História As estrelas - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Personagens Krul Tepes, Lacus Welt, Mikaela Hyakuya, Shihou Kimizuki, Shinoa Hiiragi, Shuusaku Iwasaki, Yoichi Saotome
Tags Kimiyoi, Mikayuu, Mitsunoa
Visualizações 88
Palavras 2.518
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Suspense, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá Olá
Boa leitura e desculpem os erros.

Capítulo 21 - XXI


  Mikaela encontrava-se se vestindo, enquanto Yuichiro dormia tranquilamente. Sabia que era extremamente errado agi de tal forma, mas deveria estar na empresa. Shiho com certeza lhe encheria de perguntas e depois de ouvir tais resposta, ouviria sermões de seu melhor amigo. Havia terminado de abotoar o último de sua blusa. Pegou um pente e começou a deixar suas madeixas, mas arrumadas, quando estava colocando o pente na cômoda, sentiu uma forte ardência em seu ombro esquerdo. Yuichiro o havia mordido tão fortemente que as marcas de seus dentes ainda estavam perfeitamente visíveis, graças a sua pele ser branca, tudo ficava mais visível. Não estava com vergonha, ao contrário, queria expor para todos que pertencia ao moreno. Mais infelizmente no momento não poderia. Suspirou. Virou-se, olhou para Yuichiro. O mesmo se encontrava desnudo, o coberto o cobria impossibilitando de ver seu pequeno e razoável corpo magro e levemente modelado. As madeixas pretas caiam sobre seus olhos fechados, lhe dando um ar inocente. 

 Aproximou-se do mesmo, afastou a franja do rosto de Yuichiro. Ficou olhando-o fixamente por alguns minutos, fazendo um carinho na bochecha do moreno. Decidiu que deveria ir logo para a empresa, se não, voltaria para cama imediatamente e o envolveria em seus braços novamente se inebriando com tal cheiro peculiar. Mikaela aproximou seu rosto ao de Yuichiro, depositou um selinho que parecia ser retribuído mesmo com o moreno dormindo. Afastou-se a contragosto. Seu coração estava parecendo com um touro incontrolável nas ruas da Espanha. Antes de sair, escreveu um bilhete para o mesmo lhe informando que voltaria, mas que primeiro passaria em casa para pegar umas roupas. Mikaela caminhou tranquilamente em direção a cozinha, procurava sua chave do carro. Quando as finalmente encontrou, reparou em um jarro onde haviam flores azuis. Se perguntava como Yuichiro a havia conseguido, flores azuis são extremamente raras. Se aproximou do jarro e as cheirou. Era autenticas, mas quem seria que haviam lhe enviado? E quem seria tal pessoa que havia conseguido a grande proeza de conseguir cultivar tais flores exuberantes e de sentimentos tão fortes, que lhe transmitiam somente olhando para aquela cor e textura. Era assim que Yuichiro sentia-se quando olhava em seus olhos? Sentia-se livre? Como se aquele azul lhe invadisse e o afogasse em tal beleza.

 Ignorou tais sentimentos e perguntas, pegou sua chave e direcionou a saída. Logo chegou ao veículo, o destrancou e adentrou. Ligou o carro e tornou-se a dirigir até sua residência. Demorou cerca de quarenta e cinco minutos para chegar, o trânsito estava ficando cada vez mais incomodativo para si. Estacionou o carro, desceu e caminhou tranquilamente até o prédio. Cumprimentou a todos, solicitou o elevador, não demorou para que o objeto chegasse. Abriram as portas, o mesmo adentrou e apertou o botão referente ao andar em que morava. Se encontrava radiante. Estava cogitando a ideia de pegar todos os seus pertences e morar definitivamente com Yuichiro, sabia que era uma decisão um tanto precipitada e que ambos deveriam decidir, mas não queria ficar um minuto sequer longe de seu amado. Soltou uma gargalhada sonora. Estava realmente apaixonado, como a anos atrás se encontrava, a diferença atualmente era que se entregava de corpo e alma para o outro. Sentia que recebia o mesmo em troca. As portas do elevador se abriram, Mikaela se direcionou ao seu apartamento. Antes de pegar na maçaneta, risos emitiram de dentro do local. O mesmo estranhou. 

