História As long as you love me - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Kakashi Hatake, Kushina Uzumaki, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha
Tags Fnh, Fns, Hentai Naruhina4ever, Naruhina, Naruto, Romance, Universo Alternativo
Visualizações 695
Palavras 6.019
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Finalmente (ou não) chegou o dia do desfecho final dessa história, e eu tô muito triste gente, sério!
Eu queria dizer que eu me apaixonei muito por essa fic, cada detalhe, cada pedacinho dos personagens, de suas personalidades, das situações cômicas ou não, foi realmente maravilhoso escrever isso tudo.
Porém, melhor que isso eu devo dizer que só o carinho que recebi de cada leitor aqui. Então eu já quero deixar registrado aqui meu muito obrigado por cada pessoa que favoritou e leu no anonimato, por cada pessoa que tirou um tempinho para comentar, porque são o incentivo que recebo de vocês que me deixou mais e mais animada não só com essa fic, mas também com todas que venho trabalhando e que ainda pretendo trabalhar.
De coração, muuitíssimo obrigada a todos vocês, levarei tudo que colhi nesse trabalho em meu coração <3
Sem mais, vamos para o último capitulo, hehe
Boa leitura e nos vemos nas notas finais!

Capítulo 6 - Capítulo VI


Eu não me importo quem você é

De onde você veio

O que você fez

Desde que você me ame

 

– Como assim ele sumiu? – Hinata sentiu seu coração apertar ao ouvir as palavras de Sasuke.?

– Eu pensei que talvez você soubesse onde ele está, mas quando a Sakura disse que você já anunciou que “terminaram” o relacionamento eu fiquei meio pessimista, mas não custava nada confirmar. – Ele respondeu um tanto apreensivo.

. – Ele sumiu do nada, sem dar notícias? – Hinata sentia suas mãos tremerem descontroladamente com a informação. Queria não pensar no pior, mas sua mente parecia levá-la até as piores possibilidades.

– Não exatamente. – Ao ouvir tais palavras, sentiu que poderia respirar aliviada. . – Pelo que meu irmão falou, nos dias que vocês voltaram do Japão ele não foi trabalhar mais, depois ele descobriu que o Naruto tinha se demitido, mas ele não falou o que faria ou pra onde iria, ele só disse que tinha coisas para resolver. E a única pessoa com quem ele conversou foi com o gerente da casa onde trabalhávamos, mas ele também parece não querer dizer muita coisa. Eu já liguei em todos os números possíveis, nos aplicativos, sinal de fumaça, eu fiz tudo que estava ao meu alcance, mas não consegui absolutamente nada. E bem, como ultima tentativa eu pensei que talvez você pudesse me ajudar...

– Mas Sasuke... – Hinata dizia em um tom desanimado. – E se ele não quer ser encontrado?

– Confesso que isso é o que eu tenho suspeitado, mas eu também acho que talvez ele queira ser encontrado sim, mas por você.

– Não acho que seja o caso. – Seu tom ainda era desanimado. – O Naruto não parecia muito interessado em nada relacionado a mim quando chegamos. Era como se nada tivesse acontecido e... – Hinata fez uma pequena pausa para que pudesse pensar. – Como você sabe disso?

– Hinata, eu sou o melhor amigo do Naruto, esqueceu? – A mulher conseguia vislumbrar o moreno rolando os olhos. – Ele me contou sobre o que estava acontecendo entre vocês, ele disse que estava se apaixonando.

– Ele disse isso mesmo? – Hinata sentiu sua garganta secar e seu coração acelerar desesperadamente. – Você está falando sério, Sasuke?

– Sim, eu estou. E como conheço o Naruto há muito tempo, e a forma como ele disse, não tinha como ser mentira, Hinata. Mas ele também estava confuso quanto ao que faria em relação a isso. Ele queria fazer algo a respeito, mas não sabia o quê, e eu desconfio que o seu sumiço possa ter ligação com isso.

– E o que você espera que eu faça? – Hinata perguntou ansiosa. – Já se passaram seis meses desde a última vez que nos vimos ou nos falamos. Não temos mais contato, e eu não faço ideia se ele vai querer me ver depois disso.

– Olha Hinata, eu sei que ele não faria nenhuma loucura, ao contrário todos já estaríamos sabendo. – Hinata sentiu seu coração apertar com a possibilidade de que algo ruim realmente pudesse ter acontecido. – Mas eu não posso negar que estou preocupado. Já são seis meses, e eu só não procurei a polícia porque meu irmão garantiu que nosso antigo chefe sabe de alguma coisa, mas não quer contar.

– Muito bem... – Hinata suspirou pesadamente. – Eu verei o que posso fazer, e assim que tiver notícias, eu entro em contato com você.

