1. Spirit Fanfics >
  2. As Crônicas de vidro e aço >
  3. Eric de Garphor

História As Crônicas de vidro e aço - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Eric de Garphor


Fanfic / Fanfiction As Crônicas de vidro e aço - Capítulo 7 - Eric de Garphor


Nos dias que se seguiram de viagem, Eric de Garphor conseguiu lembrar aonde encontrou forças para continuar acordado, mas se manteve. Por todo o caminho ate a torre aonde o ferreiro lhe prometera que estaria a salvo... De certo modo ele estava certo, já que a torre era em volta de uma floresta intrasnpassavel que ficava muito, mas muito longe da sua pequena vidinha de fazendeiro.

-você não poderá mais usar o nome de Eric, o rei provavelmente colocou seus capangas atrás de você-disse o velho ferreiro, Eric imaginava como ele sabia tanto sobre o rei. Um dia perguntaria a ele.

-certo-disse ele numa voz cansada e fraca

-você esta bem?Parece pálido-disse ele

-estou bem-disse ele, embora fosse mentira. Desde que deixara o seu antigo lar, ele tinha tido sonhos malditos, com medos antigos trevas, outros com sua vó engasgando no seu próprio sangue enquanto o homem que cortara sua garganta ria da cara dele, sua gargalhada era cruel.

Os dias na torre eram tristes na opinião do Garphor, já que era solitária tendo só ele e o ferreiro no lugar. Pelo menos ele estava seguro, mas por quanto tempo?

-vamos até a cidade aqui perto, preciso comprar algumas coisas, e você não pode ficar sozinho, mas não esqueça você não se chama Eric se apresente apenas como...

-... De Garphor-completou ele, ele já lhe falara isso mais de mil vezes. Após muito tempo eles se arrumaram para sair, o velho ferreiro estava com uma roupa simples de couro, Eric também porem decidira levar sua espada, ele decidira chamar esta de Neblina gelada já que desde que chegara a torre uma neblina gélida.

Eles saíram então se dirigindo de carroça ate a cidade, que era chamada port of wine, pois segundo o ferreiro navios contrabandistas nos tempos antigos paravam na quele lugar para vender vinho ilegal. A cidade em si era pequena havia poucas casas e comércios que eram destruídas em volta de um porto antigo e acabado que a maioria dos navios nem se ariscavam a atracar.

Eles seguiram pela pequena cidade em busca das coisas que precisavam que eram principalmente alimentos, mantimentos e roupas para prosseguir a viagem. Já que o velho Garther Brollyng decidira que a torre não era o melhor para ele durante o caminho ate port of wine.

-você não precisa se esconder, e sim aprender a manejar uma espada-falou por fim Garther com sua voz dura- a vida e dura garoto, em tempos diferentes iria preferir que você pegasse em um martelo e trabalhasse comigo do que ter que almejar uma espada, mas são tempos duros e o medo fez com que lhe caçassem apenas por causa de uma bosta de profecia...que nem ao menos lhe deram o trabalho de contar.

-que profecia é essa?-perguntou por fim Eric, após um longo silencio.

-ninguém além dos bastardos dos nossos reis conhecem ela inteira, porem ela foi criada a muito tempo antes mesmo de hellbellar... E seu nome é “profecia da Lua de rubi”, você tem que entender garoto que em nossa historia a eventos que trazem antigos temores, e a porra do eclipse que ira acontecer em alguns meses, mais especificamente no dia de seu aniversario e um deles. Escutei do meu pai e ele do pai dele, fragmentos da profecia que foram a muito espalhados, ela dizia sobre um bastardo, que seria filho do verão iria trazer os temores antigos de volta a vida.

-antigos temores... -sussurrou Eric- quem seriam esses?

-sombras... Meu caro rapas, ou como são mais conhecidos como demônios... Não são vistas sombras a muito tempo meu jovem rapas...mas ultimamente coisas estranhas tem acontecido.

-entendo-disse Eric começando enfim a entender um pouco sobre si mesmo e os motivos que lhe levaram ate aquele momento. O rei deve ser louco de achar que eu sou o bastardo da profecia pensou ele enquanto voltava a realidade, caminhando até a peixaria da cidade aonde Brollyng lhe pedira para comprar alguns suprimentos para viagem, mas sera que eu posso ser, quer dizer eu nasci no verão mas era só uma coincidência, não é?

Ele saiu da peixaria quinze minutos depois com dois grandes peixes comprados, e foi se encontrar com o ferreiro.

-olha consegui esses dois pela metade do preço, por que o vendedor lhe conhecia-disse ele enquanto mostrava a futura janta para Garther, orgulhoso.

-o velho Jacoby me devia mais do que dois peixes-disse ele-salvei a vida daquele desgraçado de saqueadores há alguns anos.

-devia ter me dito-disse Eric- ele tinha alguns pães e queijo

-na próxima vez vou lembrar-me de lhe falar-disse o velho, enquanto caminhavam novamente até a carroça, eles haviam deixado ela no meio da cidade perto de uma pequena fonte de aguas cristalinas que Eric prometera a si mesmo que na volta beberia um pouco dela, porem o que viu quando chegou a praça, o que viu não foi a fonte e sim o peixeiro e mas quatro pessoas todas com armas, ele a reconheceu duas delas, o homem que cortara a garganta de sua vó e o que ficara no sofá o que ele mais odiava, o primeiro ele lembrava que se chamava Nighart , o outro não tinha nem ideia de como chamava.

-quanto lhe pagaram velho amigo para nos trair?-perguntou o ferreiro a Jacoby.

-muito mais do que eu ganharia em anos-disse o velho e gordo peixeiro com um sorriso no rosto.

-você me obriga a estragar minha espada em você-disse ele desembainhando a sua espada juntamente com Eric que desembainhava Neblina gelada, que sentiria pela primeira vez o gosto do sangue e justamente na quele que tanto sonhara.

Porem, o destino mais uma vez acabou por prejudicar os planos de Eric, pois no momento a sombra que o necromante de Xhalon invocara, farejava seu alvo, e rastejava em direção do seu alvo. Eric percebeu a sombra quando ela passou pelo seu pé como relâmpago parando exatamente no homem que ficara apenas observando a morte de sua única parente viva, o homem soltou um grito estridente quando a sombra o tocou como se estive sofrendo.

-o que esta havendo-disse o velho ferreiro com um olhar que mesclava terror e confusão.

O homem tocado pela sombra começou a rir numa voz sombria, após a risada acabar o homem olhou diretamente para Eric.

-estive te procurando, pequeno bastardo-disse ele numa voz duplicada que deu arrepios em eric



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...