História As Cordas do Meu Violão - Capítulo 6


Escrita por: e whoisclace

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Personagens Originais, Shawn Mendes
Visualizações 29
Palavras 1.862
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Socorro, ACDMV está crescendo devagar.. mas eu estou amando ver que estão me dando uma chance.
Bom, esse capítulo é na onde começaremos a ter Shawn e Lindsay ao nosso favor sim ou claro. AAAA
Quero dizer que estou postando esse capítulo hoje porque SHAWN MENDES COMPLETA 20 ANOS! NOSSO BEBÊ JÁ TEM DUAS DECADAS, AAAAAAAA.
AAAAAAAA
Meninas, comentários não são obrigatórios, mas eu amaria saber se vocês estão gostando. Podem deixar até um "amei", que eu vou amar receber.
Boa leitura,

Louisa.

Capítulo 6 - Capítulo Cinco:


Fanfic / Fanfiction As Cordas do Meu Violão - Capítulo 6 - Capítulo Cinco:

Quatro dias já haviam se passado desde que Lindsay colocou os pés na Holanda, entretanto, os primeiros sinais da abstinência começaram a aparecer. Como insônia, irritabilidade, falta de apetite, fazendo com que ela começasse a se sentir vulnerável, portanto sempre tentava mascarar sua fragilidade, com a rotina cheia do colégio. As aulas normais consumiam o seu dia, entretanto, as que eram relacionadas à música eram dez vezes pior, pois a garota sentia a necessidade de ser boa, de mostrar resultado e de estar na frente de todo mundo. Lindsay não tinha ido para Amsterdã fazer feio, pelo contrário, tinha ido para a cidade fazer o melhor que poderia.

A Bass mais nova terminava de guardar os seus livros de matemática em seu armário, quando Shawn Mendes apareceu inesperadamente. Claro que ela não gostou, entretanto fez a egípcia e apenas assentiu, sem força alguma, para que ele falasse o que tinha vindo para dizer.

— Hoje nossa aula de piano e canto serão juntas. —  Shawn comentou, observando a menina respirar fundo e esfregar os olhos. Ninguém era bobo em perceber que ela estava exausta. — Lindsay, eu não imaginava que o colégio que você frequentava em New York pudesse ser tão ruim que você não se cansasse. — pontou em tom provocativo, vendo-a revirar os olhos e fechar a porta do armário impaciente.

— Bom, lá eu não tinha nem um terço das aulas que temos aqui, mas eu não estou exausta. — indagou, vendo-o assentir como se acreditasse na blasfêmia dela. — Agora me deixa em paz, Mendes. — deu de ombros e saiu do campo de vista do rapaz, que ficou bem confuso com a atitude da garota.

Lindsay tinha se perguntado várias vezes o motivo da alteração no horário de aulas, mas recordou-se que os diretores da peça do colégio ainda não tinham encontrado a voz perfeita para os papéis principal. Era isso que eles tentariam fazer, pelo visto.

Como ela não queria chegar atrasada e ficar sem credibilidade logo no início, pegou sua mochila e a colocou nas costas decidida a ir já para a sala de aula.  Uma hora antes era o suficiente para que a garota fizesse o que estava em mente.

A Bass sabia que tinha uma boa voz, entretanto nunca levou os elogios sobre ela a ferro e fogo, sempre soube que tinha talento sob os seus dedos quando tocava piano, no entanto, sua voz? Como ela poderia provar a si mesma que conseguiria cantar e surpreender a todos, sendo que nunca explorou esse seu lado? Um dos únicos que sempre ignorou com total convicção que nunca seria preciso. Ah, mas essa palavra nunca é um desgosto. Nunca diga nunca, pois ele um dirá virá a calhar. E todos os nunca que Lindsay já havia proferido, todos estavam caindo em sua cara, fazendo-a morder a língua.

A sala de instrumentos estava com a luz apagada, isso fez com que Lindsay entrasse sorrateiramente sem que ninguém a visse por ali. Passou os olhos pelo piano e engoliu em seco, pois sempre que provava o seu talento tinha vontade de nunca mais parar. Ela mesma não entendia o porquê relutava contra o seu destino, o seu futuro, talvez seja porque ela nunca o desenhou e sim, que sempre desenharam para ela. Desde que nasceu, Lindsay Bass era conhecida como a herdeira de uma das maiores gravadoras do mundo, a diskdisc. A sua responsabilidade era enorme, no entanto, era a sua função assumi-las.