Hinata suspirou pesadamente e deixou que seu celular caísse sobre a mesa do café. Sentia cada parte de seu corpo estremecer, pela ansiedade e pelo receio do que viria com isso, mas não conseguia evitar sentir a necessidade de fazer algo a respeito daquilo.

**

Confirmar tudo aquilo que Sasuke havia dito não foi nada fácil. Após o pedido de ajuda do amigo, Hinata sequer conseguiu se dedicar devidamente ao trabalho. Passou todo o dia praticamente procurando formas de entrar em contato com Naruto, mas em nenhuma delas havia conseguido êxito. Estava psicologicamente exausta de tentar falar com o homem, assim como também estava exausta de imaginar as inúmeras possibilidades para justificar seu sumiço daquela forma, sem dizer ao seu melhor amigo o que estava fazendo.

E foi quando ela lembrou-se da história que ele havia contado sobre Sasuke. Quando o moreno conheceu Sakura e iniciou o relacionamento, ele decidiu abandonar tudo e viver ao lado dela no Japão, deixando para trás amigos e seu único familiar vivo. E se Naruto tivesse conhecido alguém? E se ele estivesse apaixonado por alguém? E se ele tivesse abrido mão de todo o seu passado por outra pessoa? A possibilidade que aquilo estivesse acontecendo machucou Hinata, até mesmo a fez pensar em recuar, mas sabia que só teria paz quando finalmente descobrisse o paradeiro de Naruto.

E pela décima vez, ela suspirou antes de finalmente deixar seu carro para que pudesse entrar no pub. Dispensou o uso da campainha quando notou que a porta do local estava aberta.

– Ainda não abrimos. – Uma voz masculina ecoou quando Hinata adentrou o local. Ao procurar por seu dono, se deparou uma figura ruiva e muito bem aparentada. – Mas, se você quiser, podemos abrir antes para um serviço exclusivo.

– Não, muito obrigada. – Ela sorriu amarelo e recuou um pouco. – Eu estou procurando uma pessoa, mas não é para isso.

– Tudo bem. – O ruivo sorriu de maneira simpática. – E não precisa ter medo, eu não vou te tocar, a não ser que pague por isso. – Ele riu divertido. – Mas quem está procurando?

– O nome de talhado dele é Menma, mas a gente já se conhece há um tempo e...

– Se estiver falando do Naruto, ele não trabalha mais aqui. – O ruivo respondeu sério. – Ele pegou um trabalho fora do país e depois sumiu, o chefe que falou isso. Acho que foi na onda do amiguinho e saiu atrás de coisa melhor.

– Na verdade não é bem esse o caso. – Hinata suspirou pesadamente. – Foi o Sasuke que pediu pra que eu procurasse por ele. Parece que ele sumiu e ninguém sabe onde ele foi parar.

– Olha boneca, se o Sasuke não sabe onde ele foi, duvido que alguém saiba. Não quero te desanimar não, mas de todo mundo aqui, o único que sabia muito sobre aquele loirinho era o Uchiha, e o chefe.

– E eu poderia falar com seu chefe? Se não for incomodo é claro. – Hinata sorriu simpática na tentativa de conseguir o que queria.

– Olha, sorrindo desse jeito eu poderia até tentar falar com ele por você. – O ruivo sorriu malicioso. – Mas não posso prometer que ele vá querer te atender. Você sabe, chefe difícil.

– Sim eu sei. – Hinata permanecia com o sorriso simpático em seu rosto. – Então se conseguir eu ficarei muito agradecida, é, como é o seu nome?

– Não temos o habito de falar o nome verdadeiro, mas já que você parece conhecer bem alguns dos nossos, acho que não tem problema. Sasori, e você é...

– Hinata.

– É um prazer Hinata. Se puder esperar um pouco aqui, eu vou falar com chefe e volto logo. – Ao dizer aquilo, se retirou deixando Hinata sozinha.

Enquanto aguardava, Hinata teve um pequeno tempo para observar o local. Mesmo com a claridade do dia, a decoração e pintura em tons escuros deixavam o ambiente com uma iluminação muito baixa. Em um canto havia um bar com um balcão trabalhado em cores roxas e vermelhas, ao fundo com um grande mostruário de bebidas em vidro e algumas luzes de neon, pela extensão da boate, vários enfeites em neon contendo figuras masculinas em posições bastante eróticas. Para alguém que sequer pensava muito em relacionamentos, achou bem bizarro o fato de que havia pessoas que apreciavam aquele tipo de trabalho, até que algo chamou sua atenção. Em um dos cantos da boate, havia um grande painel com fotos de vários homens mascarados, cada um deles possuía uma espécie de apelido por debaixo de sua foto, seguido por um número – que provavelmente era o preço cobrado – e uma luz verde e outra amarela, que sinalizava a disponibilidade ou não da pessoa. Sentiu um forte desconforto ao notar que todas aquelas pessoas eram vendidas como mercadorias, e lembrou-se de como Naruto havia se sentido quando abriu seu coração sobre o assunto.

