História As estrelas - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Personagens Krul Tepes, Lacus Welt, Mikaela Hyakuya, Shihou Kimizuki, Shinoa Hiiragi, Shuusaku Iwasaki, Yoichi Saotome
Tags Kimiyoi, Mikayuu, Mitsunoa
Visualizações 79
Palavras 2.304
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Suspense, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi Oi
Sei que está tarde, mas fazer o que '-' Somente tive tempo agora.
Vamos parar de enrolação.
Boa leitura e desculpem os erros.

Capítulo 22 - XXII


 Yuichiro havia levantado mais cedo que o usual, se espreguiçava lentamente sentado na cama. Mikaela ainda se encontrava dormindo. Passou a mão sobre seus cabelos, os bagunçando mais que usual. Afinal tais madeixas negras já se encontravam totalmente desgrenhados. Levantou-se a contragosto, caminhou em direção a toalha que havia depositado em algum lugar do cômodo. Pegou tal objeto e direcionou-se ao banheiro. Tomou uma ducha quente, fazendo seu corpo relaxar por total completo. Ensaboou-se muito bem, pois sentia-se sujo de alguma forma. Talvez tais palavras de Shiho Kimizuki tivessem atingido seu âmago. Talvez não, havia o atingindo da pior forma. Ignorou certo pensamento e apressou-se a terminar seu banho. Saiu do boxe, pegou a toalha e se enrolou. Abriu a porta, adentrando ao quarto. Mikaela ainda dormida. Não havia percebido, mas o mesmo babava. Riu da cena, que para muitos achariam nojenta, mas para si achava extremamente fofo. Mikaela se comportava mais como um adolescente do que referente ao um chefe de uma grande companhia. Bom, essa era a aparência que o mesmo transparecia quando estava consigo.

Suspirou. Agora que morariam junto, teria que se focar em suas coisas em dobro, pois com seu namorado ao seu lado era praticamente impossível de se focar em suas coisas, qualquer movimento ou feição que o outro emitia tirava totalmente sua concentração. Verificou se Mikaela continuava dormindo, soltou a toalha que caiu lentamente de seu corpo. Começou a vestir-se. Estava pronto. Usava uma camisa social branca, uma calça jeans azul, um cinto marrom e um sapato kildare g5 marrom. Seu quarto estava razoavelmente bagunçado por causa das mochilas de Mikaela. Somente havia conseguido guarda uma mochila das roupas do loiro, parou imediatamente de realizar tal feito quando escutou vozes mais alteradas vindo da cozinha. Lembrar da noite anterior lhe causava uma dor imensa e naquele exato momento, gostaria de ignorar tal sentimento. E foi exatamente o que fez, procurou por sua bolsa de carteiro. A colocou assim que encontrou, depositou um beijo nas madeixas loiras de Mikaela e retirou-se do prédio. Passaria no chaveiro enquanto se dirigia a empresa, afinal o loiro teria que obter uma cópia da chave para adentrar em sua nova residência quando resolveu-se fica até tarde fazendo extra.

 Odiava realmente metrô. Não havia um lugar tão incomodo quanto aquele, deduzia que uma sardinha se sentira mais confortável naquela lata pequena do que se encontrava agora. Shinjuku era uma cidade que acordava praticamente com o amanhecer, as estações de metrô já se encontravam lotadas. Quando seu vagão chegou, nem se esforçou em adentrar ao local, pois, fora empurrado a força pelo turbilhão de pessoas que pareciam mais enlouquecidas do que normais. Adentrou ao vagão, não encontrou nenhum lugar vago. Segurou-se em algo, colocou seus fones e selecionou a música. Quando era adolescente, gostava um pouco de musicais, apesar de acharem a maioria das partes chatas. Mais mesmo assim gostava, havia se apaixonado por uma serie chamada Glee. Tinha vergonha de admitir, mas seu celular possuía algumas músicas do programa. Havia selecionado a playlist relacionado ao programa Glee.

