História As vantagens de sermos amigos (Jungkook - BTS) - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Personagens Originais
Visualizações 428
Palavras 1.560
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas

DESCULPA A DEMORA!!!!

DEPOIS DE TANTO TEMPO.... Vou parar de gritar, bom... depois de tempos final mente essa fic terá um oitro capítulo. Eu achei por um momento que eu não voltaria, mas, estou aqui firme e forte e farei o possível para redimir minha ausensia.

Bom chega de blá blá blá e vamos para o CAPÍTULO

BOA LEITURA ^-^

Capítulo 17 - (Nós dois sofremos!)


Fanfic / Fanfiction As vantagens de sermos amigos (Jungkook - BTS) - Capítulo 17 - (Nós dois sofremos!)

    Tendo notado a clara antipatia entre S/N e sua mãe Jungkook trata ser acalmar os ânimos entre as duas.

– Por quê estão fazendo isso. – Ele fala indignado. – Eu recebi alta mais ainda sinto dor. – Ele usa sua condição como chantagem para cortar a tenção entre as duas. – Tem remédio para tomar agora, e eu preciso descansar.

– Vou cuidar do meu filho, você pode ir embora. E já que ele foi irresponsável e não contou para os pais que estava no hospital eu tenho que cuidar dele ao menos em casa. – A mulher que não parecia ter mais de quarenta e cinco anos, vai até seu filho e o leva para o sofá.

– Senhora Jeon eu irei para uma melhor recuperação, mas dessa vez eu voltarei eu garanto. – S/N parecia decidida em esclarecer tudo e também sábia que o que ela sentia por Kook era algo sólido e recíproco.

Sem muitas discussões S/N partiu e pouco pode dose despedir do seu namorado. Jungkook estava ainda sentado no local que sua mãe o colocou por insistência da própria pois traria refeição que estava pronto para o rapaz.

– Aqui filho. – A mulher trás uma bandeja com ovos arroz e uma sopa de kinchi. Ela o põem em frente dela em cima da mesa de centro. – Coma tudo.

– Quem contou que eu estava acidentado? – Kook pergunta para sua mãe.

– Mães tem seus espiões onde quer que os seu filhos estejam. – Ela senta do lado do seu filho. – Agora coma. – O rapaz a encara e conhecendo sua mãe não discuti mais. – Eu não quero que namore essa mulher. – A senhor foi curta e grossa.

O rapaz sábia que sua mãe não iria ceder sobre isso. Ele respira fundo pois ele teria que ir contra a sua mãe mas, para Kook essa era a única saída, ele não estava disposto a desistir de S/N depois de ter esperado três anos, sem ao menos saber se ela ia voltar.

– Mãe a senhora veio me ver e cuidou de mim quando a S/N foi embora. – O rapaz que estava com a tigela na mão a coloca revolta na bandeja e respira fundo. – Eu fiquei triste, me sentia muito mau, estava com raiva dela por ter ido embora sem ao menos me dizer um adeus.

– Por isso que eu quero que ela se afaste. – Sua mãe segura o rosto do filho o fazendo a encarar. – Eu jamais contesto suas decisões mas, a forma que eu te vi quando eu vim cuidar de você foi doloroso para mim. Você se afundou em trabalho e se isolou de tudo eu não quero que isso aconteça.

– Mãe... – O rapaz segura a mão de sua mãe que estava quase chorando e sorrir para ela. – Eu agradeço a sua preocupação. Mas eu não vou voltar a ficar assim. – Ela fica surpresa com sua resposta. – Eu fazia, não era por que a S/N tinha ido embora.... Mas era porque eu não sabia se ela voltaria para mim.

– Meu filho... – A mulher sofria com as palavras do filho.

– Eu sábia que ela poderia não voltar É para escapar da realidade e por esse tempo todo me enchi de afazeres. Mas quando eu sofri o acidente foi ela que cuidou de mim, quando acordei o primeiro rosto que eu vi foi o dela e foi ali que eu notei que eu não posso me separar dessa mulher mãe.

– Filho... - A mãe de Jungkook se surpreender com a fala do filho. – Mesmo sabendo que você a ama eu não posso saber se ela também te ama desta forma. Ela te abandonou de uma hora para outra, não tenho como saber o que ela senti por você. E se ela quiser apenas brincar com você querido.

– Mãe, pode não parecer mas, a S/N sofreu tanto quanto eu. Eu confio no que ela sente por mim. – Mesmo com tudo isso falado por ele a mulher parecia não aceitado.

– Me desculpa filho mas eu jamais aceitarei essa mulher até eu ter uma prova do seu sentimento e vou deixar por conta do tempo. – A mulher fala isso e se levanta, pega sua bolsa na poltrona e olha para o seu filho e fala antes de sair. – Não se esqueça de comer e não saia de casa até está sarado.

E assim sua mãe se despede. Jungkook sabia que fazer sua a mãe mudar de ideia seria trabalhoso, mas, ele notou que não era impossível. Porém ele iria precisar de uma das maiores interessadas no namoro dele, que era a sua namorada.

