1. Spirit Fanfics >
  2. As Crônicas da Legião >
  3. Sementes da Destruição - Medidas extremas

História As Crônicas da Legião - Capítulo 143


Escrita por:


Capítulo 143 - Sementes da Destruição - Medidas extremas


João já sabia o que fazer. Para conter B.L.U., era necessário ou algo como Nicolon, que viera da Lua, ou força bruta. Muita força bruta. Ele então flutuou sobre o alien, que não conseguiu agarrá-lo. E então correu de volta para a sacada onde Heawyer estava. A resposta estava por lá.


 

Ana e Snowy avançavam cautelosos. Ambos pensavam que todos os comandados e monstros do lado de Heawyer estariam no andar de baixo, na batalha contra seus amigos. Mas mesmo assim, não queriam ser pegos de surpresa.

Snowy puxou Ana para uma porta. Sua intuição lhe dizia que havia algo por trás daquele lugar. Mas Ana o conteve.

-Tem certeza? – ela disse.

-Tem alguma coisa aqui atrás. – ele disse com um ar experiente.

Ana queria contê-lo, mas antes que pudesse fazer algo mais, Snowy já havia entrado.

 

-Eles estão perto. – uma voz feminina falou no comunicador de Heawyer.

-Solte-o. – ele respondeu. Seu plano era perfeito. Mas caso os legionários as encontrassem, iria tudo por água abaixo.

 

Snowy avançava pela sala, seguido por Ana. O brilho fraco e laranja das tochas fornecia um clima assustador. E o silêncio contribuía para isso. Snowy então parou. Parecia sentir alguma coisa. Ele se dirigiu para uma parede. Ana não via nada além de uma parede, mas seu namorado conseguia sentir. Era uma corrente de ar. Fria. Extremamente fria. Aquilo tinha que ser uma passagem secreta.

-Tira isso da minha frente. – ele se afastou e apontou para a parede.

Sem entender nada, Ana incandesceu suas mãos. Mas antes que derretesse a parede, ela ouviu uma batida.

-O que foi isso? – ela perguntou.

-Nada. Derrete, rápido. – Snowy tinha certeza de que lá havia alguma coisa. E ele estava certo. Porém, Ana também estava certa.

Da porta atrás deles, o General Starbolt surgiu furioso. As estacas de metal em seus braços e pernas saíram de sua carcaça de Nicolon. Ele atacou a dupla furiosamente. Eles estavam perdendo tempo. Snowy congelou o ar á frente deles, criando uma barreira de gelo entre os dois e o ciborgue.

-Rápido! – Snowy gritou novamente.

E, ao mesmo tempo que Ana derreteu a parede, o General Starbolt atravessou a barreira de gelo. As mãos de Snowy ficaram azuis.

-Entra. – ele gritou.

-Nem fodendo. – Ana gritou de volta – Tô contigo.

O General Starbolt atacou a dupla. Eles lutavam muito bem. Snowy correu para o outro canto da sala. Estavam muito encurralados onde estavam. Ana disparava bolas de lava na carcaça do ciborgue, que tinha alguma dificuldade em atacá-la. Uma vez distraído, ele não viu quando Ana correu até Snowy. O General sacou seu bastão elétrico. As extremidades dele se acenderam. Snowy congelou os raios do bastão do ciborgue. Mas este bateu na cara de Ana com uma das pontas. O gelo se quebrou. Snowy avançou. Pequenas crostas de gelo surgiram nas juntas do General, limitando seus movimentos.

Snowy atacava sem piedade, e mirava nas partes sem carcaça, como articulações. Ana se juntou à luta, atacando os lugares onde o gelo começava a derreter. Mas Starbolt se defendia perfeitamente com o bastão. Snowy se abaixou e atacou o joelho do ciborgue, ao mesmo tempo em que Ana mirou um chute em seu pescoço. Mas o General girou o bastão. A parte inferior jogou a mão de Snowy para o lado, fazendo-o cair de boca. A parte superior bateu no pé de Ana no sentido contrário, fazendo-a cambalear. Starbolt aproveitou e bateu o cotovelo de metal nas costas da garota. Ana gemeu de dor e caiu no chão. Snowy, se levantando, levou uma carga elétrica do bastão.

Ana se levantou rápido, atacando nos olhos do ciborgue. Mas ele bloqueou com as mãos. Ana foi jogada para trás. Snowy então pulou nas costas do General, congelando sua cabeça. Ele empurrou o robô pelas costas, fazendo-o cair e bater a cabeça congelada no chão. Mas o gelo se quebrou, e o Nicolon rachou a pedra da caverna.

