1. Spirit Fanfics >
  2. As crônicas de Twilight Sparkle >
  3. XXIX - Sentido Pinkie

História As crônicas de Twilight Sparkle - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Sim, eu pensei em quebrar uma perna da Twilight – porque eu amo esse episódio e é um dos meus favoritos de todos, mas acho que ia ficar ruim para o ritmo da história.

Capítulo 31 - XXIX - Sentido Pinkie


Fanfic / Fanfiction As crônicas de Twilight Sparkle - Capítulo 31 - XXIX - Sentido Pinkie

 

Cada cidade de Equestria tinha suas lendas, seus costumes e jeitos tão enraizados que quando alguém novo se deparava com eles, estranhar era o mínimo a se fazer, a feiticeira e todos os habitantes da pequena cidade se misturaram tão bem que as vezes as pessoas esqueciam que ela estava na cidadezinha apenas alguns meses e não a vida toda. Era possível imaginar uma Twilight criança, correndo pelas cidades acompanhadas de Rarity e Applejack, era fácil imaginar que as seis garotas se conheciam a vida toda - em outras vidas, em outras dimensões e talvez em outros tempos, que era fácil demais esquecer. 

 

Tudo começou em uma manhã amena, o sol brilhava misericordioso, as nuvens eram usadas como cadeiras pelos alados e os animais corriam, brincavam e aproveitavam assim como as crianças da cidade, os idosos e os mais jovens que trabalhavam sem parar. A feiticeira tinha o trabalho de cuidar da biblioteca, mas mesmo com os esforços dela junto com a professore da escola ainda eram poucos as pessoas que se aventuravam dentro do mundo dos livros e isso dava a Twilight muito tempo livre. Hoje era um deles, ela tinha tido aula com a Rainha, ajudado as amigas, organizado a agenda e resolveu que um estudo a mais não seria problema e partiu com Spike para a praça de Ponyville.

 

“Você pode me ajudar com isso?” Twilight perguntou, enfiando a mochila nas costas com os matérias necessárias e um Spike empolgado como sempre. 

 

“Claro! É o trabalho para o seu assistente número um afinal” Spike exclamou, subindo as escadas e voltando com uma mochila também. A feiticeira não precisava saber que estava cheio de doces, mas ela não se importou, pendurou a placa de fechado na porta - mesmo que a maioria das pessoas ignorasse, e partiu com Spike falando como seria legal. Ela sorriu, era muito familiar isso.

 

Apenas ela e Spike, praticando magia. Mas apenas a memória doeu, ela engoliu o nó que se formou e continuou a concordar com Spike. Não demorou muito e eles chegaram a praça, tinha algumas pessoas aproveitando a primavera e Twilight se abaixou e tocou na pedra. Transformando em uma cadeira e apontoando para Spike se sentar. Ele fez assim e ela colocou folhas, uma pena azul de um pássaro que ela não conhecia e um pedra e ele tentou ficar parado enquanto ela esfregava as mãos, a magia pulsando no sangue e soltando faíscas no dedo.

 

Enquanto ela transformava a pena em um casaco chique, a folha em um bigode postiço, o galho em uma bengala e a pedra em um chapéu, se distraiu com os próprios pensamentos e a distração de Spike.


 

.

“Talvez, você tenha que tentar relaxar e manter as preocupações um pouco fora de sua mente, Twilight Sparkle. Pense em coisas felizes, em memorias que te acalmam e foque nelas” Instruiu a Rainha. 

 

Ambas estavam em uma das dezenas cachoeira de Canterlot, a água refrescante caia na cabeça da feiticeira que tinha as roupas encharcadas e mesmo com o calmante som da água corrente, da cantoria dos pássaros e a energia que Celestia emanava, ela não conseguia. Twilight tentou, ela sempre tentou, mas a magia elementar assim sempre fora uma dificuldade para ela, que tinha dominado todas as outras formas de magia.

 

Ela suspirou descontente e abriu os olhos, tendo a visão de uma Celestia brilhando sobre a luz do sol, os cabelos encharcados e uma expressão solene sob a face, talvez fosse porque ela sentiu o nervosismo de Twilight e abriu os olhos também e sorriu suavemente para sua pupila. 

 

“Eu sei que isso nunca foi fácil, mas é necessário você ter dominado perfeitamente todas as magias” A Rainha contou como se fosse um segredo, com a voz calma como o lugar e o sentimento que proporcionava “O que te aflige?”.

 

Os lábios de Twilight tremerem, os medos que a atormentavam voltaram a mente e a água que flutuava ao redor dela fora desmanchas, ela se abraçou em um ato inconscientemente e respondeu, “Eu não consigo fechar os olhos, ouvir a natureza...minha mente não para. Essa magia não é pra mim e-...eu não entendo. Não existe formular, regras é apenas...sentir…, talvez possamos continuar com outra aérea?”

 

“Sim, vejo que não estamos tendo tanto sucesso, não é? Mas, antes de voltarmos talvez possamos apenas sentar e observar a cidade daqui? Ponyville é realmente...interessante, não é?” Sugeriu a Rainha, vendo a respiração de Twilight aos poucos se assemelhar a respiração das arvores. “No que você pensou?”.

 

“Nas minhas amigas” Twilight respondeu olhando para a pequena cidade, fechando os olhos por um momento e pensando em casa “ E a vossa alteza?” Fechou a boca assim que as palavras saíram da boca. 

 

“Eu pensei em minha família. Por um bom tempo em pensei no meu reino, na segurança deles e como a felicidade deles era a minha, mas agora, apenas em saber que Luna está aqui é o suficiente. Não importa qual memória ou pensamento se prenda, apenas que ele seja importante” Celestia respondeu, olhando para a cidadezinha e respirando fundo, “Talvez seja hora de acabarmos por aqui, estou ansiosa para os seus relatórios, Twilight Sparkle”.




