandeja encima da mesa – Como você ousa nos largar lá no meio de uma discussão? – falou encarando a outra loira e Tenten apenas se sentou de frente a Hina me mandando um beijinho no ar e eu mandei outro de volta.

- Eu não ficar ouvindo merda daquele povo por sua causa de sua enrolação, ô loira desmiolada – retrucou Temari encarando Ino de volta e eu e as meninas assistíamos pegando algumas coisas pra comer, acostumadas com essa situação.

- Desmiolada nada, eu estava no meu direito de escolher, eles que são muito apressados você poderia ter me defendido, sua quenga de teta caída – acusou.

- Ah sim, depois de vinte minutos de indecisão ate eu estaria reclamando na fila – ironizou Temari – E eu não vou ficar discutindo com você, vaca leiteira – xingou fazendo Ino abrir a boca incrédula e a fuzilar com os olhos. – você sabe que estava errada – bufou pegando seu sanduíche dando uma mordida.

- Ah vai se fuder, Temari! – Ino falou irritada, me empurrado para o lado para ela se sentar.

- Vem me fuder aqui então, sua gostosa – retrucou Temari indo um pouco pra frente sobre a mesa perto do rosto de Ino lhe lançando um sorriso malicioso.

- Só se for agora, sua delicia – Ino devolveu no mesmo tom se colocando para frente também, pegando o rosto de Temari entre as mãos e ficaram lá fingindo que iam se lamber. Hinata, Tenten e eu reviramos os olhos com a mudança de humor dessas loiras.

- Vocês já tomaram seus remédios hoje? – questionei enquanto Ino voltava a sua posição de antes e pegando um sanduíche também.

- Não, mas depois eu pego um com você, testuda – devolveu à porca, dando uma piscadinha e bufei dando um sorriso depois.

- Eai?! Agora que as vadias pararam com a putaria – começou Tenten – contem as novidades...

- Espera cadê o Neji e o Sai? – inquiri sentindo falta da presença dos meus melhores amigos.

- É que nesse final de semana chegaram três amigos deles de infância – todas nos olhamos atentas para Hina. – Pelo que Neji me contou, eles também vão estudar aqui. Devem ter ido os esperar na entrada para mostrar o lugar pra eles. – concluiu e todas nos estávamos com um olhar curioso. 

- Meu irmão também esta voltando para o país – disse Temari chamando a atenção de todas nos para ela e Ino arregalou os olhos na mesma hora.

- Espera... O Gaara? – Temari assentiu. – Eu não acredito – gritou Ino de boca aberta, surpresa.

 - Vê se não surta, porca, e é melhor fechar a boca pra não entrar mosca – debochei e as meninas riram, Ino me lançou um olhar mortal.  – Achei que não tinha mais essa quedinha por ele – arqueei uma sobrancelha a fitando.

- E eu não tenho – empinou o nariz – só estou impressionada por ele estar voltando depois de tanto tempo – deu de ombros e estreitei os olhos para ela que desviou o olhar para Temari. – E porque ele voltou? – perguntou fingindo desinteresse.

- Ele disse que já passou tempo de mais fora e que estava com saudades da família e dos amigos, disse que era hora de voltar – respondeu e juro que vi um brilho nos olhos azuis de Ino.

- Poxa que legal o Gaara voltando. Ele era bem gentil com a gente, tomara que continue o mesmo – comentou Hina.

- E esses amigos do Neji e do Sai, quem será que são? – Tenten perguntou.

- Não faço ideia – respondemos juntas e pensativas. Foi quando Ino abriu um sorriso que daria inveja ao coringa e eu e as meninas a fitamos desconfiadas.

- Que tal se a gente fosse espiar pra ver se eles já chegaram? – disse empolgada e todas nos entreolhamos – Qual é gente! Vai que são uns gostosos? – falou como se esse fosse o melhor dos motivos.

