1. Spirit Fanfics >
  2. As Muitas Coisas Que Eu Odeio e Amo em Você >
  3. Shake It Off

História As Muitas Coisas Que Eu Odeio e Amo em Você - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


miiiil perdões pela demora socorro
aconteceram TANTOS imprevistos!
mas aqui está, boa leituraaa!!!

Capítulo 6 - Shake It Off


Fanfic / Fanfiction As Muitas Coisas Que Eu Odeio e Amo em Você - Capítulo 6 - Shake It Off

— Apenas para que eu não me esqueça, qual é o prêmio que está valendo mesmo? — Indagou Jeongguk, ajeitando o boné sobre os cabelos negros.

— Combinamos com Seulgi noona que seria uma caixa de cerveja por pessoa — respondeu Mingyu, verificando o horário no celular. — Como somos nove pessoas em cada equipe, então, nove caixas de cerveja.

— Esse fim de semana vai ser demais — Yugyeom afirmou, sorrindo abertamente. — Não vejo a hora de beber!

O sol não estava muito forte naquela manhã de sábado, o que era um verdadeiro alívio. Jeongguk acordou consideravelmente cedo junto de seus amigos para vir a um dos campos disponíveis da universidade para o jogo. Após o clima horrível que ficou na noite anterior com o jogo de blackjack e o strip tease de Taehyung, precisava mesmo espairecer um pouco. 

Não sabia porque exatamente ficou tão chocado ou sem palavras quando viu seu vizinho nu, afinal, quando era crianças, os dois já haviam sido obrigados a tomar banho juntos pelo menos umas três vezes quando seus pais passaram as férias juntos numa mesma casa da praia, e toda vez que voltavam do mar, suas mães lhe davam banho ao mesmo tempo. Mas, eram contextos tão diferentes, crianças não costumam ter malícia ou maldade com aquele tipo de coisa (os dois certamente não tinham), mas agora como jovens adultos, ver que o vizinho idiota era um alfa ridiculamente gostoso e ainda “bem dotado” era um verdadeiro pesadelo.

Não queria dar o braço a torcer e admitir que achava Taehyung atraente, não mesmo. Seria necessária muita insistência para que chegasse a esse ponto. Ou talvez nem com toda insistência do mundo daria o braço a torcer. Era ruim demais pensar que engoliria todas as palavras que já desferiu contra o vizinho. 

Estava precisando colocar a cabeça no lugar, encontrar com algum alfa, transar sem compromisso, mas nos últimos dias, o único alfa pela qual estava realmente interessado era o rapaz misterioso do fórum. Alphavante. Não conseguiu qualquer tipo de informação relevante sobre quem ele, então reservaram a conversa à conversas safadinhas e trocas de mídia. Era estranho. Aquele alfa era tão diferente de qualquer alfa idiota que chegou a conhecer. A forma como ele sempre perguntava como estava, a forma como ele lhe arrancava sorrisos involuntários pelas coisas bobas e ainda assim, fofas que o outro falava.

Não era difícil imaginar como seria divertido sair em um encontro com o alfa enigmático e não havia qualquer tipo de vergonha em admitir que também não se importaria nem um pouco em conhecê-lo para transar, caso fizessem algum tipo de acordo.

O problema era que da mesma forma que Jeongguk não parecia inclinado em revelar de cara quem era, onde estudava e o que fazia da vida… e nem alphavante, infelizmente. Era como uma espécie de joguinho onde um queria ver até onde o outro iria.

— Vocês acham que eles vão furar? — Mingyu perguntou, conferindo o horário no relógio de pulso.

— Seulgi unnie não perderia isso por nada, posso garantir isso — Nayeon, uma das meninas que integrava o time deles, assegurou.

A equipe de Jeongguk tinha (além dele mesmo): Mingyu, Yugyeom, Jungyum, Nayeon, Narae, Lucas e Hyejin. Todos já estavam reunidos no gramado do campo de baseball, apenas jogando a bola um para o outro numa forma de descontrair e passar o tempo enquanto aguardavam o time adversário chegar.