– Ei, mocinha. – A voz de Sasori ecoou pegando Hinata de surpresa. – O chefe falou que vai te ver, só ir até o escritório no fim do corredor.

– Muito obrigada. – Hinata sorriu em agradecimento.

– Por nada. – Ele sorriu de maneira simpática. – E quando quiser venha conhecer nossa boate, temos um atendimento excelente para o público feminino.

Hinata apenas sorriu amarelo em agradecimento ao convite e caminhou apressadamente até o escritório indicado. Chegando ao local, bateu duas vezes na porta que continha uma placa com as escritas “gerência” e adentrou quando a autorização lhe fora dada.

– Com licença. – Ela adentrou o local calmamente e direcionou o olhar para a figura sentada à mesa.

– Fique a vontade e sente-se. – Um belíssimo homem de cabelo grisalho lhe sorria de maneira simpática e ao mesmo tempo bastante sedutora. O homem que aparentava estar entre os quarenta anos de idade era bastante conservado, possuindo um físico e um rosto que daria inveja em qualquer garoto de vinte anos. Possuía uma cicatriz em seu olho e uma pequena pinta próximo ao lábio inferior. Sua aparência era tão chamativa que até mesmo Hinata surpreendeu-se ao analisá-lo com calma. – Sasori disse que está procurando por Naruto.

– Sim, é verdade. – Ela suspirou pesadamente e abriu um sorriso simpático. – Sasuke pediu minha ajuda para localizá-lo, e também falou que a pessoa que talvez pudesse me ajudar com isso fosse você.

– Eu detesto ter que decepcionar um moça tão bonita, mas infelizmente eu não posso fazer isso. – O homem abriu um sorriso consolador ao ver a expressão de Hinata se abater severamente. – Quando ele terminou seu último trabalho, pediu desculpas e disse que não cumpriria a agenda para os dias que viriam. Me pagou os prejuízos e foi embora, mas não falou para onde estava indo nem o que faria, ele só disse que precisava resolver algumas pendencias da vida pessoal dele.

– Ele só disse isso mesmo, você tem certeza? – Hinata perguntou aflita, na esperança que houvesse algo que pudesse lhe ajudar com a localização de Naruto.

– Sinto muito, mas sim. – O homem lhe respondeu com certo pesar. – Eu realmente fiquei confuso com a atitude repentina do Naruto, mas confesso que isso acontece com alguma frequência. A maioria dos homens que vivem aqui, quando encontram um motivo para começar a vida em outro lugar não pensam duas vezes em sair. A maioria deles acaba preparando o ambiente antes, mas com o Naruto foi tão repentino que eu acabei ficando um pouco prejudicado, mas o que posso fazer, não é mesmo? Se o obrigasse a ficar e cumprir a agenda estaria correndo o risco de ter um serviço ruim sendo oferecido por um preço alto.

– Isso é um pouco frustrante, mas acho que entendo. – Hinata sorriu fraco em agradecimento. – É um trabalho complicado, e provavelmente quem quer se desligar disso precisa cortar qualquer laço que tenha o ligado ao que fazia.

– É verdade... – O homem suspirou pesadamente. – Lamento que não tenha te ajudado muito, mas espero que consiga encontrar o Naruto, você parece bem aflita.

– E eu estou. – Ela sorriu pequeno sem que pudesse render o assunto. – De qualquer forma, agradeço imensamente sua ajuda. Agora eu preciso ir, ainda tenho que comprar um café e ir para o trabalho. – Hinata se despediu adequadamente e deixou o escritório. Despediu-se também de Sasori e caminhou em passos apressados até seu carro.

Dentro do veículo, ela depositou sua cabeça sobre o volante e permitiu que as lágrimas finalmente caíssem. Não era primeira vez que chorava por Naruto nesse período de seis meses, mas aquelas circunstâncias eram diferentes das outras. O homem por quem havia se apaixonado não estava apenas desaparecido, ele havia desaparecido por vontade própria e decidiu por si só afastar-se de tudo que tivesse relação com sua vida e seu antigo trabalho. No fim, ele que tanto havia julgado seu melhor amigo finalmente entendera suas reais intenções e decidiu fazer a mesma coisa. E o que mais lhe doía, o que mais lhe frustrava, era que das inúmeras coisas de que Naruto precisaria abrir mão para seguir em frente, tudo que ele havia vivido com ela estava nesse pacote.

– Que situação mais frustrante. – Ele bufou enquanto secava algumas lágrimas que caíam. – Bom, agora eu tenho a confirmação que tudo acabou, melhor ir comprar meu café e ir para o trabalho logo porque minha vida não pode parar.