 

Magia era algo do ser de Twilight, então ela não ia se distrair ao ponto de prejudicar o feitiço, mas Spike era facilmente distraído e por isso ao ele olhar de relance para trás o chapéu voltou a ser a pedra o atingiu em cheio na parte de trás da cabeça, que o fez perder o equilíbrio e cair da cadeira. 

 

“Spike! Esta magia exige total atenção pra funcionar. Não há outra forma! Não apenas minha, sua também!” Twilight bufou, repetindo a bronca para ele enquanto o ajudava se levantar. Mas ao invés de prestar atenção nela, Spike tinha a cabeça em outro lugar, “Spike”.

 

“Desculpa, Twilight. Mas...eu, não consigo evitar. Olha!” Apontou as garras para a visão de algo que realmente distraiu a feiticeira e ela sentiu aquela sensação nos estomago, o mesmo quando Trixie estava perto.

 

Era Pinkie Pie. Claro que era. Quem mais poderia ser? Hoje ela estava mais estranha que o normal, mesmo que o normal nessa cidade não existisse, pensou Twilight, observando atentamente Pinkie. Ela usava um chapéu guarda-chuva da cor do arco-íris e andava como se alguma coisa perigosa fosse cair e todo mundo da praça tinha se escondido embaixo dos bancos, das árvores e usado qualquer coisa para se proteger. 

 

“Deixa ela pra lá, ela só tá sendo a Pinkie Pie” Respondeu Twilight, cruzando os braços.

 

Superextra Pinkie Pie, então” Resmungou o dragão, levantado a cadeira.

 

Pinkie continuou a andar para lá e para cá, até que ela parou próximo dos dois ficou se mexendo, como se tivesse algum bicho andando sobre as roupas dela. “Aí, aí...coça, coça...coça….ahhhhh”.

 

“Pinkie Pie? Em nome de Equestria, o que cê tá fazendo?” Twilight questionou, começando a se preocupar com a amiga.

 

“São meus cotovelos, sabe? Eles estão coçando e pinicando! E sabe o que isso quer dizer?” Pinkie respondeu, com uma expressão angustiada na face.

 

“Na verdade, Pinkie Pie, eu não faço a menor ideia”.

 

“A coceira significa que meu Sentido Pinkie está dizendo que vão começar a cair coisas do céu! É melhor procurarem abrigo” A confeiteira contou, acreditando tanto que por um momento Twilight quase concordou.

 

Só que Twilight era cética as certas coisas, ela precisava de provas e se não existisse ela mesmo ia provar e buscar a verdade. “Ahah, Pinkie, não vai chover não. Quase nem há nuvens no céu–” O que ela fosse dizer, foi rudemente interrompida por um sapo que caiu do céu e pouso em sua cabeça. 

 

O silencio preencheu o lugar, mas o sapo coaxou e escorreu da cabeça da feiticeira e ficou com as patas úmidas na bochecha dela. Spike não ousou sem mexer, prendendo a risada e Pinkie sorriu, tirando o chapéu guarda-chuva da cabeça.

“Ela disse ‘boa pegada’ em Rãmês” Pinkie traduziu, estendendo a mão e o sapo pulou para ela. 

 

“O que?” Questionou a feiticeira, e não apenas para um sapo cair do céu do nada e também por Pinkie falar com animais agora, o que estava acontecendo?

 

A resposta apareceu quando Fluttershy desceu do céu, com uma carroça cheia de rãs e a rã coaxou mais uma vez para Pinkie e pulou para Fluttershy. “Oh, eu sinto muito. Você tá bem, Twilight? Eu não aguentei ver a lagoa tão lotada, com as rãs todas saltando umas em cima das outras, então resolvi levar quantas eu pudesse pro Brejo Froggy Bottom” Ela explicou.

 

“Sim, estou sim” Twilight respondeu.

 

“Que bom, eu vou indo então, tchau” Ela levantou o voo e o barulho das rãs aos poucos iam desaparecendo. 

 

Twilight olhou para amiga, depois balançou a cabeça com uma careta “Vamos, Spike, vamos continuar a nossa sessão de treino onde haja menos agitação”.

 

Spike fez uma expressão séria e concordou, começando a seguir Twilight que praticamente corria dali, “Uau! Aquilo foi incrível! A Pinkie Pie previu que ia cair alguma coisa e caiu” Elogiou, impressionado.

 

Os olhos da feiticeira quase rolaram para trás do crânio, “Ah, qual é. Ela disse que ia cair algo e por acaso caiu uma rã mais ou menos ao mesmo tempo. É só uma coincidência, nada mais que isso, Spike” Explicou, mas antes que continuasse Pinkie apareceu novamente.

 

“ Aí, coça….Twili---ahhh..light, vai cair mais alguma coisa” Pinkie ofegou.

 

“Ai, Pinkie, por favor. Nada mais vai cair– AHhh” O grito de Twilight assustou Spike, assim que viu deitado no chão com os braços e pernas esticados.

 

“Ah não, Twilight caiu!” Spike olhou para Pinkie, “Uhm, é seguro ir ajudá-la?”.

 

“Tudo bem, a minha cotovelo parou de estremilicar! Lá, lá lá, lá lá, lá lá, lá lá…” A confeiteira respondeu, como se não fosse nada e virou-se para continuar o quer que tivesse fazendo nessa manhã.

 

Diferente do elemento da magia, que esfregou as costas e estava tentando se levantar, enquanto o hibrido olhava mais uma vez chocado “Ha ha! Isso foi incrível!” Exclamou. 

 

Twilight bufou, fez uma careta e retrucou, “Ah, me poupe, Spike-” Começou, o que ia ser um longo discurso para o coitado do garotinho, se não fosse o olhar curioso da fazendeira que parou na comoção ali.  Applejack carregava um carinho com as maças frescas para a entrega, o chapéu na cabeça e um com as bochechas vermelhas pelo esforço da manhã. Porém, assim que ela reconheceu o dragão ali, teve que se aproximar e ver se tudo estava bem. “Eh, Twilight? Por que tá dentro da vala?” Questionou, largando o carrinho e oferecendo a mão para a feiticeira.