Não demorou muito. Foi o prazo do ômega pegar seu celular para conferir as redes sociais que avistou logo ao longe o grupo de jovens se aproximando da entrada do gramado enquanto cantarolavam algum tipo de musiquinha. Estavam claramente mais animados do que seu time e via como Seulgi assumia o posto de liderança, andando na frente de todos e dando mais pilha na cantoria, que agora parecia mais uma espécie de provocação.

Entretanto, o que acabou por lhe chamar a atenção foi a presença de Kim Taehyung bem ao lado da ômega, segurando um taco de baseball e o apoiando sobre seu ombro enquanto sorria grandiosamente e mascava um chiclete. O que diabos ele fazia ali? Não esperava ter de dar de cara com o alfa tão cedo depois do constrangimento da noite passada. Avista-lo novamente tão cedo e de forma tão inesperada lhe deixava extremamente envergonhado, afinal, seus pensamentos desgovernados iam justamente de volta para a cena do strip-tease e do vizinho sem qualquer tipo de peça de roupa no corpo.

— Oi, pessoal! Esperaram muito? — Seulgi cumprimentou, empolgada.

Sinceramente, Jeongguk esperava que Taehyung arregalasse os olhos e entrasse em pânico assim que o visse, da mesmo forma que o fez na noite anterior. Mas, ao contrário do que imaginou, o alfa apenas aumentou o sorriso. Os olhos amendoados do vizinho demonstraram sua clara surpresa por vê-lo ali, porém, não transpareceram qualquer tipo de susto ou reação exagerada como aconteceu no dormitório.

Supunha que eram situações bem diferentes. Os dois já se encontraram sem qualquer tipo de aviso várias vezes, no entanto, foram sempre em lugares públicos, nunca no espaço “pessoal” um do outro. Aquela provavelmente devia ser a grande diferença. 

— Não, mas por um momento achei que vocês iam furar — Mingyu comentou, rindo.

— E perder uma cervejada de graça? Nunca! — Exclamou Seulgi juntando as mãos. — Vamos começar? Tenho uma partida de baseball para vencer.

— Você é quem manda! — Mingyu concordou. — Vamos tirar quem escolhe as posições iniciais.

— Feito! — A ômega assentiu, gesticulando para o alfa ao seu lado. — Taehyung, vai lá! Vamos ver se essa sua pegada é boa.

Dando de ombros, claramente nada incomodado, ele deu um passo a frente com o bastão ainda em mãos, esperando que alguém do time adversário tirasse a sorte. Antes mesmo que qualquer um de seus amigos tomasse partido, Jeongguk se colocou perto do alfa e franziu a testa ao notar o sorrisinho debochado que ele dava. O idiota devia estar tramando alguma coisa.

— Pronto? — Perguntou. — Vamos ver se minha pegada é boa.

Revirando os olhos, o mais novo apenas assentiu e viu quando o vizinho jogou o taco para cima e prendeu a mão no meio. A ideia era que quem chegasse a mão no topo do taco primeiro, venceria, então, Jeongguk colocou sua mão logo em cima da mão grande do alfa. Sem abandonar o sorrisinho, Taehyung colocou a outra mão logo em cima, e assim também fez o mais novo, até no fim, o ômega venceu, sua mão alcançando o topo primeiro.

Satisfeito, Jeongguk se permitiu sorrir.

— Faço questão de vencer esse jogo e esfregar na sua cara — afirmou.

— Veremos se você vai ganhar, então — devolveu o alfa, nada intimidado e ainda sorrindo. — Não se assuste se o meu taco for demais para você hoje. Ontem você parecia bem assustado.

Desgraçado!

É claro que ele tinha que lembrar do papelão de ontem e de sua expressão de idiota. Deveria ter previsto que isso ia acontecer, Taehyung era como todos os outros alfas babacas. Não podia se esquecer desse fato.

— Caramba, a cada dia que passa, você se torna ainda mais intragável e insuportável — cuspiu. — Embora, eu não soubesse como diabos isso possa ser verdade.

