História As Dez Regras - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Bonnie Bennett, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Elena Gilbert, Freya Mikaelson, Hayley Marshall, Hope Mikaelson, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Rebekah Mikaelson, Rose-Marie, Stefan Salvatore
Tags Amizade, Casamento, Chefe, Comedia, Delena, Drama, Festas, Romance, Segredos, Traição
Visualizações 161
Palavras 3.191
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá povo como vão todos? Espero de coração que todos bem, é... sumi por um tempo né, sei como isso é chato e sinto muito por demorar, queria poder vir aqui no site para poder postar mais rápido, mais infelizmente ando com alguns problemas pessoais então fica um pouco difícil conciliar tudo, mas como disse não vou desistir da história, nem mesmo das outras duas que tenho, quero agradecer aos novos favoritos e aos comentários que recebi, prometo que vou responder a todos o mais rápido possível,
Ps: Fiz uma alteração no nome do capitulo, preferi dividir ele para não ficar tão grande.

Boa leitura a todos <3

Capítulo 14 - Recompensas


Fanfic / Fanfiction As Dez Regras - Capítulo 14 - Recompensas

Há pessoas que têm o poder de transformar segundos em verdadeiras eternidades.

Como Eu Era Antes De Você

Fecho os olhos sentindo cada investida de Damon me tirar o ar, meu ventre está começando a se retrair, cravo as unhas em seus ombros e sorriu em seus lábios, ele está realmente focado em me fazer gemer como uma vadia. E bem, não que eu não queira fazer isso, mas o fato de estar “fodendo” com o chefe em sua mesa já é muito clichê, até mesmo pra mim.

― Vamos Gilbert... ― pede roucamente mordendo minha orelha, a pressão de suas estocadas aumentam. ― Eu quero te ouvir gemendo o meu nome!

Mordo o lábio delirando, o prazer é algo surpreendente quando se provado com a pessoa certa, e Damon vem me mostrando um lado do sexo que talvez eu nunca tenha chegado a conhecer antes.

― Quer me ouvir gemendo? ― sussurro. ― Então me faça gozar... ― ele acelera ainda mais com a minha provocação. ― Continue fazendo isso que vou gemer como uma perfeita vadia.

Sinto seu corpo tremer pela risada, quando uma de suas mãos ergue minha perna me fazendo gemer involuntariamente pela estocada profunda, merda! Eu vou morrer ainda... Deslizo minhas mãos entre seus fios negros e o beijo com ferocidade, não havia nada além de prazer e isso estava começando a me viciar.

Damon segurou meus cabelos o puxando para baixo enquanto distribuía pequenos beijos e mordidas pela extensão do meu pescoço, sorri ainda mais satisfeita.

― Eu vou te fazer gemer, e vai se arrepender por me provocar! ― diz me encarou dentro dos olhos e isso me faz tremer como uma garotinha ingênua, de repente ele para com as estocas se afastando o que quase me fez chorar pela decepção de não o ter mais dentro de mim. 

― Mas que porra você está... ― sou cortada por seu beijo, ele parece muito concentrado, até que me desce da mesa sem delicadeza alguma. 

Damon passa a se masturbar com o olhar cheio de luxúria, seu membro ereto é a coisa mais excitante de todas, engulo seco com o sorriso perverso que surge em seu rosto.

― Vire-se! Quero você de quatro! ― sua voz é tão autoritária que sinto meu sexo latejar com ansiedade, inferno!

O obedeço deixando minhas mãos sobre a mesa de vidro e respiro fundo quando ele afasta minhas pernas me deixando totalmente exposta, sua mão desce com delicadeza por minhas costas fazendo movimentos circulares até me penetrar novamente, só que dessa vez com os dedos, Damon me toca com provocação enquanto massageia meu clitóris, suspiro e é impossível segurar o gemido. Ele está me masturbando com tanta destreza, que agora entendo bem por que as mulheres correm atrás dele, beleza e dinheiro ficavam para trás após descobrir o seu talento para dar orgasmos.