No topo da S/N mau tinha chego e sua cabeça já foi a por conta da sua “sogra", estava pensativa. Nem de longe esse era o jeito que ela queria se apresentar para a mãe de Jungkook.

A moça entra no vestiário do hospital e abre seu armaria para e trocar. Logo do lado dela uma moça já se vesti com seu pijama. Ela olha para S/N e fala ao notar sua apatia.

– Nossa o que aconteceu?

– Hum?

– Está desanimada?

– Não... É que... Não é nada. – A moça fala tirando a camisa.

– Não vai me dizer que ele te rejeito depois de dá o endereço dele para a senhora Park? – A mulher fala com um ar surpreso.

– Ele? – S/N estava confusa.

– Ué, o bonitão que estava no quarto desenhos e seis. – A mulher pega seu jaleco dentro do armário.

– C-como você está sabendo disso? – S/N fica nervoso.

– Como ninguém saberia? – Ela coloca seu jaleco e checa os seu bolsos procurando seu crachá. – Além de você parecer sempre está preocupada com ele, a enfermeira estagiária disse que a enfermeira Park falou para ela que você é ele tinha um passado amoroso.

– O-o que?! – A mulher estava com raiva. – Essas enfermeiras fofoqueiras.

– Olha S/N. – A mulher coloca a mão no ombro da S/N e sorrir com um ar zomboso. – É melhor se preparar por que muita gente já sabe.

– O que?! – Cono se não bastasse seu problema hoje de manhã, ela agora tinha que lidar como fofocas sobre sua vida particular nos corredores e vestiários do hospital. – Que vergonha.

Por mais que S/N tivesse problemas em sua cabeça ela ainda era residente e tinha muito trabalho. Porém é claro que um esclarecimento com as espalhadoras de fofoca não iria ser descartado.

Ela chega no lugar em que seu professor que era Hoseok e colegas. Ele já delega os afazeres para cada um deles. S/N e mas um de seus colegas seriam fazer visitas acompanhado de Hoseok e os demais foram para a área de ponto socorro.

O paciente estava em coma e seu o colega residente checava seus sinais, enquanto Hoseok apena observava e S/N anotava.

– Você estava de folga ontem, mas eu juro que te vi. – O médico e Ex de S/N fala baixo de seu lado.

– Acho que foi seu impressão. – A moça ignora.

– Mesmo não estando ontem aqui seu nome estava em alta. – O homem coloca a mão no bolso do jaleco.

– Olha senhor, seja lá a fofoca que tenho ouvido por aí, peço que não releve. – Ela fala calmamente terminando a ficha do paciente e saindo. – A que senhora Park. – Ela encara a enfermeira seriamente.

– Há ... – A senhora sorrir disfarçadamente. – Bom dia senhora S/N.

– Era para ser um dia perfeito. Mas, a reputação das enfermeira se faz de vália. – A mulher estava furiosa.

– Então a senhora que espelhou a história do namorado da médica e do paciente. Uma história e tanto. – O seu superior que estava com ela no quarto fala encostado no balcão.

– Com todo respeito doutor Jung mas isso não é da sua conta. – A mulher estava assinando algo em cima da bancada e apenas tenta o ignorar.

– Não sei por quê essa raiva toda. Ele te rejeito? – Hoseok pergunta debochado.

– Eu ia perguntar isso... - A senhora Park faz coro com o médico.

– Não ele não e rejeitou. – S/N já tinha desistido.

– Ele foi esperto. – O homem fala sorrindo. – Se eu fosse ele também não diria não.

– Mas se ele fosse você ele teria me traído e eu jamais iria atrás dele.

– Vocês namoravam? – A enfermeira chefe fala surpresa.

– Não! – A mulher nega.

– Sim. – Hoseok afirma. – Só que está no passado. – Ele olha para senhora Park. – Eu vou para área de pronto atendimento. Quando terminar vá para o pronto socorro S/N.

S/N parecia um pouco menos estressada por resolver deixar para lá, ela não poderia controlar a língua de todos. Mas ainda estava com raiva.

– A senhora tem que aprender a segurar mais sua língua. Bom dia. – A moça pega sua ficha e sai.

Já estava quase na hora do almoço e S/N já tinha terminado seus últimos atendimento antes do seu horário e ela estava saindo do hospital quando o celular dela toca no bolso de seu jaleco, ao olhar ela vê uma mensagem que dizia.

“Vamos almoçar juntos?”

“ Sim! Onde você está?”

“Olha para frente!”

A mulher olha surpresa para o celular e rapidamente olha para frente e seu amado estava do outro lado da rua e ao ve-lo ela acena e vai até ele, porém antes de chegar uma pessoa a chama.

– S/N... – Uma mulher a chamava e S/N ou olhar se espanta e fala com um sorriso.

– Mãe?! – Depois de S/N ter encontrado a mãe de Jungkook, o destino que já tinha esperado três anos agora no mesmo dia marcava um encontro entre Jungkook e a mãe de S/N.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...