História As Fases da Lua - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 1.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - 1


  O canto do galo me fez acordar, mesmo estando em um apartamento no centro da cidade, que por mais que seja pequena, não é rural. Estico meu braço ainda dormente e desligo o despertador do celular que se encontrava na comoda á minha direita. Para muitos, o alarme do meu despertador pode ser irritante ou até peculiar, mas para mim, era a unica forma de eu conseguir acordar as 6:25 da manhã de uma segunda-feira, principalmente sendo o dia de volta as aulas depois das "ferias" de julho. 

            Sento-me na cama meio adormecida, abro os olhos com dificuldade; por mais que já estivesse de manhã, ainda estava um breu; me levanto cambaleando e me arrasto até a porta do banheiro. Acendo a lâmpada amarela, que já estava lá a alguns anos e ainda não tinha queimado; me aproximo da pia com a visão um pouco embaçada e ligo a torneira para ver se jogando um pouco de água gelada na cara eu terminava de acordar.

           Abro o armarinho onde se encontrava a minha escova de dentes e apanho-a junto com  pasta de dentes, que por sinal já estava dando seus últimos suspiros de vida. fecho a portinha do armário, fazendo com que eu veja o meu reflexo naquele espelho embolorado.

 -Patética! - exclamei. Eu realmente estava, com meu rosto amassado, olhos inchados, cabelo bagunçado e pasta de dentes escorrendo pelo canto da minha boca. 

Revirei os olhos e me sentei na tampa do vaso sanitário. Depois de algum tempo reclamando internamente sobre as coisas que fiz até hoje e de ter terminado minha higiene matinal, sai do banheiro e caminhei em direção ao meu quarto, parando em frente do guarda roupas. Deixo escapar um suspiro enquanto observava aquela camiseta azul escuro com detalhes amarelos. Quem poderia chamar aquilo de uniforme? A vantagem era que, por enquanto, poderia usar calças jeans ao invés de calças de tactel, e isso já é grande coisa!

Me visto com dificuldade em frente a porta de espelho do guarda roupas; me senti estranha usando aquela roupa de novo. escovei os cabelos desnecessariamente compridos e peguei minha mochila que eu havia arrumado na noite anterior e fui para a cozinha. Abro a geladeira com cuidado para não acordar minha mãe e meu irmão pequeno, passo os olhos pelos potes brancos que guardavam o que sobrou da janta de ontem a noite. Pego a caixinha de leite no fundo da geladeira e fecho a porta da mesma. Apanho um copo que estava sobre a pia e encho-o com leite até quase transbordar; aquele copo, mesmo sendo inanimado, é como eu, tão cheio que poderia derramar com apenas um pequeno sopro. Alcanço o pote de achocolatado e o misturo ao liquido no copo e bebo tudo na mesma velocidade que me irrito com perguntas tolas e hipócritas como: Tudo bem. Olhei no relógio do microondas, ainda eram 7:00. Soltei um longo suspiro e caminho até o sofá camurça e me jogo de forma desleixada no mesmo. Agarro uma almofada e observo os ponteiros do relógio se moverem vagarosamente até serem 7:18. Então me levanto e saio á caminho do inferno, mais conhecido como colégio.

A rua estava vazia, o colégio era bem em frente do meu "ape", o caminho era curto principalmente para quem caminhava para o seu pesadelo. Parei em frente ao portão que acabara de ser aberto, soltei um longo e profundo suspiro e, como sempre fazia, passei pelo corredor dos 3°anos de cabeça baixa, desci alguns degraus e então, chegando a "área" dos 9°anos , finalmente levantei os meus olhos tendo visão total daquele espaço cheio de demônios, alguns loiros e magros de nariz em pé, outros de bonés para trás se achando um poderoso mafioso sendo que não passava de um mero drogado.

Inspirei fundo e segui  em frente. Quando estava a 1 metro de distancia da porta da minha sala ouço uma voz conhecida chamando meu nome.

-Sara!

