1. Spirit Fanfics >
  2. As Lágrimas Em Teu Olhar >
  3. Capítulo Único - Teus Olhos, Meus Olhos.

História As Lágrimas Em Teu Olhar - Capítulo 1


Escrita por: SrtaTaehy e SrtaParkJeon__

Notas do Autor


Mais uma onezinha para vocês.
Leiam as notas finais bebês.

Capítulo 1 - Capítulo Único - Teus Olhos, Meus Olhos.


Fanfic / Fanfiction As Lágrimas Em Teu Olhar - Capítulo 1 - Capítulo Único - Teus Olhos, Meus Olhos.

Viver se tornou algo solitário demais para mim, logo eu, que costumava ser alguém alegre e que via a vida com os olhos de uma criança. O sorriso de felicidade nunca havia deixado os meus lábios e a alegria tinha morada certa em meu peito, mas tudo havia mudado e, o que até então nunca havia me abandonado, se foi naquele fatídico dia.

Havíamos voltado de nossa primeira viagem. Jeon sonhou com aquilo por exatos três anos e eu lutei para tornar seu pequeno sonho em uma grande realidade, esta que, semanas depois, me daria um soco no estômago, deixando-me sem rumo, levando de mim a pureza do amor, mostrando-me que a vida passa como um sopro e que não podemos agarrá-la entre nossos dedos, como imaginamos.

Cinco semanas foi a quantidade de tempo que Jeon teve ao meu lado quando voltamos de Paris — a cidade do amor —, onde nos casamos e onde eu lhe jurei amor eterno, até que a morte nos separasse. Nunca pensei que ela chegaria tão cedo, ou não teria dito tais palavras, rindo da frase tradicional dos votos de todo casal. Ainda lembro-me de como ele riu ao me ouvir proclamar que o amaria além da vida e que nem mesmo ela queria-nos separados.

— Não seja bobo, Taehyung — ele me disse, em meio às lágrimas e risos, tirando assim, a atenção do juiz que fazia nossa cerimônia.

Se eu soubesse que, naquele dia, meu tempo ao seu lado estaria contado, jamais teria brigado com ele por se embriagar na nossa comemoração. Ele havia feito-me passar um vexame, quando tentou seduzir o garçom, irritando-me com sua atitude, mas eu bem sabia que tudo aquilo fazia parte de suas brincadeiras que tiravam-me do sério e colocavam em prática, talvez, seu desejo mais pecaminoso. Esse foi um dos grandes impasses em nossa relação, o fato de nunca ter aceitado seus pedidos sexuais.

Não era de meu feitio ser tão liberal; sempre o disse, sobre ele gostar de viver perigosamente, que isso um dia acabaria mal. Contudo, não somente na cama, Jungkook tinha gostos peculiares em relação a tudo, e um deles era a alta velocidade. Sempre justificava-se que a rapidez fazia com que se sentisse vivo, além de trazer-lhe a sensação de liberdade, fazendo-me jamais entender muito bem esse seu prazer, mas o apoiava, afinal de contas, eu o amava. Mas, meus receios sobre esse gosto em especial, sempre estiveram certos:

— Um dia, Jeon, essa sua ganância por adrenalina irá te matar.

Quantas foram as vezes em que implorei para que abandonasse aquela moto e que focasse em seus estudos, já que ele sonhava em tornar-se um grande designer de ambiente e eu aprovava. Porém, Jeon era novo e suas amizades o influenciavam, visto que nossas brigas sempre foram por essa questão. Sempre dizia que nunca mais iria querer ter aquelas discussões, mas daria tudo, nesse momento, para tê-lo gritando comigo, dizendo-me que eu era um velho enrustido e medroso, que não sabia aproveitar o lado bom da vida. "Como eu desejo isso", anseio e outra vez me permito chorar, deixando a ferida ser aberta mais uma vez.

— Por que você precisava estar lá? — O copo em minha mão encontrou o chão e se fragmentou em mil pedaços. — Você não precisava, Jeon.

Ainda sentia o odor amadeirado de seu perfume em meus lençóis; durante as noites mais sombrias, sentia seu toque sobre minha derme fria. É como se eu pudesse tê-lo outra vez ao meu lado, como se eu ainda pudesse tocar e beijar seu peito desnudo e molhado por nosso suor, após mais uma de nossas longas noites de amor. Virei-me à sua procura, no entanto, foi o vazio que encontrei onde antes repousava seu corpo juvenil, causando a queda de uma lágrima, que sempre banhava a minha face pálida. Os toques, que tanto desejo sentir virem dele, hoje são dados pela solidão que se faz presente todos os dias; minha fiel companheira desde que tudo aconteceu naquele maldito dia.

