História As lavadeiras do zodíaco (Pausada) - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Aiolia de Leão, Aioros de Sagitário, Aldebaran de Touro, Algol de Perseu, Asterion de Cães de Caça, Bian de Cavalo Marinho, Camus de Aquário, Dohko de Libra, Geist de Serpente, Hyoga de Cisne, Ichi de Hidra, Ikki de Fênix, Io de Scylla, Isaak de Kraken, Jabu de Unicórnio, Julian Solo, June de Camaleão, Kanon de Dragão Marinho, Kanon de Gêmeos, Kasa de Lymnades, Kiki de Appendix, Krishna de Chrysaor, Marim de Águia, Marin de Águia, Mascára da Morte de Câncer, Miro de Escorpião, Misty de Lagarto, Mu de Áries, Nachi de Lobo, Poseidon, Saga de Gêmeos, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso, Shaina de Cobra, Shaina de Ofiúco, Shaka de Virgem, Shion de Áries, Shiryu de Dragão (Shiryu de Libra), Shun de Andrômeda, Shura de Capricórnio, Sorento de Sirene, Thetis de Sereia
Tags Afrodite, Aiolia, Aiolos, Aldebaran, Camus, Destak, Dmxkanon, Dohko, Drama, Geisty, Hentai, Hyoga, Ikki, Jabu, Julian, June, Kanon, Kiki, Lavadeiras, Lemon, Marin, Milo, Misty, Orange, Romance, Saori, Seiya, Shaka, Shina, Shion, Shiryu, Shun, Shura, Thetis, Yaoi, Yuri
Visualizações 199
Palavras 2.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Festa, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, meus amados!

Enfim, chegou o grande momento que alguns esperavam. Não vou contar o que é e espero que gostem.

Obrigada a todos que estão acompanhando e comentando a fic.

Beijão e até as notas.

Capítulo 16 - Caiu na rede é peixe


Fanfic / Fanfiction As lavadeiras do zodíaco (Pausada) - Capítulo 16 - Caiu na rede é peixe

Milo olhou seriamente para Camus e notou que através de seu olhar costumeiro, sério, havia algo mais. Respirou fundo e manteve a mesma postura.


– Se quiser passar, tem a minha permissão. Com licença, tenho que ir até capricórnio. – disse e saiu dali, subindo as escadarias até sagitário.


Camus o acompanhou com os olhos, pensando em chamá-lo para ter uma conversa, mas logo desistiu. Entrou em Escorpião e seguiu o caminho.


Milo parou no meio da escadaria e olhou para trás esperançoso, mas Camus já não estava mais ali. Suspirou profundamente e continuou subindo as escadas.



Os cavaleiros de bronze partiram para o treinamento, com exceção de Shun que ficou encarregado de pegar o cooler para a distribuição das bebidas.


O garoto caminhava em direção a Rodório, quando sentiu um perfume de rosas no ar, que lhe fez parar. Fechou os olhos e sentiu o coração bater forte, conforme o cheiro ficava mais intenso. Shun estava perdido em meio a pensamentos, até que foi desperto pela voz do louro que parou à sua frente.


– Shun?!


O castanho olhou para o cavaleiro, mirando para aqueles olhos azuis, dos quais nunca havia visto tão lindos. Percebendo que havia perdido o foco de tudo à sua volta com a presença de Afrodite, sentiu o rosto esquentar.


– Você está bem? – perguntou e levou a mão na testa do menor, afastando a franja para medir a temperatura.


As pernas do garoto temeram falhar, devido ao seu nervosismo e isto ficou bem claro para o louro, achando as reações do mais novo muito fofas.


– Com licença. – disse e correndo o mais rápido que pôde aguentar.


Afrodite soltou uma pequena risada e continuou caminhando até a arena.


Chegando lá, encontrou alguns dos cavaleiros treinando e se sentou na arquibancada para colocar as ataduras.