 

“Porque a Pinkie Pie previu isso!” Exclamou Spike, vendo a expressão de Twilight se enrugar ao estar de pé no chão firme e uma Applejack com um sorriso compreensível nos lábios.

 

“Francamente, Spike, ela não previu. Duas coincidências seguidas não são comuns, mas é mais fácil acreditar nisso do que em coceiras que tremem prevendo o futuro” Anunciou, com os lábios franzidos em uma linha fina.

 

“Sentido Pinkie? Eita!” Exclamou, agarrando o chapéu e olhando para cima.

 

“Não se preocupe, é seguro. A previsão já se concretizou” Spike contou, fazendo a fazendeira suspirar aliviada. 

 

“Ah, Applejack, não me diga que também acredita nisso…” Twilight comentou, com um tom de desapontamento na voz, já que Applejack era uma pessoa que a feiticeira valoriza muito.

 

“Eu sei que não faz muito sentido, mas quem vive em Ponyville durante uns tempos aprende com a prática que, quando a Pinkie treme, é melhor ouvir” Disse a fazendeira, tocando no ombro de Twilight.

 

O elemento da magia tentou falar, mas foi esquecido quando Pinkie voltou pulando afobada - ela normalmente caminhava assim, só que isso era outro nível e com as mãos no cabelo deixando para trás e mostrando a orelhas. Elas tremiam. “Minhas orelhas estão abanando! As minhas orelhas estão abanando!” Anunciou.

 

“O que isso quer dizer?!” Spike perguntou de novo, nervoso com o que poderia ser, olhando para o todos os lados.

 

“Que vou preparar um banho pra você” Disse Pinkie, olhando para Twilight.

 

“Uh?” Twilight repetiu, com as mãos na alça da mochila e um olhar cético para a confeiteira “Um banho? Isso tá ficando cada vez mais ridículo, cada ve—” Twilight não terminou de dizer, pois uma carroça passou com a velocidade e lama no chão da chuva de madrugada esparramou sobre o corpo da feiticeira, suja-a toda de lama. 

 

Twilight fechou a boca, com a terra escorrendo para o lábio e tremendo - uma mistura de raiva e descrença, enquanto Pinkie assegurava a Spike que Twilight ia ficar limpa e bem, enquanto Applejack prendia a risada. Pinkie pegou a mão da feiticeira, e arrastou para a Esquina do Torrão de Açúcar.


 

Lembrou a Twilight da primeira noite da cidade, o Sr. e a Sra. Cake não estranharam ela entrar com a lama pingando no nariz, ou Pinkie arrastar para o quarto e ligar a banheira, encher de sabão e olhar sorrindo para ela. Twilight respirou fundo, começou a tirar as roupas sujas e entrou na água, enquanto Pinkie continuava a olhando.

 

“Tem..hm..deixa eu lavar o seu cabelo?” Pediu, fazendo Twilight concordar e Pinkie aproveitar para massagear o couro cabeludo da amiga, enquanto explicava sobre seu sentindo “Então, basicamente, é assim que funciona: eu tenho tiquezinhos diferentes que significam coisas diferentes. Como quando eu tenho coceira nas costas, quer dizer que é meu dia de sorte. E quando sinto um beliscão no joelho, quer dizer que vai acontecer alguma coisa assustadora! ” Explicou.

 

Twilight confirmou com um “Uhm” preguiçoso, aproveitando a massagem e em outro momento acharia graça na situação, mas estava querendo saber mais, por isso perguntou, com as bochechas ainda vermelhas, “Tá sentindo beliscar o joelho?”.

 

Pinkie jogou mais água na cabeça de Twilight, arqueando a sobrancelha, “Não, mas tô com uma dorzinha no ombro. Quer dizer que tem um crocodilo na banheira” Contou como se fosse algo normal, e era.

 

Foi o suficiente para Twilight pular da banheira, quase escorregar no chão e se agarrar em Pinkie, que riu “Por que o seu joelho não beliscou?! Isso não é assustador, isso é mesmo perigoso!”.

 

“Não, não é, bobinha! É o Gummy, Twilight” Respondeu, enfiando a mão na banheira e puxando o crocodilo gigante da banheira “Ele é uma gracinha, lembra? Só tava um pouco cansando do novo ambiente e quando não tá andando com a Fluttershy e seus animais peludos, ele fica a noite comigo” Pinkie pegou ele no colo e colocou no chão, passando a mão pelas costas duras dele “Estranho ele se meter na banheira, mas é por isso que meu ombro doí as vezes, melhor prevenir do que remediar, não é?”.

 

“Banguela...ele é banguela” Twilight repetiu mais para si do que para Pinkie, que olhava com os olhos brilhantes e estava abaixada ao lado do crocodilo “Poxa, mas que susto que você me deu Gummy! Mas, Pinkie, continuo não acreditando nessa coisa de poderes especiais-.

 

“Por que não acredita?” Interrompeu Pinkie, com um inflar das bochechas. 

 

“Isso é só uma conversa fiada” Retrucou Twilight, cruzando os braços e sentido os pelos do corpos se arrepiarem “Onde estão minhas roupas mesmo?” Perguntou.

 

“Lavando. Vou pegar ‘pra você” Pinkie explicou, levantando-se e oferecendo a mão para Twilight. A feiticeira aceitou e voltou para banheira, afinal tinha que tirar o resto do shampoo e queria chegar mais afundo disso.

 

Pinkie deixou a roupas de Twilight limpas e molhadas em cima da pia, enquanto terminava de tirar o shampoo do cabelo da amiga enquanto sentia essa sensação - ela não sabia explicar, e o sentido Pinkie não aparecia então ela não sabia, mas continuou a falar com Twilight, murmurando. “Você faz magia, qual é a diferença?”.

