1. Spirit Fanfics >
  2. As the world caves in (Bade) >
  3. Cap 12

História As the world caves in (Bade) - Capítulo 12


Escrita por:


Capítulo 12 - Cap 12



*Pov Beck*


Depois que levei a Jade para casa, eu voltei para meu trailer com um sorriso no rosto, a quanto tempo eu não tinha um dia incrível como esse.

Ela é tão linda!! 

Eu nunca vi essa beleza habitar em nenhuma outra pessoa. 

Ter visto o cabelo dela gentilmente sob os ombros, aqueles seios...são perfeitos.

 Cada estria do corpo dela são como linhas de um belo poema que eu poderia ler e reler repetitivamente e incansavelmente.

A pele dela é tão macia quanto seda, eu quero poder sentir a pele dela e aquele toque todos os dias.

O sol batendo em seu rosto no final de tarde, o vento soprando os fios de cabelo dela, o laranja do céu invadindo o azul daqueles olhos...

Eu nunca havia descoberto o significado de perfeição, até conhecer ela.

Ouço alguém batendo na porta do trailer me tirando de meus pensamentos.

- mãe?

- Por onde você esteve?

- por que a pergunta?

- Você estava com ela, eu tenho certeza!

- E se eu estivesse? Isso é entre eu e ela. Eu não sou uma criança.

- Beck, eu estou te avisando! você vai se afastar daquela garota e da família dela! por bem ou por mal-simplesmente ignoro-.

- Boa noite mãe-fecho a porta do trailer-.

- Depois não diga que eu não te avisei!!-ela grita de fora-.


*Beck off*


*Pov Jade* 

 Depois que o Beck me trouxe para casa, eu tomei outro banho e vesti minha roupa de dormir.

 Desço para a cozinha pra comer algo.

- Quer assistir filme comigo?-minha mãe pergunta da sala-.

- Não-pego uma maçã e dou uma mordida-.

- Você é uma chata sabia?-reviro os olhos-.

Meu pai chega.

- oii-ele diz para nós-.

- É sério que você deixou ela ficar aqui?-pergunto-.

- Bom, eu não achei que ela realmente viria, mas sim, pode ser bom para você-reviro os olhos-.

- Você fala isso filha, mas eu sei que no fundo você está feliz em me ver-ela sorri-.

- Não me chama de filha! Mães não ficam longe de suas filhas por um ano inteiro-ela revira os olhos-.

- Jade, chega!! Tenha mais respeito com a sua mãe! Eu vou tomar banho, quando eu voltar não quero vocês com desentendimentos-ele sobe as escadas-.

- Ninguém me entende!!-dou uma mordida final na maçã-.

- Eu estou bem aqui se você quiser conversar.

- Não!!-subo para o meu quarto em passos firmes-.

Deito na minha cama, coloco os fones e coloco minha playlist para tocar. Começo a lembrar do dia de hoje com o Beck. Foi tão incrível!! Ele faz a vida parecer leve. 

 Alguns minutos depois, minha mãe veio até o quarto, ela colocou um colchão no chão ao lado da minha cama. Eu peguei no sono pouco tempo depois.


•*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*•

 No dia seguinte...


- Jade!!-ouço minha mãe praticamente gritando-.

- O que foi?-pergunto sonolenta com os olhos fechados-.

- Acorda! Eu estou te chamando pela sétima vez, são Onze da manhã já-ela pega no meu ombro e me chacoalha-.

- Mas que porra!!-grito me virando para ela-É sábado, me deixa em paz!

- Você parece que hiberna-ela puxa minha coberta-.

Por fim, acabei acordando, pela força do ódio. 

Fui até o banheiro e fiz minhas higienes matinais, depois desci para a cozinha.

- Finalmente!!-meu pai diz com uma garrafa de água na mão-. 

- O que está fazendo em casa?

- Hoje é meu dia de folga. Se você estiver com fome pode pedir algo pelo aplicativo.

- Tô sem fome-caminho em direção a sala e me jogo no sofá-.

- Você deixa ela ficar deitada o dia todo?-ouço meus pais conversando-.

