1. Spirit Fanfics >
  2. As joias dos deuses e dragões. >
  3. 16. Floresta profunda.

História As joias dos deuses e dragões. - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Oi Pessoal boa tarde, como vocês estão?
Chegou a hora de mais um capitulo da historia.

Tenham uma ótima leitura.

* A imagem consiste no exercito da igreja de Methura (maiores patentes)

Capítulo 16 - 16. Floresta profunda.


Fanfic / Fanfiction As joias dos deuses e dragões. - Capítulo 16 - 16. Floresta profunda.

Havíamos acabado de sair do reino de Midway, olhei para minha frente e Padre Julius estava sentado apenas observando o início do caminho da mata antes do início da floresta. Observei nos lados da bela carruagem eclesiástica dotada de tamanho considerável e ornamentos tão belos como os da realeza. Abri a pequena janelinha de vidro na intenção de ver os sacerdotes e sacerdotisas montados nos seus respectivos cavalos reluzentes.

- Senhorita santa Ariane, isso tudo deve ser muita coisa para que a senhorita assimile tão rápido. Mas não se preocupe pois Papa Feng wo e toda a igreja vai auxilia-la em sua missão e protegê-la até sua última respiração.

- Obrigada Padre Julius, sim realmente é muita coisa para pensar, mas eu sei que não estarei sozinha.

- Minha cara se houver algo em que eu possa ajudar a sua santidade, me avise imediatamente.

- Sim muito obrigada. – Mostro um sorriso agradecida para o padre que está me ajudando a tirar minhas preocupações.

- Olhe lá fora santíssima, veja o olhar dos guerreiros eclesiásticos que estão brilhando desde o momento que vossa santidade foi anunciada. Deusa Methura nos abençoou grandemente mesmo em momentos em que a humanidade está levando muitas baixas devido as forças das trevas.

Olho para os guerreiros e realmente verifico a felicidade em seus olhares, eu sabia que santos aparecem com intervalos de anos ou séculos e as joias só juntariam aos seus corpos mediante a junção de corpo, alma e principalmente da vontade dos deuses.

E o aparecendo de um santo era visto como uma benção em que os deuses estavam protegendo os humanos, elfos, hobbits e outras raças da terra media, com a sua luz divina contra o ataque da escuridão devastadora.

- Padre, aqueles que me cumprimentaram são guerreiros de patente diferente pois eles têm uniformes e armas diferentes dos outros sacerdotes e sacerdotisas?

O mesmo homem de olhos serenos olha pela janela, pensativo toma um gole de agua e então coloca seu cantil em seu traje.

- Sim, eles têm patentes que equivalem as dos generais do exército do rei.

- Não sabia.

- A igreja tem as patentes da seguinte forma.

O mais alto, tira de seu traje um pergaminho e começa a riscar algo, e me mostra rapidamente um tipo de organograma. Ao verificar o centro havia escrito Santos e o Papa, logo após Padres guerreiros, Sacerdotes e sacerdotisas e pôr fim do desenho soldados que iam da primeira ordem a quinta ordem.

- Na nossa igreja temos outros santos despertados?

- Sim, atualmente temos você a santa da deusa Methura, o santo do deus Pai de todos Amezid que você conhecera amanhã e por fim o outro santo da deusa Imara a rainha dos mares, que você também conhecera amanhã. Atualmente apenas existem vocês três santos divinos.

Entrego a inscrição para o mais velho, instantaneamente agradecendo a sua explicação. O mesmo me olha recolhendo o papel e colocando de volta em seu traje.

- Senhorita santa, todos os guerreiros que estão nessa jornada hoje são da deusa Methura, ou seja, você é a maior autoridade junto ao papa. Você possui um castelo, um exército muito maior que esse e cinco templos espalhados pela terra media. Seu poder equivale de um rei regente, em que tanto a igreja de Kingdom e a família real dividem o controle do pais.

- Então antes eu era uma pessoa anônima e agora eu tenho muitos poderes e muitas responsabilidades.

O mais velho olha para a janela observando os seus subordinados a cavalo.

- Sim, agora sua proteção deve ser reforçada e também terá que se comportar como um dos membros mais poderosos do clero. Mas eu creio que vossa santidade vai ter êxito em entender e também a comandar.

.

Após umas horas o sol estava ao nosso encalço e teríamos que fazer uma parada no caminho da grande floresta, pois a comitiva da realeza também havia parado na mesma intenção. Vejo uma das sacerdotisas tão bela e de alta patente, abrir a porta da carruagem e estender a mão em minha direção.

- Venha vossa santidade, hoje eu Tália serei sua escolta junto ao sacerdote Ahmed.

Ambos pareciam extremamente fortes e confiantes, a mulher Tália portava um arco e duas facas em sua cintura e o homem uma espada com a ponta curvada. Suas aparências eram tão belas e diferentes entre si, a mulher é branca num tom muito pálido contrastando com seus olhos azuis da cor do céu, e traços marcantes de olhar forte e penetrante. Já o homem é muito alto, uns dois metros com certeza e pele morena e torneada, seu cabelo era mediano em um tom preto muito lizo, o mesmo possui uma barba o deixando mais ainda intimidador.

