História As Long As You Love Me - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Dudaxharry, Harrymort, Tomarry
Visualizações 430
Palavras 2.332
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Quem é vivo sempre aparece! Tô vivo! O fim do semestre quase me matou mas tô vivo! Então...boa leitura! 😁

Capítulo 14 - Esses dois... acho que não vão ficar juntos nunca


Harry estava na plataforma, iria pela primeira vez sair de Hogwarts para o Natal.

Desde aquele encontro com Voldemort apenas uma carta chegou para ele e não era do bruxo, era de Duda que o lembrava do compromisso.

Luna e Draco também iriam para casa e lhe fariam companhia até desembarcarem em Londres.

De longe Harry viu Hermione, ela sempre voltava para casa no Natal. Teria passado todos seus natais sozinho se não fosse por Rony porém o garoto ruivo ficava pela comida e não por si.

A garota o olhou esperançosa mas ele apenas virou o rosto com frieza. Antes teria se repreendido por tal ação, na época em que era grifinório. Sendo sonserino ele descobriu que não precisava ser tapete das pessoas, que não precisava deixar que elas o pisassem. Sendo sonserino ele pôde aprender que ter amor próprio era fundamental e que se as pessoas não gostassem dele assim que fossem para o inferno.

"Harry, Harry...meu querido amigo Harry, a sonserina sem dúvida te fez bem." comentou Draco observando a ação de Harry "É realmente mais sensato ignorar esses sangues ruins."

"Não a chame assim. Não somos mais amigos mas isso não muda minha visão com relação a essa hierarquia tola entre os bruxos."

"Pensei que já havia aberto os olhos, ok? Desculpe por isso."

"Nunca se esqueça que minha mãe era uma nascida trouxa. Se falar assim de nascidos trouxas outra vez eu não serei mais seu amigo Draco."

"Nem eu!" disse Luna, parecia irritada.

"Ora, estão todos contra mim aqui? E você Luna, não estava indo pro vagão da corvinal?"

"Desisti. Gosto de sua companhia mesmo que ela as vezes seja desagradável!"

Harry riu, Luna sempre tinha respostas afiadas e ao mesmo tempo doces. Draco ficou dividido entre ficar alegre por ela gostar de sua companhia e ficar irritado por ser chamado de desagradável.

"E você é... você é...ah garota confusa! Eu te amo mas muitas vezes eu..." e parou quando percebeu o que tinha dito.

Harry arregalou os olhos surpreso. Tudo bem, não era a melhor pessoa para julgar mas ao menos quando se declarou ele sabia o que estava fazendo.

"Ok, querem que eu vá para outro lugar?" perguntou já sentindo que a provável 'conversa séria' estava a caminho.

"E por que você teria que sair Harry?" perguntou Luna normalmente.

Draco não sabia se ficava aliviado ou se ficava entristecido pela menina não ter entendido a declaração.

"Não sei..."

"Não precisa sair só por que o tonto Malfoy se declarou por acidente... aliás, só assim pra ele ter coragem e parar de enrolar." disse docemente.

No susto Draco se engasgou com saliva e começou a tossir como se estivesse tendo um ataque. Harry olhou Luna sem entender como a garota sabia que o loiro gostava dela.

Quando Draco pôde se acalmar ele a olhou, não sabia o que falar.

"Você não achava mesmo que eu não sabia, ou será que achava?" perguntou a pequena.

"Eu...eu..."

"Você não sabe ser sutil Draco Malfoy. Eu só estava esperando você se declarar...já estava achando que isso nunca aconteceria."

A naturalidade nos atos e nas palavras deixaram tanto Harry quanto Draco sem palavras.

"Garotas...como vocês são incríveis." murmurou Harry desejando ter nascido uma garota, quem sabe assim saberia o que exatamente fazer com sua atual situação.

"Vocês garotos é que complicam tudo. Então Draco, o que vamos fazer agora? Quer namorar a filha do louco Lovegood que edita uma revista de merda?"

"Não é uma revista de merda e seu pai é um gênio!" corou e a olhou nos olhos decidido " E sim, eu quero namorar você."

"Gente eu realmente preciso estar aqui?" perguntou Harry querendo fugir dali antes de ficar de vela.

"Já disse que não precisa ir embora." disse Luna e se sentou começando a ler uma revista ignorando Draco e Harry por completo.

"Oi? Quer dizer que é assim? Só isso?"

"E você quer o que agora Draco? Estamos em um trem, não vou te beijar ou te abraçar aqui."

"Mas..."

"Se tivesse se declarado antes, isso não estaria acontecendo."

"Você é uma criatura adorável, mas consegue ser má quando quer..." resmungou emburrado. Isso fez Luna sorrir mas não mudou sua posição.

Quando o trem parou em Londres Harry deu um 'até breve' aos amigos e saiu. Atravessou a pilastra e foi para a parte trouxa, perguntando o que esperar exatamente. Seu tio não estaria ali provavelmente, então como iria para a rua dos alfeneiros?

"Que diabos eu estou fazendo aqui?" resmungou tentado a voltar a Hogwarts.