 

Twilight olhou para ela, com os olhos brilhando e até pirraguenado, ”É enorme! Primeiro, a magia é algo que se estuda e treina. Só acontece quando se decide fazê-la, e o objetivo é fazer algo específico que queremos que aconteça, acontecer. Já com você, não faz sentido algum! Não entendo, e não faz sentido já que o tipo de magia que você possui se manifesta diferente...ou devia ser? Apesar que você não é muito comparativo com os outros, Pinkie” Twilight fechou a boca e pendeu a cabeça, “Nunca vi nada ninguém assim como você, todas as meninas eu acho...vocês são realmente algo, não é?” A última parte saiu como um sussurro e um sorriso suave. 

 

“Não, e nem você, se somos especiais, então somos todas nós, Twilight” Pinkie respondeu, curvando sobre a banheira e olhando para Twilight, suspirando melancolicamente em seguida, mas voltou a sorrir “E nem te contei dos combos” Brincou.

 

“Ai, eu quero saber...vamos para a biblioteca onde eu posso investigar, que tal?” Sugeriu, morrendo de curiosidade.

 

Pinkie apenas sorriu, entregando uma toalha para ela, “Tudo bem, Twi, mas deixa eu avisar a Sra.Cake e podemos ir”.


 

Após Pinkie avisar o Sra.Cake, ela e a feiticeira saíram da padaria e Twilight praticamente arrastou Pinkie em direção a biblioteca, descendo para o sótão onde ficava a verdadeira sala de estudos de Twilight. Tinha quadros com formulas, anotações, mapas, maquinas que Pinkie Pie nunca tinha visto – ela quis tocar em tudo, mas Twilight estava tão concentrada em conectar fios, abrir livros e murmurar formulas que a padeira sequer teve tempo de tocar em nada.

 

“Pode me explicar mais uma vez os significados dos seus tiques, e na final, o que são combos, Pinkie? Não se mexa, está confortável? ” Twilight perguntou, colocando o capacete ligado a máquina que apitava ora ou outra. Com mais fios conectados em volta do corpo de Pinkie, medindo a frequência cardíaca, de pensamentos e tentando decifrar o que era essa magia dela.

Enquanto Pinkie vestiu tudo o que foi instruída, sorrindo e concordando, “É quando, bem... como uma orelha coçando, depois joelhos tremendos, depois olhos piscando. Isso quer dizer que vai aparecer um lindo arco-íris no céu de Ponyville! ” Explicou.

Twilight virou-se para Pinkie, com a testa franzida, e Pinkie continuo “Orelha abanando, olhos piscando, joelhos tremendos, quer dizer pra tomar cuidado com portas, por exemplo.

“Mas-mas... você disse que esse combo queria dizer "um lindo arco-íris" A feiticeira retrucou, anotando em um caderno tudo o que Pinkie contava.

“Ah, não não não não. Tá pensando em orelha coçando, depois joelhos tremendo e depois olhos piscando. Isso foi orelha coçando, depois olhos piscando, depois joelhos tremendo. Isso quer dizer "cuidado com portas que abrem". Você está bem?”.

“Eu não posso acreditar nisso...assim” Twilight respondeu, balançando a cabeça e guardando outros projetos para depois, pegando a anotações da máquina, “Mas isso está normal...”.

“Você não acredita porque não entende” Pinkie tentou mais uma vez contar, sorrindo para Twilight “Olha, Twilight ás vezes tem que acreditar nas coisas, mesmo quando não consegue entendê-las. Essa é a graça da vida, ou como você pode explicar a gente? Você caiu do céu, nós salvamos uma princesa e somos os elementos da harmonia mesmo que eu não sei o que implica, ao não ser ter as melhores amigas que alguém poderia pedir” Pinkie insistiu, “Então porque é tão difícil pra você entender?”.

“Eu não vou acreditar em nada que não possa ser explicado!” Insistiu, cruzando os braços e virando-se para a máquina que apitava “Não tá sentido nada? Mas você teve um monte antes de vir pra cá, Pinkie?”

“Hm... Opa, espera aí! Ah, não...”

“Serio? Qual é! E eu não sei porque aconteceu isso, a gente...mas eu fico feliz. Eu também não sei o que significa ser os portadores da Harmonia, a Rainha não entra em detalhes, mas eu pesquiso sobre isso e...”.

“E?” Pinkie Pie expandiu os olhos com o rumo da conversa.

“É uma das coisas mais ridículas que eu possa dizer, eu não acredito em profecias e nem lendas, mas nós estávamos em uma dela. Há séculos atrás e isso é estranho, porque eu sempre usei lendas como um modo de se aprender com a história...e agora isso? Você...estou confusa? Não sei! Por isso que quero respostas” Twilight disse, agarrando o bloco de notas ao ponto de amassar um pouco e respirando fundo.

“Epa, Twilight....eu acho que eu tô sentido algo” Pinkie chamou, fazendo Twilight olhar para a máquina e para Pinkie várias vezes, a espera de algo como uma criança espera um doce “Ah...não..tô com fome” Contou, e para reforçar o estomago fez um barulho enorme.

A expressão de Twilight endureceu, abrindo a boca e fechando não acreditando nisso. Ela arrancou o cabo principal da máquina e quase caiu junto, enquanto Pinkie aproveita para sair como se não fosse nada, balançando a cabeça. “Quer saber?” Twilight perguntou, sem esperar uma resposta continuou “Esquece isso, eu não preciso saber se isso é real ou não. Eu não preciso entender e eu não me importo! ”.

“Então você vai querer comer comigo ou...” Pinkie perguntou.

“Não estou afim de comer, Pinkie” Respondeu Twilight, saindo do porão, mas assim que ela se aproximou da porta ouviu Pinkie gemer.

“Oooh! Oooh–uou–oh!” Pinkie arfou, se mexendo igual antes, imitando os tiques.

Twilight não disse nada, e antes que a mão envolvesse a fechadura da porta...ela foi aberta e acertou Twilight em cheio que até caiu para trás com a testa vermelha e sangue na boca.

“Pinkie, viu a Twilight?” Perguntou Spike, alheio ao que ele tinha feito.