At first, I was afraid, I was petrified. / Kept thinkin' I could never live/ Without you by my side, / But then I spent so many nights/ Thinkin' how you did me wrong./ And I grew Strong/ And I learned how to get along.... (No início eu tive medo, fiquei paralisada/ Fiquei pensando que nunca conseguiria viver/ Sem você ao meu lado/ Mas então eu passei muitas noites/ Pensando como você me fez mal/ E eu me fortaleci/ E eu aprendi como me arranjar.)

Sua estação chegou, desceu do vagão cantando a música em um tom baixo. A música que cantava era praticamente um hino para os LGBT’S. Não sentia vergonha de si, afinal a anos havia se assumido, mas odiava os rótulos. A sociedade parecia sentir prazer em coloca-los nas pessoas. Odiava isso, pessoas não eram objetos e muito menos máquinas para seguir padrões, ser diferente não é ser anormal ou doente. Ser diferente mostra o quanto cada um é único no mundo e que todos são especiais, pois cada pessoa tem sua personalidade, o modo de viver, o modo de levar as coisas e dentre outras.

    Quando se assumiu a primeira vez para os amigos, muitos o irritavam pois sempre escutava as mesmas perguntas: Você gosta mais de homens ou mulheres? Você tem certeza que é bissexual? Qual é o melhor no sexo? Você sente prazer com os dois? Perguntas incrivelmente chatas e insuportáveis, mas o que mais lhe irritava era o fato das pessoas mais velhas lhe olharem com desgosto e lhe tratar com tanto desdém por causa de sua opção sexual. Quando estava com seus dezoitos anos, se envolvia romanticamente com uma certa frequência com garotas e garotos perto do colégio. Um certo dia, havia terminado de se despedir de seu “amigo” e uma mulher lhe chamou, perguntou-lhe se o mesmo não tinha vergonha na cara para agir de tal forma. Que tal comportamento era pura sem-vergonhice e que levavaria má fama e desonra a sua família. Como sempre ignorou a mulher e seguiu sua vida.

   Caminhava tranquilamente, até chegar ao Starbucks. Adentrou ao local que parecia um pouco mais lotado que o usual, solicitou seu café a Susie. A mesma sorriu para si. Yuichiro efetuou o pagamento do café, não demorou para que o café chegasse. Agradeceu a Susie e se direcionou-se a empresa. Aumentou o volume de seu fone. O refrão chegava novamente. Cantou junto com a cantora.

I'm a survivor (What?) / I'm not gon give up (What?) / I'm not gon stop (What?) / I'm gon work harder (What?) / I'm a survivor (What?) / I'm gonna make it (What?) / I will survive (What?) / Keep on survivin' (What?) ... (Eu sou um sobrevivente (O que?) / Eu não vou desistir (O que?) / Eu não vou parar (O que?) / Eu vou trabalhar duro (O que?) / Eu sou um sobrevivente (O que?) / Eu vou conseguir (O que?) / Eu vou sobreviver (O que?) / Eu vou continuar sobrevivendo (O que?).

   Girou, feliz. Aquela música sempre o animava. Amava a Beyoncé apesar do seu passado na destiny's child. Sonhava em adquiri tal beleza como a mesma havia conseguido com o decorrer do tempo. Abriu sua bolsa, pegou seu crachá. Fechou sua bolsa, colocou o crachá. Tomava seu café tranquilamente. Parecia renovado. Cumprimentou os guardas, mostrou o crachá e adentrou a empresa. Bateu seu ponto e direcionou-se a sala de projetos. Abriu a porta do local e reparou que ninguém se encontrava no local. Deu de ombros, sentou-se no lugar em que trabalhava. Abriu a bolsa, tirou sua caneta e colocou o objeto ao lado do banco. Depositou o celular e o café na bancada e começou a desenvolver sua parte do projeto. Estava tão absorvido em meio aos códigos e as músicas que não reparou que o cômodo estava com quase todos os funcionários conversando sobre os acontecimentos e o projeto. De repente, sente mãos pequena passarem lentamente por suas costas. Assustou-se a princípio, pulando do banco. Virou o rosto olhando por cima de seu ombro. Era Shinoa. Yuichiro retirou os fones e pausou a música.