Damon Salvatore é o homem perfeito para foder com a vida de qualquer uma, e não digo isso só metaforicamente. Fecho os olhos quando sinto meu ventre se contrair e grito pela surpresa ao tê-lo novamente dentro de mim, Damon está mesmo inspirado em me fazer gemer, porque agora é só isso que faço, ele enrola meus cabelos em sua mão direita e com a esquerda distribui tapas em minha bunda. Aperto meus dedos na mesa enquanto ele entra e sai com força, essa posição me faz senti-lo ir mais fundo, mais apertado.

― Damon! ― grito alucinada pela mistura da dor com o prazer, é a coisa mais sensual e masoquista que já fiz na vida.

― É disso que gosta não é!

― Oh Sim! ― quase grito em alegria. ― Continuei senhor Salvatore! ― provoco rindo internamente, adorava saber que a Elena safada ainda existia por entre meus muros de solidão.

Damon aperta minha cintura e sai lentamente para voltar com tudo. Céus! Passo a rebolar contra suas investidas e gemo digna de uma atriz pornô. Um rosnado baixo sai de seu corpo e isso me deixa cada vez mais maluca, é sexy e parece só servir para nós incendiar, meus músculos se contraem e sinto a preensão apertar seu pau. 

― Goza Elena, seja a minha vadia perfeita...

E é isso que faço.

Gozo lindamente enquanto Damon faz o mesmo, sinto seu gozo escorrer por minha perna e só então percebo a merda que venho fazendo durante esses dias.

― Damon! Cadê a merda da camisinha?

 

 

Encaro as ruas sentindo o nervosismo por dentro, não usamos caminha, e isso me faz questionar as outras vezes... Como não pensei nisso antes?

Droga!

Estava tão preocupada por estar transando com o chefe que nem me importei se estávamos ou não nos precavendo.

E agora estou nesse dilema horrível...

― Porque está assim? ― Damon questiona ao parar no farol. ― Você me garantiu que toma anticoncepcional...

Suspiro pesadamente e o encaro constrangida.

― Olha Damon... ― começo com incomodo. ― Eu não tenho uma vida sexualmente ativa como você... ― meu rosto esquenta nessa hora, ele sorri de lado, filho da puta! ― Humm... Bem, sei que é estranho dizer isso, mas a gravidez seria um dos meus menores problemas em fazer sexo sem proteção... ― ele parece entender o que digo, mas prefiro continuar. ― E de nos dois, você é quem tem mais noites de sexo sem compromisso... ― para um minuto e mordo o lábio dessa vez sentindo o rosto pegar fogo. ― Então quem me garante que você não sai enfiando o pinto por ai sem usar camisinha!

É eu disse mesmo... Mas após perceber que estávamos fazendo sem camisinha eu surtei como nunca, Damon tentou me acalmar dizendo que me levaria a um médico no dia seguinte, sei que um filho jamais seria o que esperávamos, mas nunca considerei uma criança uma coisa ruim. Uma doença sim seria algo terrível...

O clima que tínhamos naquela sala acabou em um estalar de dedos, nos trocamos rapidamente e ele disse que me deixaria em casa, o problema é que durante o caminho vim pensando em quantas vezes ele possa ter feito isso, quer dizer, Damon dormia com muitas mulheres e se ele não se protegia? E se tivesse alguma doença? Sei que jamais imaginaria isso dele, mas era tão estranho, conheço ele há muito tempo, mas isso não me dava acesso direto ao seu exame sanguíneo ou coisas do tipo.

Acho que posso colocar essa situação como a mais constrangedora de todas...

― Olha Elena, eu entendo a sua preocupação. ― ele começa com um sorriso sereno, e não parece ofendido. ― Mas o fato de não usar proteção com você foi pelo calor do momento, você também esqueceu, e te garanto que não faço isso, cuido de minha saúde e não pretendo ser pai tão cedo, e confesso que pensei mais com a cabeça de baixo e não raciocinei na hora... Sou bem propenso a fazer merdas quando estou irritado e foder você é o que vem me deixando mais calmo... ― me remexo no estofado sentindo o calor me preencher com sua confissão. ― Mas amanhã mesmo vou marcar para que possamos fazer exames, assim imagino que você ficara mais tranquila e já que usa anticoncepcional, não vamos nos preocupar com nada.

