1. Spirit Fanfics >
  2. Asas da Liberdade. >
  3. 10

História Asas da Liberdade. - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - 10


Fanfic / Fanfiction Asas da Liberdade. - Capítulo 10 - 10

Minha mente da voltas, acabo sempre lembrando da risada que ele deu, algo tão inesperado e tão bonito. Balanço a cabeça rápido, tenho que tirar esses pensamentos de mim, olho as horas, já são duas da manhã e ainda não consegui dormir.

Mikasa- Merda.

Reclamo baixinho, levanto da cama, calço um tênis e dou uma olhada no quarto das crianças, continuam dormindo tranquilos, abro a porta e saio para a rua, o vento gelado da madrugada bate em meu rosto, caminho devagar por um tempo, só observando como a noite é bonita e silenciosa, sempre gostei dessa escuridão, começo a correr, passo em frente da escola dos pequenos e vou até um parque que tem à algumas quadras, me sento em um dos bancos e fico olhando o modo como as folhas das árvores balançam levemente até que escuto um barulho atrás de mim, não me mecho, espero que se aproxime, a pessoa caminha devagar e quando está a alguns passos pulo agarrando seu pulso, o rosto dele está tampado pelo chapéu e o sobretudo balança por conta do vento, meu peito dói, lágrimas ameaçam cair, estou com medo mas não posso demonstrar isso à ele.

- Parece que me ouviu chegar.

Ele levanta o rosto e sorri, aquele sorriso que me trouxe pesadelos durante anos, em sua mão que estou segurando noto uma faca afiada, respiro fundo antes de tomar coragem para falar.

Mikasa- Porque você voltou?

Escuto uma risada seca e com um movimento rápido ele se solta, fico alerta.

- Já deve imaginar, vim cobrar minha dívida.

Quase rosno de raiva.

Mikasa- Sua dívida foi paga à muito tempo!

- Não é isso que me lembro.

Diz pondo uma mão no queixo, é sempre assim, ele empresta dinheiro e faz favores, depois que lhe pagam começa a persegui-los, querendo sempre mais.

Mikasa- Você já acabou com minha vida, quer mais oque?!

- Acho que você ainda tem umas pessoas importantes.

Lembro de Carla, Eren e meus amigos, meu corpo treme involuntariamente.

Mikasa- Você não vai fazer nada à eles!

- Será que não?

Antes que eu tenha tempo para responder ele avança contra mim, desvio de sua faca me afastando e ele volta a tentar me atingir, sempre com um sorriso no rosto.

- Acho que devia brincar com aquelas criancinhas também, ou talvez com o loiro. Você gostaria que eu brincasse com eles?

Mikasa- VOCÊ NÃO VAI ENCOSTAR NELES!

Grito indo para cima do mesmo, consigo acertar um soco em seu rosto mas acabo levando um corte no braço, lhe acerto mais um vez, agora em sua barriga e tenho que saltar para trás escapando de outro corte, ele sorri diabolicamente e para de se mover.

- Continua ágil garotinha, vamos resolver isso depois, eu vou voltar para cobrar minha dívida. É melhor estar preparada.

Ele se afasta e some entre as árvores do parque, vou até o lugar em que estava mas não encontro sinal dele, grito de raiva e frustração, porque ele tinha que voltar?! Começo a correr de volta para casa sentindo meu braço arder mas não faço questão de parar o sangramento. Quando chego vou direto no quarto dos meus irmãos, eles continuam dormindo, suspiro aliviada e tomo um banho rápido, limpo o corte em meu braço com álcool, olhando bem parece precisar de uns pontos mas como foi no direito não vou conseguir fazer isso sozinha, talvez depois eu peça ao Armin para me ajudar, retiro um remédio da minha caixa de primeiros socorros passando no local e enrolo uma faixa apertada. Vou até o quarto dos pequenos novamente me deitando no chão entre suas camas, não vou conseguir dormir se não estiver aqui, fecho os olhos e espero o despertador tocar.

-------------------------------------------------------

Não devo ter dormido mais que duas horas essa noite e agora sentada na mesa enquanto tomo café com as crianças noto que isso vai me afetar. Elas falam animadas sobre uma surpresa que a professora vai fazer, pego suas mochilas e entrego para eles, hoje o dia está bem frio então coloco um casaco em cada um. Sinto uma fisgada no braço quando o estico demais e olhando para minha blusa social branca noto que está ficando vermelha de sangue, tampo rapidamente a mancha com a mão.

Mikasa- Espere um pouco pequenos, vou vestir uma blusa mais quente.

Eren- Anda logo onee-chan, queremos ver a surpresa da tia História!

Carla somente concorda sorrindo. Entro novamente em meu quarto e pego uma blusa também social só que preta, visto um casaco com estampa miltar e me olho no espelho rapidamente, hoje estou usando uma calça em vez da saia e me sinto bem melhor. Ando até a sala, os dois já estavam na porta.

Mikasa- Que apressados.