- Você me assustou. – Disse Yuichiro.

- Essa era a intenção! – Disse Shinoa, rindo. Yuichiro revira os olhos – Você conseguiu resolver seu problema?

- Sim, obrigado. – Disse Yuichiro, colocando os fones.

- Que rude, ignorando sua melhor amiga. – Disse Shinoa, fazendo bico.

- Aposto que essa cara funciona com Mitsuba. – Disse Yuichiro, rindo.

- Claro que funciona, minha namorada me ama. – Disse Shinoa, convencida.

- Bom para você, pelo que reparei em Mitsuba naquele encontro ela é aparenta ser bem tsundere. ­– Disse Yuichiro, rindo.

- Não chame Mit de tsundere. Seu namorado aparenta sem bem yandere, Yuu-san. – Disse Shinoa, sentando-se ao seu lado.

- Ele não se aparenta Yandere, ele é! Mika tem uma mania horrível de ficar me marcando. – Disse Yuichiro revirando os olhos.

- Vejo que em sua cama, as coisas literalmente pegam fogo. Sabia que o senhor Shindo somente possuía uma tinha carinha angelical, aposto que ele deve ser uma fera na cama. Fico com pena do meu pobre amigo, Yuu-san. Uma simples gazela à mercê de um leão ansioso e completamente sedento por seu corpo. – Disse Shinoa, segurando o riso. Yuichiro estava completamente rubro.

- Shinoa! Grita Yuichiro, atraindo atenção de todos no local. O mesmo inspira e suspira lentamente. Shinoa obtinha uma gargalha bastante sonora ao seu lado. De repente, Yoichi adenta ao local completamente nervoso. Ambos repararam que o mesmo possuía um comportamento estranho e que seu pescoço estava... Marcado de chupões?

- Parece que nosso amigo Yoichi, teve uma noite bem quente. – Disse Shinoa, sussurrando.

- Estou completamente surpreso. Yoichi não é de realizar tais atos como esse. – Disse Yuichiro, retirando os fones.

- Eu sei. Eu esperava isso de você, não dele. – Disse Shinoa, olhando para Yoichi séria. Quando Yuichiro iria rebater sobre tal argumento, Yoichi senta-se ao lado dos dois. O silêncio se fazia fortemente presente entre os três. Yuichiro e Shinoa observavam atentamente o menor, enquanto o mesmo transparecia mais nervosismo.

- Querem parar de me olhar. Estou envergonhado. – Disse Yoichi.

- Yoichi-san com quem você dormiu ontem? Pelos deuses eu esperava essa atitude do Yuu-san, mas não sua. Mais eu não posso julgar ninguém, eu realizava tais atos também. O pior era quando eu mencionava o nome da pessoa errado. – Disse Shinoa, lembrando-se de tais momentos. Yoichi estava corado, o moreno revirava os olhos.

- Como a princesa caroço informou, não vamos lhe julgar. Pode nos contar se quiser, Yoichi. – Disse Yuichiro, sorrindo tentando transparecer confiança ao outro. Yoichi os olha, suspira.

- Vocês prometem que não vão contar a ninguém? – Pergunta Yoichi.

- Sim. – Disseram ambos em uníssono, nenhum dos dois tentaram esconder tal curiosidade.

- Eu dormir Shiho Kimizuku ontem! – Disse Yoichi, rapidamente. Ambos a sua frente se encontravam completamente supressos. Yuichiro não estava acreditado em tais palavras mencionadas por Yoichi, Shinoa sorria maliciosamente.

- Foi somente isso? – Pergunta Shinoa, dando de ombros.

- Como somente isso? Eu dormir com um de nossos chefes. – Disse Yoichi, nervoso.

- Relaxa Yoichi, se fosse por isso Yuu-san estava tendo um ataque do miocárdio todos os dias por lembra-se que namora o senhor Shindo. – Disse Shinoa, pegando suas coisas.