Girou lentamente a maçaneta e adentou ao local sem emitir qualquer som. Fechou a porta atrás de si delicadamente, aproximou-se, estava escondido atrás de uma das paredes do local. Reparou que eram duas mulheres conversando, deduziu ser a duas empregadas que havia contratado recentemente. As duas eram ótimas empregadas, sua casa sempre se encontrava extremamente impecável dando um ar mais elegante e espaçoso que o usual, o que para si era horrível. Aquela cobertura com somente si, o lembrava que dinheiro, poder, sucesso, festas, mulheres e homens, whisky, roupas de grife e carros esportivos não eram nada comparado a solidão que possuía fora e dentro de seu coração. Solidão que havia sido obliterada graças a Yuichiro. Quando estava para se retirar do local, pois sentia-se um stalker ou uma mulher fofoqueira, um comentário de umas das duas mulheres lhe chamou extremamente a atenção. Focou-se mais atentamente em escutar a conversa, por mais errado que fosse.

- Você reparou que o senhor Mikaela, quase não dorme em casa ultimamente? – Pergunta uma das empregadas. – Será que tem algo referente a Lacus?

- Tenho plena certeza que não, já reparou na expressão que o senhor Shindo faz quando nos referimos a Lacus? Com certeza não, deve ser um novo brinquedo. – Disse a outra empregada.

- Se o senhor Mikaela precisa de um brinquedo extra espero que ele me escolha, eu faria a emprega e ele o senhoril. Uma ótima fantasia. Senhor Mikaela possuí um ar tão sensual que me sinto excitada somente em escutar sua voz, imagina senti-lo. Pelos deuses, deve ser uma sensação maravilhosa. – Disse uma empregada, passando as mãos em si.

- Recomponha-se. – Disse a empregada. – Como se fosse muito possível o senhor Shindo reparar em si. Senhor Shindo é gay.

- Tenho certeza que não. – Disse a outra empregada.

- Você está fechando os olhos porque quer, mas é obvio que sim. – Disse a empregada. – Desde que fomos contratadas, quantas vezes até agora vimos o senhor Shindo com alguma mulher? Nenhuma. Ele sempre acorda ao lado de homens. E sempre os dispensa como se não fossem nada. Eu o respeito muito, mas quando se trata dessas atitudes ele envergonha qualquer homem de verdade, ele trata as pessoas na qual se envolve como objetos.

- Não o julgue dessa forma, Senhor Mikaela é um ótimo homem e com certeza será um maravilhoso marido. – Disse a outra empregada.

- Se o senhor Shindo chegar a se casar. – Disse a empregada, rindo. Mikaela estava chocado com tais palavras. Se perguntava fortemente se era esse tipo de fama que havia adquirido ao longo desse tempo e como não havia reparado em tais feitos. Ignorou seus pensamentos, caminhou lentamente até a porta, a abriu fazendo o objeto emitir um som, para que ambas a empregas notassem que havia chegado e fechou a porta. 

Direcionou-se ao seu quarto, passando por ambas e as cumprimentando normalmente. Adentou ao quarto, pegou uma de suas antigas mochilas que costumava usar na faculdade. Abriu seu guarda-roupa e começou a colocar suas roupas na mochila. Se encontrava sentado na cama, cansado. Seu guarda-roupa estava completamente vazio, havia se decidido. Moraria com Yuichiro, saberia que o mesmo brigaria consigo, mas estava torcendo fortemente para que o moreno o aceitasse e não o mandasse de volta. Pegou as três mochilas no local, estavam extremamente pesadas. Caminhou com uma certa dificuldade, parou em frente as duas empregadas que lhe encaravam espantadas.

- Vou ser breve e rápido. Estou me mudando para a casa de meu namorado, então não preciso mais de nenhum serviço de ambas. Sinto muito, vocês são ótimas no trabalho. As pagarei corretamente, entrarei em contato imediatamente com a empresa relacionada a ambas e efetuarei o pagamento. Muito obrigada. – Disse Mikaela, entregando a duas empregas uma certa quantia. Ambas agradeceram e perguntaram se o mesmo aceitaria ajuda. Mikaela agradeceu, mas relatou que conseguiria realizar tal feito sozinho.