- Ino você é muito tarada – acusou Temari – mas eu acho uma boa idéia – todas assentiram... ate Hina, “MASOQUÊ?”

- Ah vão vocês. Eu vou ficar aqui lendo um pouco, tenho muito que estudar – falei com desinteresse.

- Ai testuda, para de ser chata! – brigou me empurrando  – Quem vê pensa que é santa – disse Ino colocando as mãos na cintura revirando os olhos com um sorrisinho de deboche.

- É serio, vão lá! Depois eu vou – exclamei pra Ino não pegar no meu pé.

- Então ta, mas é pra ir mesmo depois – Tenten falou apontando o dedo pra mim, enquanto elas se levantavam e acenei sorrindo, as vendo caminhar ate sair do meu campo de visão.

A verdade é que eu não tava muito a fim de ficar conhecendo pessoas, cumprimentado me apresentando, tinha muita coisa na minha cabeça e a semana de provas estava chegando, não podia tirar notas baixas não posso repetir nenhum ano.

Estava passando a pagina quando senti uma vontade enorme de fazer xixi e resmungando me levantei para ir ate o banheiro antes de bater o sinal.

Chegando ao banheiro empurrei a porta, entretanto, contudo, porem a mesma parecia estar trancada. Tentei de todas as formas, mas não conseguia abrir.

- Que merda! – resmunguei cruzando as pernas como se isso fosse ajudar a prender o xixi, eu estava muito apertada para ir ao banheiro do andar de cima.

Foi ai que uma “brilhante” idéia me veio à cabeça; o banheiro dos meninos ficava de frente e eu não havia visto nenhum cara entrar ou sair dali, bem... Eu não ia demorar, se fosse rápida ninguém ia nem notar que eu tinha entrado ali.

Não é?

- Ola? Tem alguém ai? – perguntei desconfiada entrando no banheiro masculino olhando envolta e em baixo das cabines, verificando se não havia realmente alguém ali e dando graças a Odin por não estar fedendo a mijo, diarréia e suor.

Ninguém respondeu então rapidamente entrei em uma das cabines limpas e soltei um suspiro de alivio quando finalmente não precisei mais prender o xixi. Se loco é bom de mais mijar.

Assim que acabei de fazer minha higiene estava pronta para abrir a porta e escapulir dali antes que alguém aparecesse, porem antes que eu abrisse a porta ouvi vozes masculinas e travei na mesma hora.

ME LASQUEI!

Subi rapidamente na privada para que ninguém percebesse que eu estava ali e me apoiei na porta para não cair.

 Parabéns Sakura! Ótima ideia a sua, ANTA!

As vozes estavam bem mais perto agora e engoli em seco olhando pela pequena brecha da porta e consegui enxergar dois garotos conversando. O de cabelo amarrado em um rabo-de-cavaloa-alto estava de costas para as cabines usando o mictório, usava calça jeans e camiseta branca. 

Em frente a pia tinha o outro, ele era bem alto diria que uns 1,90 de altura, usava uma calça preta, camisa de manga comprida azul marinho só que com as mangas dobradas ate acima dos cotovelos e coturnos pretos nos pés. Seus braços estavam cruzados sobre o peito então pude perceber que ele era bem forte, evidenciando o peitoral largo sob a camisa e seus bíceps tensionados pela posição. Ele olhava para baixo enquanto conversava com seu amigo então eu não conseguia ver seu rosto, pois seus cabelos negros e compridos ate acima dos ombros cobriam seu rosto, mas vi que eram lisos e revoltos.    

- Cara, nós não estamos aqui nem há três dias direito e você já pegou essas mulheres todas – disse o do rabo-de-cavalo lavando as mãos se espreguiçando e colocando as mãos atrás da nuca se escorando na pia atrás de si.