Lindsay percorreu os dedos sob o banquinho do piano e sentou-se, fechando os olhos e levando as mãos para as teclas. Seus dedos estavam trêmulos, seu coração acelerado, sua boca mais seca de quando passara sede nas corridas das aulas de educação física. Era um nervosismo, portanto era no sentindo positivo.

A música escolhida pela garota foi uma de Demi Lovato, Lindsay admirava a cantora e atriz por todo o seu histórico. Era uma pessoa que lutava contra os seus próprios demônios para se manter em pé. Era uma mulher firme e forte. Era uma mulher integra. Era o exemplo que ela queria ser, mesmo estando no meio do caminho.

Fechou os olhos e foi sendo levada pelas memórias de um dia ter tocado essa música quando estava sozinha em casa, sem a presença de sua mãe. Lindsay nunca havia deixado de tocar piano, ela só não queria que sua família soubesse que ela se refugiava nele quando necessário. Ela nunca quisera responder as inúmeras perguntas que a fariam, caso lhe flagrassem tocando.

Don’t forget era o seu maior ápice. Todas as vezes que tocava e cantava, sentia uma necessidade de jogar para fora tudo aquilo que lhe corroía e era por isso que várias vezes sua voz falhava, pois, um soluço involuntário passava por sua garganta.

— But somewhere we went wrong. — cantava a parte que mais a sufocava. — We were once so trong — respirou fundo e apertou os dedos sobre a palma da mão. —  Our love is like a song, you can’t forget. — e terminou a música que tanto amava.

Lindsay sentia que tinha livrado um peso enorme dos seus ombros, entretanto, quando abriu os olhos, observou no fundo da sala uma pessoa em pé de ombros largos. Ela não estava sozinha e sentiu seu rosto todo esquentar de vergonha, raiva, um compilado todo que não sabia explicar. Ela sempre fugiu dos outros e agora tinha sido flagrada.

Ao ver a pessoa se aproximar foi aí que ficou com mais raiva ainda, pois reconheceu quem era. Era um rapaz, alto e de ombros largos. Com certeza era Shawn Mendes. Lindsay estava formigando de raiva, praticamente espumava. Antes que pudesse falar qualquer coisa que fosse, o Shawn foi mais rápido que ela:

— Então a menina tem um dom angelical sobre a voz e nos dedos. — discursou, vendo-a encarar sem pudor algum.

— O que você está fazendo aqui, Shawn? — rebateu nervosa, fazendo-o perceber o seu descontentamento.

— Descobrindo novos talentos, aliás, eu filmei. — confessou, porém foi inevitável não sentir orgulho ao vê-la entreabrir a boca em um “o”.

Shawn teve sorte, pois antes que a menina Bass pudesse lhe massacrar, os professores Robert e Valentim entraram na sala acendendo as luzes e sendo surpreendidos pelos dois.

— Nossa, então já temos dois alunos para as aulas, Robert. — Valentim falou alegre, vendo Shawn e Lindsay se encararem.

— Chegamos mais cedo, professor. Não tínhamos mais aula, foi por isso. — Shawn se defendeu, vendo Lindsay apenas o ignorar.

— Não há problema algum, Shawn. Fico feliz que esteja aqui, vamos esperar os seus amigos chegarem para começarmos a falar sobre a peça de teatro que estamos fazendo.

— Ótimo. — Shawn respondeu e se sentou.

+++

Conforme a aula ia passando, era perceptível ver a frustração no olhar dos professores. Nenhum dos dois conseguia convencer a turma que precisavam de um cantor para a peça de teatro, e isso acabava desmotivando eles, fazendo com que anunciassem que se não houvesse uma única tentativa até na próxima semana o certo seria cancelar.

É claro que Lindsay ficou totalmente chocada com o que tinha escutado, ela não poderia fracassar. Ela odiava essa sensação de invalidez. Ela não era invalida, ela não era burra e também não era pouca coisa, então a ideia brilhante passou em sua cabeça, entretanto, saberia que não agradaria nem um pouco Shawn Mendes.

Os professores liberaram os alunos, no entanto seguraram Mendes para conversar. Esse era a deixa que Lindsay estava esperando para se colocar no centro da atenção do colégio. Quando entrava em cena, ninguém jamais a superaria.