“Claro, olha pra baixo, Spike e eu já to indo, até!” Disse, ajudando Twilight a se levantar e passando pelos dois.

“Hmmm, Twilight?” Chamou novamente, Spike olhando para ela receoso. A expressão de Twilight era de ira, ela tinha a mão na boca e uma expressão de dor.

“Rrrgh... Vocês... combinaram... isso tudo?” Inqueriu.

“Combinaram o que? Ah, quer saber...eu tenho que limpar os livros, até” E saiu antes de escutar uma palestra a mais dela.

 

 

 

 

Algumas horas depois, Twilight com um plano e uma lista – ela amava os dois, estava com uma roupa adequada para observar o “assunto” de sua pesquisa, enquanto o assunto pulava para lá e para cá. Sorrindo e cumprimento os outros, Twilight disse a si mesma que era pelo bem da ciência, não era porque o sorriso de Pinkie era bonito ou algo assim, e ela ficaria dentro do arbusto com o binóculos observando cheiras flores e entregar encomendar sem nenhum problema. Ou bem, até uma sombra familiar se aproximar e questionar:

“Twilight? O que cê t-” Ele não terminou de falar, pois assim que Twilight viu que o plano ia ser comprometido, agarrou ele pela camisa e puxou para a moita que estava.

Ela tirou os olhos do assunto e virou para ele, esfregando a ponta do nariz, “Francamente, Spike, não sabe que não pode ficar espiando as pessoas?” Acusou.

Spike abriu a boca sem saber o responder, fazendo uma careta, “Eu? E você, afinal o que cê tá fazendo enfiada dentro de uma moita com um binóculos na mão?” Perguntou, vendo de relance as anotações dela.

Twilight aproveitou o interesse e entregou para ele segurar, olhando para o assunto que ainda estava cheirando flores e sem perceber a pesquisa e voltou para Spike, “Eu tô fazendo uma pesquisa científica. Estou observando Pinkie Pie, nome científico: Pinkius piecus, em seu habitat natural” Explicou.

“Pinkius-cus o quê” Repetiu o hibrido.

“Hm... Coceira no nariz...” Murmurou, anotando e ignorando o que Spike tinha perguntando. Ela enfiou a cabeça para fora e Spike fez o mesmo, observando Pinkie olhar para um lado e outro e se esconder em baixo de um banco “A-ha! Aquilo não faz sentido. Sabe, ela tá se escondendo como se alguma coisa fosse cair do céu, mas a cotovelo coçando é que significa que vai cair alguma coisa, não a coceira no nariz” Explicou, vangloriando-se. Os olhos praticamente brilhavam com a ideia de descobrir sobre isso ou ainda melhor, provar que não era real.

Talvez por isso, toda a distração da situação ou o ego de Twilight quando se tratava de magia que ela não notou o leve zumbido, “Isso prova talvez...” Começou. As orelhas de Spike se mexeram e ele olhou para onde Pinkie estava olhando, arregalando os olhos, “...de alguma forma, que inclusive – Spike! Aonde você vai? Eu tô tentando te ensinar o valor da observa –” Twilight não chegou a terminar, quando Spike saiu correndo do enxame de abelhas que se aproximava e por azar ou destino foi em direção a feiticeira.

Ahhhhhhhhhhhh” Berrou, caindo para trás e esquecendo que podia se teletransportar ou afastar as abelhas que a picavam.

 

 

 

“...E assim que isso aconteceu, Enfermeira Redheart” Contou Spike, observando a enfermeira terminar de passar a pomada nas picadas das abelhas.

Twilight estava em silencio, com as bochechas vermelhas – era vergonha ou raiva, ou ambos e apenas perguntou, “Posso sair?”.

“Espero que a Senhorita vá para casa e repouse, entendido? ” Sugeriu, assinando algo na ficha da feiticeira.

“Claro” Respondeu com o que podia se aproximar de um sorriso, mas foi uma careta estranha pelas bolhas no corpo.  A enfermeira olhou desconfiada, mas nada pode fazer ao não ser sair da sala deixando os hibrido e a feiticeira. Twilight praticamente pulou da cama, procurando as anotações, “Vamos, eu tenho que continuar minha pesquisa”.

“Celestia do céu” Murmurou Spike, indo atrás de Twilight.

 

 

Quando Spike acordou aquela manhã pensou que seria um dia normal, limpar a biblioteca, conversar com Twilight e as amigas, ajudar ela com os feitiços e não se esgueirar por Ponyville á procura de Pinkie. Não foi difícil achá-la, ela tinha ido para a fazenda da Applejack e estava distraída – novamente, com uma flor. Twilight estava toda cheia de uma pomada branca com um cheiro engraçado, com os olhos complemente em Pinkie anotando o que ela fazia.

“O que ela tá fazendo agora?” Perguntou Spike, apoiando-se na porta do celeiro.

“Cheirando uma flor”.

“Eu não acredito! O que significa isso?” Perguntou empolgado demais, na opinião de Twilight.

“Provavelmente que a flor cheira bem...Olha, espera, eu tô pegando alguma coisa. Orelha coçando, olho piscando, joelho tremendo...” Disse os sintomas do combo.

“Espera aí... você me disse que essa combinação significa "ter cuidado com portas que abrem"!” Argumentou, afastando-se da porta do celeiro como se tivesse crescido um olho, apavorado.

Twilight bufou, ainda não acredito, “Uh? Ah!” Suspirou, chamando-o “Spike, acredita mesmo nisso, não é? Olha, deixa eu te mostrar que não há nada o que temer. Viu?” Twilight abriu e fechou a porta do celeiro várias vezes, e estava prestes a voltar para atrás do feno e continuar a observar, enquanto dizia “Eu juro que não há nada o que temer da–Ai! Ugh! Ui! Ai! Ai!” Reclamou de dor.

O inacreditável aconteceu, um portal se abriu em baixo dos pés da feiticeira e ela caiu rolando as escadas e levando quem estava em baixo.

