História As Cortes - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 32
Palavras 842
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Survival, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - A Salvadora


Fanfic / Fanfiction As Cortes - Capítulo 2 - A Salvadora

A camponesa gritava, com dores de todos os cantos do corpo, os salvadores não iriam ter uma luz materna, como os deuses falaram, por isso as mães morriam.

A neném estava quase nascendo quando a curandeira sentiu a energia da mãe ir embora, não podia acontecer isso.

-Vou ter que tirá-la eu mesma.- a curandeira arregaçou as mangas.

-Deixe o bebê morrer com ela.- o pai me olhou triste.

-Uma das duas tem que sobreviver.- menti.

-Não encoste nela!- o pai empurrou a curandeira.

-Durma!- a curandeira o tocou.

Ele caiu no chão e a curandeira enfiou as mãos na mulher para pegar a salvadora, que saiu chorando mais que tudo.

A curandeira enrolou a bebê no manto, sabia que o rei da Corte do Gelo queria uma filha, então já sabia o que faria.

Correu até o castelo e bateu na porta, os guardas abriram mas não viram ela entrar, a curandeira ouviu a rainha gritando com a filha já natimorta dela.

A curandeira colocou a neném no braço da outra curandeira e pegou a natimorta, tudo sobre um encanto da magia.

A neném começou chorar e a rainha sorriu, os cabelos brancos da Corte do Gelo reluzindo a luz.

Agora um bebê do gelo e da água tinha nascido, a curandeira só torcia para eles não perceberem que ela teria os dois poderes.

❄️💧

Syl estava andando pela floresta de neve com o rei, o pai falso dela, a curandeira os seguia para garantir a proteção.

A menina tinha o cabelo mais puxado para o prateado, mas com sorte ninguém perceberia isso.

Ainda tinha nove anos, os cabelos já enormes e os olhos azuis gelo, a pele mais puxada para o bronzeado, uma herança da Corte de Água não podia ser desfeita.

Syl segurava um arco, estava caçando com o rei, o menino que ele tinha estava aprendendo a espada, o que Syl já tinha aprendido.

-Papai, por que não podemos entrar no lago?- Syl perguntou.

-Está congelado, Floco de Gelo.- o pai afagou o cabelo de Syl.

-Eu sonhei que ele estava derretido, e o sol escaldante.- a curandeira segurou a respiração quando a cara do pai mudou.

-Você sonhou com a Corte de Água, não sonhe com ela.- o tom de voz fez a menina abaixar a cabeça.- Olhe o esquilo, pegue-o.

A menina esqueceu da conversa agora a pouco e levantou o arco para atirar naquele esquilo, e seguindo ela o drago branco começou a correr.

❄️💧

Syl estava na batalha contra a Corte de Fogo por motivos inúteis, Rynan estava lá também, os dois estavam tão perto mas tão longe.

Rynan tirou o capacete para ver melhor e Syl se encostou em uma árvore, os dois iam se perceber, a curandeira sabia.

-Syl!-  alguém gritou e a menina se alertou.

Alguém acertou uma adaga perto da cabeça dela, Syl olhou para Rynan, ele tinha tentado mata-la.

Os dois sabiam que eram da realeza pela armadura, e matando um ao outro ganhariam mais.

Syl rodou a espada, Rynan sorriu ferozmente, aquela mulher que ela se tornou não mataria um homem como ele, a curandeira sabia disso.

O dragão dela apareceu e Syl pulou na corcunda alva do dragão dela, e então voou, Rynan sorriu como se fosse um desafio e assobiou, em um minuto o dragão vermelho dele estava lá.

Os dois voando, a curandeira sorriu ao ver a cena, ela os seguiu, Syl pousou em um terreno plano, cheia de sangue a menina ficava irreconhecível, só com os olhos azuis a mostra.

Rynan também pousou e cheio de sangue também nem se importou em limpar o rosto como Syl fez.

-Podemos evitar sua morte, é só você ir embora.- Syl como sempre apaziguadora.

-Tem certeza que não está falando isso para você.- Rynan encarou sua igual.

-Os dois, parem.- a curandeira finalmente saiu do seu manto.

E realmente pararam, olharam para a curandeira, Syl apertou o cabo da espada, e Rynan guardou a espada.

-Precisam se unir.- a curandeira avisou.- A guerra se aproxima.

-Já estamos em uma guerra.- Syl se aproximou.

-Isso é um batalha.- a curandeira sorriu.- A guerra está por vir.

-Como sabe?- Rynan estreitou os olhos.

-Uma premunição, vocês dois precisam....

Uma flecha foi atirada, no coração da curandeira, sangue saiu por sua boca, Syl deslizou até a curandeira e largou a espada.

Rynan viu o momento perfeito para matar a filha da realeza, mas aquela mulher morrendo, não podia deixar.

-Fique comigo.- Syl sussurou.

-Os dois....precisam....ficar juntos....- ela deu um livro para Rynan.

-Moça.- Syl a sacudiu.

-Acho melhor você sair daqui.- Rynan colocou uma adaga no pescoço de Syl e a levantou, o dragão de Syl, rosnou.

-O que vai fazer?- Syl levantou as mãos.

-Vou soltar você, e você vai sair daqui.- ele fez o que disse e ela não desobedeceu.

Os dois novamente estavam se separando, mas agora sem a curandeira para cuidar deles, o caminho começava agora.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...