Pego nas mãos da guerreira, o que a deixa com um sorriso em seus lábios.  Vejo Luke e a comitiva real logo a distância, parecia que ele estava realmente ocupado.

- Venha senhorita, vou guia-la para a cachoeira para se refrescar, está muito calor e deve se hidratar direito.

- Vocês precisam de ajuda em alguma outra coisa antes? Pois reparei que estão montando as barracas e outros soldados estão caçando algo. Eu posso ajuda-los cozinhando.

A mesma bela mulher, e o grande homem que estava atrás de nós param no mesmo instante o que me faz parar de caminhar também.

- Não vossa santidade! Você é uma pessoa com posições de mandar e não fazer mais. Você tem um status que equivale a uma rainha. Estamos todos aqui da Igreja de Methura para servi-la e protegê-la.

- Sim, o Padre Julius me informou.

O grande homem com cara de sério, se ajoelha em meus pés me fazendo instantaneamente toca-lo para que o mesmo se levante, mas não consigo mover nem um musculo.

- Cara santíssima, estamos aqui por sua causa, esperamos mil anos até que uma nova santa de Methura renascesse e se consagrasse. A última meus antecessores não conseguiram salvar, mas a senhorita eu protegerei com minha vida e estarei aqui para o que você necessitar. Eu serei sua espada e seu escudo, meus antepassados serão honrados.

O grande homem pega minhas mãos e a levam em sua testa, de forma que me mostrou seu respeito mais uma vez. O que me faz olhar para a mulher a minha frente que também se ajoelha, eu me abaixo no mesmo nível do grande homem que fica espantado com minha atitude.

- Apenas me ajudem, sejam meus amigos e principalmente não se machuquem. Pois nem eu, e a deusa Methura gostaríamos perdessem a vida.

O homem me mostra um grande sorriso belo e verdadeiro foi como se iluminasse a vida naquela pessoa. E um olhar de admiração vi crescer de Tália naquele instante.

- Não podemos prometer não nos machucar, mas vamos lutar em mente que teremos uma casa para voltar e uma santa nos esperando com seu calor materno. – Diz a bela mulher com um sorriso na face.

Me levanto, logo sendo amparada por Ahmed o grande sacerdote guerreiro, e guiada por Tália a Sacerdotisa arqueira. Ambos me observam enquanto vou a uma lagoa próxima do acampamento.

A lagoa tão límpida e de aguas verdes, brilhavam a luz do sol e o vento balançava as folhas das grandes arvores de um lado para o outro revelando belos macacos e pássaros em suas copas. Percebo algumas vitorias regias ao longo da lagoa, com algumas fadas de asas laranjas e amarelas e também algumas ninfas marinhas ambas acenam para mim e vem devagar até a beirada da agua, tocando em meus cabelos e minha face.

- Olá prazer em conhece-las, vocês estão bem?

Ambas movimentam suas cabeças dizendo sim com sorrisos, enquanto algumas das outras fadas vão até algumas flores nas copas das arvores as coletando. As ninfas deitam sob meu vestido, mesmo molhadas não me importam pois são muito belas, olha em direção dos meus dois protetores que estão apoiados sob uma arvore sorrindo para mim de volta e quando percebo as fadinhas que estavam coletando as flores colocam as mesmas em meus cabelos próximo a coroa em que ganhei de rainha Diana.

- Ora, muito obrigada são lindas flores, e ninfas sua energia está drenando meu cansaço. Muito obrigada. Eu tenho que ir agora, eu realmente espero que vocês fiquem bem.

Uma das fadinhas pega meu dedo indicador e coloca sua pequena cabeça fazendo carinho, e as ninfas fazem o mesmo logo voltando para agua e dando adeus.

- Elas gostam muito de você, senhorita. – Diz a bela Tália.

- Elas se aproximaram mais agora que tenho a joia, antes elas apenas acenavam de longe e brincavam acho que deve ser pelo poder divino.

Andando mais adiante percebemos fogo na mata, o que deixa os dois guerreiros em estado de alerta.

- O que está acontecendo? Pergunto ansiosa.

Vejo a vegetação se mexendo, logo a frente me deixando apreensiva, mas ao verificar novamente vejo outra sacerdotisa com a espada ensanguentada, com uma cabeça de um duende das trevas.

- Venham, estamos sendo atacados! – Grita a mulher jovem para seus aliados.

- O que está acontecendo Samantha? – Grita Ahmed já sacando sua espada.

- Logo a frente os príncipes estão enfrentando os orcs e esses duendes, tem muitos deles e são rápidos e furtivos, temos que esconder a santa agora!

Diz a guerreira, jogando a cabeça do duende longe e correndo em nossa direção.

- Vamos! – Tália pega em minha mão me tirando dos devaneios.