Apesar de não fazer parte de seu habitual, Hinata ligou o som de seu carro e colocou seus óculos escuros, permitindo-se a chorar durante todo o percurso até o café. Faria como todos os dias: se alimentaria, depois retocaria a maquiagem para que ninguém no trabalho desconfiasse que havia chorado e então encerraria seu dia, para que na manhã seguinte tudo se repetisse como de costume. A partir daquela manhã, sua vida voltaria a ser monótona, mas desta vez com a certeza de que Naruto jamais voltaria a fazer parte dela.

E por mais que quisesse ignorar e apenas aceitar isso facilmente, seu coração não lhe permitia, e todas as vezes que pensava que era o fim da linha para os dois, sentia uma forte dor em seu peito, uma dor dilacerante, que sufocava e consumia, uma dor que não permitia que Hinata parasse de chorar.

Quando estacionou o carro próximo ao café, precisou de muito mais que dez minutos para que pudesse se recuperar.

– No que eu fui me meter. – Ela dizia entre soluços enquanto tentava secar as lágrimas que continuavam a cair. – Maldita a hora que eu beijei aquele idiota, que eu transei com ele, maldita a hora que eu não ouvi minha consciência que estava me alertando que isso acabaria muito mal, maldita a hora que eu me apaixonei por aquele prepotente estúpido, maldita a hora que eu escolhi aquele idiota para se passar por meu namorado, maldita a hora que eu inventei toda essa merda que só me ferrou! – Hinata esbravejava para si mesmo enquanto socava o volante de seu carro, e só percebeu que havia ido longe demais quando o som da buzina ecoou e algumas pessoas que passavam pela rua direcionaram um olhar assustado para seu carro.

Abaixou a cabeça envergonhada e deixou que seu corpo deslizasse sob o banco do carro. Suspirou pesadamente algumas vezes e buscou por seus pertences. Tomou coragem e então deixou o veículo.

– Pensado bem, nem com fome estou. – Ela bufou. – Hoje vai ser um extra forte duplo sem açúcar pra viagem. – Ela pensava em voz alta até que chegasse a entrada do café.

Como de costume, parou em frente à porta do estabelecimento e o analisou por alguns segundos. Por mais que estivesse decepcionada demais, não conseguia evitar em sorrir diante das lembranças nostálgicas que tinha do lugar. Seu primeiro encontro com Naruto e as reuniões que realizavam para treinamento sempre eram realizadas naquele café, e sempre na mesma mesa.

Mais uma vez suspirou e adentrou o local. Caminhou apressadamente até o balcão e a recepcionista lhe sorriu gentilmente.

– Bom dia Hinata! O mesmo de sempre?

– Hoje não. – Ela sorriu pequeno. – Vou querer um extra forte duplo para a viagem.

– Tudo bem... – A garota anotou o pedido enquanto analisava a mulher. – Você está bem? Parece muito abatida...

– Sim, eu estou bem. – Hinata delicadamente tratou de cortar a curiosidade da balconista. – Eu dormi pouco essa noite, só isso.

– Tudo bem então. – A garota sorriu gentilmente e entregou a comanda para Hinata. – Hoje estamos um pouco cheios, mas seu pedido fica pronto em cinco minutos.

– Tudo bem, obrigada. – Hinata sorriu em agradecimento.

Deixou o balcão e caminhou em direção ao salão em busca de algum lugar para se sentar. Normalmente iria direto para o mesmo lugar de sempre, mas naquele dia queria começar a refazer sua vida, e o primeiro passo seria nunca mais sentar-se naquela mesa, por isso, começou sua busca pelo lado oposto do café.

– Que merda. – Ela resmungou baixo. – Tudo cheio. – Bufou em desgosto e então caminhou até o lado oposto, no qual queria evitar.

Lentamente, seus olhos passaram por todas as mesas disponíveis em meio ao salão, evitando de todas as formas olhar na direção das janelas. Não estava nada bem, e reconhecia plenamente o risco que corria se seus olhos apenas cruzassem aquela mesa. Sabia que aquilo parecia muito idiota, mas não estava disposta a correr o risco e na pior das hipóteses acabar aos prantos feito um bebê no meio do café.

Analisou cada pequeno canto do café e quando, para seu desgosto, concluiu que não havia outra opção, ao primeiro olhar para as mesas próximas das janelas, seu corpo congelou.

Ele estava ali, sentado no mesmo lugar de costume, observando Hinata com um olhar sério.

– Eu só posso estar maluca. – Ela disse para si mesma. – Acho que preciso ir ao banheiro e jogar uma água fria em meu rosto para acordar. – Suspirou pesadamente e fechou os olhos, dando as costas para a mesa, mas antes que pudesse dar o primeiro passo, a voz rouca que tanto amava ouvir ecoou pelo café.

– Você vai mesmo fingir que eu não estou aqui? – Era inevitável negar que aquilo era real, principalmente quando a voz era exatamente como Hinata se lembrava, a mesma rouquidão agradável de se ouvir, em conjunto com o tom prepotente. Aquele definitivamente era Naruto.

