História As Provações de Sakura - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Tags Kibahina, Narusaku, Naruto, Saiino, Sakura, Sasukarin, Sasuke, Shikatema
Visualizações 151
Palavras 1.969
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen
Avisos: Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Volteeeei. Desculpem a demora, é que tive uns dias corridos e fiquei sem escrever, aí ontem a noite consegui escrever umas mil palavras, aí decidi postar.

Esse capítulo tinha 4+ mil palavras, aí decidi dividir pra render mais😅

Espero que gostem

Capítulo 30 - "Eu preciso ver uma pessoa"



 13 dias antes da reunião dos Kages

Sakura precisava conversar com Ino e, após passar em diversos lugares e não achá-la, só lhe restava uma opção: a taverna. Ela conhecia perfeitamente o trajeto para o local graças a sua mestra, que tentou lhe seduzir ao mundo do saquê um ano atrás. A oferta havia sido tentadora, mas Sakura tinha recusado. Era uma ninja médica, não podia correr riscos.

Ela atravessou a porta de madeira e levemente descascada para dar de cara com um interior cheio. Grupos de quatro ou cinco ocupavam a maioria das mesas. A kunoichi se virou na direção do balcão e encontrou o inconfundívei cabelo loiro preso num rabo de cavalo. Sai estava ao seu lado, ela ria e o membro da ANBU parecia tentar entender o motivo das risadas dela.

Sakura caminhou até eles e sentou em um banco do lado de Ino, que se virou e se surpreendeu com a presença da melhor amiga.

— Testuda! Finalmente decidiu se render aos encantos do saquê?

— Não. E você não deveria. Você é médica.

— Eu sei me cuidar, marquise.

Sakura apenas assentiu com a cabeça e suspirou, ela acenou pro bartender e o jovem que aparentava ter vinte anos, se aproximou.

— Me traz qualquer coisa não alcoólica pra beber, que seja boa.

Ele assentiu com a cabeça e se afastou.

— Ok. Eu te zoei duas vezes e você não revidou. O que aconteceu?

— Eu li que amigos ou amigas conversam mais confortavelmente em privacidade, então vou sair — Sai anunciou, ficando de pé. — se precisarem que eu fale com o Naruto, só avisar.

Sakura ergueu as sobrancelhas e virou levemente o rosto, observando o ninja caminhar na direção da porta.

— Ele está ficando melhor do que eu em ler as pessoas — Ino murmurou.

— Um Sai que sabe ler as pessoas e fala o que pensa o tempo todo. Isso é preocupante — Sakura comentou.

— Ok, vamos esquecer ele por um tempo. Você veio até aqui por causa do Naruto. O que aconteceu? Eu diria que mataria ele se tivesse magoado você, mas eu acho mais fácil um meteoro cair do céu nos próximos cinco segundos.

Sakura riu baixinho e acabou contando para a garota a conversa que teve com ele e como não conseguiu voltar pra casa dele, mesmo que fosse sua responsabilidade cuidar do Uzumaki, como enfermeira.

— Oh, Sakura. Ele não vai encontrar alguém melhor que você.

— Mas foi hipotético. Ele não gosta de mim.

— Sakura, ninguém usa a expressão hipoteticamente falando no sentido literal. Ninguém. É só um jeito de dizer a verdade sem parecer que é verdade.

Sakura agradeceu o bartender mentalmente por voltar com sua bebida e lhe impedir de ter que responder Ino.

— Do que você tem tanto medo?

Sakura cogitou a ideia de fugir da pergunta e tentar mudar de assunto. Mas ela já não se achava capaz de aguentar aquilo sozinha. Precisava dividir com sua melhor amiga.

— Se o Naruto realmente gosta de mim... Significa que ele nunca me esqueceu. Ele gosta de mim há mais de dez anos, Ino. E só agora eu... — ela travou.

— Você... — Ino incentivou a amiga a continuar.

— Eu não sei o que sinto. Ele é meu melhor amigo. Mas também eu odeio o fato de que, como Sasuke-kun disse, ele é o herói da vila e o que mais tem é garota apaixonada por ele. E se... Eu der uma chance pra esse sentimento novo e depois de um tempo eu volto a ver ele só como amigo? Eu o machucaria ainda mais.

— Sakura, eu te entendo. Mas eu acho que o Naruto estaria disposto a correr esse risco. A questão é; você está?

**10 dias antes da reunião dos Kages**

Naruto já não precisava mais da bengala, então quando um ninja apareceu na sua porta avisando que a Godaime havia solicitado sua presença, pôde se mover na sua velocidade costumeira até a torre. Seu corpo já lhe obedecia como antigamente e conseguia performar lutas.