― É... Ahãm... Você não se preocupa com o fato de não ter usado camisinha comigo? ― coço a garganta. ― Quer dizer, não se preocupa se eu não tenho doença ou coisa assim?

― Não... Como você mesma deixou claro, eu sabia bem que sua vida sexual era parada, conheço bem o corpo o humano e o seu me dizia que não fodia a um bom tempo...

Será que ele ficaria irritado se eu o mandasse se foder?

Bufo, é claro que não...

 

 

― Eu senti tanto a sua falta! ― solto abraçando Jay com força.

― Humm... Você está cheirando a sexo! ― responde me soltando e me olhando de cima a baixo, reviro os olhos e ele ri divertido. ― Estava transando com aquele homão né sua safadinha!

Eu também senti sua falta Elena... ― digo imitando sua voz como resposta e tiro os saltos. ― Vou tomar um banho e volto já.

― Vou preparar o nosso jantar! E quero saber de tudo mocinha...

Tiro o vestido rindo baixo, Jay com certeza vai fazer um belo interrogatório, e sei que vai me fazer morrer de vergonha quando contar tudo a ele, mas é para isso que servem os melhores amigos né?

Estico o corpo sentindo o mesmo dolorido e entro no chuveiro disposta a tirar todo o indício de sexo do meu corpo e após estar totalmente limpa, visto uma roupa confortável e volto para a cozinha. Jay já esta sentado na cadeira fuçando no celular, mas quando percebe minha presença o larga sobre a mesa com um sorriso macabro.

― Pode desembuchar senhorita Gilbert, e se possível quero os detalhes mais sujos...

Sorriu de lado e ergo o colar que Damon me deu, seus olhos brilham com expectativa.

― É amigo, acho que me meti em uma bela confusão.

 

 

Os dias da semana passaram voando e confesso que detestei isso, o jantar na casa da família Salvatore seria hoje, por isso estava escrevendo o que poderia ou não falar durante o jantar. Bato o lápis contra a mesa pensativa, minha mente está a mil, mas uma pessoa está presente em todos os meus pensamentos.

E é o meu chefe.

Damon está sendo gentil comigo, como nunca antes foi, e bem, fazemos sexo em sua mesa todos os dias desde a primeira vez. Sei que estava quebrando uma das regras, não queria misturar as coisas, mas tecnicamente estávamos praticando após o expediente de trabalho, então isso não conta né?

É não conta!

E após o resultado do exame fiquei mais tranquila em saber que estávamos limpos e que um filho não seria uma surpresa para nenhum dos dois.

Jay também vem me dando conselhos depois de entender toda a confusão que estou envolvida, e apesar das piadas irritantes ele quer se assegurar que eu não me de mal no final, por isso como ele mesmo disse, guarde seu coração por enquanto, viva o momento, e veja o que vai dar...

E é isso que estou fazendo, vivendo o momento sem criar expectativas ou coisas assim.

Mas algo ainda me incomoda, e no fundo sei que não é besteira, Rebekah Mikaelson veio ao escritório ontem e passou um bom tempo com Damon na sala de reunião, era estranho receber os seus olhares de raiva, ainda mais ela que sempre fora tão gentil... Mas sempre me lembro das palavras de Kol... Ele me parecia bem convicto naquela noite, por isso não acho que a loura esteja no escuro quanto a minha situação com Damon, o que então não explicaria sua raiva, porque ela me veria como inimiga?

― Ei Lena, vamos começar? ― Jay pergunta me fazendo despertar. ― Que tal já ir tomar o seu banho?

― Verdade, obrigada de novo por me ajudar Jay. ― agradeço juntando as coisas da mesa e dou um beijo em seu rosto.

― É pra isso que estou aqui amor. ― ele pisca deixando sua bolsa no batente. ― Estava pensando em fazer alguns cachos o que me diz?

