1. Spirit Fanfics >
  2. As dúvidas que não existiam >
  3. Capítulo Único

História As dúvidas que não existiam - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Notas finais do capítulo foram atualizadas (2020) se puderem dar uma lida ao terminar, agradeceria!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Título: As dúvidas que não existiam

Autora: Toynako   

Série: Good Omens                    

Casal: Crowley + Aziraphale 

Classificação: +13

Gênero: Shonen-ai

Criada em: 18/08/19

––x.I.x––

As dúvidas que não existiam

 

 

“— Entre, anjo.”

  Crowley sorriu fino enquanto deixava o amigo adentrar em seu apartamento, maneando com a mão para que seguisse adiante.

 “— Um agradável lugar.” – falou sorridente, olhando de um lado ao outro “— Diferente do que imaginei.”

 “— E como imaginou?” – questionou-o, fechando a porta e seguindo-o mais atrás, curioso pelas reações alheias.

“— Sangue pela parede, uns pentagramas, talvez uma ou duas cabeças de bode...”

 “— Sério...?”

 “— Não. Estou brincando.” – riu baixinho, tendo divertido-se com a cara de espanto do amigo.

“— Muito engraçado da sua parte, anjo...” – negou com a cabeça “— Vou providenciar os crepes da aposta que perdi.”

 “— Não se esqueça, os de Veneza. ” – lembrou-o, vendo o mesmo sumir diante de si

“Um pequeno milagre em prol de uma excelente culinária, não faz mal...” – pensou em seguida, voltando o olhar para o ambiente.

  Aziraphale sorriu animado, seguindo andando pelo apartamento do amigo. Tinha a noção de que precisavam ser discretos, ainda mais agora que oficialmente eram considerados alguma coisa misteriosa por ambas as raças. No entanto, como resistir quando o demônio ofertava uma brincadeira, onde se resumia em apostar em um cavalo e esperar o mesmo ganhar a corrida.

A sorte esteve do lado do anjo, já que ao ganhar pedira que crepes de uma localidade específica fossem providenciados. Só não havia contado com o fato de ser levado ao apartamento do outro para comer.

“— Plantas?” – piscou os olhos algumas vezes, indo em direção ao viveiro.

  O olhar brilhou ao deparar-se com o pequeno pedaço do paraíso que encontrou, tratando de aproximar-se com curiosidade. Eram extremamente bonitas, podia ver o cuidado no verde das folhas. Por isso aproximou-se mais, tocando na folha de uma delicada bromélia, acariciando-a.

O sorriso alargou-se, deslizando o toque por todas, acariciando-as até que notou uma costela de adão mais ao canto, indo até a mesma. As folhas estavam baixas, como se houvesse algo de errado com a planta.

 “— O que houve...?” –  comentou baixinho, tocando-a.

  Espantou-se logo em seguida, notando todas as plantas mexendo-se, aparentando estarem tremendo. O anjo olhou de uma para a outra, girando no próprio eixo, notando que todas aparentavam estar agindo do mesmo modo.

“— Eu disse algo errado?” – questionou-se, notando a costela de adão estremecer mais que as demais.

  Demorou alguns instantes para conseguir reconhecer o que se passava, onde logo sorriu doce, voltando o toque para a planta mais apavorada.

 “— Está tudo bem.”

  Aziraphale sorriu, mantendo o toque abaixo de uma das enormes folhas, erguendo-a de leve ao passo que curvava-se, para assim depositar um beijo suave ali. Um pequeno milagre, não faria mal. Cuidou da planta, passando para ela o carinho que precisava no momento, vendo todas ao redor pararem de se mover, bem como a que mantinha em mãos.

 “— Bem melhor agora.” – sussurrou, notando-a recuperada.

 “— Não mime minhas plantas, anjo.” – ralhou Crowley, estreitando os olhos, encobertos pelos óculos exótico.

 “— Um beijo cura tudo.” – sorriu, não ligando para a reclamação, ainda mais que o cheiro doce dos crepes povoavam no ar.

 “— Sei...” – deu um suspiro, erguendo a sacola com os crepes “— Os seus preferidos.”

“— Sorte que a regra de não mimar, não se aplica a mim.” – sorriu amplo.

  Crowley desviou o olhar, coçando a bochecha com a porta do indicador, levemente sem jeito. Manteve ainda sua atenção na alegria do loiro, maneando com a cabeça para que seguissem até a mesa, depositando a sacola ali. A animação alheia contagiava-o, fazendo com que desse um suspiro enquanto via a visita sentar-se e esticar as mãos até a sacola.

