1. Spirit Fanfics >
  2. As três irmãs >
  3. A ultima carta de Hogwarts

História As três irmãs - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiramente quero agradecer aos comentários, isso me incentiva e muito.
Segundo, me desculpa por ter demorado, mas eu precisava descansar um pouco.
e agora bora para o novo capitulo que vem empolgante e cheio de coisas que aposto estarem curiosíssimos para saber, mas antes vou deixar aqui como funciona a nota do N.I.E.Ms para vocês entenderem as coisas.

As notas usadas nos NIEMs são as mesas dos NOMs Notas de aprovação

Ótimo [O]
Excede Expectativas [E]
Aceitável [A]
Notas de Reprovação

Péssimo [P]
Deplorável [D]
Trasgo [T]

Capítulo 24 - A ultima carta de Hogwarts


Fanfic / Fanfiction As três irmãs - Capítulo 24 - A ultima carta de Hogwarts

As coisas correram normalmente por todo o verão, os amigos se encontravam para reuniões, Harry e Gina acabaram nas paginas de uma revista como namorados do mês, Rony tirou muito sarro dele por isso, Draco evitava ficar sozinho com a Pamella e ela mesma preferia assim, a barriga de Fleur crescia e eles não podiam estar mais felizes, às três Vieiras foram para a praia em Brighton e decidiram que as brasileiras eram melhores, e logo assim o verão tinha acabado e rápido assim chegou a carta do resultado do N.I.E.Ms.

Quando Pamella acordou pela manhã tinha uma coruja em sua mesa com uma carta no bico, ela levantou de um salto e apanhou, viu o símbolo em cera purpura de Hogwarts, correu para o espelho que ficava em cima da bacada da cozinha.

— Espelho, espelho meu — disse Pamella com a mão no vidro — mostre outro igual ao seu.

O espelho mostrou a imagem dividida, uma era o quarto na Gemialidades, dava para ver Jorge na cadeira e o outro mostrava a lareira na casa de Franciele e Carlinhos.

— Franciele! Allinny! — chamou ela levando o espelho até o sofá.
Jorge se levantou sobressaltado e olhou para o espelho, no outro Franciele veio para perto usando um avental e com os cabelos ruivos.

— Bom dia! — cumprimento Fran.

— Vou chamar a Linny — disse Jorge saindo de cena.

— O que foi agora? — perguntou Fran com certa pressa.

— Vamos esperar a Linny — disse Pamella quase não controlando a empolgação.

— Fala — disse Linny chegando no espelho.

— Chegou! — exclamou Pamella mostrando a carta.

— Abre para vermos o que você tirou — disse Linny se empolgando também.

— Na verdade, combinamos que iriamos abrir todos juntos no Caldeirão Furado — disse ela.

— Combinou com quem? — perguntou Fran e Carlinhos passou atrás acenando.

— Primeiro com Justino e Camilla — disse ela se lembrando — depois com Rony, Harry e Mione... mas acho que vai ter bem mais gente.

— Vamos também — disse Fran decidindo na hora.

— Vamos? — perguntou Linny na dúvida.

— Quero ver o que eles tiraram de nota — disse Fran como algo obvio — afinal ensinamos Harry, Rony e você.

— Esta bem — disse Pamella dando de ombros — vamos nos encontrar as 19:00.

— Pode deixar — disse Fran colocando a mão no espelho — espelho, espelho encerre isso por inteiro.

Apesar de ser domingo Allinny tinha muitas coisas para fazer, encantou a casa para auto se limpar e foi contar o estoque com Lino, mas dessa vez obteve a ajuda do Jorge que parecia querer participar, Fran e Carlinhos se ocuparam de fazer algumas revisões do trabalho, tais como relatórios extensivos, mas Pamella fez faxina no Petit e visitou os pais voltando para casa no horário de se arrumar para ir ao Caldeirão Furado.

Quando chegou o local parecia mais cheio que o normal, as pessoas se espremiam para caber, conseguiu se apertar até chegar a uma mesa onde estava a maioria que ela conhecia.

— O que aconteceu aqui para estar tão cheio? — perguntou ela assim que alcançou a mesa.

— Falta de logística — respondeu Hermione que parecia estar dividindo a mesma cadeira com Gina.

— Como assim? — questionou Pamella sem entender o que ela quis dizer.

— Simples, nosso pessoal da equivalente a quase 20 pessoas a mais no bar — disse Hermione com estatísticas — fora todos os bruxos que já tem costume de vir aqui, que não são poucos.