— Esse é o melhor insulto que você conseguiu pensar, Cabeça de Farinha? Tsc, tsc. — Fingiu decepção.

— Ah, seu…

— Façamos o seguinte, então — Taehyung o interrompeu, levando uma das mãos. — Vamos apostar por esse jogo.

— Esse jogo já está valendo uma aposta — Yugyeom se intrometeu, franzindo a testa ao ver a discussão dos dois.

Era como se mais uma vez eles tivessem esquecido que havia uma plateia assistindo à discussão e continuassem batendo boca mesmo assim.

— Estou falando de uma aposta entre nós dois — Taehyung esclareceu. — Apenas nós dois.

Jeongguk parou de prestar atenção no que as pessoas ao redor diziam e acabou por absorver as palavras do vizinho. As intenções dele eram absolutamente nada puras pela forma como ele falava.

— Manda — cruzou os braços.

— Se nós ganharmos o jogo, você vai ter que fazer uma coisa que eu quero, e se vocês ganharem, eu farei uma coisa que você quiser — sugeriu, arrancando um monte de gritinhos e reações exageradas das pessoas ao redor.

— O quê? O que diabos você poderia querer de mim ou eu de você? — Questionou Jeongguk.

— Sério que nenhuma ideia surgiu nessa sua cabecinha linda do que eu poderia pedir ou do que você poderia pedir? Nadinha? — Sorriu.

E então, ocorreu a Jeongguk o que era. Escandalizado, o ômega meteu um soco forte no braço do alfa que grunhiu de dor e lhe fitou aborrecido.

— Você está maluco?

— Você é quem está se acha que eu vou te dar um boquete! — Exclamou, irritado.

Taehyung arregalou os olhos, parecendo estar surpreso com a insinuação do mais novo.

— O quê? Eu só ia falar um beijo, Jeongguk! — Soltou.

Um silêncio macabro se instaurou entre todos os jovens do campo na hora em que as palavras saíram dos lábios do alfa. Alguns se entreolharam, outros cobriram a boca com as mãos e outros apenas não souberam como reagir. Já Taehyung estava visivelmente sem graça, não tendo coragem de encarar Jeongguk, embora soubesse que não tinha feito nada de errado exatamente.

— De onde você tirou essa ideia? — Indagou Jeongguk, incrédulo.

Ante a resposta do outro, o alfa apenas revirou os olhos. Era como se ele já esperasse. 

— ‘Tá, ‘tá, você não precisa repetir pela milionésima vez o quão ofendido você fica com a minha presença ou pela sugestão de fazer alguma coisa comigo — seus olhos queimavam em uma espécie de raiva contida, como se ele estivesse se lembrando de quem era o garoto em sua frente. — Você já fez isso o suficiente ontem e eu não estava falando sério.

— Não estava falando sério? — Questionou boquiaberto. — Qual é o seu problema? Você sugere uma aposta desse tipo e depois foge, agindo como se eu estivesse louco por não gostar da sugestão? 

— Por um momento, eu cheguei a esquecer o quão pé no saco você é, por isso fiz a aposta, mas não se preocupe, esse tipo de coisa não vai se repetir — lhe fuzilou com os olhos. — Vez atrás da outra você sempre sabe o que falar pra simplesmente estragar todo o clima.

— E você sabe o que fazer para me fazer desgostar ainda mais de você!

—Uou, uou, uou — Seulgi interferiu, se colocando no meio dos dois. A ômega estava um pouco assustada com o tamanho da hostilidade que ambos exalavam através de seus cheiros, como se estivessem tentando provocar um ao outro. E a presença hostil de Taehyung, sendo um alfa, estava começando a incomodar aos outros. — Caramba, qual é o problema de vocês? Nem parecem que faltam se comer no fo… digo, por que essa raiva toda? Eu acho que qualquer que seja o problema de vocês, vocês devem conversar. 

— Eu não vou conversar com ele, não temos o que conversar! — Exclamou Jeongguk.