Starbolt chutou Snowy para longe. Ana segurou a cabeça do ciborgue, pressionando-a contra o chão. Mas este, agarrou a cintura da garota e se levantou. Ele a jogou na parede. Ana bateu as costas, gritando com o impacto. Então, o General se virou para Snowy. Ele começou a correr. Snowy, percebendo, congelou um dos pés do ciborgue no chão. Starbolt caiu. O garoto correu para cima do adversário, mas Starbolt bateu o bastão na cara do legionário. O casal estava apanhando feio. E teria morrido num piscar de olhos, não fosse outra tremenda coincidência da noite. Starbolt quebrou o gelo e se levantou. Ele preparou-se para fincar as estacas no corpo de Snowy. Mas então foi surpreendido por uma criatura que pulou no corpo dele, impedindo-o de avançar.

-Achou alguma coisa? – uma voz feminina perguntava.

-GABI! – Snowy gritou.

A legionária seguiu o som da voz do companheiro e entrou na sala. Imediatamente, seu rosto foi notado.

-O que aconteceu com você? – Ana perguntou, correndo até os amigos.

-Depois. Saiam daqui. – Gabi falou.

-Não. Vamos ficar aqui com você. – Snowy se levantou.

-Não, vocês não entendem. – Gabi insistiu – Nós não estamos aqui para matar ele. Não vamos nem chegar perto. Fujam e encontrem alguém que possa derrotá-lo. Se forem rápidos, já vão ter encontrado quando ele aparecer de novo.

-Mas você... – Ana parecia não gostar da ideia.

-Olha pra mim. – Gabi disse já irritada – Eu já tô toda ferrada mesmo. Não tenho mais futuro.

Snowy olhou para Ana. E então correu. Para cima de Starbolt.

-Vocês são muito corajosos por darem a vida para atrasá-lo. – Gabi percebera – Ou só muito idiotas mesmo.

Ana correu para cima do ciborgue, tal como Snowy. X-35 mordia o General no pescoço, tentando abrir um buraco entre as placas de Nicolon, para que os legionários pudessem atingir os fios e vasos sanguíneos do oponente. Mas antes que obtivesse sucesso, Starbolt o agarrou e o jogou pra longe. Mas Snowy já pulava em cima dele novamente. O garoto chutou a cara do ciborgue, mas isso mal teve efeito. O General apenas deu uma curvada no rosto antes de voltar à batalha. Ele golpeou Snowy com as estacas de metal dos braços. O garoto se desviou por pouco. Ana apareceu por fim. Ela disparou um jato constante de lava quente no pescoço de Starbolt. Ela precisava terminar o trabalho de Gabi. Com todas as suas forças, ela esquentou o jato ainda mais. Starbolt começava a se incomodar. Ele posicionou sua mão na frente, mas X-35 pulou na mão do ciborgue e a mordeu, puxando-a para o lado. O General tentou colocar a outra mão na frente, mas Snowy a segurou. E pouco a pouco, pedaços de Nicolon derretido iam caindo no chão. No auge de sua fúria, Starbolt gritou. Ele faria os legionários pagarem por aquilo. Uma outra estaca de metal surgiu de sua mão direita, a que X-35 mordia. A estaca atravessou a boca do alien, perfurando seu crânio. O alien rugiu de dor e afrouxou a mordida, caindo no chão. Aquela estaca não poderia ser de metal. Devia ser de Nicolon. Outra estaca apareceu no outro braço de Starbolt, o que Snowy segurava. O garoto, esperto, já havia percebido. Mas não se deu conta de que a outra mão do ciborgue estava livre. Com a mão direita, ele segurou Snowy. Ele puxou o legionário, e o usou para se defender do jato de lava quente. Ana percebeu o movimento, mas não conseguiu cessar á tempo. Snowy estava derretendo. A garota entrou em choque. E Starbolt usou isso em seu favor. O ciborgue correu na direção de Ana e a pegou pelo pescoço. Ele a levantou.

-Você queria isso? – ele enfiou a outra mão no buraco de seu pescoço e puxou um fio elétrico carregado de energia – Toma! – ele gritou, enfiando o fio pela boca da garota.

A eletricidade corria por dentro dela, minando todas as suas forças e impedindo até mesmo que ela gritasse. Ana caiu no chão, à beira da morte. Starbolt então avançou em Gabi. Mas percebeu que ela já não mais enxergava, E isso tirava a graça. Então, ele simplesmente saiu pela porta, e rumou para o lugar de onde viera, como se nada tivesse acontecido.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...