— Precisamos de um bar maior — simplificou Rony vendo a Vieira franzir o cenho sem entender.

— E aonde vamos arranjar assim de última hora — disse ela quase desesperada.

— O pior é que não conhecemos mais nenhum bar bruxo — disse Justino o que fez a garota saltar por não ter o percebido antes.

— Por que não vamos para os três vassouras? — perguntou Ana de longe sem conseguir sentar.

— Acho que vai dar o mesmo problema de logística — disse Hermione e Pamella viu Allinny na entrada que dava acesso ao beco diagonal.

— Mas que merda esta acontecendo aqui — disse ela olhando em volta.

— Conheço um bar — disse Corner chegando perto da mesa com dificuldades — ele tem dois andares, acho que comporta nosso pessoal.

— Desembucha logo qual é — disse Allinny impaciente sem conseguir chegar na mesa.

— Salgueiro Torto — disse ele sem muita emoção — fica nas proximidades do Ministério da Magia, é melhor hoje todos irem de lareira.

— Certo — disse Hermione se levantando — mas o resto que ainda não chegou.

— Ei Tom — chamou Rony decidido — se algum ex aluno de Hogwarts aparecer diz a ele que fomos ao Salgueiro Torto.

— Pode deixar Weasley.

Todos presentes entraram no beco e foram para a lareira comunitária, pagaram pelo flur e disseram com a voz clara Salgueiro Torto, saindo assim em uma confusão de chamas verdes para outro lugar, um bar quatro vezes maior que o Caldeirão furado, do teto pendia um enorme lustre a velas, tinha diversas mesas redondas e algumas compridas, escadas levavam ao andar de cima que parecia mais vistoso do que o de baixo, no fundo, continha uma enorme estante de bebidas de todos os gêneros e atrás do balcão um vampiro servia os copos, os garçons eram leprechauns que pareciam animados com o trabalho.

— Com licença quer me dar seus casacos — disse um leprechaum com a voz fina e irritante.

— Acho que não estou vestida para esse lugar — disse Gina olhando em volta como era chique e refinado.

— Queremos uma mesa que comporte no mínimo vinte pessoas — disse Corner Pomposo.

— É para já senhor — disse o Leprechau caminhando e todos os seguiram, ele mostrou uma área fechada com uma janela aberta onde tinha duas mesas compridas juntas — aqui será melhor para seu grupo.
Todos começaram a se acomodar, cada um se sentando perto de pessoas que os convinham, outros três leprechaus se adiantaram com espanadores e passaram neles para tirar o pó de flur das vestes.

— Se me quiserem, é só chamar — disse o Leprechau em uma rima improvisada — levante a varinha, vai precisar, diga veni sem timidez.

— Obrigada — disse Allinny sentada bem no meio.

— Não é ilegal ter leprechaus trabalhando? — disse Hermione e Rony virou os olhos.

— Vai começar — disse ele e Mione lhe lançou um olhar de censura.

Na mesa estava Harry, Gina, Rony, Mione, Allinny, Pamella, Justino, Camilla, Ana, Ernie, Zacarias, Ruth, Corner e seus amigos Terêncio e Antonio que ficaram sentados perto da Linny, Dino e Simas chegaram logo foram levados ate eles, depois chegou Neville e Luna e em seguida Collin.

— Senta aqui — Pamella chamou o garoto o fazendo se sentar em um de seus lados sendo o outro ocupado por Justino.

Draco chegou tímido sem trazer ninguém consigo, ficou sentado de frente a Justino com a Pamella torcendo o nariz, Franciele veio acompanhada do marido e se sentou perto de Hermione, logo a mesa grande estava cheia e barulhenta, até Padama apareceu para a celebração.

— Estão esperando o que para falar as notas? — perguntou Francirele depois que todos presentes pediram alguma bebida do bar.

— Tem algumas pessoas que se não tiraram tudo ótimo me deve um galeão — disse Allinny zoando — e se alguns tirarem mais que aceitável também me deve um galeão — seu olhar se demorou em Pamella que estava nervosa para abrir a carta.

— Eu começo — disse Harry que já tinha aberto o envelope em sua casa — tirei a maioria excede a expectativas, mas tenho dois Ótimos, um em Defesa contra as artes das trevas e Feitiços.

— Ok! — disse Fran com pressa — o próximo.

— Vai Hermione quero ver o seu — disse Allinny já puxando a varinha e a garota abriu a carta e fez um barulho de desgosto.

— Que foi? — perguntou Camilla preocupada já abrindo a própria carta.