- Que história é essa Shinoa?! Pergunta Yoichi, completamente alterado atraindo a atenção de todos. Yuichiro fuzila Shinoa com o olhar enquanto a mesma pede desculpas. Teria que conversar em particular com Yoichi depois. Suspirou. Quando ia argumentar, Mikaela adentra ao local passando as instruções.

 Se encontravam Mikaela, Yuichiro, Shinoa e Yoichi em sua residência. Mikaela estava usando uma camisa branca com uma listra vermelha e duas listras azuis finas e uma bermuda bege. Como acessório, usava seu óculos e uma touca oversized preta. Na mesinha a frente de todos, estavam repletas de papeis de extrema importância para Mikaela. O loiro estava analisando algumas pilhas de papeis que antes eram obrigação de Shiho, mas que por demitir seu amigo, cuidaria da parte burocrática. Ficou extremamente agradecido pelos amigos de Yuichiro o interromper, não estava mais com paciência para aturar aquelas letras e números. Afinal lia detalhadamente os contratos e outros documentos. Yuichiro se encontrava com o queixo encostado na cabeça de Mikaela enquanto seus braços o envolviam. O loiro de vez em quando depositava beijos em seus braços. Ambos assistiam pacientemente Yoichi ficando completamente histérico por saber do romance. O moreno revirou os olhos e depositou um beijo na bochecha de Mikaela, o informou que iria terminar de preparar a janta. Yuichiro retirou-se do local enquanto Yoichi ia atrás do mesmo.

 O jantar ocorreu normalmente. Yoichi parecia mais calmo, Yuichiro teve que usar argumentos baixos para persuadir seu melhor amigo. Havia lhe dito: Se você pode dormir com Shiho Kimizuki e se encontrar com ele novamente depois de uma noite significar somente “sexo”, porque eu não posso namorar Mikaela Shindo? Não vejo diferença entre nós. Yoichi não tinha argumentos para rebater tal comentário, então aceitou, mesmo aquele relacionamento não lhe agradando nem um pouco. Suspirou. Havia vencido o menor pelo menos uma vez. Sabia que seria uma grande repercussão quando seu melhor amigo soubesse, mas não esperava que o mesmo ficasse tão histérico. Seus amigos se retiraram de sua residência, agradeceram o jantar. Yuichiro e Mikaela despediram de ambos. Quando seus amigos, sumiram de seu campo de visão o loiro o pegou no estilo noiva, fechou a porta a trancando e o levou ao quarto. Fizeram amor. Se continuassem assim, Yuichiro não aguentaria o apetite sexual de seu namorado. Estava sentando no chão do banheiro apoiando ao lado do vaso sanitário, vomitando. Os enjoos lhe rondavam fortemente. Estava revirando o dia em sua mente várias e várias vezes procurando por tal alimento que havia o feito mal. Logo o enjoo volto a si e vomitou. Levantou-se. Estava fraco e tonto. Acionou a descarga, lavou sua boca e escovou os dentes. Abriu porta do banheiro, adentrou ao quarto que já se encontrava devidamente ajeitado. Deitou-se na cama e se aninhou no peito de Mikaela, o mesmo lhe abraçou.

 A fragrância do loiro era completamente inebriante, sentia-se como um viciado, mas um viciado em Mikaela. Em seu marido. Poderia chama-lo assim? Afinal moravam juntos, praticamente estavam casados. Sorriu sem perceber sobre cogitar tal ideia. Começou a imagina como seria o se ambos tivessem um filho, teriam que comprar um apartamento maior. Yuichiro teria que deixar seu emprego para cuidar da criança. Tirou uma das mãos que estavam no peito do loiro e depositou uma das mãos em sua barriga. Desejava fortemente ter um filho com Mikaela e que se tal feito realiza-se queria que fosse parecido com o mesmo. Um mini Mika. Sorriu. Mesmo sabendo que tal ato nunca iria se realizar, se permitiu imaginar. Em meio a esses pensamentos, adormeceu.


Notas Finais


Gente estou seriamente pensando em fazer essa fanfic mais focada em somente Mikayuu '-'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...