- E adianta falar alguma coisa pra essa garota? Ela não obedece e eu não fico aqui para poder impedir.

- Eu estou bem aqui, caso vocês não tenham notado-digo-.

- É para você ouvir mesmo! Levanta desse sofá, vai fazer alguma coisa da vida-minha mãe diz e eu reviro os olhos-Vai respirar ar fresco, ver seu namorado..-meu pai a interrompe-.

- Namorado??-ele vem em minha direção e para na minha frente com os braços cruzados-Que namorado?-coloco as mãos nos olhos respirando fundo-.

- Eu não tenho nenhum namorado-me sento-.

- Ontem ela ficou um tempão trancada no quarto com o Oliver-minha mãe fala demais às vezes-.

- O que vocês estavam fazendo?-meu pai pergunta-.

- Tchau!!-levanto do sofá para ir pro meu quarto-.

- Espera!!-ele pega meu braço me impedindo de andar-Jade, se previna.

- Eu sei!!-me solto, subo as escadas e vou para meu quarto-.

Eu deito na minha cama, pego o celular para ver série.

Eu passei o dia todo maratonando séries e comendo porcarias.

Quando chegou a noite me lembrei do bilhete que minha mãe ou meu pai precisam assinar, peguei ele na minha mochila, junto com uma caneta, e desci as escadas atrás dos meus pais.

Ouço eles conversando na sala, paro atrás da parede para ouvir melhor.

- Você não pode esconder isso dela-minha mãe diz-.

- Eu vou contar, só não sei quando e nem como.

- Inacreditável! A Chloe sabe?

- Não, eu e a Emma não contamos para ela.

- Você é um péssimo pai!! Eu não admito que você esconda isso da Jade, ela tem o direito de saber-saio de trás da parede-.

- O que eu preciso saber?-eles se assustam com minha presença-.

- Você estava ouvindo nossa conversa? Você sabe que isso é falta de educação-meu pai briga comigo-.

- O que é que eu não sei?-eles se encaram em silêncio-Falem logo!!

- Se você não contar, eu vou!-meu pai joga um olhar de fúria para ela-.

- Foi um erro enorme ter deixado você passar os dias aqui-ele respira fundo. Eu quase nunca vejo ele tenso-Jade, é melhor você se sentar.

- Não quero!! Mãe preciso que assine isso-entrego o bilhete e a caneta para ela-Falem logo!!

- Depois que eu e sua mãe nos divorciamos, eu conheci uma mulher e eu me apaixonei por ela..-o interrompo-.

- Que nojo!

- Continuando-minha mãe me entrega o bilhete assinado-Depois que eu me apaixonei por essa mulher e ela por mim, nós começamos a namorar...-ele fica em silêncio-.

- E??

- Eles tiveram uma filha e hoje são casados-minha mãe conta de uma vez-.

- Hilary!!!-meu pai grita com ela. Eu simplesmente fico sem reação-.

- Uau!-viro as costas e vou em direção ao meu quarto-.

- Jade, espera!!-meu pai me chama, mas minha mãe o convence a me deixar sozinha-.

Eu tranco a porta, guardo o bilhete na minha mochila e me jogo na cama.

Não sei como ele pode esconder isso de mim, eu sempre passei meus dias sozinha achando que ele passa todo o tempo no trabalho, agora eu sei que parte desse tempo é dedicado para a outra família dele, na qual provavelmente eu não me encaixo, se não, por que eu não viveria com eles? Eu nem quero, mas eu não queria ter sido tão excluída ao ponto de não saber.

Eu não quero conhecer a filha do meu pai, muito menos a mãe dela. Não vou chamar uma criança idiota que nem conheço de irmã.

Soluço de tanto chorar, tampando minha boca com o cobertor para não fazer barulho. 

Por que minha família tem que ser tão desestruturada? 

Me levanto e pego minha tesoura e começo a cortar meu travesseiro enquanto as lágrimas caem de meus olhos. Fico encarando a tesoura na minha mão e tendo pensamentos ruins, talvez se eu..só..

Meu celular toca.

*Ligação on*

- Quem é?-pergunto com voz de choro-.