“Ouch, Twilight, docinho?” Foi a voz ababada de Applejack, que tinha a mão da feiticeira na cara.

“Eu não acredito nisso” Murmurou, com os dentes cerrados.

“Eita, sai de cima de mim pra gente levantar” Pediu Aj, empurrando a feiticeira delicadamente de cima de si “Bem, gostou de meu novo celeiro para as maças? ”.

 

 

 

“São cinco horas da tarde, horário de Canterlot e o assunto conhecido como Pinkie Pie, continuar agindo normalmente. Sem nenhuma previsão ou combo” Ditou Twilight, sentada em um banco observando Pinkie.

Spike estava ao lado dela, anotando tudo o que Twilight dizia.

“Ela não fez nada fora do normal...espera, o que? Ela está coçando o cotovelo” Informou.

Spike que anotava sem abrir a boca – afinal tinha ouvido desde o Rancho, estava fazendo tudo para Twilight não surtar, parou. Olhou para o que tinha escrito e depois para Twilight, repetindo, “Coçando o cotovelo...COTOVELO COÇANDO, AH! Esconda-se” Largou o bloco de notas e pulou do banco.

Silêncio, Spike! A Pinkie não pode saber que estamos aqui!” Twilight disse, o mais quieta que ela podia, com o dedo nos lábios. Dedos que estavam enfaixados de cair de uma escada, graças a Celestia, Applejack a agarrou e a picadas de abelhas ainda coçavam.

“Alguma coisa vai cair, alguma coisa vai cair! Salvem suas vidas! Aaaah!” Ele não ouviu, apenas saiu correndo com as mãos em cima da cabeça.

“Spike, francamente, tá exagerando, viu—” Ela não terminou de dizer, foi rápido o que aconteceu. Em um segundo ela ia dar uma palestra para Spike e em outro ouviu um grito: “Cuidado” Olhou para cima e fez-se um escudo ao redor de si mesma quando o piano despencou do céu, depois uma cama e uma estante de livros.

Todo mundo que tinha visto Pinkie se esconder –tinha feito o mesmo, olhou preocupada para quem tinha sido soterrado pelos moveis. Acima, uma charrete de mudança levada por uma nascida do céu loira, tinha escapado as cordas e ela olhava preocupada com o que tinha acontecido. Porém, o que ninguém esperava, era uma Twilight Sparkle – ela era conhecida afinal, tirasse os moveis caídos e quebrados e saísse praticamente com os olhos em chamas.

“Não é possível!” Gritou, olhando para a alada “Derpy? Me diz que isso foi combinado!” Implorou. Atraindo atenção.

Spike voltou, aliviada de ter saído de lá e preocupado, enquanto Applejack aproximava da confusão e Pinkie Pie também, preocupada, mas com um sentimento que aquilo era o menor do que ia acontecer.

“Twilight, me desculpa! Eu juro que foi sem quere” Pediu Derpy, a loira.

“Eita, cê tá bem, docinho?” Applejack perguntou, agarrando a mão da feiticeira que tremia e olhou para Pinkie, desconfiada “ O que aconteceu?”.

“Oh, bem... enquanto a Twilight me seguia secretamente o dia todo, eu senti minha orelha coçar e você saber que algo vai cair do céu e-”

“Quer dizer que sabia o tempo todo? Por que não me disse?” Retrucou a feiticeira, olhando sem acreditar para Pinkie.

“Bobinha, eu estragaria o segredo!” Respondeu Pinkie sorrindo, aproximando de Twilight e Aj, aliviada, mas algo aconteceu. Primeiro foi uma expressão de dor e depois confusão, Pinkie deu uns passos atordoados para trás. Ela olhou para amigas, levando a mão ao peito “ O que?” E começou a tremer, como se tivesse em uma pista de dança com o som tão algo que faria o chão tremer, e todos os ossos, músculos do corpo tremer.

“O que isso significa” Perguntou Spike, pronto para qualquer coisa acontecer.

“Eu nÃo Sei, eU nUnca tiVe uM dEsSes! Mas SeJa lÁ o qUe fOr, eSse aRrepIo Deve sEr uMa bOmBa. ALgO qUe nUnCa eEpEraRíaMoS quE aContECesEe vaI aCoNteCer!” Ela olhou para Twilight e depois para o céu, ainda sentido tudo tremer “ E vAi acoNteCer... No BrEjO FroGgy BOtTom!”.

“É pra lá que a Fluttershy foi!” Lembrou Applejack, com a testa franzida de preocupação.

“Ah não! Tem a ver com ela?” Perguntou Spike, levando as garras a boca de apreensão.

“Ah, aÍ, eU nÃo sEi! Pinkie respondeu, tremendo inteira com essa sensação horrível.

Twilight livrou-se do escudo, engoliu a seco e levou a mão aos céus, reclamando “Calma aí, pessoal. Tudo que nós sabemos agora é que a Pinkie Pie teve um calafrio. Só isso”.

Applejack olhou para ela, depois para Pinkie e para ela de novo, “Melhor vermos, agora eu vou contigo, Pinkie” Respondeu. Pinkie assentiu e as duas começaram a correr, rápido demais para as pernas picadas de Twilight.

A feiticeira suspirou, vendo Spike olhar para trás antes de correr e sentiu-se obrigada – dever como amiga, correu atrás também, deixando as pessoas de Ponyville dando os ombros, “Mais um dia com elas aqui” Pensavam.

 

Era a primeira vez de Twilight Brejo Froggy Bottom, ficava próximo da Floresta da liberdade e o clima do lugar nos era dos melhores, o coaxar dos sapos e a nevoa esverdeada que a cada passo se intensifica e se não pudesse piorar, Pinkie Pie sequer conseguia andar normalmente – não que ela fizesse, mas ela estava intrigando Twilight, ainda mais.

“Tá com frio? Precisa de um casaco ou algo assim?” Perguntou, com o tom sarcástico de costume.