   Havia acabado de chegar ao prédio de Yuichiro. Saiu do carro e olhou sua nova moradia, não era exatamente o local no qual estava acostumado, mas se estivesse ao lado de Yuichiro tinha certeza que tudo ficaria extremamente encantador. Trancou o carro, pegou suas mochilas e caminhou em direção ao apartamento. A noite já se fazia presente. Chegou a porta do local, completamente exausto. Estava ofegante e suado. No final, nem havia ido trabalhar. Girou a maçaneta e adentrou ao local. Fechou a porta atrás de si com seu pé. Os cômodos estavam iluminados, escutou um som vindo da cozinha, deduziu que Yuichiro se encontrava no local. Direcionou-se ao quarto, depositou suas coisas no local e apressou seus passos em direção a cozinha, assim que adentrou ao local teve uma desagradável surpresa. Shiho se encontrava no local tomando aparentemente um chá junto com Yuichiro, o mesmo estava cabisbaixo. Uma raiva apossou-se de seu coração, mas a retraiu.

- Finalmente você resolveu dar o ar de sua graça, não acha Amane? – Pergunta Shiho.

- Sim.... – Disse Yuichiro baixo, apertando sua xícara. Mikaela ignorou seu amigo e aproximou-se do moreno. O loiro ficou na altura do mesmo, colocou a mão em seu queixo e ergueu seu rosto. A feição que Yuichiro possuía, transparecia que estava completamente frágil. Seus olhos verdes pediam por socorro e a tristeza os inundavas, mas nenhuma lágrima havia se formado, mas mesmo assim deixava transparecer que estava prestes a chorar a qualquer momento. Mikaela selou seus lábios brevemente. O fazendo fechar seus olhos e se permitir levar por tal contato ensurdecedor. Separaram. Ambos se encaravam.

- Yuu-chan... Poderia ir para o quarto guardar minhas roupas, irei morar com você a partir de hoje. – Disse Mikaela sussurrando no ouvido de Yuichiro. O mesmo cora, mas logo lhe olha assustado. – Prometo que o ajudarei assim que resolver as coisas com Shiho.

- Mika, vamos conversar seriamente depois sobre essa sua atitude imprudente. – Disse Yuichiro, revirando os olhos. O moreno levanta-se. – Se me derem licença, tenho coisas a fazer.

- Fique à vontade, quem eu estava esperando já chegou. – Disse Shiho. Quando Yuichiro estava se retirando do cômodo, Shiho o chama. – Espero que não se esqueça do que conversamos, Amane.

- Shiho. – Disse Mikaela, puxando a cadeira a frente do mesmo e sentando-se.

- Tudo bem Mika. Minha é resposta é: O senhor vai ter que aprender a conviver comigo senhor Kimizuki, outra coisa, essa sua atitude não é nada compreensível, você age como um garoto mimado que somente é movido a dinheiro, é tão obcecado por tal coisa que é capaz de destruir a felicidade de seu próprio melhor amigo para obter o que tanto deseja. Você é um homem extremamente ganancioso senhor Kimizuki, lembre-se bem o que acontece com homens gananciosos como você, todos perdem algo que ama e você não será a exceção. Se me derem licença.

- Amane volte aqui imediatamente! – Grita Shiho, em pé batendo as mãos na mesa fortemente.

- Shiho não se esqueça onde se encontra. Está na residência de Yuu-chan, não na empresa. – Disse Mikaela, juntando suas mãos.

- Não me importa, ele não passa de um reles funcionário, o demito na hora que eu quiser! – Disse Shiho, exaltado. Aquela pequena chama de raiva se alastrava mais aindar no coração de Mikaela. O mesmo segura tal sentimento.

- Shiho, você não tem direito. Se o colocar na rua, eu o contrato novamente. – Disse Mikaela, calmamente. – Então diga-me o que deseja comigo?

- E o grande salvador do namorado indefeso dar o ar de cavalheirismo, que linda história. – Disse Shiho, sentando-se revirando os olhos. – Soube que dispensou as empregadas e que as notificou que iria morar com seu namorado.

- Sim, as informei. – Disse Mikaela, ignorando tais comentários.

- Pergunto-me se você depois que se envolveu com esse... Amane perdeu o juízo que tinha. – Disse Shiho.

- Não ouse falar de Yuu-chan dessa maneira. – Disse Mikaela, com um tom de raiva e ríspido. – Meu juízo está funcionando perfeitamente.