Me viro e encontro aqueles olhos negros e pequenos, eles estavam cintilantes como sempre, não podia ser diferente. Rosa era a minha melhor amiga, sempre estava sorrindo mesmo quando as coisas estavam ruins para ela. Ela me fazia rir e sorrir com seus papos sobre conspirações e coisas do tipo. Ela me abraçou e nós entramos na sala, não tinha quase ninguém lá, umas 3 pessoas além de nós. Eu caminhei até a segunda carteira da segunda fileira depois da porta. Rosa se sentou atras de mim.

-Você viu que o Monsta X lançou um novo álbum em japonês?- Rosa perguntou me fazendo rir baixo. Tinha me esquecido de quantas vezes ela me chamava durante a aula para falar deles. Eu não me incomodava nem um pouco com isso, afinal ela era a única além de mim no "grupinho" que gostava de kpop, mas ultimamente Miah havia se interessado na cultura coreana também.

-Não, não vi.- finalmente respondi.

Rosa ia começar a falar como o novo álbum do Monsta X era maravilhoso, mas a Miah chegou bem na hora. Não pude evitar de sorrir ao ver aquele rosto pequeno cercado por cachos pequenos e aquele óculos estilo Ray Ban que cobria quase todo seu rosto.

-Oi gente! Tudo bom?-ela disse vindo me dar um abraço. Miah era a pessoa mais simpática, otimista e grossa que eu conhecia.

Assenti com a cabeça, sorrindo. Rosa fez o mesmo.

-Que bom!- Miah disse e logo mudou de expressão e fez um bico triste. - eu não acredito que o V morreu!

Fiquei confusa por alguns segundos mas depois me lembrei que no inicio das férias tinha recomendado alguns doramas para ela e um deles era Hwarang.

-É realmente triste.-disse consolando-a de forma boba. Então ela sorriu, foi para o seu lugar no fundo da sala deixar sua mochila e voltou para conversar comigo e com a Rosa.

Enquanto conversávamos os demônios, digo, os alunos começaram a chegar e a lotar a sala. Em meio a tantos rostos conhecidos, reparei eu um totalmente novo, era uma garota ela tinha cabelos longos e escuros. Eu não gosto muito de novidades mas estava muito feliz de o aluno novo ser uma garota.

       O sinal finalmente bateu, não que eu goste de estudar, mas ouvir as patadas do professor Nunes era realmente divertido. A aula passou rápido e na troca de professor percebi que a Rosa estava escrevendo alguma coisa no seu caderno, não me atrevi a perguntar o que era pois ela estava tão concentrada e eu não queria atrapalhar.

As outras 2 aulas passaram devagar por conta da minha curiosidade sobre o que Rosa estava escrevendo. Quando finalmente fui perguntar o que era, o sinal para o intervalo bateu. Então eu sai da sala e me sentei no banco de concreto ao lado da porta, Rosa se sentou ao meu lado segundos depois. Fiquei observando-a escrever por algum tempo até ela me entregar o caderno. Mal pude acreditar no que acabara de ler. Era impressionante o tanto que ela se tornou pervertida em menos de 3 semanas, e a culpa era minha.

Teve uma época em que participávamos  de grupos de historias de RPG e eu comentei que seria bom ela ler algumas fanfics e ela o fez,mas ao invés de ler fanfic para nossa idade ela leu fics adultas. Rosa estava indo,ou melhor,correndo em direção ao mal caminho.E a culpa era minha.

Bufei enquanto pensava nisso.

-Não gostou?-Rosa interrompe meus pensamentos.

-É claro que não!-devolvo o caderno para ela-eu sou santa e totalmente pura!Só leio Bíblia e você vem com esses negócios tipo 50 tons de cinza pra cima de mim!

Ela ri. Era bom  fazer as pessoas rirem eu era boa nisso,menos quando se tratava de mim.Eu não podia fazer nada a respeito quando se tratava de mim a não ser fingir que eu mesma não existo a maior parte do tempo.


Notas Finais


espero que gostem! essa historia também está sendo postada em outros sites de historias


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...