1. Spirit Fanfics >
  2. As Correntes de Neil - Moonlight Lovers >
  3. A traição

História As Correntes de Neil - Moonlight Lovers - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Arte realizada pela Kirallying.

Capítulo 1 - A traição


Fanfic / Fanfiction As Correntes de Neil - Moonlight Lovers - Capítulo 1 - A traição

13 de Julho de 1993

Decidi escrever esse diário para tentar não enlouquecer para me lembrar como eu era antes de estar preso aqui e que se um dia sair possa queimar essa porcaria para me esquecer esse grande inferno.

Eu era livre e imponente, tinha tudo o que desejava, o dinheiro nunca me atraiu, mas tinha lindas mansões, mulheres vontade e as cidades aos meus pés, e conseguia manter meu segredo escondido tudo isso até o dia que os conheci, o dia que me trouxeram para esta mansão e o dia que me traíram.

Foi da data de 25 de agosto de 1990, os conheci em Nova Orleans, eu estava dando uma festa em minha mansão foi quando a vi linda e formosa a qual me chamou a atenção "Boa noite senhorita" ele a cumprimenta com um beijo em sua mão “Me chamo Neil Light e a senhorita?”

“Boa noite, senhor me chamo Cassandra” ela o encara encantada com sorriso em seus lábios "Cassandra Midnight”

“Espero que esteja gostando da festa?” ele a indaga

“Claro que sim, é uma casa maravilhosa e a festa está magnífica” ela o responde

“A senhorita veio acompanhada esta noite? Eu poderia...” ele pergunta a ela mais logo se arrepende, pois, o rosto de Cassandra havia perdido todo o brilho.

“Vim, eu vim acompanhada pelo meu marido” ela fala meio urgente e olhando para os lados apertando o leque que estava em sua mão.

“Esta tudo bem? Tem algo que eu poderia fazer para ajudá-la?” ele pergunta colocando a mão sobre o ombro dela e isso faz com que ela comece a chorar

“Senhorita por favor! Acalme-se! Venha vamos a um local mais reservado, tudo bem?” ele fala a ela que apenas assente e caminha junto a ele.

Quando chegam ao local Cassandra desaba “Me desculpa! Por favor me perdoa! Eu não queria fazer isso! Eu não queria chorar em público! Me perdoa por favor” ela chorava sem parar colocando a mão sobre o rosto, sobre a boca e implorava perdão como se alguém fosse bater nela.

“Esta tudo bem! Eu não vou machucar você eu prometo!” Neil Responde com um tom doce se aproximando dela “Não se preocupe, eu vou te proteger aqui"

“Sinto muito eu não queria que você me visse assim, me desculpe" Cassandra diz se recuperando "Não sei o porque mais me sinto a vontade perto de você, será que poderia me ouvir?”

“Mas é claro que sim" Neil a responde.

Cassandra era encantadora ela me contou que seu marido era um monstro, a aprisionava dentro de casa, abusava dela tanto fisicamente, sexualmente e psicologicamente, que seu maior desejo era se ver livre dele, viajar o mundo, ser uma grande historiadora e quem sabe um dia fazer uma grande descoberta para a história. Aquelas foram as palavras que tinham me laçado, aquelas palavras que tinham me aprisionado e as palavras que tinham me traído, se eu soubesse jamais teria acredito naquelas palavras.

Por tolice minha prometi que ia ajudá-la e como tinha vários diplomas de história usei a desculpa para passamos a nos encontrar todas as noites durante as próximas três semanas, seu jeito doce e simples me encantaram cada dia mais.

“Meu sonho além de ser historiadora...” Cassandra para e pensa olhando para o lago “Queria poder ter filhos" E solta um longo suspiro.

“Porque você queria?” Neil a indaga com uma voz de angústia

“Eu tecnicamente posso gerar um filho... mais... não posso tê-lo... meu corpo... ele... ele simplesmente os aborta, ele acredita que são parasitas então... é isso" Ela conta com muita dificuldade.

Neil senta ao seu lado de frente a ela colocando sua mão em seu rosto "Eu realmente sinto muito, mas como você pode ter tanta certeza disso?”

“Porque eu já tive vários abortos e fui a vários médicos e todos eles me disseram que eu jamais ia poder gerar um filho" Ela da um sorriso sem graça “Mais eu já me acostumei com a ideia, não se preocupe" Cassandra acaricia o braço de Neil e ele se inclina para beija-la mas ela recua “Não posso, sinto muito, meu marido é um desgraçado, mais eu não sou, não posso trai-lo” Ela conta a Neil.