Seulgi lhe encarou de uma forma compenetrada, como se ela estivesse planejando algo muito importante naquele momento e era claro que não adiantava de nada discutir com a ômega. Ela parecia sempre conseguir o que queria de uma forma ou de outra.

— Ah, você vai sim. — Afirmou de volta. — Eu queria que vocês dois fossem para o outro lado do campo e conversassem como duas pessoas civilizadas e só voltassem quando tivessem certeza de que não iriam se insultar a cada minuto.

— Não preciso ficar sozinho com ele, caramba! — Revirou os olhos. — Já falei que não precisamos conversar.

— O fato de você estar tão averso a isso, prova somente o contrário — contra argumentou, encarando o caçula como se ele fosse uma espécie de criança.

— Noona, não perca seu tempo com ele — Taehyung se intrometeu, apanhando a bombinha de asma do bolso da calça. — Ele tem um histórico de ser cabeça dura, não saber conversar como um ser humano racional e ainda desferir insultos sem ouvir uma explicação.

Assim que ele aplicou o remédio, Jeongguk o observou, franzindo a testa. O tom do alfa tinha sido estranhamente mais afetado do que antes, como se fosse uma coisa mais pessoal do que transpareceu anteriormente. Era verdade que os dois mantinham aquela rixa há anos, e que ela se arrastou por tanto tempo porque coisas foram acontecendo no caminho, coisas que eram tão pesadas e significativas quanto descobrir que Jimin havia perdido a virgindade com Taehyung. Era muito ressentimento guardado e a raiva era a melhor forma que encontrou para poder externar aquilo.

O problema era que nem Jeongguk ou Taehyung notavam que quanto mais o tempo passava, mais ambos ficavam desgastados com toda a situação. 

Suspirando pesadamente, o ômega abaixou a cabeça.

— Me desculpa.

Aquilo pareceu pegar todos de surpresa, o alfa mais do que ninguém.

— O quê? — Taehyung arqueou uma sobrancelha.

— Eu não sou essa pessoa desprovida de racionalidade — justificou, acanhado. — Caramba, olha… a gente pode conversar rapidinho só por alguns minutos antes de voltarmos ao jogo?

Mingyu soltou uma arfada, completamente chocado com a atitude inesperada do melhor amigo. O próprio Jeongguk ignorou isso, oferecendo sua mão direita sem pensar direito, e assim que o mais velho a tomou, ambos caminharam até um dos cantos do campo, completamente alheios ao fato de que estavam literalmente andando de mãos dadas.

No entanto, o gesto era genuinamente mais amigável do que aparentava e não carregava quaisquer tipos de segundas intenções ou malícia. Taehyung estava tão surpreso com a “trégua” que não sabia nem mesmo como reagir.

— Então, essa é a hora que você começa a me xingar e a gente finge estar bem ao voltarmos? — Perguntou num tom brincalhão.

— Não, seu bobão. Essa é a hora em que eu sugiro uma trégua — respirou fundo. — Sinto como se essas discussões ultrapassassem o limite da razão, e eu odeio isso. Odeio que as pessoas pensem que eu sou idiota irracional. — Confessou. — Eu não sou um monstro, caramba. Eu fiquei bem mal quando provoquei um ataque de asma em você ontem.

Taehyung quis rir com aquilo, mas se conteve.

— Acho que nem com trégua eu conseguiria impedir meus ataques de asma perto de você — deu de ombros.

— Como assim? — Fez uma careta, confuso.

— Nada não — sorriu.

— Então, a partir de hoje, a gente vai parar de brigar e competir por tudo. Certo? Vamos agir como dois adultos maduros e mesmo não gostando muito um do outro,  a gente vai se comportar. Certo? 

— Você acha mesmo que a gente vai conseguir? — Mais uma vez, prendeu a risada.

Parecendo se divertir com sua própria proposta “absurda”, Jeongguk acabou por rir.

— Não — respondeu, sincero. — Mas, acho que podemos tentar, pelo bem da nossa saúde mental.

— Está vendo? Não é tão difícil assim ficar perto de mim e conversar comigo como uma pessoa normal, é? — Apontou. — Não sou a pessoa mais desagradável que existe.