Nossos beijos trocados e juras de amor ao pé da Torre Eiffel, nossa última foto pelas ruas de Paris ainda está gravada em mim, nosso beijo, assim como seus lábios acalorados ainda queimavam sobre minha pele.

Tudo no apartamento lembrava-me de Jungkook; até um simples banho tornou-se doloroso demais para mim, pois sempre tenho a sensação que ele irá gritar, do outro lado da porta, sobre eu estar desperdiçando centenas de gotas que irão fazer falta no futuro de nossos filhos. Em todas as vezes, sento-me no chão gélido e choro por horas, sem importar-me com a maldita água que fará falta num futuro, visto que nem mesmo filhos tivemos, dando-me mais motivos para não dar a mínima. 

O mundo já não tinha diferença para mim, e por isso, parei de importar-me com as outras pessoas, estas que eu esperava que tomassem suas atitudes e prezassem por um planeta do qual eu desejava apenas que explodisse, levando consigo a dor que me rasgava por dentro. Desde o dia em que vi os olhos de meu amado me deixarem, tornei-me alguém vazio e o amor já não me era verdadeiro, desejando da vida que, um dia, também terminasse para mim, assim como acabou para ele. Lembro-me de ter puxado seu corpo contra o meu e lhe implorado por mais uma chance, de ter lhe pedido perdão por ignorar sua chamada enquanto estava em uma reunião, cuidando do nosso futuro, já que ele não se preocupava com isso. 

Jeon era novo, seus sonhos eram de um jovem que estava começando a viver, assim como os seus planos eram de aproveitar o dia como se fosse o último. Não gostava de ser preso a nada, alegando que sua única exceção era sobre mim, sempre afirmando que foi somente a mim que amou e pensou em construir uma família.

— Tae, você é o único que conseguiu me amarrar. — Esticou a mão esquerda, exibindo a aliança dourada. — Eu ainda não acredito que caí em seus encantos. — Seus lábios selaram os meus, enquanto sua palma acariciava-me os fios claros.

— Então sou uma exceção nessa sua vida desprendida? — pergunto já sabendo sua resposta, que me vem com um sorriso radiante. — Meu eterno coelhinho — profiro, antes de senti-lo a tocar-me.  

— Eu o amo, Taehyung — Retirou alguns fios que caíam sobre meus olhos e seus longos dedos desenharam a linha de minha boca —, nunca se esqueça disso!

Olhei para meus dedos e as duas alianças estavam ali, presas, mostrando-me que tudo agora seria diferente. O relógio em meu pulso marcava duas da manhã e eu ainda estava ali, sentado sobre o piso da cozinha, na esperança que, por um milagre da vida, Jeon viesse por aquela porta e gritasse comigo por ter abusado da bebida, dizendo-me que não é assim que superamos nossos problemas e que eu deveria aceitar o destino de bom grado, afinal, não éramos donos do tempo e nem da vida, além de que tudo aqui, nos é emprestado. Contudo, a presença que ansiava não veio, sua voz não explodiu pelo cômodo silencioso e não me fez estremecer. Aquele som, há muito havia se calado, o timbre doce que possuía nunca mais pronunciaria meu nome, e, em meus lábios, nunca mais haveria o sorriso quadrado que tanto o cativava.

Ele havia me deixado, quebrado sua promessa e feito de mim um bobo, por ter acreditado que chegaríamos à velhice juntos. Jeon Jungkook assinou nossa separação para sempre, no dia em que subiu naquela moto, na maldita moto que eu lhe ajudei a pagar. Aquele amontoado de lata tirou-me o que tinha de mais precioso — a cor de meus dias — e rasgou-me o coração de tantas formas, que nem é possível citar.

Eu o vira partir, assim como as lágrimas de seus olhos, que banharam, pela última vez, sua pele agora rasgada pelos ferimentos. Sussurrei em seu ouvido, um último eu te amo, sentindo suas mãos apertarem as minhas de modo derradeiro, e ali, eu lhe entreguei nos braços da morte, a qual zombei. Ela certamente viria me cobrar por tal afronta, só não imaginei que seria assim, tão cedo e de repente. As lágrimas, que agora caíam de meus olhos, eram a prova viva da dor que me estraçalhava o peito e me tomava, todos os dias, a felicidade que não existia mais. 

 — Eu te amo, Jeon.

 

 

 


Notas Finais


Eu espero que tenham gostado, que tenham amado tanto quanto eu essa oneshot.
Comentem suas opiniões, isso faz essa autora super feliz.
Favoritem para ajudar na divulgação.

Essa história também está sendo postada no wattpad - https://www.wattpad.com/story/279377874-as-l%C3%A1grimas-em-seu-olhar?utm_source=widget&utm_medium=reading

Capas e banner por @Ely-Candy
Betagem por @Serpentae do blog @IDesignpjct


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...