História As Crônicas do Filho da Lua - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias The Elder Scrolls
Visualizações 27
Palavras 1.046
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite/tarde ou dia para quem lê.
Bem, estou iniciando uma nova fic. Desta vez conheceremos a vida de Naim meu personagem em TES: Skyrim.

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction As Crônicas do Filho da Lua - Capítulo 1 - Prólogo

O sol já estava brilhando forte no meio do céu das terras geladas de Skyrim, era possível ouvir os pássaros cantando no alto dos pinheiros das florestas úmidas e verdes de Falreath, Naim que havia acampado em uma clareira próximo da fronteira de Helgen e a estrada para Falkreath. O caçador alto e negro, pele herdada por seu pai que era um Redguard e sua altura de sua mãe nórdica, estava amolando as pontas de suas flechas e se preparando para deixar o acampamento, o vento soprava forte contra seu acampamento e isso significava que logo uma tempestade viria, pois viu obrigado a trajar um manto por cima de sua armadura feita de couro de boi, o manto feito com pele de cervo.

O mestiço terminou os seus preparativos e desfez seu acampamento e seguiu em direção a estrada, Naim usava suas habilidades de caçador para trabalhar como um mercenário. O caçador caminhou durante algumas horas pela estrada e entre um local ou outro que avistava ele colhia flores das montanhas que tinham diferentes cores, o redguard além caçador era praticante de alquimia, o silêncio da estrada foi interrompida por um longo uivo que fez com que o caçador preparasse seu arco e suas flechas de aço, notou que havia apenas um lobo enorme e negro com os pelos de suas costas eriçados correndo em sua direção, o animal feroz cravou seus enormes olhos amarelos no caçador, Naim atirou uma de suas flechas na direção da pata dianteira esquerda do animal com o intuito de afugentar a fera, mas sem sucesso, pois o enorme o lobo continuou avançando e pulou próximo do caçador que rolou para trás saindo da estrada, o homem andou agachado com seu arco em mãos para atirar no lobo, caso ele o encontrasse iria abater o animal, logo o lobo ressurgiu de trás dos arbusto onde ele havia se escondido, Naim atirou uma flecha na direção do ombro esquerdo do animal que tropeçou com o impacto da flecha contra seu corpo, o animal recuperou-se rapidamente e voltou a atacar Naim, o caçador atirou outra flecha que desta vez atravessou o pescoço do animal fazendo-o cair e estrebuchar por alguns segundos e em seguida seu corpo cessou qualquer tipo de movimento.

Naim deixou o corpo sem vida do lobo para trás e continuou sua trajetória, notou ao olhar para o céu que quanto mais se aproximava de Falkreach uma enorme nuvem carregada tomava conta do céu, e ele sabia que deveria se apressar para chegar na cidade antes que a chuva começasse a cair. Caminhou por mais algumas horas e ao se aproximar da cidade ouviu mais uma vez um uivo, viu dois lobos enormes vindo em sua direção, mal teve tempo de pegar seu arco quando ouviu um outro rosnado vindo de trás de suas costas, olhou rapidamente para trás sem querer tirar os olhos dos dois lobos que estavam rodeando o caçador, notou que o lobo que rosnara para ele era diferente dos demais, ele possuía uma forma etérea, sabia que havia um mago por perto. Sua suspeita estava certa quando uma bola de fogo abateu um dos lobos, Naim aproveitou a deixa e pegou seu arco rapidamente e atirou uma flecha certeira no crânio do lobo, voltou-se para o lobo etéreo que o mordeu em sua coxa esquerda, o homem fez careta mostrando que havia sido ferido na perna, e em seguida tirou outra flecha no torço do lobo que manteve-se tentando agredi-lo, Naim pela sua visão periférica viu um homem magricela usando uma túnica negra saindo de trás de um arbusto com uma adaga, o homem tentou matá-lo com um golpe nas costas, mas o caçador se antecipou e evitou que fosse morto, acabou meramente ferido em suas costas, para poder ter uma boa visão de ambos os agressores, o caçador experiente afastou-se um pouco e continuou a atirar suas flechas na direção do mago, algumas de suas flechas ricochetearam em uma espécie de campo de força, mas notou que uma delas havia atingido a perna esquerda do mago, o que fez ele retardar seus ataques e também enfraquecer sua concentração, com a oportunidade em vista, pegou mais flechas antes que o mago pudesse até mesmo ver e cravou duas flechas no peito do homem que cambaleou para trás arfante, até a última flecha perfurar o olho direito do homem, notou que o lobo etéreo já havia desaparecido. Naim aproximou-se do corpo do mago e então saqueou os pertences dele, levando consigo três moedas de ouro. O caçador notou que os primeiros sinais da chuva já haviam aparecido, decidiu correr até a cidade e então o fez, ao correr por cerca de vinte minutos, o homem se viu obrigado a parar, pois estava cansado e extremamente ofegante, ouviu um barulho vindo dos arbustos atrás de si, e no susto escorregou na grama molhada rolando uma ladeira enorme abaixo, o mestiço apenas parou ao tentar se segurar em uma rocha molhada que sem sucesso continuou caindo parando ao lado de um pequeno riacho atrás de uma casa velha feita de madeira com uma pequena horta ao seu lado.

Olhou para os lados completamente atordoado e envergonhado, notou que não havia ninguém naquele momento e então pôs se de pé e viu uma bandeira azul com um cervo em seu centro. “Falkreath... Enfim cheguei”, pensou Naim. Caminhou para o centro da cidade onde avistou um guarda.

- “Alto lá forasteiro... Não quero vê-lo aprontando em minha vigilia”. – disse o guarda com seu sotaque forte nórdico.

- “Não sabia que era assim que vocês tratavam seus visitantes...” – Naim lançou-se em sua defesa pelo modo como fora tratado pelo guarda.

- “Escuta seu Redguard de merda... Se não se comportar fará companhia ao bastardo que se diz ser lobisomem na prisão...” – disse o guarda em tom de desgosto.

- “ Sou tão nórdico quanto você, mas passo a cortesia por hoje... Apenas quero saber onde posso encontrar o jarl.” – disse Naim olhando para os lados.

- “Não sei que assuntos você tem com o jarl, mas é só seguir essa estrada de pedra e você vera uma construção de madeira com alguns guardas em sua frente... Não há como errar...” – disse o guarda.

- “ Obrigado!” -disse Naim ao se afastar do guarda.


Notas Finais


O que será que Naim encontrará em Falkreach?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...