― Não sei... ― dou de ombros. ― Só quero ficar a altura daquela família.

― Ah querida, com o vestido que compramos ontem e com aquele colar, você estará à altura da realeza!

― Humm... Assim vou começar a me achar em... ― brinco. ― Vou tomar banho então.

Corro em direção do banheiro e passo mais tempo que o necessário no chuveiro, me depilo como nunca, esfolio o rosto e passo os cremes para o cabelo que Jay me fez comprar no mês passado, ele dizia que era para fazer todas as semanas, como um cronograma, mas infelizmente quase nunca me lembrava deles.

Visto meu roupão após passar o creme de morangos, minhas unhas estão feitas e o vestido branco de seda está na cama esticado assim como o par de saltos bege ao lado, pego a langerie preta com um sorriso malicioso. Damon me deu o cartão dele para que comprasse um vestido para essa noite e bem, achei conveniente fazer um agrado a ele.

Por isso comprei a langerie mais sensual que vi naquela loja.

Visto a peça com delicadeza e sorriu com a ideia que me surge, por isso corro até a cômoda, e pego meu celular sobre a mesa para tirar uma foto provocante, sorriu ao imaginar a cara dele quando visse o que eu fiz, por isso envio a foto para seu e-mail.

Para: Damon Salvatore

Assunto: Compras

Escolhi pensando em você, espero que aprecie o esforço e me recompense depois.

Elena Gilbert

 

― Minha obra prima! ― Jay junta às mãos ao rosto emocionado. ― Você está uma verdadeira princesa Elena.

Fico espantada enquanto me encaro no espelho, realmente estou me sentindo como uma, o vestido tem o caimento perfeito, o corte em V deixa meus seios acentuados, porém de maneira bem sútil, e a delicadeza do vestido é tão sofisticada que parece deslizar por minhas curvas, e para completar Jay prendeu meus cabelos em um coque embutido com tranças, deixando duas mechas soltas para dar um charme, já à maquiagem ficou bem natural e o color que Damon me deu se destacou incrivelmente no visual.

― Obrigada! ― agradeço. ― Você faz milagres...

― Você é linda garota, só te arrumei um pouco... ― falou animado enquanto me abraçava com cuidado. ― Agora vai lá e esfrega na cara daquele povo quem é Elena Gilbert!

Dou risada e pego minha bolsa, Damon já estava me aguardando há dez minutos, e confesso que achei que fazê-lo esperar um pouco seria mais que merecida pelas vezes que me perturbou por chegar atrasada na empresa. Agora ele não teria do que reclamar, afinal, eu o estava ajudando.

― Me deseje sorte!

― Boa sorte e transe muito com aquele Deus grego!

Ignoro seu comentário, mas internamente conto com isso, por isso desço as escadas sem pressa, não queria estragar o look todo por ficar suada, o que me fez lembrar que precisava conversar com a síndica, estava sendo uma luta viver sem elevador.

― Ufa! ― solto o ar quando finalmente saio do prédio.

Damon me parece impaciente em frente ao seu conversível nada chamativo e não parece feliz, vou me aproximando devagar, não queria começar a noite com ele sendo um ogro.

― Ei, desculpe o atraso, tive um imprevisto com a minha vizinha... ― minto sorrindo calmamente.

Damon me encara em silêncio, suas mãos então dentro da calça social preta, sua camisa de linho branca faz com que seu peitoral fique ainda mais evidente, e pra completar seu blazer escuro realça seus olhos. Olhos esses que estão me despindo mentalmente. Tenho certeza disso.

― Você está maravilhosa. ― suas palavras me fazem sorrir sem jeito. ― Me surpreende cada dia mais...

Damon estica a mão em minha direção e quando a seguro ele me puxa para seus braços. Seu cheiro me deixa tonta, tudo nesse homem é delicioso, ele toca meu rosto e me encara, o que me deixa sem graça. Parece que seus olhos azuis buscam algo em meu olhar e isso me incomoda.

