História As Crônicas do Semideus (Interativa) - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Apollo, Artemis, Atena, Bóreas, Cimopoleia, Dionísio, Éris, Eros (Cupid), Hades, Hefesto, Íris, Nêmesis, Niké (Nice), Perséfone, Personagens Originais, Phobos, Poseidon
Visualizações 20
Palavras 1.499
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Misticismo, Romance e Novela, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


HEY GALEROUS
TUDO BELEZA?

Aqui estou eu, com mais um capitulo cheiroso, e como prometido, mais de 1000 palavras
Amanhã, não tenho certeza se vai sair capítulo, se não sair, sexta eu faço um capítulo mais TCHAM TCHAM TCHAM

Espero que gostem e partiu

#BoraLer

Capítulo 14 - Matias


Olha, eu achava que a pior coisa que se pode acontecer é acordar no meio da noite de meias confortáveis e pisar numa poça d’água. Eu me enganei

É horrível um mesmo dia se repetir todo o dia. E quando eu acordei, a sensação foi a mesma de ser arrancado de cobertas quentes (Não é porquê eu sou filho de Quione que eu não goste de cobertas e agasalhos. Eu não sou o Jack Frost! ... Ainda.) e jogado em uma piscina.

Lá estava eu, em mais um dia ensolarado com passarinhos cantando, trancado no quarto jogando bolas de neve no teto.

O Chalé de Quione foi construído não faz muito tempo, enquanto ele era construído, eu e Cress tivemos de dividir o chalé com os filhos de Apolo, não deu muito certo para Cress, ela não é muito chegada no calor, já eu, acho confortável, e depois que saímos de lá, ela passou a me chamar de Olaf. Mas voltando ao assunto. O chalé de Quione é confortável, tem duas camas, as duas escoradas nas paredes uma janela na parede do pouco acima da cama de Cress (que a mantém fechada em dias claros demais, deuses, ela parece até um morcego), dois guarda roupas de solteiro, e um banheiro. As paredes em um azul claro mesclado com branco e o piso combinando.

Claro, por conta de sermos filhos de Quione, é possível ver o teto congelado e neve nos cantos do chalé.

Me virei para o lado soltando um longo suspiro entediado. Crescent estava lendo na cama dela então a janela estava aberta, mas não fazia muita diferença, já que o sol estava se pondo.

-Crescent... – Murmurei

-Que é? – Respondeu.

-O que você está lendo...? – Perguntei

-As longas tranças do rei careca. – Respondeu com sarcasmo e continuou a leitura,

-Fala sobre o que? – Perguntei sentindo meu nível de tédio se elevar.

-Um cavalo que quer ser bailarino. – Virou a página do livro.

-Ah.... – Soltei outro suspiro e voltei a atirar bolas de neve no teto.

O silêncio reinou por alguns minutos.

-DESGRAÇADO! FILHO DA PUTA! NOJENTO! RESTO DE ABORTO! – Ela começou a gritar do nada e atirou o livro no banheiro. Senti a temperatura cair aos poucos e vi as paredes começarem a congelar. E lá vamos nós....

-Hey! Cress! Presta atenção! – Falei me levantando e indo até ela que estava sentada na cama de olhos fechados com a respiração alterada. Seja lá o que ela leu, não foi bom.

-O que foi?! – Vociferou

-Você sabe que precisa se controlar – Apontei para as paredes que já estavam com uma pequena crosta de gelo. – Controle. Lembra do que eu te falei? Emoções...

-Emoções podem ser fatais! – Ela tentava se acalmar respirando e inspirando, o gelo nas paredes parou de se espalhar.

-Ok... Fez progresso, dessa vez o chalé não congelou por inteiro – Olhei ao redor e logo depois voltei a olha-la – Consegue descongelar?

Ela fechou os olhos se concentrando, mas logo me devolveu o olhar e negou com a cabeça.

Suspirei um pouco chateado e me concentrei. Logo senti uma corrente de frio se “juntar” a mim, e logo o chalé inteiro estava sem nenhum resquício de gelo, neve, ou temperatura baixa.

-Cress, você precisa treinar mais. – Falei.

-Tá. Que seja. – Falou se levantando e indo em direção a porta.

-Crescent! Você sabe o que pode acontecer se explodir, não sabe? – Perguntei.

-Minhas entranhas vão sujar as paredes. – Abriu a porta.

-Muito engraçadinha. – Respondi cruzando os braços.

-Ok, vamos logo. Fogueira esqueceu?

-Não era amanhã?

-Deuses Matias! Você é mais esquecido que uma senhora de 80 anos com Alzheimer! – Falou saindo e me deixando para trás.

-Mas eu ainda sou seu irmão mais velho! – Gritei para que ela me escutasse e saí logo atrás.

(...)

A fogueira pode ser um momento incrível, onde os amigos se reúnem, conversam, cantam, assam marshmallows. Mas para pessoas tímidas (Como eu) é um pesadelo.

Crescent estava sentada pouco atrás da bandeira com o símbolo de Quione. Geralmente há uma pequena fileira, mas bem... Fui até onde ela estava e sentei ao seu lado.

Pessoas jogavam conversa fora, mas em nenhuma conversa, você escutava uma só pessoa falando sobre a “praga do sono”, não é que havíamos esquecido. E sim que não queríamos comentar.