O Uzumaki decidiu focalizar chakra em seus pés para impulsionar seu salto e aparecer ao lado da janela da Hokage. Muito mais rápido do que escadas, ele pensou. Naruto atravessou a janela e encontrou Shikamaru e Sasuke no meio da sala.

— Desculpa pela demora, obaa-chan — disse Naruto ao se aproximar dos dois ninjas.

— Você não demorou. Eles estavam mais perto. Bom, eu tenho muitas coisas para fazer, vamos direto ao ponto. Como vocês sabem, a reunião dos Kages acontecerá em dez dias. Partirei daqui uma semana. Só posso levar dois ninjas comigo, que serão Naruto e Shikamaru. Sasuke, se algo acontecer, você é o mais capacitado para proteger a vila. Vai ser uma semana perigosa. As vilas estarão expostas e os Kages estarão todos no mesmo lugar. Precisamos ser cautelosos.

— Godaime-sama, posso dar minha opinião? — requisitou Shikamaru.

— Fale.

— Naruto e Sasuke provavelmente são as pessoas mais voláteis que eu já vi. Eles precisam de alguém ao lado para aconselhar e criar estratégias. E se chegasse a tal ponto, tenho certeza que o Naruto faria de tudo para protegê-la, até por isso, acredito que seja mais vantajoso que eu fique na vila e no meu lugar, ir um ninja sensorial.

Naruto pensou em refutar o amigo e dizer que não era volátil, mas recebeu um aviso mental de Kurama: "Não interfira".

— Eu concordo, Shikamaru. Mas não posso deixá-lo em Konoha. Você pode não ser um ninja sensorial, porém você é o ninja mais inteligente que conheço. E numa reunião com o teimoso do Raikage... Mentes como a sua são essenciais.

O Nara assentiu com a cabeça e não argumentou mais.

— E sobre os espiões que a prisioneira revelou, temos alguns ninjas vasculhando e procurando suspeitos. Mas em todo caso, a partir de amanhã, quero que você, Naruto, use seu chakra da Kyuubi para sentir o ódio deles e Sasuke, use o Sharingan para verificar se eles tem algum selo da morte.

Eles concordaram.

— Alguma dúvida?

Naruto e Sasuke trocaram um olhar. Precisavam cogitar a ideia de contar a Tsunade o que Yumi revelou, mesmo que não fosse o plano. Com um simples movimento de cabeça do Uchiha, o loiro soube que deveria seguir o amigo. A godaime os dispensou e Sasuke foi o primeiro a se retirar. Naruto o acompanhou pouco tempo depois.

Eles continuaram se movendo até chegarem a entrada do clã Uchiha. Sasuke pulou sobre o muro branco e foi seguido pelo amigo.

— Presumo que você não tenha descoberto nada — Sasuke comentou.

— Nem mesmo Kurama ouviu sobre esse selo. Eu tive uma ideia ontem e tava pensando... O seu genjutsu não dura o suficiente até alcançarmos um lugar totalmente deserto e largar ela lá, não é?

Sasuke o encarou com um quê de incredulidade nos olhos.

— Você não está falando sério.

Naruto sorriu e começou a coçar a nuca, se sentindo um pouco nervoso com o olhar afiado do Uchiha.

— Ok, que tal... Você teleporta ela pra algum lugar e volta.

— Como não está nos meus planos morrer agora... Não, não é possível.

Naruto bufou, chutou o ar e depois se sentou. A frustração estava lhe deixando transtornado. Odiava a possibilidade de ter que realmente atender ao pedido de Yumi. Mesmo que acabasse não sabendo sobre a possível ressurreição de sua mãe.

— Você já cogitou que ele tem um Rinnegan, um Mangekyou Sharingan, é um Uzumaki, tem sangue Senju e tem uma técnica de regeneração infalível?

— Você não está ajudando, Sasuke! — Naruto resmungou.

— O ponto é que não fazemos ideia de como matá-lo. É melhor começarmos a procurar uma fraqueza no jutsu de regeneração do que continuar procurando sobre o selo da mulher.

"Eu concordo com o Uchiha" Kurama comentou.

— Cala a boca, Kurama! — Naruto reclamou, fazendo a raposa gargalhar. — Agora você está rindo. Ótimo.

— Até sua raposa concorda. Então está decidido. Eu vou tentar reunir informações sobre o jutsu de regeneração.

Sasuke pulou para detrás dos muros do clã Uchiha, sem despedida. Pulou sobre as casas em alta velocidade até desaparecer do campo de visão do Uzumaki.