- Fazer o que se elas dão em cima de mim? Eu apenas aceito aquilo o que elas me dão – respondeu o outro. AF macho escroto! – O foda foi uma ruiva que peguei naquela festa e agora não quer desgrudar. Fica me mandando mensagem toda hora – bufou com tédio e se virou de frente para o espelho  e finalmente pude ver seu rosto pelo reflexo e minha boca se abriu na mesma hora.

Puta merda! O cara era lindo. Eu disse lindo? Essa criatura parecia um deus grego que homão da porra!

Seus olhos eram tão negros quanto petróleo, sua expressão era seria o maxilar quadrado onde a barba estava muito bem feita, nariz fino e uma boca não muito carnuda, porem rosada naturalmente, tudo em contraste com sua pele branquinha, nem parecia que o infeliz pegava sol. QUE HOMEM GOSTOSO DO CARALHO! ODIN! DEU ATE CALOR. FIU FIU!

Ok, se controla Sakura lembra você não pode ser vista e suas amigas devem estar te procurando que nem locas e você tem que dar um jeito de sair logo daí. Esse cara me parece ser um tremendo galinha que não vale nada que se acha de mais apesar só porque é lindo, tesudo, gostoso e... Ta parei.

- E acabei a encontrando aqui, parece que ela estuda aqui também. Tsc. Tive que me desvencilhar dela antes que ela começasse com a melação. – o deus grego continuou.

- É cara, isso me parece bem problemático – o outro disse, a voz dele era tão calma que me dava sono. Credo. – E qual o nome da doida? – ele perguntou e eu cheguei mais perto da porta pra ouvir.

Lembram que eu disse que às vezes os deuses conspiram contra mim? Pois é! Essa é uma das vezes, pois eu me desequilibrei cai, ainda tentei me segurar na porta e não arrebentar a fuça, só que a desgraça abriu com tudo e eu fui de cara ao chão em um estrondo. Nesse momento eu desejei que um espírito de tatu se apoderasse de mim para eu cavar um buraco bem fundo e me enfiar lá dentro para nunca mais sair.

Maldiçoando ninguém em especifico olhei para cima temerosa e o do cabelo-de-rabo-de cavalo estava com uma cara assustada e ao mesmo tempo de duvida me fitando, já o deus grego estava com uma carranca enorme e a testa franzida parecendo que iria matar alguém. ME FODI. Dei um sorriso amarelo tentando levantar e ir embora com o resto na dignidade que me sobrava, mas o do cabelo rebelde veio na minha direção e me levantando como seu eu fosse uma boneca me segurando pelo braço.

- O que faz aqui garota? Estava nos espionando? – quis saber, sua voz era bem rouca e grossa deu ate um certo medinho, principalmente com ele me lançando aquele olhar frio. Curuzes!

- Eu não estava espionando ninguém e me larga – tentei soltar meus braços das mãos dele, mas foi em vão, ele apertou mais.

- Então o que estava fazendo aqui escondida atrás da porta? E quem é você? – questionou fitando meu rosto e eu tinha que levantar a cabeça para o encarar também. O cara era alto de mais para meus 1,65. Disgraça!

- Não é da sua conta e me larga esta me machucando! – avisei começando a me irritar com seu tom de voz e aperto no meu braço. O outro garoto apenas assistia a cena com cara de tédio.

- Você sabe que posso agora mesmo te denunciar para a diretora já que é proibida a entrada de garotas do banheiro masculino, não é Rosada? – ameaçou e franzi o cenho.

EPA! Como assim “rosada”? Que intimidade é essa? Esse cara tava começando a me tirar do serio.

- Primeiro: não me chame de rosada, pois não te dei intimidade. Segundo: por mim você pode ir agora ô cara azeda – retruquei e ele me fuzilou com o olhar – E terceiro: faça o que bem entender desde que você me largue, seu idiota! – exclamei tentando me soltar o que foi em vão novamente ele era mais forte do que eu.  Porra! O que o cara tem de bonito tem de chato, toma no cu.