Quíron conversava com os campistas mais próximos de sua cadeira de rodas, sua expressão parecia séria ou sonolenta. Xô praga do sono!

Após percorrer todos os campistas, meu olhar se fixou em um ponto específico. Era meio impossível não olhar. Não sei quantos segundos fiquei encarando, mas do nada Crescent atirou uma bola de neve na minha cara.

-Ei! – Exclamei limpando a neve do rosto.

-Se você continuar encarando a Kaina eu juro que te jogo do lado dela. – Falou com um sorriso de canto.

-Eu não estava encarando a Kaina! – Falei em minha defesa

-Claro, claro, e eu controlo o fogo. – Respondeu encarando as unhas.

-Ok! Você venceu, eu estava olhando Kaina, mas é normal pessoas olharem umas as outras, você mesma vive encarando Eliane!

-Meu querido irmão. Pessoas só encaram umas as outras em três ocasiões; primeira, quando odeia a pessoa, segunda; quando sente algum sentimento positivo pela pessoa e terceiro; quando a pessoa está fazendo algo ridículo. Eu encaro Eliane por que eu gostaria muito de poder congela-la de dentro pra fora, mas ainda não sei como fazer isso. – Falou – Porém, você não odeia Kaina e ela está apenas rindo e conversando com... Seja lá quem for aquela pessoa ao lado dela.  

-Isso que você falou é uma opinião sem pé nem cabeça. – Desviei o olhar para a fogueira cujas chamas “dançavam”.

-Aham... – Era estranho como conseguíamos ignorar os assuntos dos outros campistas e eles nos ignorar.

De repente, perto do anfiteatro, uma fumaça verde se formou ao redor de Rachel, seus olhos juntamente ficaram verde e do nada, a fogueira silenciou-se ao escutar as palavras altas da ruiva.

- Os escolhidos devem comparecer

 Para que o mundo não venha perecer,

A loucura começa a se levantar

Junto com ela, a escuridão está a se fortificar.

Os heróis irão se juntar, e com suas forças irão lutar

O fim do verão se aproxima, eles devem se apressar.

E então desmaiou, mas campistas próximos a seguraram.

O fogo se abaixou e depois começou a serpentear como se em pânico, esse era o olhar dos demais campistas.

Consegui ler os lábios de Quíron. “Esta começando...”, logo os semideuses começaram a falar sem parar e o centauro foi obrigado a se levantar.

-SILÊNCIO TODOS! – Pediu e a maioria ficou em silêncio.

-O que foi isso?! – Exclamou um filho de Ares

-Uma profecia! – Respondeu um filho de Hermes.

-Campistas. – Demian se manifestou – Não há motivo para se preocupar! Mantenham a calma! – E aos poucos, os campistas dali foram ficando mais calmos. – Tenho certeza de que Quíron e Sr. D. vão explicar tudo!

Quíron coçou as pálpebras.

Senti uma leve vertigem e depois ouvi alguém me chamando. Olhei ao redor. Ninguém.

Achei ser coisa da minha cabeça, mas ouvi de novo e me levantei. Mais uma vez, algo me chamou, e eu comecei a seguir na direção de onde vinha, ignorando totalmente a discussão que rolava.

-Onde você vai?! – Exclamou Crescent,

-Eu... Eu já volto. – Apressei meus passos na direção do que me chamava. Eu simplesmente não podia resistir.

-Matias! – Gritou, mas eu já estava distante.

(...)

Eu já estava andando em círculos pelos campos de morangos. Tinha algo ali. É estranho descrever a sensação.

Vi em um arbusto com morangos verdes, algo que me chamou a atenção. Fragmentos de gelo.

Olhei mais adiante e percebi que havia um rastro de arbustos e chão congelado, e inevitavelmente o segui.

O rastro terminava e um arbustos com cabos vazios de morangos e os arbustos congelados. Algo os comeu.

Olhei ao redor, estralei os dedos tentando chamar atenção do que fosse. Nada.

Quando já estava preparado para voltar pelo rastro, ouvi um farfalhar nos arbustos.

Me agachei e afastei os arbustos e em minha visão estava uma pequena criatura com escamas brancas, e olhos e cauda azuis. As asas estavam fechadas. Um dragão, não muito grande, do tamanho de um cachorro. Percebi que no chão ao seu redor, cresciam estalagmites pequenas de gelo.

-Era você que estava me chamando? – Perguntei um pouco... confuso.

Ele semicerrou os olhos e me encarou, logo guinchou e abriu as asas que eram duas vezes maiores que ele.

-Hey calma! – Falei. – Não vou te machucar!

Ele deu alguns passos para trás, mas acabou se esquecendo das estalagmites e pisou em uma delas, guinchou novamente e tirou a pata machucada, com icor dourado escorrendo da abertura.

Me concentrei e o gelo afundou no chão.

-Está tudo be... Argh! – Senti uma dor cortante no meu pé, e quando sentei no chão para ver o que era, um furo com sangue escorrendo. – Mas que merda é essa?! – Perguntei, logo vi o dragão, que tombou a cabeça para o lado confuso e ergueu a pata machucada. Um furo, do tamanho do meu machucado.


Notas Finais


Gente, eu peço desculpas por estar sempre postando meia noite, onze horas, ou até mesmo uma da manhã.
É que é o tempo que eu to acostumada a entrar no computer

Bejus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...