Respirou fundo algumas vezes até que tivesse ar suficiente em seus pulmões para que pudesse se virar. Quando fez, caminhou em paços lentos até a mesa, tudo isso porque suas pernas tremiam de tal maneira, que se tentasse ir um pouco mais rápido, tudo que conseguiria era ir de cara ao chão.

Quando finalmente chegou até a mesa, parou de frente para o homem como um olhar estático, e ele, por nenhum segundo desviava o olhar de Hinata.

– Sente-se. – Ele falou. – Não vai querer ficar de pé ai para sempre, vai?

– Na-não tem necessidade... – Ela suspirou algumas vezes buscando calma para que não voltasse a gaguejar. – Meu pedido fica pronto em cinco minutos e eu estou um pouco atrasada para o trabalho.

– Então você vai mesmo fingir que eu não estou aqui e vai embora? – Ele franziu o cenho ainda sério.

– Não estou fingindo que não está aqui. Não estamos conversando agora? – Ela perguntou de forma seca. – Eu apenas não tenho tempo para ficar de conversa fiada quando já deveria estar no trabalho.

– Estamos conversando sim, mas parece que você prefere fingir que eu não estou aqui e continuar com a sua vida.

– Francamente... – Hinata suspirou pesadamente. – Eu sinto que isso vai ser muito mais fácil. Eu finalmente aceitei que você nunca mais voltaria, então ter que te encontrar aqui agora parece ser uma barreira que eu posso ignorar. Então acho que é melhor eu seguir o meu caminho e continuar acreditando que isso é uma ilusão.

– Hinata... – Naruto suspirou. – Você pode se sentar, ao menos por um minuto? – Lançou um olhar de súplica na direção de Hinata, que permanecia pálida e estática, e por alguns segundos em silêncio após o pedido do loiro.

– Tudo bem. – Ela assentiu, colocando primeiro sua bolsa sobre a mesa e então se assentando de frente para Naruto. Cruzou os braços em frente ao corpo e direcionou um olhar fuzilante par ao homem.

– Me desculpe. – Ele disse ainda sério.

– Isso é mesmo sério? – Pela primeira vez, Hinata parecia estar conversando com uma pessoa real, e ela estava disposta a extravasar todos os sentimentos reprimidos até então.  – Você desapareceu por seis meses, Naruto. Seis. Meses. Ontem eu recebi uma ligação do Sasuke preocupado porque você sumiu para todo mundo que te conhece. Se lidar com a sua ausência já estava sendo algo difícil para mim, ouvir aquilo dele tornou as coisas infinitamente piores. Você tem ideia das inúmeras coisas que passaram pela minha mente? Você tem noção do que eu senti quando a possibilidade de que você estivesse morto passou pela minha mente? Eu sempre te achei prepotente, mas vir aqui, depois de tanto tempo e pedir desculpas como se você tivesse pisado no meu pé é demais mais para mim. – Por mais que Hinata estivesse engolindo seco a cada palavra pronunciada, fora impossível para ela controlar as lágrimas e os soluços que teimavam em sair.

– Hinata, eu não fiz isso por capricho ou coisa do tipo, eu precisava de um tempo... – Naruto entendia perfeitamente os sentimentos da mulher, por isso precisava ser o mais simplório possível em suas palavras.

– E depois que você tem o seu tempo você volta como se ele fosse uma semana? – Ela esbravejava indignada. – Seis meses, Naruto. Seis. Meses. Não seis dias ou seis semanas. Eu tô morrendo aos poucos durante esses seis meses, eu tenho sentido que minha vida não valeu de porra nenhuma, que meu esforço para ser alguém na vida não faz o menor sentido, tudo isso porque eu fui cair na besteira de me apaixonar... – Hinata mordeu o lábio na tentativa de conter o choro desesperado e assim não se tornar um espetáculo para os demais clientes do café.

– Hinata, eu te amo. – Ouvir aquelas palavras pela primeira vez fez com o que o coração de Hinata se aquecesse. Ela sentia que era sincero, ela conseguia sentir isso na voz de Naruto. – E eu não poderia continuar vivendo da maneira que eu vivia sabendo que isso te machucava tanto. Acredite, isso doía muito mais em mim do que em você.

– Agora você vem aqui e diz que me ama, e acha que eu vou te perdoar e tudo vai ficar bem? Que vamos nos beijar e fazer amor no primeiro lugar que der? – Ela riu nervosa. – Sinceramente, eu nem sei mais o que pensar, mas eu garanto que não vamos agir como se nada tivesse acontecido.

– Eu não vim aqui para pedir que você fique comigo, eu não sou nenhum idiota e já sabia como você reagiria com a minha aparição. Por isso já faz mais de uma semana que eu tenho tentado me aproximar e não consigo...

– Uma semana?! – Hinata teve um choque. – Faz uma semana que você está tentando se aproximar?