Ele me olhou com mais fúria, porem logo depois abriu um sorrisinho de lado que quase me fez esquecer que eu estava irritada com ele. O que? Ele é gato não tenho culpa, oras...

- Você sabe quem eu sou garota? Sabe com quem você está falando? Quem você pensa que é pra falar assim comigo? – perguntou aproximando seu rosto do meu.

-  O Batman? – perguntei e ele franziu o cenho – Escuta aqui cara, você pode ser o rei de Nárnia, o filho Zeus, Buda, Hades que não faz a menor diferença pra mim, seu imbecil – ele me olhou incrédulo. – Agora, ultimo aviso. Me. Larga. – falei pausadamente olhando em seus olhos.

- Ora sua irritante eu vou te ensinar... – rosnou ele, mas antes de ele terminar dei um pisão em seu pé que o fez me soltar na mesma hora grunhindo de dor e aproveitei para me afastar sorrindo.

- Eu avisei, babaca – falei antes de correr parar fora do banheiro ainda ouvindo ele me chamar e me xingar.

Ri feito uma hiena ao lembrar da cara daquele idiota. Bem feito! Ninguém mandou querer dar uma de machão pra cima de mim.

Fui direto para sala, apenas mandei uma mensagem para as meninas dando uma desculpa qualquer por não ter ido as encontrar.

Assim que o sinal bateu finalizando as aulas fui ate o professor para tirar umas duvidas sobre a prova dele e acabei demorando um pouco, caminhando ate a saída para encontrar o pessoal, avistando as meninas junto a Neji e Sai e ao lado deles mais quatro garotos que eu não conseguia enxergar por conta da distancia.

Me aproximei vendo um sorriso sacana na cara de Ino que me fez revirar os olhos,.

Mas senti meu corpo travar e meu coração quase sair pela boca quando reconheci os garotos, principalmente dois deles ali que era o deus-grego-idiota-arrogante e o carinha de-rabo-de-cavalo-com-cara-de-tedio. Mas que merda!

Continuei a me aproximar engolindo em seco vendo também um loiro de olhos azuis e pele bronzeada e corpo sarado, bem bonitão também e um ruivo ao seu lado de olhos azuis esverdeados, sorri ao reconhecer Gaara.

- Que demora, testuda – comentou Ino.

- Foi mal – disse sentindo os olhares agora sobre mim, porem apenas um ali parecia queimar minha pele.

- Ate que fim apareceu, Cereja – Falou Neji com um sorriso me fitando e me dando um abraço do qual eu correspondi com um sorriso pelo apelido que ele me deu desde que nos conhecemos. – Tudo bem? – perguntou me afastando um pouco, assenti ainda o sorrindo.

- Onde estava Saky? – perguntou Sai  dando um beijo em minha bochecha assim que Neji me soltou.

- É testuda por que sumiu? Você disse que iria nos encontrar depois e não apareceu achamos que tinha sido abduzida por um E.T – disse Ino cruzando os braços com uma cara emburrada e todos me olhavam inclusive o machão lá.

- Desculpem, estava tirando uma duvida com o professor sobre as provas – expliquei sem olhar para o moreno, incomodada com seu olhar sobre mim.

- Ta bem... Vamos deixar isso para depois – falou Neji  me puxando para perto dele e me virando de frente para os outros garotos – Quero que conheça meus amigos de infância, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Naruto Uzumaki e bem o Gaara você conhece, e gente essa é a Sakura – disse apontando para cada um deles.

Então o nome dele é Sasuke Uchiha?! Aquele nome também não me é estranho, quando eu pensei em dizer alguma coisa o loiro que descobri se chamar Naruto, se aproximou de mim.

- Muito prazer, Sakura – falou me abraçando me pegando de surpresa, um abraço bem forte por sinal que nem consegui retribuir – Adorei seu cabelo é bem diferente, mas é bem bonito combina com você que também é muito bonita, devo dizer hehehe –  riu se afastando e  colocando os abraços atrás da cabeça abrindo um sorriso digno de comercial da colgate. Caramba como ele fala.