“— Espere.” – pediu, afastando a comida.

 “— Pretende que eu reze antes da refeição?”

 “— Quê?” – exasperou-se, vendo o outro rir e apenas tentar pegar novamente a sacola “— Não brinque comigo.”

 “— Então...” – deu um suspiro, erguendo o olhar para o amigo, parado ao seu lado “— Qual o problema?”

 “— Creio que...” – engoliu em seco, ficando sem jeito “— Me feri.”

  O anjo arregalou os olhos, virando-se melhor para o outro e deixando de lado a comida ou a aposta. Guiou uma das mãos até a dele, segurando-a de leve.

 “— O que aconteceu, Crowley?” – perguntou temeroso “— Eles foram atrás de você? Sabia que não devia ter te...”

 “— Espere, não é nada disso.” – cortou a frase do outro, engolindo em seco “— Cortei minha boca...” – disse mais baixo, desviando o olhar.

 “— Como você conseguiu se ferir na boca?” – levantou-se, fazendo o outro recuar um passo.

 “— Isso importa?” – resmungou.

 “— Você sabe que me importo com você.” – sorriu-lhe, ainda não entendendo bem o que se passava com o outro.

“— Então porque simplesmente não fica quieto e cura?”

 “— Como...?”

  O anjo questionou confuso, olhando para o rosto do ruivo e podia jurar que estava avermelhado no momento. Os olhos seguiram aos lábios do mais alto, buscando qualquer tipo de ferimento que o mesmo havia pronunciado, não encontrando nada que fizesse-o realmente ter que curar algo.

Já ia questionar sobre o que estava acontecendo, quando notara o quão tenso Crowley estava no momento, o quão era fácil ler as expressões faciais do demônio. Respirou fundo, aproximando-se e dando um suave beijo nos lábios do outro, notando-o – dessa vez sem dúvidas – corar mais ainda.

“— Sente-se melhor?”

 “— Eu...” – engoliu em seco “— Tenho que resolver algo, come aí.” – deixou a sacola sobre a mesa, tratando de sair às pressas.

  Aziraphale ficou olhando confuso o outro sair da sala de jantar, acabando por sentar-se outra vez e puxar os crepes para que iniciasse a refeição. O coração estava leve, não pelo sabor dos doces crepes que foram providenciados, mas sim com a situação do momento. Agora não precisavam fingir para as raças, podiam apenas agir como os dois eram realmente. O fato de serem um anjo e um demônio, não importava. Apesar de suspeitar que para Crowley, esse fato nunca importou.

  Era o início de uma história só dos dois, e com toda certeza daria atenção e carinho, igual as histórias que possuíam em sua livraria.

 

FIM

(18/08/19)


Notas Finais


Heya~
Agradeço por terem lido e ficaria contente se deixassem um comentário sobre o que acharam!
Esse ano (2020) comecei a fazer commissions de fanfics, se tiverem interesse deem uma olhadinha~
Commission de Fanfics
- Tabela de preços:
> 1.000 palavras -> 20 reais
> 2.000 palavras -> 25 reais
> 3.000 palavras -> 30 reais
> Acima de 4.000 palavras negociar sobre preço.
> Observação: A quantidade de palavras pode ser alterada para finalização da história, sem custos adicionais. Ex: 1000 palavras virar 1100 palavras.
- Qual gênero é permito?
> Ação; Amizade; Angust; Aventura; Comédia; Crossover; Darkfic; Death Fic; Drama; Ecchi; Ficção Científica; Furry; Humor; Humor Negro; Lemon; Paródia; Poesia; Romance; Shoujo-ai, Shounen-ai; Songfic; Suspense; Terror; Tragédia; Universo Alternativo e Yaoi.
> Basicamente todos, no entanto conteúdo adulto +18 apenas no gênero Boys Love/Yaoi.
> Conteúdo adulto não pode ser comissionado por pessoas menores de 18 anos.
- A fanfic após finalizada será postada no Nyah e Spirit. Caso queira que esta seja de teor pessoal, será cobrado 10 reais a mais do total, até 3.000 palavras. Após isso negociar sobre.
- O prazo para a entrega da fanfic (até 3.000 palavras) será de até dois dias úteis. Acima de 4.000 palavras negociar sobre prazos.
- O pagamento será realizado no ato do pedido, via Paypal, da preferência do cliente. Para pedidos acima de 4.000 palavras, pode haver dois parcelamentos.
- Será conversado a respeito da commission apenas por Twitter: @Toynako.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...