– Hinata, por favor, se acalme e me escute, isso é tudo que eu te peço. – Naruto direcionou um olhar de súplica para a mulher, que não conseguiu negar o pedido, mesmo que cada palavra do homem estivesse deixando-a mais e mais insana. – Depois de me ouvir, você pode ir embora e eu prometo nunca mais te procurar, mas eu só te peço que me ouça, por favor.

– Eu já estou ouvindo. – Ela respondeu de maneira seca.

– Como eu já falei, eu não poderia viver minha vida da forma que vivia ao seu lado. Por isso, quando ainda estávamos no Japão, eu pedi alguns conselhos ao Sasuke. Graças a ele, eu consegui tomar uma decisão difícil, mas que no fim não diz respeito apenas a nós. – Naruto suspirou, bebericou seu café e prosseguiu. – No dia que desembarcamos, eu fui até o meu antigo chefe e pedi demissão. Usei o dinheiro que me pagou para quitar minhas dívidas com ele, já que minha agenda foi completamente cancelada, e o que sobrou de umas economias que tinha foi à conta para comprar minhas passagens para Londres. Eu voltei para a casa dos meus pais, Hinata.

– Você está falando sério? – Hinata parecia bastante chocada com a revelação de Naruto. – Mas por que você fez isso?

– Olha só para você, Hinata. É uma mulher independente, bem sucedida e com uma estabilidade financeira invejável até para pessoas com dez ou vinte anos a mais que você no ramo jurídico, como você acha que eu me sentiria se tivesse ido atrás de você depois que me demiti? Eu não queria ser um ex garoto de programa pé-rapado que nem mesmo sabe trabalhar, namorado a advogada renomada. Eu seria um peso morto e uma vergonha para você. – Hinata sentiu sua garganta secar ao ouvir as palavras de Naruto. – Então eu liguei para a minha mãe e disse que estava voltando para casa. Quando cheguei lá, contei a verdade para os meus pais sobre tudo que aconteceu aqui na Holanda. Minha mãe chorou muito, meu pai me deu um tapa na cara e me chamou de todas as ofensas possíveis e disse que não queria me ver nunca mais. No dia seguinte ele veio até mim e me pediu desculpas por tudo, eu fiz o mesmo, já que fui o pior filho do mundo e então pedi a ajuda deles. Como eu nunca trabalhei no ramo jurídico, nem mesmo fiz a prova da ordem, eu fui até eles na esperança de que me ajudassem com isso. Meus pais me deixaram auxilia-los no trabalho e revisaram boa parte do conteúdo comigo. Eu fiz a prova da ordem na Inglaterra e passei. Eles queriam que eu ficasse, mas eu disse que precisava voltar, por você. Falei que se não me quisesse eu voltaria de vez para casa, mas antes disso eu precisava te ver e contar tudo isso. Faz mais ou menos um mês que eu voltei para a Holanda. Na minha estadia em Londres eu estudei as leis daqui e também fiz a prova da ordem assim que cheguei, também fui aprovado aqui e recentemente consegui um emprego, estou na minha primeira semana. – Naruto sorriu orgulhoso.

– Eu fico muito feliz por você, mas por que não me procurou antes se havia chegado há tanto tempo? Por que não mandou apenas um sinal para dizer que estava vivo? – Hinata dizia com a voz embargada, obrigando Naruto a desvia o olhar, pois era difícil para ele encará-la tão decepcionada.

– Eu não pude enquanto estava em Londres, isso foi um pedido da minha mãe. Ela disse que seria necessário que eu me desligasse de tudo aqui na Holanda se quisesse me concentrar no que eu faria lá. – Ele suspirou pesadamente. – Ela não queria me afastar das coisas que tenho aqui, apenas me manter concentrado. Na verdade ela está muito feliz que você tenha aparecido na minha vida e quer te agradecer pessoalmente algum dia por ter devolvido o filho dela. Mas mesmo se sentindo tão grata, ela achou necessário que eu me afastasse por completo. Houve muitas vezes que eu tentei ligar, que eu quis desistir e vir atrás de você, mas ela não deixou. Ela disse que eu a agradeceria no futuro e hoje eu entendo. Sem saber notícias eu já estava enlouquecendo, caso tivesse ligado e você tivesse demonstrado qualquer sinal de tristeza pelo telefone, não haveria ninguém que me segurasse naquele lugar. – Ele soltou um riso leve e que inundou o coração de Hinata.

– Eu não consigo discordar da postura dela. – Hinata suspirou pesadamente. – Na verdade eu acredito que foi a melhor coisa que ela poderia ter feito. Você precisava muito disso, e eu fico feliz que tenha conseguido, mas eu ainda não consigo entender por que não veio até mim quando chegou!