“NÃo oBrIgaDa, eU Tô bEm” Respondeu com a voz tremula, mas sorrindo de um jeito genuíno.

“O que acha que aconteceu com a Fluttershy?” Perguntou Spike, brincando com as mãos, olhando para os lados apreensivo.

“Espero que nada” Respondeu Applejack, com uma mão no ombro dele.

“Eu sei, mas, o que aconteceu?” Insistiu.

“Eu tô tentando não pensar nisso, Spike”.

“Eu também. Mas estou pensando assim mesmo... tipo, e se... ela explodiu?” Insistiu, pensando em várias outras maneiras, com os olhos arregalados.

“Só explodiu? Sem nenhum motivo?” Questionou, arqueando a sobrancelha e mexendo no chapéu.

“É, tipo, bum!” Gesticulou com as mãos, a imensa explosão.

Pinkie que lutava para andar, acrescentou, “UoU”.

“Eu sei” Spike murmurou.

Andaram mais um pouco, aproximando de onde Fluttershy deveria estar, quando Pinkie falou, “E se... e se ela explodiu e depois ela explodiu de novo?!”.

Applejack balançou a cabeça olhando para Twilight, que teve a mesma reação, mas Spike arregalou os olhos e abriu a boca.

“Dá pra fazer isso? Dá pra explodir duas vezes?”.

“É claro que não!” Retrucou Applejack.

“Querem parar, vocês dois? Ela tá bem, eu tenho certeza disso” Twilight cortou os três, bufando e indo na frente “Inacreditável” Murmurou, antes de enfiar o pé em uma poça de lama.

“Espero que tenha razão, pro bem da Fluttershy. Olhem! O Brejo Froggy Bottom!” Apontou, puxando Twilight atolada e apontando para Fluttershy, bem a silhueta dela, era realmente difícil enxergar na nevoa úmida do lugar.

Porém, tal empecilho não impediu dos quatro correrem para amiga, chamando: “Fluttershy?!”

“Fluttershy! Você está bem!” Afirmou, Spike abraçando a amiga, que tinha a carroça vazia de antes e as rãs coaxavam de longe contentes.

Fluttershy – assim como os quatro – estavam sujos de lama, um pouco úmidos, mas estavam com sorrisos aliviados de amiga bondosa estar bem, só que Fluttershy apenas fez uma careta confusa e perguntou:

“Hmm? Gente, oi, eu tou bem sim” Respondeu confusa.

“Mas que alívio” Comentou Applejack.

“Tô tão feliz por estar tudo bem!” Exclamou Pinkie, também abraçando Fluttershy.

Twilight também respirou aliviada, mas logo um sorriso convencido – que tanto Rainbow falava, apareceu em seus lábios, “Ah! Desculpa, eu sei que não é legal falar assim, mas... A-HA! Eu disse que não havia nada com o que se preocupar, eu tava certa. A Pinkie Pie disse que sempre que tinha um calafrio...” Tossiu, um cheiro horrível surgindo no ar, assim como as amigas começaram a tossir, mas Twilight continuou “Isso significava...uma bomba...e a única bomba aqui é que eu tô certa-”.

“Uh... Twilight...?” Tentou dizer, Applejack, já que atrás de Twilight um mostro surgia e o cheiro, a fumaça era da criatura enorme.

Twilight ignorou, continuando o discurso, “A Pinkie fez muitas previsões hoje, mas... n–nossa, que cheiro é esse? Mas o que isso nos mostra é que vale a pena não acreditar ...em nada que não possamos ver” Discursou indiferente ao barulho e a expressão das amigas.

“U–uh, então veja o–o que está atrás de você, Twilight!” Spike gritou, abraçando Fluttershy que retribuiu o abraço.

Twilight virou-se e a primeira coisa que viu foi as patas enormes da criatura, do tamanho da carroça e levantou o olhar, “Eu vejo...” Murmurou, subindo das longas pernas até o corpo grande e o pescoço comprido com as três cabeças, mostrando os olhos vermelhos, as bocas enormes com dentes maiores, “Mas não acredito!”.

Em resposta, a hidra rugiu com a cabeça do meio e isso foi a deixa para as três correrem o mais rápido dali. Applejack agarrou a mão de Pinkie e puxou – já que o tremor voltou – e Fluttershy esqueceu que podia voar e correr o mais rápido, por último estava Twilight com as pernas tremulas empurrando Spike para correr mais rápido.

“Vamos!” Gritou, olhando para trás.

No meio da corrida, Pinkie olhou para trás de novo, tropeçando em um galho e quase caindo, “É uma hidra?”.

“Quem liga? CORRAM! Vamos gente, vamos!” Gritou Applejack, e todos correram mais rápido, fazendo os pulmões pegarem fogo enquanto a hidra não parava a perseguição.

Eles não sabiam mais para onde ir, e logo não ir mais aguentar o ritmo, quando Twilight gritou, “Subam todos naquela colina!” Apontou, jogando-se no chão para fugir das presas da hidra, a cabeça esquerda riu, e Twilight pegou Spike no colo como um saco de batatas e correu mais rápido, alcançando as amigas.

“Aqui, toma ele, vou distrair vocês atrevessem” Disse Twilight, praticamente jogando Spike no colo de Applejack que agarrou ele, e entregou para Fluttershy.

“Voa com ele pro outro lado, Shy” Pediu, de um jeito que fez Fluttershy para de tremer só um pouco e atravessar o precipício.

Dividia o lado, e no meio pedras para quem fosse corajoso – ou louco o bastante para saltar, Applejack olhou para Pinkie que tremia, e se contorcia e para Twilight. A feiticeira assentiu e correu em direção a hidra que se subia o morro, “Oh... o que alguém corajosa como a Rainbow Dash faria? Hm... ATACARRRRRR” Berrou Twilight para a hidra que não esperava isso. Assim como Nightmare Moon, Twilight teletransportou atrás da hidra e congelou o chão em baixo dos pés dela, fazendo escorrer e cair no chão. Mas a cabeça do meio – maldita cabeça! Aproveitou a proximidade e abocanhou Twilight, que saltou por cima da cabeça e voltou a correr para as amigas, não ligando para a quão ridícula ela gritava.