Ao olhar para trás vejo alguns orcs saindo de trás das folhagens com machados enormes, o que faz ambos os guerreiros se posicionar para o combate iminente.

Em um segundo os três guerreiros cuidaram de seis oponentes muito grandes e fortes, e continuaram me guiando por mata a dentro.

- A cidade que estava aqui perto foi dizimada, eles não perdoaram nem as crianças. - Diz Samantha com raiva cuspindo em um dos orcs.

- Santa Ariane temos que tira-la daqui o mais rápido! – Diz Tália.

O mais alto percebe a situação em que estamos, e analisa a melhor forma de escapar.

- Mas estamos sem nossos cavalos e devemos estar afastados do restante dos exércitos.

Pego na mão de cada um e olho em seus olhos.

- Escutem fugir não vai adiantar, pois os outros estão combatendo esse exército do mal. Vamos voltar?

A mais nova sacerdotisa, apenas informa.

- Senhorita essa foi uma ordem dada por Padre Julius, de mantê-la a salvo.

.

- Não quero sobreviver à custa da morte de muitos, vamos lá ajuda-los. Por favor!

Ao voltarmos os guerreiros cuidaram dos oponentes que estavam no caminho, não deixando nenhum deles me encostar. Ao voltar ao acampamento víamos uma zona de guerra de cavaleiros montados nos cavalos, bestas ferozes com orcs montados combatendo. Era uma batalha violenta de ambos os lados e nenhum deles estava dando trégua, acima no céu Luke estava voando e atirando seu fogo queimando vários oponentes que ao enfraquecer eram acertando pelos cavaleiros do príncipe Lucas. Ambos os príncipes estavam combatendo, foi uma luta intensa, mas o exército real e o da igreja finalizou o combate como o vencedor.

Luke ao finalizar, pousa sobre o monte de corpos de orcs. Sorri ao me ver bem imediatamente levantando voo novamente pousando no solo.

.

Peço para que Tália e Ahmed me esperem próximos a lagoa de antes. Após a batalha todo o perímetro fora revisado e não aparentava mais ter nenhum perigo. Agradeci mentalmente por ambos me deixarem ir sozinha, pois precisava tomar um ar e descansar dos grandes acontecimentos do dia.

Ao andar mais a frente, vejo que alguém havia chegado antes de mim. Reparando com mais atenção percebo que o homem na lagoa havia deixado suas roupas na margem, me impossibilitando de ir sentar lá e interferir esse momento íntimo.

Quando percebo, que o homem com corpo bonito já havia terminado de nadar e agora estava colocando suas roupas. O vejo cantarolar uma música, percebendo que sua voz era forte e doce ao mesmo tempo. Eu conhecia aquele timbre, mas tive que olhar para ter certeza.

Sim, era Luke que estava nadando agora a pouco, o que faz meu coração bater como um doido e minha respiração descompassar.

- Ai preciso sair daqui!

- Agora está criando o habito de me espiar no banho também? Não que eu me importe!

Olho assustada para minha esquerda e lá estava Luke todo molhado sem camisa e apenas vestindo suas calças. Não consegui desviar meu olhar de seu corpo devidamente tonificado e forte.

- Talvez eu devesse convida-la a um mergulho não é mesmo? - O mesmo me dá um sorriso.

- Eu não estava te espiando!

Droga é sua culpa por ser tão bonito, não consigo desviar meu olhar de seu corpo e nem dos lábios dele, seu cabelo molhado gotejava ainda mais e seus olhos azuis cintilavam, me fazendo perder razão.

- Fiquei com medo de você se ferir naquele ataque, Luke.

O mesmo sorri olhando para minha face, colocando sua mão na arvore atrás de mim.

- Oras você tem andado muito preocupada comigo! Eu estava lutando, mas a minha cabeça estava em você Ariane.

Ele desce sua mão até meu rosto acariciando-o, logo se aproxima ainda mais de mim, molhando um pouco meu vestido até que então coloca sua cabeça no meu ombro descansando. Luke então levanta-se mais uma vez e olha em meus olhos, me deixando hipnotizada por ato.

- Me perdoe Ariane.

Ele aproxima seus lábios dos meus depositando um beijo rapidamente, e volta a fitar meu rosto. Naquela hora eu havia percebido que eu queria ele tanto quanto, e não esperei mais pelo encontro novamente de nossos lábios. Nos beijamos com fervor, a sensação era uma que nunca havia sentido na vida. Era doce, belo e quente.

Luke abriu passagem em minha boca explorando cada canto, estava gostando de cada momento e caricia que esse desejo nos proporcionava em um simples beijo, um beijo que era quente e intenso como se ambos tivéssemos esperado por décadas, até que nos separamos por falta de ar.

Ambos nos abraçamos, não liguei para nada em minha frente só existia Luke, mais nada e ninguém.

.


Notas Finais


Isso é tudo! Muito obrigada.

Caso queiram comentar ou elogiar não tenham medo eu não mordo! kkkk
Um grande beijo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...