Instantes depois, sentiu um perfume no ar e olhou para o lado, vendo que Misty se aproximava da arquibancada.


Só podia ser… esse cheiro de Avon não enganam ninguém. – pensou e continuou o que estava fazendo.


Depois de amarrar as ataduras, olhou novamente para a arquibancada e estranhou o comportamento do louro. Estava quieto, com o olhar longe e diferente das outras vezes, não estava preocupado com sua aparência.


O que será que aconteceu com essa bicha? – pensou curioso.


Apesar de não suportar o francês, algo lhe dizia que precisava saber o que acontecia com ele. Talvez até não o odiasse, mas o fato era que o jeito do mesmo mexeu profundamente com seu ser. Misty não era daquele jeito e precisava fazer algo, nem que arrumasse outra briga, mesmo que fosse sem pretexto para vê-lo voltar ao seu normal.


Afrodite se levantou disfarçando e deu alguns passos em sua direção, observando o cavaleiro. O mesmo ainda parecia longe e aquilo lhe deixou ainda mais inquieto. Acendeu seu cosmo e materializou uma rosa, levando-a até seu nariz ao mesmo tempo que lhe encarou.


Assim que viu o pisciano em sua frente, Misty abaixou a cabeça e suspirou. Afrodite estranhou aquilo e se sentou, olhando curioso para o cavaleiro.


– Sabe... sua presença normalmente me irrita bastante, mas vendo você aí com essa cara de derrota, é ainda pior…


O francesinho voltou a suspirar e olhou para o pisciano.


– O que quer, Afrodite? Veio tripudiar por cima de mim, já que não consigo disfarçar pra ninguém que estou me sentindo um lixo?


Afrodite arregalou os olhos azuis e os baixou, enquanto brincava com o cabo de sua rosa, girando o mesmo de um sentido para outro.


– Não. Não sei porque estou aqui na verdade… É estranho ver você assim. Só isso. – respondeu baixinho.


Misty se calou e olhou para o pisciano, se sentindo ainda pior. Por causa dele, tinha tomado o maior fora da sua vida. Respirou fundo, decidido a sair dali e se levantou, chamando a atenção do outro.


– Onde você vai?


Misty deu alguns passos e respondeu de costas mesmo, enquanto seguia pra fora dali.


– Pra casa… Não estou no clima pra ficar aqui hoje.


Afrodite se levantou e se apressou para alcançá-lo, puxando o braço do cavaleiro que se virou. Os dois trocaram olhares e ao longe, podiam ouvir o coro de “porrada, porrada”.


Afrodite mostrou o dedo do meio para os engraçadinhos e colocou a rosa que tinha em mãos em meio ao cabelos do louro, saindo dali pra arena.


Misty tocou na rosa e a puxou, sentindo o doce perfume que dela emanava. Sorriu discretamente e partiu dali para os dormitórios.



Kanon se afastou e soltou um riso, deixando o italiano irritado.


– Do que ri?


– Você está caidinho por mim, Máscara da morte. – gargalhou.


O italiano cruzou os braços e estreitou o olhar.


– Eu afim de você, por causa de uno bacio? Não me faça rir…


O grego jogou os cabelos para o lado para fazer charme e continuou sorrindo.


– Só você mesmo pra me fazer rir a essa altura…


O beiço do italiano só foi aumentando, conforme os comentários do grego eram ouvidos. Kanon riu ao ver a expressão frustrada na cara do amigo e se sentou na cama, pondo a se engatinhar em direção do mais novo, deixando-o levemente excitado ao ver seu olhar malicioso.


DM viu o louro se aproximar e sentiu um arrepio forte, assim que o mesmo beijou seu pescoço e sussurrou em seu ouvido:


– Eu vou tomar um banho agora. Se quiser me acompanhar, estarei esperando… – sorriu e mordiscou o lóbulo da orelha do italiano para provocar.


Kanon se levantou da cama e olhou por trás dos ombros, lançando um olhar sedutor para o italiano. Mask sentiu uma leve dor nas partes baixas de tanto tesão e sorriu de canto.