Digo e vamos caminhando até a escola, tive que acorda-los um pouco mais cedo para que pudéssemos ir juntos, vou ter que pegar um ônibus novamente, o senhor Hannes levou meu carro para a oficina.

Carla- Ei onee-chan, o tio Armin vai vim mesmo?

Pergunta enquanto da pequenos pulinhos, ela segura minha mão esquerda e o Eren a direita, faço de tudo para tentar deixar o braço parado mas as vezes ele da uns puxões me causando fisgadas de dor.

Mikasa- Vai sim, vou comprar sorvete para nós.

Eren- Vai ser muito legal!

Ele diz super animado, concordo e continuamos a andar, logo chegando na escola. Me abaixo e os abraço, eles correm até a professora que esperava no portão, aceno para ela, caminho um pouco mais e chego no ponto de ônibus.
Assim que entro no meu andar noto que Sasha fica me encarando por mais tempo que o normal, vou até sua mesa e lhe dou um bom dia.

Mikasa- Oque foi?

Sasha- É que você está tão bonita hoje, quer conquistar alguém?

Pergunta com um sorriso malicioso, reviro os olhos e me afasto um pouco.

Mikasa- Não diga bobeiras.

Começo a andar até minha sala mas logo alguém esbarra em meu braço machucado, solto um pequeno resmungo e me viro para ver quem é.

Erwin- Me desculpe senhorita Mikasa.

Ele está usando um terno azul e tenho que olhar para cima pra poder encara-lo, o senhor Ackerman está ao seu lado me analisando, usa seu típico terno preto e mesmo ele é mais alto que eu.

Mikasa- Não tem problema.

Erwin- Se não for um incômodo tenho que lhe dizer, está muito bonita hoje.

Seu sorriso é radiante e trás uma sensação de calma, se parece com o Armin.

Mikasa- Muito obrigada senhor.

Digo tocando de leve uma mecha do meu cabelo, não costumo ser elogiada, ainda mais por homens importantes assim, noto que o senhor Ackerman vira seu rosto rapidamente e entra em sua sala, Erwin gargalha com seu ato e logo vai atrás. Vou até minha sala também e sento em frente ao computador começando a trabalhar, está mais quente aqui e tiro o casaco. Logo sou chamada até a sala do senhor Ackerman.

Mikasa- Precisa de algo?

Pergunto quando já estou do lado de dentro, Erwin está sentado em uma cadeira e analisa alguns papéis.

Sr. Ackerman- Preciso que vá até o Arlert e o chame para mim, ele não está atendendo o telefone.

Concordo. Assim que entro no andar de Armin passo direto pela sala dos outros dois, bato em sua porta e entro.

Mikasa- O senhor Ackerman está te chamando.

Ele me olha sorrindo antes de se levantar.

Armin- Meu telefone quebrou, vou ter que comprar um novo.

Vejo uma bolsa jogada no canto da sala, ele não esqueceu que vai dormir lá em casa.

Mikasa- Você é muito desastrado.

Digo quando já entramos no elevador, ele faz um bico fofo e não resisto, aperto suas bochechas.

Armin- Não me trate como um bebezinho.

Mikasa- Mas você é meu bebê, não reclame.

Abraço sua cintura de lado com o braço bom, ele me olha um pouco surpreso mas depois sorri, não costumo demonstrar carinho assim. Passamos pela Sasha ainda abraçados e quando chegamos na frente da sala do senhor Ackerman o solto, ele bate na porta logo entrando enquanto segura minha mão.

Armin- Oque deseja senhor?

Vejo que ele olha para nós dois um pouco nervoso, não entendo bem o motivo mas noto que ainda estamos de mãos dadas, solto Armin rápido, ele deve achar que temos algo e isso é proibido dentro da empresa.

Sr. Ackerman- Vamos conversar sobre o caso das crianças que desapareceram.

Ele concorda e se senta ao lado de Erwin, vejo que fica levemente vermelho quando o mesmo sorri para ele, Armin seu danadinho. Quando estava prestes a me retirar o senhor Ackerman se vira para mim e me chama.

Sr. Ackerman- Venha até aqui Jaeger, talvez precisemos de você.

Ele acena para que fique ao seu lado e mesmo um pouco desconfortável vou. A pequena reunião deles passa devagar, ficam horas conversando sobre o caso e vez ou outra digo algo, Armin olha para mim com um sorriso orgulhoso e assim que terminam eles se levantam para sair da sala, Erwin segura minha mão direita e a balança de um jeito firme me causando um pouco de dor, Armin chega mais perto me abraçando e acaba tocando em meu machucado, sua mão fica vermelha, por conta da blusa ser escura eu não tinha notado que está sangrando tanto, ele me olha assustado mas cochicho em seu ouvido.

Mikasa- Não faça alarde, depois te conto tudo.

Meio relutante concorda e saí, toco discretamente em meu braço, isso está doendo muito.

Sr. Ackerman- Pode ir almoçar.

Saio da sala indo até o banheiro, preciso parar o sangramento. Quando tiro a blusa para ver melhor escuto um barulho na porta.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...