— Tirei excede expectativa em Estudo dos trouxas — disse ela desgostosa e Rony riu.

— Você esta triste por que tirou uma nota um pouco baixa — disse ele olhando para a carta da namorada — a maioria é ótimo.

— E a sua Camilla? — perguntou Hermione ignorando Rony.

— Eu não tive tanta sorte, tirei a maioria ótima — disse ela e Pamella e Justino se esticaram para ver a carta — mas tive três excede expectativas.

— Em quais matérias? — perguntou Ernie.

— Aritimancia, runas antigas e herbologia — disse ela soltando uma bufa alta.

— Tirei tudo ótimo — disse Corner se gabando.

— Áccio carta do Michel — disse Linny e segurou a carta no ar — tudo ótimo é a cassete, você tirou dois excede expectativa e foi em Runas antigas e Astronomia.

— Você é insuportável — disse Corner recuperando a carta.

— Se a Mione tirou uma nota mais baixa todos vocês tiraram — disse Linny debochadamente e a maioria riu, era uma certa verdade, afinal Hermione era a aluna mais aplicada que todos presentes.

— Pamella abre logo sua carta — disse Franciele curiosa para saber o resultado da irmã.

A garota abriu o envelope com os olhos fechados e enquanto sentia um frio percorrer pela espinha com a mistura de medo e decepção, viu que as notas estavam péssimas e gemeu alto.

— Deixa eu ver — disse Allinny rapidamente — áccio carta da Pamella.

O papel voou para a mão dela que arregalou os olhos quando viu.

— Santa mãe de Deus — disse Allinny horrorizada — você foi péssima.

— Me da aqui — disse Franciele se esticando na mesa para apanhar a carta.

Pamella queria se afundar na cadeira, estava envergonhada e decepcionada, não sabia que iria tirar notas tão ruins.

— Você sabia que para ser auror não pode tirar a baixo de excede a expectativa — disse Allinny e todos estavam disfarçando — e você tirou a maioria aceitável.

— O pior é que não tem nota de prova extra curricular — disse Franciele analisando a carta — você não fez nenhuma do tipo?

— Eu não estudei nenhuma matéria a mais — disse Pamella em sua defesa.

— Podia ter feito pelo menos a prova de estudo dos trouxas — disse Fran inconformada com a nota — você realmente foi ruim nas provas.

— Tirei excede a expectativa em DCAT — disse Pamella tentando amenizar os danos.

— Boa sorte em tentar ser auror — disse Allinny irônica.

Todos continuaram mostrando as notas, a sua maioria tirou notas boas, assim como o Malfoy que tirou a maioria ótima, assim como Ana que tirou a maioria excede as expectativas, Gina também tirou alguns aceitaveis, mas não se incomodou muito com isso. A noite se estendeu pela madrugada enquanto eles bebiam e comiam falando sobre o futuro até todos irem embora.

Na segunda seguinte Pamella ouviu batidas fortes na porta o que a despertou quase uma hora antes de seu relógio tocar, se levantou e colocou seu roupão, abriu a porta e viu Dona Luíza muito com as feições mais zangadas do que de costume.

— A dois Homens querendo falar com você no saguão — disse ela ríspida.

— Eu já vou descer — disse Pamella confusa, quem poderia ser e o que poderia querer.

— Desça agora — disse Dona Luíza sem esperar ela se trocar — e não quero ver mais homens por aqui.

Pamella saiu com a mulher que resmungava e a lembrou de Filch, assim que chegaram no saguão Pamella viu Quim e Percy que a esperava, naquele momento tudo passou em sua cabeça, até mesmo que eles teriam descoberto que ela era animaga e agora ela seria presa.

— Bom dia Sta. Vieira — disse Quim sorrindo cordialmente.

— Bom dia — disse ela confusa quase fugindo.

— Temos assuntos oficiais para falar com você — disse Quim e ela repassou em algo que estava perto do Percy, grande e coberto por um pano sujo — podemos ir em sua casa?

— Claro — disse ela que encaminhou eles para o elevador.

Lá dentro ficaram apertados por causa da coisa coberta, ninguém disse nenhuma palavra enquanto a garota ficava nervosa com a situação, queria saber porque o ministro da magia estava indo em sua casa de forma oficial, chegaram no número 13 e entraram no apartamento apertado de Pamella.

— Estou aqui por causa do testamento de Lavo Dumbledore — disse Quim e o coração da garota deu um salto — as últimas vontades de “Alvo Percival Wulfrico Brian Dumbledore… a Pamella Vieira, deixo minha penseira com os pensamentos que acumulei durante minha vida, porém, apenas depois que suas notas do N.I.E.Ms saírem”.