É hoje que io como tuo rabo, grego safado.


O geminiano entrou no chuveiro, fechando seus olhos ao sentir a água bater contra seu peito e sorriu com aquela sensação refrescante. Ouviu a porta do box se abrir e fez de conta que não havia percebido a presença do cavaleiro ali, continuando a deslizar as mãos pelo pescoço.


Ao sentir o abraço do italiano, inclinou a cabeça levemente para trás e soltou um gemido baixo. As mãos do mais novo, afastaram seus cabelos para frente e continuaram deslizando, ao mesmo tempo que fazia do pescoço alheio o seu alvo. Mordeu, lambeu, chupou. O marcou, deixando enlouquecido, mesmo sendo aqueles estímulos somente o começo das preliminares.


Kanon arfou e gemeu com cada toque e carícia proporcionada. Se arrependeu amargamente de não ter cedido ao italiano quando os assédios começaram, mas tiraria todos os “atrasados” com aquele pedaço de homem. Não sairia dali até que estivesse completamente satisfeito e faria o mesmo por seu, agora, amante.


DM alcançou a intimidade do louro e começou a lhe estimular lentamente, enquanto roçava o falo entre as nádegas do amigo. O italiano sorria internamente ao ver o louro entregue daquela forma e tinha certeza, mesmo sem prová-lo, de que aquela não seria a única vez que faria dele seu amante.


O grego se virou e puxou o italiano, selando seus lábios lascivamente para mostrar o quanto o desejava. Se afastou sem fôlego e ainda mais excitado, vendo o olhar luxurioso do outro que olhou para baixo, dando o recado que precisava saber.


Kanon sorriu e puxou o italiano para a parede e se ajoelhou, dando de cara com aquela peça italiana bem diante dele. Passou a língua nos lábios, inclinando o rosto para ver o rosto dele e segurou aquele mastro firme, passando a língua nos lábios e os mordendo de forma provocante.


O italiano apenas olhava e sorria de forma sacana, já imaginando o quanto seu amigo era pervertido. Segurou as madeixas douradas entre seus dedos e gemeu alto, quando foi praticamente engolido pelo outro. Soltou um gemido rouco, puxando os fios entre os dedos e estocou algumas vezes aquela boca, ouvindo o outro gemer gostoso.


— Ah, seu puto gostoso… ah! – disse e o viu afastar, deixando um fio de baba entre a glande e a boca. Lambeu a glande, passando a mesma pelos lábios e não tirou os olhos do mais novo, que mordia o lábio e fechava os olhos com as provocações.


— Que pau gostoso...hum… – voltou a abocanhar e DM deixou a cabeça pender para trás.


— Mamma mia… – disse baixinho.


Kanon deslizou a boca por toda extensão daquele falo e passou a língua no saco do amante, chupando de leve suas bolas. Ouviu os gemidos e olhou para ele, vendo-o com a cabeça inclinada para trás. Sorriu internamente e voltou a puxar o mastro até sua boca, deixando a boca deslizar até o final, ainda que aquilo lhe deixasse um pouco incomodado pelo tamanho. Engasgou, babando na volta e sentiu as mãos do cavaleiro em seu rosto. Afastou a boca e voltou a olhar pra ele, passando a língua nos lábios.


— Sempre quis provar esse salame italiano, mas não tinha certeza que seria tão gostoso.


— Cala a boca e chupa! – ditou e viu o sorriso sacana de Kanon nos lábios antes do mesmo voltar a chupá-lo.


Os estímulos foram ficando mais intensos. Máscara da morte já não aguentava mais estocar aquela boca deliciosa e antes que se despejasse por completo, o afastou.


Kanon viu a mão estendida e a segurou para se levantar, voltando o olhar para DM. Sentiu as mãos do menor em sua cintura e o abraçou para beijar sua boca. Os mastros se roçavam devagar, conforme trocavam carícias e não aguentando mais de tanto tesão, Máscara inverteu as posições, colocando Kanon de contra a parede.