“Eu... Compreendo, um dia então, quando estiver livre, eu vou esperar por você” Neil fala a ela acariciando seu rosto e colocando uma mecha de seu cabelo atrás da orelha.

Aquela foi uma de muitas outras noites especiais, e cada uma mais apaixonante que a outra porem chegou o dia que ela devia partir e eu não conseguiria impedir a menos que o matasse, mas isso Cassandra jamais aceitaria e eu seria visto como um assassino por ela. Mas nos não perdemos o contato eu enviava a ela algumas cartas e ela sempre me respondia.


“7 de setembro de 1990

Bela Cassandra.

Estou te enviando este buque de rosas eu as colhi em Angra dos Reis, você amaria este lugar, a praia, a comida e as pessoas.

A sensação do bento batendo em seu corpo esvoaçando os seus cabelos, da um belo conforto e a sensação de liberdade e eu adoraria que você estivesse aqui, mas creio que esse dia em breve chegará.

Com Muito Amor

Neil Light"


“10 de Setembro de 1990

Amado Neil

Obrigada pelas rosas adorei elas as replantei no meu jardim e espero que elas vinguem assim poderei lembrar de você sempre que olhar para elas.

Adoraria muito estar com você, ai, nunca pude a aproveitar grande oceano e isso seria maravilhoso. Queria estar junto a você agora, mas você também adoraria Moonlight, aqui o anoitecer é estupendo! Espero te ver logo.

Com Amor

Cassandra Midnight”


"22 de dezembro de 1990

Linda Cassandra

Você não tem respondido minhas últimas cartas, acredito que seu marido a esteja proibindo e te maltratando. Queria lhe dizer para não se preocupar estou conversando com os melhores advogados para que você se veja livre deste verme e ele jamais poderá tocar ou se aproximar de você novamente, a lei lhe protegera e se eles não o fizer farei, eu prometo isso a você.

Mas também creio que esta carta chegara a você no natal então desejo a você um Feliz Natal, cheio de paz, esperança e que seus sonhos se realizaram tenha fé meu amor. Use este colar e pense sempre em mim, pois logo estaremos juntos.

Com Muito Amor

Neil Light"


“25 de Dezembro de 1990

Meu Amor Neil

Meu marido finalmente vai sair da cidade por um tempo, ele vai partir agora no dia 1 de janeiro e eu não aguento mais, por favor venha me levar para longe dele, por favor, vamos para qualquer lugar que você deseja, não me importo só quero estar junto a você, por favor Neit.

Eu Te Amo Meu Amor

Cassandra Midnight”


Aquela foi a carta que me tirou do pedestal, eu amava de todas as formas possível e meu maior desejo era ter ela ao meu lado por toda a eternidade, por isso tinha me decidido que iria contar toda a verdade sobre mim, o que eu era e o que desejava, se ela aceitasse fugiríamos antes do amanhecer do dia seguinte, se não, apenas cumpriria minha promessa de liberta-la e apagaria suas memórias relacionadas a mim.

Foi a minha grande e imbecil decisão que me colocou aqui também. Rã. Fui atrás dela no dia 1 como tinha combinado.

Neil bate na porta

“Quem é?” Cassandra berra do lado de dentro sua voz expressava medo.

“Meu Amor, sou eu, Neil" Ele fala com doce e tranquila.

Cassandra abre a porta com urgência e ao vê-lo se joga em seus braços e chora "Eu sabia, Eu sabia que você viria!”

“Mais é claro que eu viria meu Amor, tinha te prometido isso e que você estaria livre deste monstro” Neil a abraça fortemente passando a mão sobre seus cabelos.

“Venha entre tenho muita coisa pra te contar e aproveitamos para tomar um chá” Cassandra conta o puxando pelo braço com um longo sorriso.

Neil entra na casa e a segue até o pequeno salão onde senta na poltrona em frente a lareira, Cassandra entra trazendo duas xícaras de chá e entrega um ao Neil pega a sua e senta ao seu lado.

“Que aroma adorável, de que tipo ele é?” Ele a indaga.

“São algumas ervas que colhi e misturei, ficou gostoso não?” Cassando o responde com um belo sorriso.

Conversarmos durante horas sobre tudo e sobre nada e o chá foi nosso companheiro durante esse tempo e também foi o que me deu forças para contar a ela.

“Cassandra meu amor, tenho que te contar uma coisa, algo que poderá mudar sua vida para sempre” Ele conta com os olhos na xícara.

“Neit você sabe que pode contar qualquer coisa para mim” Ela o responde colocando sua mão sobre dele e olhando firmemente em seus olhos.

“Sei... que vai parecer... loucura... mais por favor não se apavore" ele coloca a mão sobre o rosto dela “Você sabe que eu te amo mais do qualquer coisa nesse mundo, e eu jamais senti nada assim por ninguém nesse mundo, em milênios!”