"Está me esperando, ou não está?"

"D!" exclamou se jogando nos braços fortes do primo que o abraçou.

"Oi Harry." cumprimentou em meio ao abraço, o tom de voz expressava felicidade.

Harry se esqueceu de tudo, estava com Duda e se sentia normal outra vez. De certa forma queria estar com o primo por que queria, desejava mais que tudo se sentir comum, sem responsabilidades, ser só Harry.

"Tio Valter!" exclamou Harry de repente voltando a si e empurrando o primo pra longe enquanto olhava para os lados atento.

A reação dele fez Duda gargalhar. Se aproximou e envolveu a cintura magra do primo outra vez.

"Ele não está aqui Harry, eu vim te buscar."

Harry presumiu que os dois iriam de ônibus e agradeceu por ter trazido apenas uma mala de mão.

"Quer ir a um lugar antes?" perguntou em expectativa.

"Claro!" concordou Harry se deixando levar pelo momento.

Duda o guiou pela multidão, suas mãos entrelaçadas nunca se soltando. Pararam perto de um carro e Harry não entendeu por que fizeram isso até seu primo abrir a porta para ele.

"Esse carro é de quem?!"

"Um amigo de um amigo quis vender, eu quis comprar e cá estamos."

"Você ainda não pode dirigir."

"Isso não quer dizer que eu não vá dirigir. Além do mais eu pareço ser mais velho."

Harry entrou e sentou no banco do carona do Mercedes-Benz 190SL, uma belezinha de 1958.

"Custou quanto?"

"Algumas libras...eu paguei com  prêmio de campeão de box júnior. Tinha esquecido de te contar..."

"Esqueceu? Acho que só queria se amostrar para mim pessoalmente." provocou.

"Sabe de uma coisa? Você está completamente certo." assumiu com um sorriso orgulhoso no rosto.

"O que os seus pais disseram? Tio Valter provavelmente não gostou...ele prefere carros novos."

"Eu não contei a eles. Até eu completar dezesseis o meu carro vai ficar na casa de um amigo."

Duda deu a partida e os dois ganharam a estrada.

"Aonde vamos?"

"Surpresa."

⚡🐍

Quando Draco chegou em casa se deparou com Voldemort em uma reunião com seu pai.

Não querendo atrapalhar ele tentou se retirar discretamente entretanto o Lorde das Trevas tinha assuntos, ou melhor, assunto para tratar com o herdeiro Malfoy.

"Draco venha cá meu rapaz."

Draco parou no meio do caminho e se virou lentamente. No momento haviam duas coisas na cabeça do loiro. A primeira era uma garota angelical e complicada, a segunda era a lembrança de um garoto forte e loiro abraçando Harry na estação de trem em Londres.

Essa segunda parte ele sabia que era melhor o Lorde das Trevas não saber. Na verdade ele próprio se arrependia de ter ido atrás de Harry naquele momento. Se não tivesse ido atrás dele para atormenta-lo mais um pouco ele não teria presenciado o que julgou ser uma cena íntima.

"Sim senhor." disse se aproximando do Lorde.

"Lúcio, creio que acabamos por aqui. Deixe-me a sós com seu filho."

Lúcio fez uma reverência e saiu.

"Em que posso servi-lo meu senhor?"

"Quero saber por que o menino não entrou mais em contato comigo."

"Bem...pelo que eu entendi do que ele me contou vocês... vocês meio que brigaram. Ele estava confuso quanto a...a relação de vocês."

"Ele não falou nada sobre os planos de Natal e Ano Novo?"

"Disse que passaria com o primo."

O sorriso assassino que se abriu no rosto do homem era assustador. Draco se encolheu temendo que algo de ruim pudesse recair sobre si por culpa de Harry.

"Com.O.Primo." disse entre dentes.

"É." sussurrou Draco, a voz cheia de medo.

"Por que ele escolheria o primo trouxa ao invés de mim?"

"Não... não sei Milorde."

Draco exitou antes de responder e Voldemort percebeu isso.

"Draco você sabe tanto quanto todos os meus comensais que eu odeio que escondam coisas de mim."

Draco se manteve em silêncio mas sabia que teria de falar ou teria de deixar o bruxo descobrir sem poder usar sua habilidade em oclumência.

"Não é nada demais." disse tentando disfarçar "Eu apenas vi os dois na estação se abraçando. Normal...eles são primos não é mesmo?"

"Deixe eu ver." ordenou.

'Bem, ao menos eu tentei.' pensou antes de deixar o outro vasculhar suas memórias.

Quando achou o que precisava saiu deixando a incomoda sensação no garoto. Era algo desagradável, como ficar nu em um palco enquanto uma platéia o olhava.

"Creio que eles não são apenas primos."

Draco se manteve quieto. Suas memórias já ferraram o amigo, não deixaria suas palavras piorarem ainda mais as coisas.

"Diga a seu pai que tenho que resolver assuntos urgentes e que a reunião fica para outro momento."

Draco viu o homem sair, temia-o mas temia ainda mais o que poderia acontecer com Harry.