– Porque eu sabia que você reagiria dessa forma, e pensar na possibilidade de ser rejeitado depois de todo meu esforço para ser alguém melhor por você doía demais. Eu precisei de mais alguns dias para entender que apesar de você ter me levado a mudar, a minha mudança não é só por você, é também por mim. E quando eu finalmente consegui compreender isso, eu apenas não conseguia... – Naruto mordeu o lábio. – Todos os dias eu vinha até a porta do café e esperava você chegar, eu via você pedir o seu café e o omelete e pensava no que fazer, em como falar com você, mas antes que eu tomasse uma decisão você já havia ido embora. Tem sido assim todos os dias, e hoje quando eu cheguei você não estava aqui, eu logo fiquei preocupado. Entrei desesperado para ver se havia se adiantado e como não te vi decidi esperar e finalmente te encontrar. E eu não consegui pensar no que deveria te dizer, apenas esperei que chegasse para dizer o que estava no meu coração, e bem, eu estou aqui agora. – Ele sorriu pequeno ao finalizar.

– Eu sinto que estou sendo bombardeada de informações. – Hinata deslizou suas mãos sobre seu rosto, chegando em sua testa e jogando a franja que a cobria para trás. – Eu não me sinto bem, eu... – Ela tateou a mesa em busca de seu celular. – Eu preciso avisar a Lyn que não tenho condições de ir para o trabalho hoje e... – Com as mãos trêmulas, Hinata digitou uma mensagem com bastante dificuldade. – Eu preciso ir para casa e pensar sobre tudo isso. Eu entendo suas decisões e não vou te atacar por isso, mas eu não consigo processar isso tudo de uma só vez. Eu preciso de tempo e nesse exato momento também preciso da minha cama.

– Você não parece bem, Hinata. Quer que eu te leve para casa? – Naruto perguntou preocupado.

– Não precisa. – Ela respondeu de maneira seca. – Eu posso me cuidar sozinha. Então se me dá licença, eu vou pegar meu café e vou embora.

Ainda em passos lentos, Hinata caminhou até o balcão para que pudesse retirar o seu pedido, e no mesmo ritmo deixou o café. Cambaleava um pouco toda vez que tentava apressar os passos, até concluir que teria que fazer tudo em ritmo lento se quisesse chegar ao carro sem cair. Quando finalmente estava próxima do veículo, depositou o copo de café sobre o teto e abriu sua bolsa em busca de suas chaves.

– Que merda! – Ela resmungou chorosa. – Não é possível que eu vou ter que voltar lá...

– Não precisa. – Mais uma vez, a voz de Naruto ecoou por seus ouvidos fazendo seu corpo estremecer. – Eu vi que deixou as chaves na mesa e vim trazer, mas francamente, não acho que esteja em condições de dirigir, Hinata.

– E como você espera que eu chegue em casa? – Ela esbravejou.

Naruto rolou os olhos e bufou, em seguida desativou o alarme para que o carro pudesse ser aberto.

– Vamos. – Apoiando suas mãos sobre os ombros de Hinata, ele a guiou até a porta do carona, e mesmo que relutasse, não possuía força e nem vontade suficiente para contestá-lo.

Com todo cuidado do mundo colocou Hinata no banco do carona, em seguida colocou também seu sinto de segurança. Retornou para o lado do motorista, apanhou o café e entregou para a mulher assim que entrou no carro.

– O que pensa que está fazendo? – Hinata perguntou incrédula.

– Quem você achou que iria dirigir? – Naruto franziu o cenho e em seguida riu. – Beba o seu café até que a gente chegue na sua casa.

**

Após chegarem ao estacionamento do prédio, mais uma vez Naruto fez questão de auxiliar Hinata para que ela saísse.

– Você não precisa me acompanhar até o meu apartamento. – Ela resmungou. – Eu consigo pegar o elevador e continuar sozinha daqui.

– Eu não consigo confiar em você nesse estado, então deixe eu te ajudar e garantir que vai chegar bem.

– Por que eu acho que isso tudo não passa de uma desculpa sua para conseguir fazer algo que está planejando nessa sua mente obscura? – Hinata cerrou os olhos enquanto analisava Naruto.

– Você continua pensando que eu sou algum tipo de maníaco? – O loiro franziu o cenho em sinal de indignação. – Me sinto ofendido com isso.

– Faz bem suspeitar quando a pessoa desaparece e reaparece da noite para o dia. – Ela rolou os olhos e bufou, em seguida caminhou em direção ao elevador, sendo seguida por Naruto.

Por cerca de um minuto os dois permaneceram em silêncio. Hinata teve um pouco de dificuldade para enxergar e suas mãos estavam tremulas, por isso acabou necessitando da ajuda de Naruto a contragosto para que pudesse programar o elevador. E quando este finalmente chegou até o andar indicado, ela também precisou de ajuda para que pudesse abrir a porta.

– Que merda! – Ela resmungou. – Deu um branco da senha agora.