- Prazer é todo meu, Naruto – sorri para ele que sorriu ainda mais, se possível. Ele parecia ser um cara bem legal.

- Nossa, como você está diferente, Sakura – a voz rouca de Gaara fez com que eu o olhasse. – Ainda mais bonita, devo ressaltar – falou depois de me fitar.

- Gaara, quanto tempo – sorri e ele veio me dar um abraço. – Que bom que voltou. – falei assim que me separei do abraço.

- É, estou feliz por estar de volta – sorriu colocando as mãos no bolso da calça social que vestia. 

- Cara, ela não é a menina do banheiro? – questionou o tal Shikamaru olhando para o tal Sasuke que ainda me encarava carrancudo. Eu hein! –  Que mundo pequeno não é Sasuke? – ironizou.

- Realmente – respondeu o tal Sasuke com cara de cu, me fitando.

 - Como assim? Já se conheciam antes? – perguntou Tenten e todos me fitaram esperando a resposta.

Merda! O que vou dizer agora? Não vou contar para esse povo todo que eu fui no banheiro masculino porque pra mija por que o feminino tava fechado. Caramba em Odin! Tu não me ajuda né? Pufff

- E que historia é essa de banheiro? – Temari acrescentou.  

- Ã-ham... – limpei a garganta. – Longa historia gente – sorri amarelo –  Por que não vamos tomar alguma coisa? – sugeri tentando me livrar daquela situação embaraçosa.

- É gente Saky tem razão – Hina veio em meu socorro e eu a olhei com os olhos brilhando – Que tal irmos naquela lanchonete perto da avenida?

- É uma ótima ideia os lanches de lá são muito bons – comentou Tenten.

- Tudo bem então, vamos? Estou de carro e o Gaara também, acho que cabe todo mundo – falou Neji.

- Bem, vão indo. – falei e todos voltaram a me olhar – Eu sigo atrás de vocês,  estou de moto e não quero deixar ela aqui – expliquei pensando em me livrar de ir no mesmo carro que as meninas que só faltavam me engolir com o olhar de curiosidade,  ou de acabar tendo que ir junto com o moreno arrogante.

- Quer que eu vá com você Sakura? Para não ir sozinha – perguntou Naruto, todo gentil.

- Não precisa Naruto, mas obrigada – sorri e ele também só que mais exageradamente. Que menino sorridente.

- Ok, vamos então pessoal? – disse Gaara todos assentiram.

Conforme as meninas iam passando por mim iam jogando um olhar que dizia “não pense que vai escapar daquele assunto”. Sasuke também me lançou um olhar que eu entendi como um: Ta achando que eu esqueci do pisão? Você que me aguarde.

Credo! Arrepiei ate os cabelos do cu depois dessa. Mentira, eu não tenho cabelo na bunda, eu depilo, háa.

Ignorei e fui em direção a minha moto, fechei a minha jaqueta coloquei o capacete e subi na mesma dando partida e seguindo os carros de meus amigos.

Que beleza em dona Sakura?! Ótima forma de começar a semana, arrumando encrenca com um cara que é amigo de seus amigos e você vai ficar de cara com ele todo dia. Disgraça! Por que sinto que a merda está apenas começando? Argh!

 


Notas Finais


Eai? deu pra ler? tava melhor antes? quero opiniões

Não vou mudar muita coisa, apenas corrigindo erros grotescos que havia antes.

Duvida... Preferem caps grandes assim ou menores?

Não vou prometer trazer o outro rápido porque não sei se esse computador vai quebrar de novo ou quando terei tempo, mas estou também dando andamento a outra fic Minha babá é maluca por que sei que muitos aqui vão me cobrar tbm hehe.

Beijos meus queridos ;*

ps: se tiver algum erro gritante me avisem pelo amor de Odin, postei isso aqui morrendo de sono kk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...