⚡🐍

Duda olhava Harry vez ou outra, a paixão em seus olhos estava produzindo efeitos em Harry. Efeitos que ele sempre aceitaria com felicidade.

Os dois andavam de mãos dadas na feira Christmas by the River*.

"O rio Tâmisa dá um ar romântico a tudo." disse Duda sentando em um banco em frente ao rio, a London Bridge a sua frente. Perecia um daqueles cartões postais.

Harry sentou-se próximo, talvez próximo demais mas a última coisa que ele estava fazendo era raciocinar. O braço de Duda rodeou seus ombros como fazem aqueles casais apaixonados dos filmes de romance melosos.

"Eu quero te beijar D." disse Harry, a mão atrevida caminhando pela coxa do outro.

Duda sorriu convidativo e Harry não precisou de outra resposta. Se inclinou em direção ao loiro que o beijou apaixonadamente.

Se separaram sem fôlego, os dois estavam corados e excitados.

"Vamos continuar de onde paramos naquela noite?"

"Tio Valter e tia Petúnia estão em casa?"

"Estão."

"Então não vai dar..."

"É para isso que servem os hotéis e os motéis priminho." disse piscando enquanto sorria de lado "Aliás, já fiz uma reserva. Temos a noite toda só nossa."

"Daqui a pouco vai me dizer que teremos champanhe também." disse provocando.

Os dois caminharam de volta ao carro. A neve começou a cair em flocos sobre eles.

Duda abriu a porta do carona para Harry como um cavalheiro fazendo Harry revirar os olhos.

"Não champanhe, mas temos bastante cerveja no banco de trás."

Harry se virou olhando surpreso para as garrafas de cerveja Spitfire*. Não as tinha notado ali antes.

"Você é uma péssima influência D." disse

"Sei disso." deu um selinho rápido e deu partida no carro.

⚡🐍

Duda estava deitado na cama, Harry estava sentado sobre ele rebolando provocativo. Ambos ainda estavam de cuecas, na mão de Harry uma garrafa de Spitfire quase vazia, no chão várias outras.

Ambos estavam excitados e bêbados. O ambiente estava carregado de tensão sexual.

"Me fode D." pediu Harry safado.

Duda apertou as coxas de Harry fazendo ele gemer alto.

"Me fode com força."

"Você parece uma vadia falando desse jeito sabia?"

"E você gosta."

"Adoro." disse e puxou o outro ficando por cima dele beijando e dando chupões no pescoço deixando marcas roxas.

"Já eu detesto." disse Voldemort seco. Estava ali a alguns instantes, nenhum dos dois adolescentes o haviam notado.

Harry gargalhou afetado, parecia ainda mais uma vadia vulgar. O álcool não o deixava perceber a situação em que estava.

"Problema é seu." desdenhou enquanto puxava Duda para um beijo quente.

Fez questão de demorar e gemer em meio ao ato. Ele realmente estava bêbado ou nunca faria algo assim.

Voldemort rosnou odioso. Pensou em matar o garoto loiro. Pensou em matar Harry e o outro. No fim apenas enlaçou os dedos nos cabelos do menino e o puxou violentamente de cima do outro.

Aparatou junto dele dessa maneira. Pararam no quarto do Lorde que o jogou bruscamente sobre a cama.

Harry estava levemente surpreso mas não estava sóbrio o suficiente para sentir medo.

Voldemort sorriu de lado, retirou algumas mechas de cabelo que lhe caíram no rosto enquanto encarava o menino como uma cobra prestes a dar o bote.

O olhar hipnótico e voraz que lançava excitava Harry muito mais que as carícias e provocações de Duda. Gemeu sem querer e lambeu os lábios com desejo.

"Seu primo estava certo, você parece uma vadia." murmurou rouco, a mão direita apertava o pescoço fino com força.

Era doloroso porém suportável, na verdade aquilo lhe dava muito tesão.

"E ao que parece, você também gosta de vadias." perturbou Harry enlaçando a cintura do bruxo das trevas com as pernas e o puxando para perto.

"Mais do que você imagina." disse e mordeu o pescoço do garoto com força bem em cima de onde Duda havia marcado.

Harry gritou, dor e desejo se misturando.

"Você é meu menino, só meu." disse olhando voraz para o garoto que o olhava pervertidamente.

"E?"

"E ninguém além de mim vai te foder."

Disse enquanto se apertava contra o outro, sua ereção roçando na dele o fazendo gemer ainda mais alto.

"E ainda diz que não me ama."

"Eu já te disse e vou te dizer de novo." falou tirando a camisa e deixando aquele corpo esculpido pelos deuses a amostra "As coisas mudam Harry."


•Christmas by the River - feira de Natal ao ar livre perto do rio Tâmisa em Londres.

•London Bridge - Ponte de Londres

•Spitfire - cerveja inglesa de aroma e sabor frutal mesclado a especiarias (uma cerveja deliciosa aliás! Minha preferida, recomendo...mas é melhor que tenham 18 😉)


Notas Finais


Gostaram? Espero que sim 😁😁😁 até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...