Pamella sentiu os olhos se encherem de lagrimas, não conseguia acreditar que Alvo lhe deixou suas lembranças, era como que ele tivesse deixado um pedacinho dele para ela, Percy tirou a cobertura da penseira revelando a incrível coleção, a garota a tocou como se fosse um sonho e viu que era real.

— Muito obrigada — disse ela deixando as lagrimas caírem no rosto, Quim deixou os protocolos e a abraçou carinhosamente.

— Você merece — disse ele feliz pela garota.

— Onde você quer que coloque? — perguntou Percy.

— Ali no pé da cama — disse Pamella que não podia ficar com ele no meio da sala.

Percy fez o gabinete levitar e colocou ao pé da cama ficando apertado e dando ao local um ar de descuidado, Pamella que agora sorria tanto que sentia o rosto doer, kingsley alojou a mão em seu ombro e a virou para ele.

— Tome cuidado com essa penseira, é um objeto magico muito poderoso — disse ele em sinal de alerta — use com sabedoria.

— Vou usar — disse ela.

— É bom te ver feliz Vieira — disse Percy.

— Agora temos que ir — disse Quim um pouco sem jeito e o despertador de Pamella tocou — muita coisa pra fazer no ministério.

— Eu também tenho que trabalhar — disse ela acompanhando eles para o saguão — Obrigada Quim, Percy.

Os dois saíram andando sem aparatar por estarem em um bairro trouxa, Pamella pensou se eles não se perderiam, mas deixou isso de lado, se arrumou para trabalhar e não conseguia falar de outra coisa na Gemialidades.

— Eu já falei que agora tenho as lembranças de Alvo Dumbledore — disse Pamella orgulhosa para Rony que riu.

— Você tem que contar para suas irmãs — disse Rony tirando o avental, era seu horário de almoço.

— Vou contar de noite, elas estão trabalhando agora — disse ela contente e Rony saiu pela porta lateral — vê se não demorar, estamos cheios hoje.

Era época de compras para a volta do ano letivo e o beco diagonal estava cheia, assim como a Gemialidades, mas Jorge estava ajudando na loja às vezes se distraindo.

— Ei você é Fred Jorge não é — disse um garoto para Jorge e Pamella sentiu o sangue esvair do rosto.

Jorge pareceu entrar em transe, Pamella começou a abrir caminho pelas crianças para chegar ao cunhado que ficou paralisado olhando para a janela.

— Jorge você esta bem? — perguntou Pamella finalmente chegando até ele.

— Não tínhamos separação — disse ele com a voz baixa — eramos Fred Jorge, agora eu só sou uma metade de dois…

— Você é o Jorge, marido da Allinny e meu cunhado — disse ela tocando o ombro dele que se virou.

— Olho para o espelho e o vejo, mas Fred não está lá de verdade — disse Jorge olhando para ela

— olho para essa janela e me sinto em pedaços, PORQUE TUDO LEMBRA ELE E ISSO DOÍ!

— Jorge — chamou Pamella entrando em pânico.

— Finestra! — gritrou Jorge apontando a varinha para cima.

Ouve um estrondo oco e de repente os vidros da loja expandiram para todos os lados caindo nas pessoas.

— Fiato Duri — disse Pamella para evitar que os compradores se machucasse — Jorge o que esta fazendo.

— Bombarda Máxima — gritou Jorge em um surto.

A loja rimbombou rachando em vários lugares, Pamella foi lançada contra o chão e um caco de vidro entrou em seu ombro, varias pessoas se machucaram incluindo os do lado de fora, Rony estava voltando para a loja quando ouviu a explosão e saiu correndo para a Gemialidades que já estava destruída, as pessoas corriam para fora, as lâmpadas soltavam faíscas ameaçadoras.

— Periculum — disse Rony soltando faíscas vermelhas para cima de modo a chamar ajuda, entrou na loja e viu o irmão apontando a varinha para as coisas — expeliarmus.

Assim que foi desarmado Jorge caiu sentado no chão em prantos, Rony abraçou o irmão enquanto chegava um grupo de quatro bruxos no local, eles trajavam veste cor de ambarl, Pamella se levantou com dificuldades, tocou no vidro em seus braços e pensou duas vezes em tira-lo sem algum curandeiro por perto.

— Temos muitos feridos — disse um deles indo para fora.

— Boa tarde somos o esquadrão de execução da lei da magia — disse um homem alto — fomos chamados ao local.