– Ah! Seu carcamano gostoso… – disse e empinou o bumbum pra ele.


Mask riu e deu uma palmada estalada contra a nádega, arrancando outro gemido de Kanon. Apalpou a nádega, vendo a pele ficar levemente  vermelha e levou a outra mão até o falo. Encoxou o grego, roçando a glande molhada entre suas nádegas e beijou sua nuca.


— Ah, seu miserável… o que mais espera? – perguntou e rebolou sobre o mastro, sentindo outra palmada.


Mask soltou um riso e passou a roçar os dedos entre as nádegas até chegar no botãozinho dourado. Ouviu Kanon arfando com o toque e o mesmo se apoiou na parede, de forma que ficasse ainda mais empinado. Viu o sabonete repousando no suporte e o umedeceu antes de passar naquela fenda maravilhosa. O louro gemeu baixinho e logo foi invadido por um dedo, sentindo uma leve dor. Vendo que o cavaleiro parecia acostumado, o italiano retirou o dedo, enfiando dois em seguida. Kanon gemeu baixo e assim que sentiu algumas leves estocadas, olhou para trás seriamente.


– Para de me torturar, porra! Me come logo!


O italiano riu e largou a mão com vontade na nádega do outro, arrancando outro gemido.


– Você fica caladinho, que nesse cu, quem manda sou eu! – disse e lhe enfiou o terceiro dedo.


Kanon gemeu alto e apertou os olhos. Aquilo já começava a ficar um pouco desconfortável, mas aguentaria o que fosse para sentir aquele homem dentro de si.


– Ah! Quero você… – rebolou nos dedos e se apoiou na parede.


Mask sorriu e o beijou rapidamente, antes de lhe dar o que tanto queria. Assim que sua entrada foi invadida pela glande, Kanon se contraiu e apertou os olhos devido a espessura.


– Ai! Cacete… vai me arrombar… – arfou e levou outra palmada.


DM riu.


— Relaxa, amore… – sussurrou no ouvido dele e sentiu a cabeça encostar na sua.


Assim que Mask começou a deslizar, Kanon foi relaxando aos poucos, até que se acostumou por completo. O italiano abraçou o amante e beijou seu pescoço, enquanto o estocava devagar e foi aumentando o ritmo, proporcionando um prazer jamais sentido antes pelo grego.


Sem se importar se alguém ouviria, Kanon gemeu a vontade, botando pra fora todo o prazer sentido. As estocadas foram ficando mais rápidas, até que a próstata lhe foi atingida, deixando-o completamente fora de si.


– Seu filho da puta, gostoso! Ah! Que pau gostoso! Ah! – rebolou, sentindo a cabeça bater de leve contra os azulejos e gemeu com os trancos.


Mask mordeu o ombro do louro e passou a aumentar ainda mais o ritmo lhe acertando seu ponto consecutivamente, até que Kanon gemeu rouco e gozou farto.


DM não aguentando mais de tesão, estocou mais algumas vezes e foi sua vez de gozar dentro de seu amante. Kanon ofegava, sentindo as pernas bambas e se virou para o mais novo.


Ambos trocaram olhares e carinhos com um sorriso em seus rostos. Estavam realizados e com um abraço, voltaram a trocar um beijo intenso. Ficaram ali por mais um tempo, trocando alguns beijos e seguiram para o quarto do grego logo depois.


Notas Finais


Eita, rapaz! 🌚🌚🌚🌚🌚🌚🌚 Quem aí gostou, levanta a mão.

Então, me digam o que acharam desse limãozão com nossos gostosos. Espero ansiosa pra saber.

Ah, esqueci de mencionar esse Afrodite safado. Primeiro Shun, depois nossa lagartixa. 🌚🌚🌚 Que ele pretende, hein?

Obrigada a todos por lerem!

Beijão e bom findi!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...