- Você está chorando?-percebo que é o Beck-.

- Não-minto-o que você quer?

- Quer ir tomar sorvete?

- Não.

- Está bem.

- Mais alguma coisa?

- Não, você está be..-desligou antes dele completar a pergunta-.

*Ligação off*


Eu amo falar com o Beck, mas eu realmente não estou com paciência para ficar conversando.

Fico deitada olhando para o teto, sentindo as lágrimas escorrerem pelo meu rosto.

Ouço alguém batendo na porta.

- Não!!

- Sou eu-ouço a voz do Beck-.

- O que você está fazendo aqui?

- Vim conferir como você está-reviro os olhos-.

- Eu não vou abrir pra você.

- Então eu vou sentar aqui do lado da porta e cantar até você abrir.

- Não, você não va..-ele começa a cantar em um tom completamente desafinado-Para com isso!!-ele continua cantando com uma voz irritante-Se você não calar a boca eu vou até aí meter minha tesoura em você!!-ele me ignora-.

Eu pego minha tesoura e abro a porta, ele se levanta do chão.

- Você mentiu quando disse que não está chorando-olho pra ele com raiva por estar aqui e me ver assim-Essa tesoura na sua mão é a que você planeja me matar?-ele passa por mim, entrando no quarto-.

Eu fecho a porta com força e tranco.

- Por que você destruiu seu travesseiro?-ele se senta na cama-.

- Não interessa!!

- O que aconteceu?-meus olhos se enchem de lágrimas teimosas, eu olho para cima para elas não escorrerem-Ei ei-ele vem em minha direção e me abraça apertado, fazendo minhas lágrimas cairem-Calma, eu estou aqui-ele beija minha testa-.

Eu vou até a minha cama e me deito em posição fetal, tampando o meu rosto. Começo a chorar ofegante.

Beck vem até mim, se ajoelhando do lado da cama e fazendo carinho no meu cabelo.

- Jade...Você quer sair daqui? A gente pode ir para outro lugar-eu nego com a cabeça-.

- Não quero-sussurro-.

- Posso me deitar com você?-vou um pouco pro lado para ele se deitar-.

Beck se deita de frente para mim, me abraçando, posso sentir minhas lágrimas molhando sua camisa.

Aos pouquinhos minha respiração foi se acalmando e as lágrimas foram parando.

- Meu pai tem uma filha há anos e uma esposa, e eu só soube hoje-finalmente digo algo, quebrando o silêncio-.

- Não acredito que ele escondeu isso de você, isso é importante.

- Sim!! Eu odeio ele!! Odeio, odeio,odeio!!!

- Eu sinto muito por isso estar acontecendo com você-ele beija minha testa-.

- Que se foda!! Pelo menos agora eu sei, sei a consideração dele por mim. Eu não queria que você estivesse aqui-enxugo meu rosto com as mãos-não quero que me veja assim.

- Eu me preocupo com você-dou um sorriso-seus olhos e seu nariz estão vermelhos-ele toca meu nariz com o dedo indicador, me fazendo sorrir-.

Me sento na cama com as pernas cruzadas, olhando para Beck deitado, ele brinca com minha mão.

- Você pensa em conhecer sua irmã?

- Não!!-subo no colo dele para passar para o outro lado, me levantando da cama-.

- Wow!!

- O que foi?-pergunto em pé, olhando pra ele-.

- Nada não-desço o olhar para sua calça-.

- Eu tô vendo o seu amigo que acabou de acordar-rimos-.

Eu vou até o banheiro e lavo o rosto. 

Não pretendo chorar mais, pelo menos agora eu sei a consideração do meu pai por mim, e eu quero que ele vá a merda!!

Saio do banheiro, vendo o Beck deitado usando o celular.

- Muitos contatinhos?-brinco-.

- Só alguns.

Fico um tanto chateada com isso, mas tento disfarçar e falho miseravelmente.

- Estou brincando com você-ele ri, mas não acho graça-.

- Eu também-me sento na beira da cama-.

- Você está com ciúmes? 

- Não!!