― Humm, obrigada, está tudo bem? ― pergunto, ele respira fundo e sorri de lado deixando suas covinhas surgirem, sinto meu corpo arrepiar.

― Quem diria que por baixo desse vestido, tem uma peça tão perigosa... ― seus olhos escurecem, eu conheço esse tom de voz. ― Você não sabe o esforço que estou fazendo para não levá-la até o meu apartamento e te foder do jeito que quer... ― ele me beija suavemente como se realmente tentasse se controlar. ― Você está me deixando duro só de me lembrar daquele foto...

Ele põe minha mão contra sua ereção e isso me faz gemer como uma cadela no cio, e não, não me sinto orgulhosa disso.

Mas vamos lá Elena, se controle! Jogue, é só sexo!

― Porque não vamos? ― sugiro mordendo o lábio tentando bancar a inocente. ― Acho que fazer sua família esperar é um pouco deselegante, não acha?

― Tudo bem, você tem razão... ― ele concorda após um longo suspiro de desgosto.

 

Damon dirige em silêncio e parece pensativo, observo sua calça e vejo sua ereção ainda ali, isso me faz sorrir internamente, hora de bancar a atriz pornô. Ligo o som do carro deixando em uma música suave, ele parece mesmo concentrado em algo que nem ao menos percebe quando me solto do cinto e me viro devagar, mas quando coloco minha mão sobre sua ereção, ele me olha espantado, mas logo me lança um sorriso sacana.

― O que está querendo senhorita Gilbert?

― Só quero cuidar de você, pelo visto está sofrendo ai não é? ― questiono o massageando, ele geme e deixa a cabeça bater no banco.

― Elena... ― sua voz sai baixa quando intensifico o movimento. ― Você ainda vai me matar!

― Que seja de prazer então... ― respondo desabotoando sua calça e deixo seu membro ereto em minha mão, o toco com suavidade e faço movimentos precisos, e começo a brincar com ele, e isso o faz suar, ponto pra mim.

Inclino meu corpo para baixo e o coloco na boca, fazer sexo oral nunca foi uma das minhas coisas favoritas, mas com Damon era diferente, eu gostava de chupá-lo, ele tinha sim um pau bonito com Jay me fez confessar vergonhosamente, e além do mais, tudo nesse homem me fazia pensar em sexo. Por isso o acaricio com dedicação total, quero que o meu seja o melhor oral que ele já tenha recebido na vida.

Damon estava enlouquecendo, afinal, eu o estava chupando como se fosse um picolé de frutas, então era mais que merecido os seus gemidos.

― Inferno! ― rugiu perdendo o controle do carro foi quando o senti parar. ― Eu vou bater, não consigo me concentrar. ― sua mão tocou minhas costas com carinho. ― Acho que libertei um monstro...

Precisei me controlar para não rir e estragar o momento, por isso continuei com os movimentos o fazendo gemer cada vez mais, Damon tem um pau grande e isso só me estimulava, além do seu pré-gozo facilitar tudo, percebi quando a respiração dele acelerou, ele estava prestes a gozar e como uma boa atriz pornô faria, engoli tudo com prazer, não deixando nenhuma gota escapar.

Sentei no banco do carro limpando os lábios com um sorriso travesso.

― Você foi perfeita Elena Gilbert... ― diz segurando meu rosto com divertimento, em seguida sou tomada por um beijo carregado de urgência. ― Você pediu para te recompensar quando me mandou aquele e-mail certo? ― assenti contra seus lábios sorrindo. ― E agora que me deu um bônus tão gratificante, tenho ainda mais certeza do que pensei para nós dois no fim de semana.

― Humm... E o que pensou senhor Salvatore? ― pergunto descendo meus beijos por seu pescoço.

― Será surpresa senhorita Gilbert, mas posso dizer que você não precisara usar roupas por uns dois dias...


Notas Finais


E ai gostaram? Se sim me digam o que estão achando, será um belo incentivo pra mim <3
Obrigada aqueles que ainda estão ai torcendo pela história e me desculpe a todos novamente pela demora, espero que me entendam.
Obrigada

Beijossss <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...