— Honestamente, eu nunca achei realmente que fosse, você só é insuportável. E se o número de ômegas que estão loucos para dar para você for algum indicativo…

Revirou os olhos com sua última frase. Já Taehyung pareceu achar graça.

— Uma pena para todos eles. Não estou interessado em nenhum deles — replicou naturalmente. — Eu nem conheço pessoalmente o ômega pela qual estou interessado, infelizmente.

— Pobre coitado desse ômega, então. Tomara que ele nunca tenha o desprazer de te conhecer, então — alfinetou, apenas para não perder o hábito.

— Jura? Quando você chegou na vizinhança e me conheceu, logo de cara você gostou de mim e não se incomodou em demonstrar sua empolgação quando correu ao parquinho naquele dia, só lamento ter jogado a bomba de farinha na sua cabeça — comentou, genuinamente feliz. — Bons tempos.

Jeongguk corou com a lembrança, mas acabou por meter um tapa no braço do alfa quando ele falou a última frase.

— Idiota… — revirou os olhos.

— Eu não estava me referindo ao episódio da bomba, Guk — respondeu suavemente.

Aquela tinha sido a primeira vez que Taehyung lhe chamava assim? Jeongguk não sabia dizer, mas sentiu-se inexplicavelmente feliz com aquilo, pois pela primeira vez em muito tempo, sentia que o mais velho estava falando consigo sem intenção de caçoa-lo ou provocá-lo de propósito.

— Obrigado, Taehyung. Eu acho que a gente precisava respirar um pouco em meio a tanta discussão.

— Verdade — Suspirou dramaticamente. — Até porque eu sei que você precisava de um momento para se acalmar, você sabe que vai perder o jogo e eu não queria te deixar mais nervoso.

Jeongguk balançou a cabeça, metendo um soco no peito do alfa.

— Nos seus sonhos que você vai ganhar.

— Nos sonhos e na realidade também.

— Só passando por cima do meu cadáver — devolveu.

— A aposta ainda está de pé? — Indagou, curioso. — Eu juro que não estava falando de boquete! Não é como se eu achasse que você ia aceitar algo assim ou até mesmo fazer, relaxa.

— Hã, claro — coçou a nuca, pigarreando. — Isso mesmo… ainda bem que você sabe.

— Vamos voltar — Taehyung fez um sinal com a cabeça. — Estão no esperando lá, essa conversa me deixou exausto. Eu quase engasguei com o chiclete quando usei minha bombinha.

— Você é muito idiota — soltou uma risada, caminhando de volta para o meio do campo onde o resto do time se concentrava.

 

[...]

 

Estavam na última rodada.

Jeongguk observava Yugyeom, o apanhador de seu time agachado bem atrás de Taehyung, que usava um capacete e segurava o bastão de forma confiante. O pessoal do time de Seulgi gritava de forma encorajadora para o alfa, afirmando que confiavam na capacidade dele e que ele poderia muito bem fazer um home run incrível.

Estalando as costas, Jeongguk se posicionou e aguardou a sinalização de Yugyeom com os dedos, demonstrando qual tipo de arremesso ele esperava que o amigo jogasse. Compreendendo, o Jeon se concentrou e de forma certeira, arremessou a bola, fazendo um strike perfeito com seu parceiro. Taehyung piscou um pouco confuso ao perder a bola, mas não se deixou abalar, se preparando para o próximo arremesso.

— Hey, Tae — Jeongguk chamou, sorrindo de lado. O alfa lhe encarou, aguardando que falasse alguma coisa. — Você vai perder.

— É o que veremos — respondeu, soprando o novo chiclete que tinha na boca e formando uma bola cor-de-rosa que estourou segundos depois. — Manda a ver, Jeon.

Mais uma arremesso e o resultado foi o mesmo: strike. A bola foi direto para a mão enluvada de Yugyeom. Taehyung suspirou audivelmente, ajeitou a postura e estalou o pescoço. O vizinho lhe encarava de forma debochada, como se tivesse absoluta de que ganharia aquela partida.