- Convincente-ele ri-Eu sou apaixonado por você e só por você-reviro os olhos-.

- Você é solteiro.

- Isso foi uma indireta?-fico envergonhada-.

- Não, não sei do que você está falando-ele se senta e me da um selinho-.

Ele me puxa, me fazendo deitar em cima dele.

- Me solta-digo entre risos-eu vou chamar a polícia-ele me dá vários beijinhos por todo meu rosto e pescoço, me fazendo sentir cócegas-Beck, é sério!!-ele para-.

- Você vai chamar a polícia?-rimos-.

- Não, eu vou tomar banho-encosto meus lábios nos dele-.

Começo a beijar ele lentamente, ele toca gentilmente minha cintura, coloco minhas mãos no cabelo dele, subo direito em seu colo encaixando nossos corpos. Paro o beijo e saio de cima dele.

- Você provoca muito, West-solto um riso-.

vou até meu guarda-roupa, pego minha toalha e algumas roupas para dormir.

Começo a tomar banho e percebo que minha intimidade está levemente lubrificada, tudo culpa do Beck!

Depois que terminei meu banho eu me sequei, passei meu hidratante corporal e me vesti.

- Que demora-diz Beck quando eu saio do banheiro-.

- Sentiu tanto assim a minha falta?-brinco-.

- Vem cá-ele se senta-.

Vou em sua direção, me sento no colo dele, damos um breve beijo.

- Você é linda!-sorri-.

- Obrigada-digo envergonhada-.

- Você está com vergonha? Você?

- Não!! Vai se foder Oliver-ele começa a me fazer cócegas-Para, para-peço entre risos-.

Alguém bate na porta, fazendo Beck parar com as cócegas, para minha sorte.

- Jade?-ouço meu pai-.

- O que foi?

- Abra a porta, precisamos conversar.

- Não!!-digo irritada-.

- Talvez seja bom vocês conversarem-Beck sugere-.

- Você está do lado dele??

- O que? Não, só estou dizendo que talvez faça bem você dizer como se sente em relação a tudo isso-fico pensativa-.

- Jade, abra a porta, por favor-me levanto indo em direção a porta-.

- Eu te odeio!-digo quando abro a porta-.

- Você tem todo o direito de me odiar, mas nós precisamos conversar.

- Eu já vou indo-Beck me dá um beijo na bochecha e se despede do meu pai-.

- Você expulsou ele.

- Por que você estragou seu travesseiro?

- Não importa.

- Jade, eu sinto muito por não ter te contado antes-ele se senta na minha cama-.

- Não, você não sente.

- A Emma, minha esposa-reviro os olhos-ela não gosta da idéia de você perto da sua irmã.

- Ela nem me conhece!! E não chame aquela pirralha de minha irmã.

- Ela não te conhece, talvez se ela te conhecer melhor ela mude de idéia.

- Me poupe! Eu não quero conhecer ninguém!!

- Nem a sua irmã? 

- Não!!

- Ela tem seis anos, se chama Chloe.

- Eu não ligo!! Sabe como é ter passado todos os dias aqui sozinha e agora descobrir que eu estava sendo excluída?? Não, você não sabe!

- Eu errei feio com você, eu não devia ter escondido isso-ele fica cabisbaixo e respira fundo-Eu espero que algum dia você me perdoe.

- Nos seus sonhos, só se for.

- Eu te amo filha!!

- Eu te odeio!!-ele sai do quarto em silêncio-.

Pego as partes do travesseiro que eu cortei, desço as escadas e jogo no lixo. Vou até o quarto de visitas, pego um travesseiro pra mim e vou para o meu quarto.

- Jade!-minha mãe me abraça-.

- O que foi? Me solta!!

- Seu pai é um idiota!

- É, eu sei-me deito na cama-.

- Eu te amo muito!

- Eu não te odeio-ela sorri-não o tempo todo.

- Você quer conversar sobre como se sente?

- Não, só quero dormir.

- Está bem, boa noite-ela beija minha testa-.

- boa noite.

Ela apaga a luz e sai do quarto, eu fico pensando em tudo novamente, choro mais um pouco até pegar no sono.




Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...