Ahhhhhh, ME PEGA, GENTE!”

Fluttershy abraçava Spike, que também tremia e Applejack assim como Pinkie – que ainda tremia – estava na ponta do outro lado para agarrar Twilight, só que a distração não durou muito e a cabeça da direita rugiu, fazendo Twilight correr e saltar...e esticou a mão e as duas amigas também...

“Te peguei, te peguei” Sussurrou Applejack, puxando Twilight para cima. Assim como Pinkie, as três se abraçaram e olharam para a hidra, que seriamente questionou pular, mas bufou e deu meia volta.

“Eu sabia que ia conseguir, Twilight!” Disse, abraçando a amiga.

Twilight pode respirar, olhando para a distância que tinha pulado e depois para as amigas, “Eu não sei como isso aconteceu; coincidência, muita sorte ou o quê, mas você disse que íamos ter uma bomba aqui no Brejo, e eu posso dizer que acabamos de ter uma bomba. Quer dizer, aquela hidra é–” As palavras saíram tremulas da boca da feiticeira, mal ela podia acreditar no que estava dizendo, antes de ser cortada por Pinkie.

“Não era aquilo” Disse, levantado e voltando a tremer.

“Não era o quê?” Perguntou Spike, ainda abraçado a Fluttershy.

“Tá falando do quê, Pinkie?” Questionou Applejack, olhando para Pinkie como se tivesse nascido um sexto braço.

“A hidra nÃo eRa a BoMba. AiNda Tô tEndo cAlAfRios! Oo-oo-ooh! ViAam? OuRra veZ. SeJa Lá o quE fOr a bOmbA do BEejo FroGgy BoTtOm, o meu SEnTido PInkiE diZ Que aInda nÃo aConTeceu” Pinkie explicou o máximo que pode, tremendo mais que antes.

As amigas olharam chocadas sem saber o que fazer, inclusive Twilight que estava desolada, machucada e as picadas doíam, o pé doía. “Uh? Mas eu– O QUÊ?! A hidra não era a bomba?! Como pode não ser a bomba?! O que seria mais bombástico?!” Gritou para Pinkie, agarrando a amiga pelos ombros.

“Hm... Não Sei, mAs nãO eRa aQuiLo” Respondeu Pinkie, pulando para cima e para baixo de tanto que tremia.

Twilight soltou Pinkie, afastou e sentou-se no chão duro de pedra sem se importar, olhava sem saber o que fazer – ela odiava estar assim, ela abriu a boca e fechou, com os lábios trêmulos como se fosse chorar. “Eu desisto” Foi um sussurro.

“Desiste do quê?” Perguntou Applejack.

“Da luta. Não consigo mais lutar. Eu não entendo como, por que ou o quê, mas o Sentido Pinkie de alguma forma faz sentido. Eu não sei como, mas só faz. Só porque eu não entendo não quer dizer que não seja verdadeiro” Twilight murmurou, com a voz chorosa, desacreditada olhando para Pinkie com os olhos brilhantes em lagrimas. Ela olhou para as mãos, estavam machucadas e as fechou.

“QuEr dIzEr Que vOcê acReDitA?” Perguntou Pinkie.

“Sim, eu acho que sim...” Disse Twilight, o elemento da magia.

Pinkie pulou, rolou no chão, puxou os cabelos e tremia tanto que chegava a suar e o chão de baixo dela ia abrir um buraco, todos ficaram assustados com o que ia acontecer. De repente, parou e Pinkie olhou com os olhos brilhando para Twilight – o mesmo brilho de quanto Twilight soube que aquelas garotas era suas amigas, e sorriu, contando:

“Era isso! A bomba era essa!”.

“O quê? O que era?” Inqueriu a feiticeira, confusa. Apenas elas, pois Fluttershy, Applejack e Spike sorriam como tivessem desvendando o misterioso sumiço de Starswirl the Bearded.

“Você acreditar! Nunca esperei que isso fosse acontecer. Essa era a bomba! E que bomba mais bombástica essa, né?” Questionou, aliviada que parou de tremer e rindo.

O mais surpreendente foi que Twilight olhou para as amigas, depois olhou para Pinkie Pie e começou a rir.

 

 

 

 

Elas voltaram para casa, todos queriam saber o que tinha acontecido e Pinkie Pie contou com o maior prazer e a na manhã seguinte, na confortável cama com o cheiro de livros, Twilight ditou a Spike, enquanto Pinkie comia uma cupcake com o chapéu guarda-chuva na cabeça.

Querida Princesa Celestia, é com prazer que relato que– Spike, o que eu disse sobre concentração?

“Eu sei, mas, bom...” Tentou falar, mas não sabia como dizer.

“Qual é o problema? Nunca pensou que me veria com um guarda-chuva como chapéu?” Perguntou rindo, assim como Pinkie.

“Na verdade, não”

“O cotovelo da Pinkie tá coçando o que mais eu posso fazer?” Riu, voltando com a voz mais séria “É com alegria que relato que percebo agora que há coisas maravilhosas neste mundo que não têm explicação, mas nem por isso são menos verdadeiras. Isso significa que temos que escolher acreditar nelas, e às vezes é preciso uma amiga pra nos mostrar o caminho.

“A gente podia comer um bolo?” Sugeriu Pinkie.

"Sim, vamos, Spike?" Ofereceu Twilight, para Spike que arregalou os olhos, mas apenas concordou.

Só que o mais estranho daquele dia aconteceu, enquanto ele enrolava a carta para enviar para a Rainha, um brilho surgiu no meio da sala apareceu e desse brilho surgiu a Rainha Celestia que pegou a carta das garras de Spike.

"Cotovelo Tremendo! Não acredito" Ofegou, e com um piscar de olhos, a Rainha desapareceu.

 


Notas Finais


Até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...