Seulgi, notando o joguinho psicológico que estavam fazendo com o Kim, se aproximou correndo do alfa. Fuzilando Jeongguk com os olhos, a ômega segurou os ombros de Taehyung e se aproximou de sua orelha.

O Jeon observou toda a situação com a testa franzida. O que quer que a garota estivesse falando para o mais velho, o fez sorrir e assentir. Não demorou muito, ela deu duas batidinhas nas costas dele e voltou correndo para sua posição inicial. Taehyung parecia estar um pouco mais concentrado do que antes, mascando o chiclete enquanto encarava o vizinho.

— Pronto para perder, Kim? — Perguntou, preparando-se para arremessar novamente.

O alfa não respondeu, ao invés disso, ele rebateu a bola que foi jogada em sua direção e sem perder tempo, largou o taco no chão e se pôs a correr até o ponto marcado, aproveitando que seu time já fizera pontos suficientes para completar a volta. Mas, ele não conseguiria chegar lá a tempo, não se dependesse do Jeon.

Assim que a bola rebatida pelo Kim foi capturada por Nayeon, a garota não perdeu tempo em jogá-la para Narae, que logo em seguida jogou para Jeongguk, a tempo do garoto atingir a marcação branca do chão um segundo antes de Taehyung completar a corrida e chegar escorrendo no ponto.

O time de Jeongguk saiu de suas posições, prontamente comemorando a vitória. A partida terminar de 10 a 8, e no final, o time de Seulgi teria de pagar as cervejas para o time adversário. No entanto, o mais novo não chegou a comemorar, observando Taehyung com o cenho franzido. O garoto estava de joelhos, com os olhos fechados e respirando fundo, visivelmente tentando regular a respiração.

— Tae? Hey, você está bem? — Perguntou, agachando-se ao lado e observando com olhos preocupados.

O alfa assentiu, um pouco desnorteado.

— Onde está sua bombinha? — Sem pedir permissão, o Jeon apalpou os bolsos da calça do vizinho e tirou a bombinha para asma de lá, a entregando em sua mão.

— Não precisa — Taehyung riu um pouco engasgado. — Foi apenas uma falta de ar repentina. Já estou melhor.

— Como você consegue competir com essas crises? — Indagou, genuinamente confuso e curioso.

— Por incrível que pareça, eu nunca tive crises quando estou competindo, é como se meu corpo se transformasse totalmente quando estou sobre um cavalo, como se eu estivesse em meu habitat natural — explicou, se pondo a levantar do chão.

Para sua surpresa, Jeongguk segurou um de seus braços e lhe ajudou a ficar em pé.

— Obrigado.

— Não há de quê — deu de ombros. — Ah, e você me deve uma caixa de cerveja. Eu falei que você ia perder.

 

[...]

 

alphavante:

oi, lindo

como você está?

 

bunnycookie:

meio cansado, tive alguns compromissos hoje e isso me deixou exausto, sinceramente

 

alphavante: 

eu entendo, também estive ocupado

mas passei uma boa parte do dia pensando em você

 

bunnycookie:

jura? eu não pensei em você nem um pouquinho :)

 

alphavante:

assim você me machuca, não quis me contar qual o seu curso e agora me trata assim

 

bunnycookie:

você também não me falou o seu

 

alphavante:

eu perguntei primeiro!

 

bunnycookie:

e eu mandei uma foto da minha bunda

 

alphavante: 

e eu mandei uma foto do meu pau!

 

bunnycookie:

nós não vamos chegar a uma conclusão quanto a isso, já percebi

 

alphavante:

o que acha de uma barganha?

 

bunnycookie:

estou ouvindo, quer dizer, lendo

 

alphavante:

eu mando uma foto

 

bunnycookie:

que tipo de foto?

 

alphavante:

uma que vai garantir que você lembre de mim, pelo menos um pouquinho :’)

 

bunnycookie:

hmm e se eu falar e você me enganar?

 

alphavante:

nossa, você realmente acha que eu faria isso?