- Mika, você irá nos levar a grandes polêmicas se continuar a se envolver com esse Amane, eu tive que pagar o silêncio de ambas suas empregadas para que a notícia não espalhace. – Disse Shiho.

- Não pedir para que realizasse tal feito. – Disse Mikaela.

- Claro que não pediu, afinal você somente pensar nesse Yuu-chan. – Disse Shiho. – Que apelido mais ridículo Mika, parece até que o mesmo tem problema mental ou é uma criança.

- Shiho, cale-se imediatamente! – Grita Mikaela, levantando-se da mesa. Aquela chama havia se alastrado por todo o seu corpo.

- Calar-me pelo que? – Pergunta Shiho, debochado. – Por expor a verdade? Por expor seu amável Yuu-chan? Poupe-me Mika, ele está atrás de seu dinheiro. Então o dispense imediatamente de sua vida como fazia com todos os seus outros brinquedos.

- Yuu-chan não é brinquedo, eu o amo e ele me ama. Aceite. – Disse Mikaela, completamente exaltado. Se aproximando de Shiho.

- Ele deve ter usado alguma mandinga muito boa. – Disse Shiho, levantando-se e parando em frente a Mikaela. – Ou provavelmente ele deve lhe oferecer um prazer muito imensurável, para que você não consiga ficar longe daquele corpo completamente ridículo. Diga-me Mika, quanto ele lhe cobra depois de fazerem sexo? Cinquenta? Cem? Duzentos? Afinal todos tem o preço, qual é do seu namorado?

 Shiho sorria sadicamente. De repente o mesmo é acertado por um forte soco de Mikaela caindo sobre a cadeira quebrando tal objeto. Shiho levou a mão ao nariz que estava sangrando consecutivamente, o mesmo olhou para o loiro parado a sua frente e viu um olhar que assombraria seus sonhos por toda a  sua eternidade. Mikaela possuía uma feição assassina. Shiho sentia-se minúsculo, frágil e completamente impotente perante a aura e presença que seu melhor amigo emanava.

- Shiho, vou ser bem sincero com você. Você merece exatamente passar por tal tormento que está atualmente, você é seco, frio, ignorante e como Yuu-chan mencionou obcecado por dinheiro, desculpe por não conseguir salva-lo meu amigo, mas não vou deixar você me levar por tal caminho porque simplesmente George o abandonou por reparar que você estava falido. Nunca mais se aproxima de nós Shiho. A partir de hoje somos colegas de trabalho nada mais, nunca mais me olhe ou me chame de amigo, pois hoje você, não possuí mais tal permissão. O pagarei da minha vida como fiz com ele. Outra coisa, está demitido da empresa. Encontrarei outro consultor, que pense mais nos outros do que em si mesmo e em dinheiro. Agora, ponha-se para fora de minha casa! – Disse Mikaela, seu tom de voz era frio, ríspido, exaltado e principalmente cheio de raiva. 

Shiho levantou-se e caminhou lentamente em direção a porta, retirou-se do local. Quando tentou argumenta algo ou pedir desculpas por ter agido de forma tão idiota e inconsequente, Mikaela fechou a porta em sua cara. O loiro inspirou e respirou fundo. O mesmo direcionou-se ao quarto. Adentrando ao local, reparou que Yuichiro se encontrava  sentado no chão chorando desesperadamente, Mikaela correu na direção do mesmo ficando de joelhos no chão. O abraçou. Sentiu-se mais tranquilo quando o mesmo retribuiu tal contato. Afagou os cabelos do moreno até o mesmo se acalmar. Sentou-se no chão, Yuichiro em seu colo com a cabeça encosta em seu peito. Não demorou para que o mesmo se encontrasse mais calmo, mas ainda emitia alguns sons referentes ao choro. Logo a respiração do moreno ficou normalizada, Mikaela reparou que Yuichiro dormia profundamente. O loiro beijou sua cabeça.

- Prometo que nada irá nos separar Yuu-chan. Eu amo você, nunca se esqueça disso. Eu estou sempre ao seu lado, nunca vou cogitar em lhe deixar, como as estrelas preenchem o céu noturno, você me preencher de sensações indescritíveis. Então por favor, Yuu-chan nunca me deixe. Não sei viver mais sem você! – Disse Mikaela sussurrando, enquanto suas lágrimas caiam silenciosamente sobre seu rosto.


Notas Finais


O que estão achando?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...