— Shawn, você é a nossa melhor escolha, por que você não tenta? — professor Robert perguntava desesperadamente para o aluno, que apenas balançava a cabeça negativamente.

— Você sabe que isso seria enriquecedor para o seu portfólio, sabia? — agora era a vez de Valentim assumir a conduta. — Shawn, você tem talento de sobra. Você toca violão muito bem, toca piano que sabemos e canta de uma forma absurda. Por que está lutando conta isso? Me diga, Shawn. — o tom desesperador do professor tocou no coração de Lindsay.

Sabia que os três poderiam acha-la intrometida demais com o que faria a seguir, portanto se não ousasse nunca saberia. Então, deu um passo para frente e limpou a garganta, atraindo a atenção de todos que estavam no local.

— Desculpa a minha intromissão, professores.  — Lindsay fora simpática, forçando um sorriso. — Mas eu tenho uma ideia para a peça de teatro dar certo. Na verdade, teria que ser um musical reestruturado. — comentou, vendo a confusão no olhar dos dois. — O que vocês acham de ser uma dupla? Um rapaz e uma menina, interpretando um casal no último ano do colégio? — questionou, vendo um sorriso prestativo escapar dos rostos dos professores.

Ao olhar para o Shawn era notável ver que ele tinha ficado totalmente desconfortável com o jogo da Lindsay, portanto ele também saberia dar uma jogada final feliz.

— Mesmo que quiséssemos reestruturar a peça da escola, senhorita Bass, não teríamos uma voz feminina para fazer par com o Shawn, caso ele aceitasse. — Professor Robert se pronunciou. Ele estava animado, porém existia esse pequeno dilema.

Antes que Lindsay pudesse se voluntariar para a situação, Shawn Mendes foi mais rápido que ela, pegou o celular em suas mãos e olhou para os professores com um sorriso maléfico. Aquela maldita gravação, ele iria usá-la sem ao menos dar um espaço de tempo.

— Na verdade, temos sim, professor. — Shawn foi breve e entregou o aparelho para eles que o seguraram.

Lindsay não poderia negar que tinha ficado extremamente convencida ao vê-los com um sorriso motivador nos lábios. Ela era a chave que estava faltando para o sucesso do musical da escola. Shawn a olhou e percebeu que a tinha feito um favor e não que a tinha prejudicado. Ah, Shawn Mendes, para você chegar ao nível de um passo na frente de Lindsay Bass terá que comer muita terra e andar muito ao lado dela.

—  Lindsay, você é quem realmente precisamos! — Robert falou animado, vendo-a sorrir e assentir. — Creio que nem precisaremos pedir, não é?

— Claro que não, professor Robert. — foi rápida. — De qualquer forma eu falaria que teria interesse na vaga feminina do musical. —  confessou, vendo a confusão no olhar do Shawn.

— Shawn, agora você está menos inseguro para participar? — Valentim foi invasivo.

— Sim, professor, será uma honra fazer parte dele ao lado de Lindsay. — mentiu, porém tinha uma carta na manga.

— Maravilha! Estou muito ansioso! Até amanhã, pessoal! — Valentim saiu da sala, arrastando o Robert junto, deixando Shawn e Lindsay sozinhos.

Antes que Shawn pudesse sair da sala totalmente frustrado, ele esperava que Lindsay dissesse algo, entretanto ele sabia que a garota não daria o braço a torcer. Ela era nova-iorquina, nunca dava um ponto sem nó, ele já tinha lido muito sobre americanos e sabia o quão competitivo eles conseguiam ser ao seu próprio favor. Era um ponto que ele odiava.

— Eu sei que você não fez isso por mim, Lindsay. — jogou na cara dela, que fingiu estar ofendida. — Fez por si própria. — e se calou.

— Shawn, você irá se surpreender. — Lindsay rebateu, vendo-o arquear as sobrancelhas. — Estamos nos odiando agora sim, mas ainda teremos muito pra que se odiar, então guarde o seu rancor e faça valer a pena também, pois você se surpreenderá. — e sorriu.


Notas Finais


Agora teremos Shawn e Lindsay no mesmo musical.. PREPARADOS PARA O ROMANCE QUE ESTÁ SURGINDO? EU ESTOU. AAAAAAAAAA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...