A lua já havia tomado o lugar do sol e banhava as ruas de konohagakure. Naruto alcançou o seu destino e adentrou no pequeno estabelecimento do Ichiraku.

— Naruto! — Ichiraku cumprimentou o jovem com ânimo. — Senti sua falta. Faz tempo que não vem comer. Diga-me, encontrou algum restaurante melhor?

O Uzumaki riu e se aproximou para se sentar em frente ao balcão.

— Claro que não! Eu estava me recuperando de uma cirurgia aí a Sakura-chan vinha buscar comida pra mim.

— Ah, sim. A garota de cabelo rosa, né? Ela veio bastante aqui.

— Sim, essa é a Sakura-chan. Tsukemen, né?

— Não, não. Mais uma vez você ajudou a salvar a vila. Vou lhe fazer um ramen.

Os olhos do garoto brilharam e ele gritou de alegria.

— Obrigado, Ichiraku-san!

O velho sorriu.

— Volto já com sua refeição.

Ele caminhou na direção da cozinha do restaurante e Naruto se viu sozinho no restaurante. Ele virou para trás e começou a observar as pessoas que caminhavam pela rua. Alguns pais com seus filhos. Crianças brincando. Estavam se recuperando do ataque recente. Estavam felizes. Não podia arriscar essa paz quebrando o acordo com Yumi. Não permitiria que ela destruísse a vila.

Do lado de fora, Sai avistou o velho companheiro de time e acenou.

— Hey, Sai! — Naruto aumentou o tom de voz para chegar ao amigo.

O membro da ANBU se aproximou e entrou no restaurante, sentando em um banco ao lado do Naruto.

— Como você está? — Naruto perguntou. — Faz bastante tempo que a gente não se vê.

— Ahn... Estou normal. A ANBU me manda para diversas missões. E o pouco tempo livre que tenho... Geralmente a Ino consome.

— Ah, é! Sakura-chan me contou. Fico feliz por vocês.

"Mas é bem estranho" Naruto concluiu mentalmente.

"Você não presta, garoto." Kurama comentou.

— Falando na Sakura... Como vão as coisas? — Sai questionou.

A expressão tranquila do garoto murchou. Nos últimos dias mal viu a amiga, isso ajudou lhe um pouco a não pensar na kunoichi. Tentava se distrair ao máximo. Ela aparecia somente para checar se ele estava bem e para a hora de fisioterapia – que estavam cada vez mais tensas. Mas hoje seria o dia em que Sakura entraria de férias e Naruto passaria a ser tratado no hospital. Talvez se encontrassem com menos frequência e, àquele ponto, ele já não sabia se era bom ou ruim.

O Uzumaki contou ao Sai sobre praticamente tudo. Não via motivo para esconder do amigo – e apesar de Sasuke ser seu melhor amigo, ele detestava esse tipo de assunto.

— Naruto, você está nesse conflito interno gigantesco e isso tá te devorando. Você tem m...

— Para de me analisar! — ele resmungou.

— Sinto muito. Força do hábito. Vou direto ao ponto. Todos esses sentimentos negativos e essa insegurança vão passar se você simplesmente contar à Sakura como se sente.

— E se... Ela não corresponder e eu estragar nossa amizade?

— Vai doer. Muito — Sai foi sincero. — Mas passa com o tempo. Você vai se sentir livre, mais leve. Ao menos é o que diz todos os livros que li.

Aquilo não transmitiu confiança ao loiro. Desconfiava que um livro não tivesse as respostas para o seu problema. Sai se levantou.

— Eu preciso encontrar a Ino daqui a pouco. Mas Naruto, se eu usar os livros para analisar a Sakura, todos terão a mesma resposta: ela tem sentimentos por você. Românticos.

Sai se retirou do restaurante sem esperar uma resposta. Também havia lido que deixar a pessoa sozinha era o meio mais rápido para lhe fazer refletir. Ichiraku retornou com a tigela de ramen, mas Naruto já havia se levantado e tirado yenes de sua bolsa de sapo.

— Ichiraku-san, eu prometo trazer a tigela depois. Mas agora... Eu preciso ver uma pessoa.

Ele largou os yenes sobre o balcão, pegou a tigela e caminhou a passos rápidos para fora do restaurante. Ichiraku riu e recolheu os yenes.


Notas Finais


Será que agora NaruSaku finalmente vai?😅

Oq acharam do capítulo? Deixem suas opiniões (:

Sobre a próxima postagem: entre 7-10 dias, de novo. Minhas férias do trabalho estão acabando, vou ter menos tempo pra escrever, aí a média vai ter que ser essa mesmo. Quero pelo menos escrever 350-500 palavras todo dia.

Até breve (:


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...