– Fala sério, Hinata?! – Naruto disse em um tom levemente exaltado e perplexo. – Você esqueceu a senha de acesso para sua própria casa? E depois ainda tem a coragem de dizer que está bem e que pode ficar sozinha!

– Acontece, às vezes. – Ela deu de ombros. – Viu? Já me lembrei. – Ela abriu um sorriso forçado enquanto digitava o código na fechadura, abrindo a porta em seguida. – Agora é sério, você pode ir.

– Não vou fazer isso até que esteja bem e acomodada na sua cama. Além disso, você tem que comer algo, vamos, entre. – Hinata relutou por algum tempo e no fim se deu por vencida. Deixou que Naruto a guiasse até seu quarto e então se jogou em sua cama aliviada.

– Você está muito tensa, precisa relaxar. – Naruto dizia enquanto caminhava pelo quarto e fechava as cortinas. – Que tal uma massagem para ficar mais tranquila?

– Eu acho melhor você ir embora, Naruto. – Hinata protestou. – Você não entende? Eu ainda não digeri isso tudo, eu preciso de um tempo, e você aqui me rondando não ajuda muito.

– Tudo bem. – Ele suspirou derrotado e então sorriu fraco. – Se é isso que você quer, acho melhor ir embora então. – Virou-se de costas e caminhou em direção a porta, mas foi interrompido pela voz de Hinata.

– Mas se puder, tire meu sapato antes, por favor. – Ele não conseguiu conter o riso antes de se virar de volta para a mulher. – Eles estão me matando e eu acho que não vou conseguir levantar daqui agora.

– Tudo bem. – Ele sorriu de maneira gentil enquanto se abaixava próximo à cama. – Você sabe que eu faço o que você quiser, não é mesmo?

– Você faz? – A voz de Hinata estava bastante embargada, e isso roubou a atenção de Naruto. – Então por que sumiu por tanto tempo? Eu entendo sua situação e seus motivos, mas ao menos poderia ter enviado um e-mail dizendo que estava bem e que sentia saudades. Não precisava dizer onde estava e o que estava fazendo, poderia até mesmo pedir que eu não retornasse, mas ao menos um sinal de vida poderia ter dado. – Ela levou as duas mãos até o rosto para que pudesse abafar o choro desesperado. – Você não faz ideia do que eu passei nesses últimos meses sentindo sua falta!

– Hinata, eu sinto muito, de coração. – Naruto sentia o peso das palavras e dos sentimentos de Hinata, e por isso sequer conseguia olhar em seus olhos. – E eu sei que não existe nada que eu possa dizer para concertar o meu erro ou melhorar as coisas, mas eu só fiz tudo isso porque eu te amo e acredito que seria o melhor para você. Eu não queria te magoar mais sendo o que eu era, por isso eu mudei. E mesmo que você não me aceite mais na sua vida, e você tem todo o direito de fazer isso porque é justo, saiba que tudo isso eu fiz por você, porque eu me apaixonei por você.

– Você é mesmo um idiota prepotente. – Hinata levantou-se e ficou sentada sobre a cama, puxando Naruto para próximo de si e iniciando um beijo.

Mesmo sendo pego de surpresa, Naruto não precisou de nenhum segundo para que pudesse processar aquilo e então corresponder o gesto. Enquanto seus lábios se encontravam de maneira devoradora, ansiando em matar a saudade que sentiam um do outro, suas mãos já se engrenhavam entre os fios negros de Hinata, enquanto as dela tratava de despi-lo o mais rápido possível.

– Espera um pouco. – Naruto interrompeu o beijo para que pudesse respirar, em seguida prosseguiu. – Isso significa que eu estou perdoado? – Hinata rolou os olhos ao notar o brilho de esperança no olhar do loiro.

– Você acha mesmo que eu vou te perdoar facilmente depois de tudo que aconteceu? – Ela riu debochada. – Você não era ingênuo assim!

– Então por que me beijou? – Ele perguntou intrigado.

– Bem... – Hinata parou por alguns segundos para que pudesse pensar. – As pessoas costumam chamar isso de sexo de reconciliação, mas não se engane! Você vai ter que fazer muito mais que isso até que eu te perdoe, entendeu?

– Eu já falei... – Ele sorriu malicioso antes de depositar alguns beijos pelo pescoço de Hinata, até que estivesse próximo ao seu ouvido. Depositou uma leve mordida no lóbulo da mulher que gemeu baixo com o contato, e então falou. – Eu faço tudo que você quiser.

I don't care who you are

Where you're from

What you did

As long as you love me


Notas Finais


Então pessoal, espero de coração que tenham gostado desse finalzinho, viu? Mais uma vez agradeço ao carinho que tiveram comigo e com a fic, saibam que amei muito escrever e interagir com vocês :D
Um grande beijo e até um projeto futuro (ou minhas fics em andamento hehe) :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...