“Como assim em milênios, Neit?” Cassandra o indaga

“Eu sou um vampiro milenar, Cassandra é isso o que estou dizendo" Neil conta com uma voz de preocupação.

“Eu já sabia Neil!” Ela confessa olhando em seus olhos.

“Mais como e porque não me contou?” Ele pergunta

“Porque isso deveria partir de você e não de mim, além de precisar ter a mais absoluta certeza” Ela responde Firmemente.

“Então, Cassan...” Neil sente todo o seu corpo tremer e a visão ficar turva. Ele tenta se levantar, ficar de pé coloca a mão sobre o rosto para tentar se estabilizar mais cai e perde a consciência.

Aquele foi o momento em que percebi o erro que tinha cometido e tive mais certeza quando acordei, pois, me vi trancado em uma cela como um animal, gritei para que alguém ouvisse e com certeza eles ouviram, Cassandra meu grande amor apareceu junto ao marido na sala, ela tinha um olhar de vencedora e falava com o marido como se eu fosse um rato de laboratório.

“Eu não disse? Te falei que valeria a pena ter paciência, agora temos um vampiro antigo para podermos estudar" Ela aponta para o Neil

“Sim, mais levou quase seis meses para conseguir captura-lo, e estamos seis meses atrasados nas pesquisas!” Ele a responde

“Sim mais agora...” Cassandra fala

“Do que vocês estão falando?” Neil fala com voz tremula da cela

Jefford começa a falar “Ahh você acordou? Estamos falando meu bichinho que você será nossa experiência, sobre as doenças desse mundo fique feliz você vai ser parte de um grande feito histórico e quanto ao que ela te contou sobre mim era tudo mentira, um meio pra que você se aproximasse dela para que pudéssemos o prender como agora” ele esboça um sorriso e bate na jaula enquanto falava.

“Cassandra meu amor o que esta acontecendo? O que tinha naquele chá? Era realmente mentira?” Ele grita da cela para sua amada.

“Mais é claro que sim" Cassandra fala friamente ao homem “Sabíamos desde o início que você era um vampiro e precisávamos de você para este feito, quanto ao chá era uma mistura de ervas para que você não notasse o ingrediente principal" ela se abaixa e olha em seus olhos “Raiz de Mandrágora, para te enfraquecer e te apagar, sabemos que isso e a fraqueza de todos os seres sobrenaturais" ela levanta e se vira em direção a porta “E mais uma coisa, eu nunca te amei e nunca vou te amar, porque quem amaria um monstro como vocês?”

“Me conte uma vez pelo menos em que você me falou a verdade por favor!?” Ele urra da cela para Cassandra.

“Que eu jamais poderei ter filhos essa foi a única verdade que contei a você” ela o responde com desprezo e sai da sala o deixando sozinho e no escuro.

Aquele foi o momento em que ela esmagou o meu coração, foi quando percebi que fui um tolo e que eu tinha perdido tudo. Nos próximos anos fui TORTURADO FIELMENTE TODOS OS DIAS. Eles não tinham pena de mim, era eletrocutado, cortado, furado, decepado e drenado sem descansar, além de quase não comer, estava no limite, então decidi que ia fugir nem que fosse ultima coisa que faria, eu consegui, varias vezes mais eles me pegaram e me eletrocutaram, como estava fraco desmaiei e acordei na cela.

“Você não deveria ter feito isso de novo Neit” Jefford fala para ele.

Neil cuspe em seu rosto “Ninguém mais me chama assim”

Jefford limpa seu rosto “Só quero que saiba que a partir de hoje, se você tentar qualquer coisa outra pessoa vai sofrer independente da idade dele e se você fugir de novo” ele se abaixa encara Neil “Eu vou arrancar a cabeça dele e pendurar na frente desta casa pra você saber que a culpa é sua".

“Alguém? Eu não tenho mais nada para perder então? Quem é que vai sofrer?” Neil fala encarando Jefford.

“Você vai ter! E você vai ver! É só um aviso, tudo vai mudar a partir de hoje, curta seu longo descanso” Jefford conta se vira e fecha a porta enquanto assobiava.

Bom acredito que foi isso que aconteceu comigo nesse tempo, mas algo ainda não esta certo o que ele queria dizer com tudo vai mudar. Nada jamais vai mudar, porque estou preso aqui nesse inferno e ninguém pode me socorrer.


Notas Finais


Pessoal espero que gostem essa fic sera especialmente para ver a infancia da Lukka com seu pai Neil e as dificuldades que ele suportou por amor a filha.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...