 

bunnycookie:

acho, não te conheço o suficiente para dizer que não

você um alfa gostoso com quem estou trocando nudes e adoraria sentar

não conheço nada do seu caráter

 

alphavante:

não sei se fico magoado ou lisonjeado?

 

bunnycookie:

você quem decide kkkkk

 

alphavante:

eu gosto muito de arte

pronto, aí está uma curiosidade sobre mim

 

bunnycookie:

isso não significa nada

muita gente gosta de arte, e existem vários tipos de arte

 

alphavante:

não consigo exatamente rotular a arte como uma coisa só realmente, mas quando falei de arte, eu estava me referindo a pintura 

meu pintor favorito é van gogh

 

bunnycookie:

previsível kkkkkk maioria das pessoas costuma citar ele

as obras dele são extremamente famosas

 

alphavante:

é verdade, mas eu vejo van gogh por uma ótica diferente

ele foi mais do que um “louco” que decepou a própria orelha ou comia tinta para ficar “feliz” (o que aliás é mentira e muitas pessoas acreditam)

ele era um gênio, não há como contestar ou questionar isso quando paramos para pensar em como seu estilo artístico único e inovador inspirou tantos pintores depois dele. 

é verdade que muita gente vê as pinturas dele como manifestações visuais da mente perturbada que ele notoriamente tinha, e bem, isso não deve ser mentira, mas ainda assim, ele não deve ser tratado de forma diferente por causa disso

um dos maiores erros que cometemos é quando reconhecemos um artista apenas quando este já não está mais entre nós, e ele é um exemplo disso

sabe qual é a minha obra favorita dele? pode parecer clichê, mas é a noite estrelada.

van gogh certa vez disse que “ele não sabia nada com certeza, mas olhar as estrelas o fazia sonhar”

na noite estrelada, é descrito como um cataclismo do fim do mundo invade aquela paisagem, uma espécie de apocalipse cheio de aerolitos e cometas derretendo. é como se ele tivesse expulsado seu conflito interno sobre a tela, é tão intrigante.

uma das coisas mais interessantes de se notar é que tudo na pintura é produzido como uma fusão cósmica, com exceção da vila, que foi pintada com elementos arquitetônicos 

enfim, desculpa por te entediar com meu falatório :(

eu fico muito empolgado falando de algo que eu gosto

 

bunnycookie:

não!

não se desculpe

isso foi tão inspirador, a forma como você falou

estou sem palavras

você falou como uma pessoa realmente conhecedora de arte


 

alphavante:

errrr hm

 

bunnycookie:

eu acho super atraente homens interessados em arte

 

alphavante:

que bom, então 

 

bunnycookie:

por isso, eu vou ter dizer que meu curso é da escola de artes e durmo no dormitório 

 

alphavante:

é brincadeira, né? 

 

bunnycookie:

não 

e agora você deve me mandar uma foto sua, lembra?

 

alphavante:

ah, eu ia comentar outra coisa aqui, mas deixa pra lá :)

trato é trato

[imagem]

bun?

 

Jeongguk xingou o aplicativo.

A imagem de “erro” apareceu em sua tela, fechando o fórum e lhe fazendo xingar o universo por aquilo.

Justo na hora em que foi abrir a foto enviada!

Só podia ser brincadeira.



 

 



 


Notas Finais


AU do Twitter da fanfic atualizada.
Me sigam no twitter pra gente falar mais de #JkCabeçaDeFarinha e outras fanfics. @kitt_enish

muuuuito obrigada pelos comentários e favoritos desde o último capítulo! Fiquei feliz demais <3

ATENÇÃO: NÃO SOU PERITA EM ARTE, EMBORA EU GOSTE. AS INFORMAÇÕES DADAS PELO TAE EU PEGUEI NO https://www.vincentvangogh.org/ (esse site é incrível). Como o Tae estuda história da arte, pensei em colocar algumas coisas legais de arte na história a.

É isso, perdão por qualquer erro!

Quero começar a atualizar semanalmente!

Me digam o que acharam auuashuhas beijoooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...