— Nenhum ex-comensal à vista — disse uma mulher andando — vou chamar o esquadrão de feitiços acidentais.

— Espere — disse outro caminhando até Rony e Jorge e aparando a varinha caída — prior incantato — disse ele colocando uma varinha com a outra que revelou a magia feita pela de Jorge — achei quem destruiu a loja.

— Foi um acidente — disse Pamella se adiantando — ele não fez por mal.

— Você esta ferida — disse a mulher correndo para perto dela.

— Deletrius — disse o homem com as varinhas e a magia sumiu — o que vai determinar se um acidente é a perícia.

Medibruxos apareceram, atendendo todos por perto e um gentil passou um unguento e tirou o caco sem que Pamella sentisse dor depois pingou remédio e disse que iria ficar uma cicatriz no local, a garota não se importava, estava preocupada com o Jorge que nesse momento respondia perguntas zangadas dos aurores.

— Você esta bem? — perguntou Rony preocupado e ela balançou a cabeça afirmativamente sem tirar os olhos de Jorge — como ele fez isso?

— Ficou desesperado — disse ela com a voz fraca, o machucado começou a arder intensamente — se sentiu incompleto e viu que seu reflexo parecia com o Fred.

Algo na conversa dos aurores saiu mal e eles começaram a algemar Jorge, Rony correu para a cena interessar-se evitar um estrago maior.

— Esperem — disse tentando afastar o homem do irmão — o que estão fazendo?

— Ele vai sobre custódia — disse ele segurando Jorge — já sabemos que não foi acidental o que aconteceu.

— Mas ele não pode ir preso — disse Rony começando a ficar desesperado — ele não esta bem.

— Sinto muito Sr. Weasley — disse ele e Rony ficou surpreso de o homem saber quem ele era — mas o que Jorge Weasley fez feriu muitas pessoas e ele ira para prisão temporária.

O esquadrão saiu com Jorge preso enquanto outros faziam reparo para a loja ficar pelo menos aceitável, o jornal também estava lá e tirou uma foto de Jorge antes dos aurores aparatarem.

— Precisamos falar com a Allinny — disse Rony em choque.

— Sim — disse Pamella vendo todos ainda serem atendidos pelos medibruxos — precisamos.

As pessoas começaram a dispersar na Gemialidades enquanto Rony foi até a lareira avisar a cunhada do ocorrido, Pamella se sentou e olhou o grande estrago e se lembrou de Lino Jordam, precisava contar para ele também por ser sócio.

— Posso falar com Allinny Weasley — disse Rony na lareira falando no departamento de execução das leis da magia

— Só um momento — disse uma moça que sumiu das chamas.

— Precisamos falar também com o Lino — disse Pamella entrando na sala.

— Uma coisa de cadas vez — disse Rony impaciente.

— Se você esta me contactando quer dizer que aconteceu algo com o Jorge — disparou Allinny assim que sua cabeça apareceu na lareira — então desembucha de uma vez Rony.

— Jorge foi preso por destruir a Gemialidades — disse Rony e a garota ficou sem fala — o esquadrão de execução da lei da magia apareceu o levou sob custódia.

— Por Merlim! — exclamou ela ficando agitada — eu já vou.

— Ela nem perguntou como esta a loja — disse Rony assim que ela interrompeu a conexão.

— Ela deve estar preocupada com o Jorge — disse Pamella sem se preocupar muito — fala com Lino Jordan.

— Ei Rony o que ta pegando? — disse Lino assim que fizeram com a conecxão.

— Aconteceu um acidente na loja — disse Rony tentando ser mais sucinto que pudesse — Jorge destruiu a Gemialidade por dentro, o esquadrão da execução das leis da magia chegou e levou ele sobe custódia.

— A Linny sabe disso? — perguntou Lino preocupado.

— Sim — disse Rony tentando manter a calma — contamos para ela primeiro.

— A loja ficou muito destruída? — perguntou Lino.

— Bastante.

— Ok! — exclamou Lino parando para pensar um pouco — vão tentando dar uma ajeitada até eu chegar, esta bem?

— Sim — disseram os dois em coro.

Assim que a conexão foi desfeita eles começaram a arrumar as coisas pensando em como Jorge estava e como é que iriam resolver esse caso.


Notas Finais


E ai esta as notas do N.I.E.Ms, pobre Pamella o que sera dela agora, e o JOrge o que vai acontecer, cena dos próximos capitulos.
Vou estar aqui no próximo sábado pois minhas aulas voltaram...

Não deixem de ler e comentarem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...