História As Espadas Gêmeas - Capítulo 9


Escrita por:


Capítulo 9 - O arco


Izuku começou a abrir os olhos, eles não estava mais na floresta, estava de frente para uma fogueira crepitando. O dia se foi e agora era noite.


Ele tentou se levantar, mas suas pernas e mãos estavam amarradas. Ele começou a se debater.


— Pode parar. — Disse uma voz feminina. — Poupe suas energias irá precisar mais tarde.


Das sombras uma mulher saiu, ela era coberta dos pés ao ombros com peles de animais. Ela continha uma aljava de flechas em suas costas, seus ombros eram tão largos que podia ser confundida com um homem, ainda mais com seus cabelos negros e desgrenhados.


— Vocês achavam mesmo que iriam mentir para mim e roubar minha mercadoria? Eu, Helena, filha de Marte. Abençoada por Diana. — Ela se vangloriava.


— Mentirosa, como Diana ia deixar você fazer o que faz com os animais?! — Gritou uma voz.


Perto dos cavalos estava Katsuki amarrado, ao lado de Eijirou desacordado.


— Cale-se escória. Você o libertou da primeira vez e você será o primeiro a morrer. — Ela pegou seu arco. 


Ele começou a brilhar com uma luz prateada. Helena pegou uma das flechas e atirou para o alto, um rastro prateado saia da flecha até desaparecer pela floresta.


— O… o… — Gaguejava Katsuki.


— O arco de Diana, sim. — Helena o guardou. — Espere até usá-lo em você.


Izuku começou a se mexer, ele tentava se soltar inutilmente. Ele só precisa pegar sua espada e soltar Shouto e Eijirou, mas as cordas eram muito fortes.


A única coisa que conseguiu foi chutar Shouto. Pelo menos foi forte o bastante para ele acordar.


— O que... aconteceu? — Disse Shouto com a voz rouca.


— O principezinho acordou. — Helena se aproximou. 


Ela segurou o queixo de Shouto.


— Agora poderá ver seu escudeiro morrer. — Ela o soltou.


— Não ouse… — Rosnou Shouto.


— Já lutei com mulheres mais altas e mais fortes que vocês. 


Ela começou a puxar Izuku pela gola da camisa, e o jogou sobre uma rocha.


— Ahr. —  Izuku gemeu de dor.


Shouto sentiu uma fúria descontrolada crescer dentro de si, ele sentiu uma chama queimar em seu braço esquerdo.


Helena puxou seu arco colocando uma flecha, ela atirou. A flecha acertou de raspão a bochecha de Izuku, acertando a pedra atrás dele. A flecha a atravessou por completo.


— Eu errei. — Disse Helena com um sorriso sádico. — Terei que tentar novamente, está gostando de como ele sofre príncipe? 


Shouto olhou para Izuku, ele estava se contorcendo de dor. Se ele sofria assim com um pequeno corte… Shouto não queria nem pensar.


Helena atirou mais uma flecha de raspão. Izuku começou a chorar e tremer.


— Ele é fraco, mal comecei a machucar ele e já está chorando. — Disse Helena.


Shouto sentiu mais raiva, Izuku não era fraco, ele jamais foi. Seu braço esquerdo se aqueceu, pequenas chamas dançavam em sua roupa, mas não a queimaram. 


Helena preparou mais uma flecha apontando diretamente para o peito de Izuku. Ela soltou.


Shouto explodiu em raiva. 


Porém a flecha virou cinzas no ar antes de acertar Izuku.


— O que? — Questionou Helena. 


Shouto estava ao lado dela, grandes chamas surgiam em seu braço.


Helena tentou atingi-lo, com o arco, mas ele derreteu e se tornou uma poça prateada no chão.


— Que tipo de feitiçaria é essa?! — Rosnou Helena puxando sua adaga.


Ela o atacou, mas no meio do caminho a adaga começou a derreter, o líquido metálico do resto da adaga queimou a mão de Helena.


Shouto a segurou pelo pescoço a prendendo no chão, as chamas não a queimaram.


— Por favor não. — Suplicou Helena.


Porém Shouto apenas olhou em seus olhos, e parecia não ter nenhuma pena. Ele a queimou até que ela se tornasse um corpo completamente carbonizado.


Ele se levantou, seu olhos esquerdo recebeu um tom de azul mais forte, porém a cor tremeluzia como uma chama.


Shouto se aproximou de Izuku, o mesmo recuou. Ele tocou as cordas que amarravam as mãos de Izuku e elas viraram cinzas, ele fez o mesmo com as de Katsuki e derreteu as correntes de Eijirou.


— Shouto? — Perguntou Izuku tentando não transparecer medo.


Shouto o olhou para Izuku, as chamas começaram a se apagar até não existir mais nenhuma. Ele caiu no chão de exaustão.


— Então Izuku… você pode me perdoar? — Disse Shouto com a voz fraca.


Ele desmaiou.


Vozes começaram a ser ouvidas ao longe.


— São os caçadores. Vamos. — Disse Katsuki.


Ele ajudou Eijirou a se levantar e entrou na floresta. Izuku levou Shouto com dificuldade para dentro da floresta. 


— Que pena, não vamos ver mais Marte ou Ceres. — Disse Izuku.


Katsuki os guiou até uma caverna. 


— Ficaremos bem aqui essa noite. Ninguém de lá conhece essa caverna. — Disse Katsuki colocando Eijirou no chão.


— Katsuki por que você ajudou o Eijirou? Nenhum dos caçadores…


— Eu não sou como os outros Deku. Eu vi que o Eijirou era diferente dos outros animais, ele é um humano como eu e você.


— Tá bom… Kacchan.


— Não me chama assim! — Ralhou Katsuki.


— Então não me chama de Deku. 


— Você não manda… em mim Deku.


Um brilho prateada começou a surgir ao longe. Izuku sacou sua espada. O brilho ficou mais forte e ganhou a forma de um arco, o arco de Helena.


— Como isso é possível? Shouto o derreteu. — Questionou Izuku.


O arco se aproximou de Katsuki, o mesmo estendeu sua mão pronto para tocar o arco, porém Izuku cortou o arco em dois.


— Que ideia é essa Deku?! — Rosnou Katsuki.


O arco começou a liberar uma fumaça negra, e voltou a se tornar uma poça prateada.


— Só monstros liberam essa fumaça negra. Tem certeza que queria o arco? — Desdenhou Izuku.


— Mas… como? Eu podia sentir a aura da deusa Diana. 


— Tem uma profecia. Ela diz que males irão assolar o mundo se não conseguimos a segunda Espada Gêmea, temos uma agora falta a outra. — Explicou Izuku. 


— Vão ter outros monstros?


— Sim, eles seguem a espada. Se quiser não precisa ficar com a gente…


— Não é isso. Eu quero saber o que o Eijirou quer. Ele foi meu amigo por muito tempo e… eu não aguentei mais ver ele sofrer então eu libertei ele.


— Faz quanto tempo que está com ele? 


— Durante quatro luas cheias. Eu era o caçador que iria vigiá-lo. 


— Pelo menos você ajudou ele. Ele não merecia isso.


— Ninguém merece, o que fizeram com ele.


Izuku começou a sentir o sono. Katsuki foi o primeiro a dormir ao lado de Eijirou. Quando não pode mais lutar Izuku dormiu.



















Notas Finais


Diana: Deusa da caça e da lua
Marte: Deus da guerra


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...